Função Inferior: Pensamento Extrovertido (Te) – INFP/ISFP

Vou aproveitar que compartilharam uma página que achei muito boa e fazer os posts das 8 funções como inferiores. Traduzirei e adaptarei na íntegra, então se quiserem ver o original que merece todos os créditos esse é o link: MBTI

A função inferior é a mais difícil de entender e descrever. Ele incorpora a parte de nós da qual aceitamos menos. Embora muitas vezes não estejamos conscientes de suas atividades, seria impreciso descrever a função inferior como “fraca”, porque todas as nossas funções principais são poderosas à sua maneira. O poder e a força da função inferior, na verdade, vem da suposição equivocada de que ele não tem poder. Subestimamos a função inferior e por isso corremos vários riscos.

Para quem não sabe quais funções tem cada tipo, segue a tabela:

Tipo NickName Funções
ESFJ Cônsul/Provedor Fe, Si, Ne, Ti
ESFP Animador/Performer Se, Fi, Te, Ni
ESTP Empreendedor/Promotor Se, Ti, Fe, Ni
ESTJ Executivo/Supervisor Te, Si, Ne, Fi
ENTP Debatedor/Inventor Ne, Ti, Fe, Si
ENTJ Comandante/Marechal Te, Ni, Se, Fi
ENFJ Protagonista/Professor Fe, Ni, Se, Ti
ENFP Ativista/Promotor Ne, Fi, Te, Si
ISTJ Logístico/Inspetor Si, Te, Fi, Ne
ISTP Virtuoso/Artesão Ti, Se, Ni, Fe
ISFJ Defensor/Protetor Si, Fe, Ti, Ne
ISFP Aventureiro/Compositor Fi, Se, Ni, Te
INTJ Arquiteto/Mastermind Ni, Te, Fi, Se
INTP Logicista/Arquiteto Ti, Ne, Si, Fe
INFP Mediador/Curandeiro Fi, Ne, Si, Te
INFJ Advogado/Conselheiro Ni, Fe, Ti, Se

O Papel da Função Inferior

À medida que você desenvolve, é natural tornar-se mais dependente da função dominante e reprimir de forma involuntária a função inferior, a fim de conferir à função dominante um controle tão consciente quanto possível da vida. No entanto, a função dominante não pode lidar com a realidade por conta própria sem se sentir cada vez mais exaurida à medida que você a usa até o limite, ao mesmo tempo em que prefere ignorar suas fraquezas. À medida que você suprime mais fortemente a função inferior e resiste à sua perspectiva das coisas, sentirá-se gradualmente reprimido e sua energia reprimida começará a “escorrer” para sua mente consciente sob a forma de impulsos ou compulsões inexplicáveis, especialmente quando se sente frustrado ou emocionalmente vulnerável.

Quando você depende muito da função dominante por longos períodos de tempo, as funções abaixo não podem funcionar de forma saudável, e a função inferior permanece profundamente submersa na mente inconsciente, enquanto você continua reprimindo essa perspectiva em favor da função dominante.

À medida que a função dominante vai sendo empurrada para além das suas capacidades, você se sentirá cada vez mais estressado porque haverá muitos problemas na vida com os quais você não pode lidar com uma perspectiva tão estreita e limitada.

Quando o estresse da vida esgota seu foco e energia mental até chegar á níveis críticos, a função dominante irá chegar à um ponto de desgaste tão grande e pode fazer com que você perca o controle de si mesmo, e isso permite que os impulsos primitivos da função inferior “eruptem” do inconsciente e os levem á sua mente consciente, também conhecido como “estar nas garras” (In The Grip) de sua função inferior.

O grau de reatividade da função inferior estará relacionado à força com a qual você reprime suas atividades. Como a visão da função inferior do mundo é oposta da qual você está acostumado, você irá inconscientemente resistir a essa perspectiva, mesmo que inunde sua consciência. Isso resulta em uma visão distorcida da realidade e os pontos fracos ou destrutivos dessa função se manifestarão.

Ao liberar a energia reprimida da função inferior, você pode encontrar algum alívio temporário do estresse; No entanto, os comportamentos extremos fora de equilíbrio ou destrutivos que surgem geralmente podem exacerbar os problemas que estavam causando o estresse, que potencialmente podem criar um padrão negativo de comportamento destrutivo.

De acordo com a teoria das funções cognitivas, a psique é um mecanismo de auto-equilíbrio. Quando a função inferior entra em erupção, está lhe enviando uma mensagem informando que sua psique está fora de equilíbrio porque você está dirigindo a maior parte de sua energia mental para a função dominante.

Isso significa que há um lado positivo nessa manifestação da função inferior em termos de nos dizer onde precisamos crescer e melhorar para reequilibrar a nós mesmos. Aprender a usar a função inferior apropriadamente recalibra a distribuição de energia para que sua psique possa estabelecer um melhor equilíbrio.

Portanto, em vez de reprimir a função inferior, devemos gradualmente aprender a estar mais conscientes dela e menos resistentes á ela. Embora você não possa usar a função inferior como abordagem principal da vida como uma função dominante, você pode aprender a respeitá-la pela sua força e poder.

À medida que você entende o valor da função inferior e as vantagens que pode ela lhe proporcionar na vida cotidiana, seu poder de perturbar sua mente consciente desaparecerá gradualmente. Você ganhará uma nova perspectiva para entender a vida, o que levará a comportamentos mais adaptativos e efetivos.

Inferior Te (ISFP/INFP)

Os Fi-doms podem usar Te conscientemente para tarefas que requerem atenção aos padrões, ordem e previsibilidade dos eventos externos. Por exemplo, ao trabalhar em um projeto, é necessário entