Função Auxiliar: Sentimento Introvertido (Fi) – ESFP/ENFP

Publicado por

Traduzirei e adaptarei na íntegra, então se quiserem ver o original que merece todos os créditos esse é o link: MBTI

Para quem não sabe quais funções tem cada tipo, segue a tabela:

Tipo NickName Funções
ESFJ Cônsul/Provedor Fe, Si, Ne, Ti
ESFP Animador/Performer Se, Fi, Te, Ni
ESTP Empreendedor/Promotor Se, Ti, Fe, Ni
ESTJ Executivo/Supervisor Te, Si, Ne, Fi
ENTP Debatedor/Inventor Ne, Ti, Fe, Si
ENTJ Comandante/Marechal Te, Ni, Se, Fi
ENFJ Protagonista/Professor Fe, Ni, Se, Ti
ENFP Ativista/Promotor Ne, Fi, Te, Si
ISTJ Logístico/Inspetor Si, Te, Fi, Ne
ISTP Virtuoso/Artesão Ti, Se, Ni, Fe
ISFJ Defensor/Protetor Si, Fe, Ti, Ne
ISFP Aventureiro/Compositor Fi, Se, Ni, Te
INTJ Arquiteto/Mastermind Ni, Te, Fi, Se
INTP Logicista/Arquiteto Ti, Ne, Si, Fe
INFP Mediador/Curandeiro Fi, Ne, Si, Te
INFJ Advogado/Conselheiro Ni, Fe, Ti, Se

Como funcionam as funções Auxiliares:

A função dominante inevitavelmente tem muitos pontos cegos, porque ela apenas se concentra num aspecto da realidade. Quando enfrentamos situações/problemas mais complicados ou sofisticados, o escopo da função dominante torna-se muito estreito/limitado e nós começaremos a sentir que estamos está em conflito com a realidade. Para resolver esse conflito, precisamos empregar nossa função auxiliar para fornecer um ponto de vista alternativo que, com sorte, nos ajude a ver a situação em uma nova luz, trazendo assim mais equilíbrio para nossa perspectiva.

A função dominante funciona como que por reflexo, pois aprimoramos sua visão e adaptamos seu uso ao longo de muitos anos. Mas a função auxiliar precisa ser usada de forma mais deliberada, porque estamos menos acostumados a ver o mundo através dessa lente, por isso precisamos despender algum esforço para “focá-la” adequadamente. Podem levar vários anos para aprendermos a usar bem a função auxiliar.

Quando a função dominante produz algum atrito ou conflito com a realidade, podemos responder a esse conflito de duas maneiras.

Nós podemos:

1) Aceitar o conflito e lidar com ele adequadamente

2) Nos comportar defensivamente e tentar negar que qualquer coisa está errada. Claro, negar problemas significa que eles nunca serão resolvidos.

A função auxiliar ajuda a equilibrar a função dominante de duas formas importantes:

  1. Se a função dominante for introvertida (I), a função auxiliar será extrovertida (E) e vice-versa. Isso ajuda a manter um equilíbrio adequado entre nossos mundos interno e externo.
    1. Os Extrovertidos que não usam a função auxiliar acabam tornando-se hiperativos no mundo externo, agindo de forma muito precipitada e não refletindo o suficiente ao tomar decisões.
    2. Os Introvertidos que não usam a função auxiliar acabam tornando-se muito isolados em seu mundo interior, cedendo à passividade e não se envolvendo o suficiente com o mundo externo.
  2. Se a função dominante é uma função Perceptiva (S/N), a função auxiliar será uma função Julgadora (T/F) e vice-versa. Isso ajuda as pessoas a tomarem melhores decisões, garantindo que elas coletem dados suficientes e avaliem as informações adequadamente.
    1. Os tipos que tem como dominante uma função Julgadora tenderão a tirar conclusões com muita rapidez, então eles precisam coletar mais dados através da auxiliar antes de prosseguirem.
    2. Os tipos que tem como dominante uma função Perceptiva tendem a ter dificuldade em classificar/analisar todos os dados que eles coletam, então eles precisam usar uma função Julgadora para fornecer critérios sólidos para avaliarem as informações corretamente.

O papel da função auxiliar na estrutura funcional é extremamente importante para a saúde psicológica. Sem o seu funcionamento saudável, as pessoas serão muito mais propensas a esgotar a função dominante, o que pode eventualmente levar à comportamentos mais frequentes de Loop Dominante/Terciária ou nas garras da Inferior (In The Grip).

Uma vez que a função auxiliar é orientada na mesma direção que a função inferior, ela serve como uma forma de compensação em termos de ajudar a combater alguns dos efeitos negativos de nossos impulsos inferiores inconscientes.

Podemos usar a função auxiliar como uma via adicional para dispersar energia mental, afim de evitar que a função dominante entre em “superaquecimento”.

Portanto, aqueles que sofrem de Loops ou Grips devem tornar o desenvolvimento da função auxiliar uma prioridade para restaurar um equilíbrio saudável da sua personalidade.

Fi Auxiliar (ESFP / ENFP)

ESFP (SeFi)

Se em conflito

A Se dominante deseja maximizar o engajamento sensorial com os elementos positivos do mundo externo a fim de aproveitar as oportunidades para experimentar a riqueza da vida. No entanto, pode ficar muito confusa na busca de estimulação que não vale a pena por causa do erro de cálculo de como uma experiência significativa deve ser.

Isso pode resultar em subestimar ou ignorar a necessidade de estabilidade interna ou qualquer outra coisa que seja considerada como restrição da liberdade de explorar o mundo. Para outras pessoas, a dependência pesada na Se parece impulsiva, irresponsável ou superficial.

Fi saudável

Fi saudável deve voltar a atenção de Se para a experiência interna ou subjetiva. Através de Fi, Se pode fazer melhores julgamentos morais, mudando a sensação de fora para dentro, refletindo sobre valores pessoais.

Ao tomar mais tempo para tomar decisões reflexivas, Se pode avaliar melhor se as oportunidades irão promover o bem-estar pessoal e emocional. É especialmente importante para Se entender que os valores pessoais são um guia inestimável para navegar pelo mundo com integridade e empatia.

Fi saudável deve servir para compensar Ni inferior, ajudando Se a entender por que é importante pensar sobre implicações morais antes de agir, em vez de mergulhar em situações ao acaso.

Quando Se consegue entender os benefícios da adoção de valores morais como a empatia e a sensibilidade à limites individuais, os ESFPs terão uma autoconfiança maior por possuir direção conscienciosa, bem como a capacidade de autocuidado responsável.

Se deveria perceber que fazer decisões reflexivas realmente aumenta o prazer das experiências imbuindo-as com mais significado pessoal e paixão, ao invés de assumir que uma reflexão cuidadosa é restritiva ou limitativa de alguma forma.

Fi saudável também pode aumentar a capacidade de motivar e promover mudanças positivas, tornando Se mais envolvida com as pessoas inspiradoras buscando melhorar a qualidade de vida ou encorajando-as a serem resistentes face a problemas.

Fi pouco saudável

Quando Se resiste a Fi, evita ou rejeita a necessidade de consciência e introspecção e depende muito de feedback externo para manter uma sensação de abertura. Esses ESFPs tendem a se comportarem de maneiras que parecem egoístas, descuidadas ou desnecessariamente audaciosas, ignorando áreas importantes da vida que exigem um maior desenvolvimento.

Quando Se sobrecarrega Fi, torna-se excessivamente preocupada com a validação de crenças pessoais por querer usá-las como uma fonte estável de significado existencial. Esses ESFPs são propensos a serem muito dramáticos ou extremos em qualquer crença equivocada que eles adotam, não conseguindo ver como suas ações podem prejudicar inadvertidamente os outros.

Sejam resistentes ou excessivos, ambos os casos exemplificam maneiras imaturas de evadir a auto-reflexão ou problemas pessoais, a fim de manter a liberdade superficial ou a flexibilidade no mundo externo.

Os comportamentos as Se não saudáveis ​​a longo prazo acabarão levando a descontentamento insatisfatório por falta de objetivos significativos, comportamentos destrutivos, exaustão ou incapacidade de expressar o genuíno exterior externamente.

ENFP (NeFi)

Ne conflito

A dominante Ne quer maximizar o engajamento com novas ideias e possibilidades no mundo externo, a fim de aproveitar as oportunidades para fazer progressos ou melhorias. No entanto, pode tornar-se também desfocado em perseguir ideias que não valem a pena por não atender às prioridades pessoais.

Isso pode resultar em subestimar ou ignorar a necessidade de estabilidade interna ou qualquer outra coisa que seja considerada como restrição da liberdade de explorar possibilidades. Para outras pessoas, essa dependência pesada na Ne parece dispersa, irresponsável ou impraticável.

Fi saudável

Fi saudável deve voltar a atenção da Ne para a experiência interna ou subjetiva. Através da Fi, Ne pode fazer melhores julgamentos morais, mudando a sensação de fora para dentro, refletindo sobre valores pessoais.

Ao dedicar mais tempo para tomar decisões reflexivas, Ne pode avaliar melhor se perseguir uma nova ideia irá promover o bem-estar pessoal ou emocional. É especialmente importante para Ne entender que os valores pessoais são um guia inestimável para navegar pelo mundo com integridade e empatia.

A Fi saudável deve servir para compensar a Si inferior, ajudando Ne a entender por que é importante ter uma identidade moral estável para se ancorar, em vez de buscar novas possibilidades ao acaso.

Quando Ne consegue entender os benefícios da adoção de valores morais como empatia e sensibilidade a limites individuais, o ENFP terá uma autoconfiança mais substancial por ter uma compreensão mais realista das conseqüências, bem como a capacidade de auto-aperfeiçoamento responsável.

Ne deve perceber que fazer decisões reflexivas realmente aumenta as chances de descobrir ideias valiosas, imbuindo-as com mais significado pessoal, ao invés de assumir que uma reflexão cuidadosa é restritiva ou limitativa de alguma forma.

Fi saudável também pode aumentar a capacidade de motivar e promover o progresso pessoal ou social, tornando Ne mais criativa na realização de um potencial positivo que possa beneficiar o bem-estar humano com resultados tangíveis.

Fi não saudável

Quando Ne resiste à Fi, evita ou rejeita a necessidade de consciência e introspecção e depende muito de fontes externas de estimulação mental para manter uma sensação de abertura.

Esses ENFPs tendem a comportar-se de maneiras que parecem egoístas, descuidadas ou instigantes, ignorando áreas importantes da vida que exigem um maior desenvolvimento.

Quando Ne sobrecarrega Fi, torna-se excessivamente preocupada com a validação de crenças pessoais por querer usá-las como uma fonte estável de identidade pessoal. Esses ENFPs são propensos a serem muito dramáticos ou extremos em qualquer crença equivocada que eles adotam, não conseguindo ver como suas ações podem inadvertidamente prejudicar os outros.

Sejam resistentes ou excessivos, ambos os casos exemplificam maneiras imaturas de evadir a auto-reflexão ou problemas pessoais, a fim de manter a liberdade superficial ou a flexibilidade no mundo externo.

Os comportamentos de vida não saudáveis ​​a longo prazo acabarão levando a insatisfação rastejante devido à incapacidade de alcançar um progresso significativo, comportamentos destrutivos, exaustão ou uma incapacidade de expressar-se o genuinamente externamente.

Referências: MBTI

Anúncios

Deixe uma resposta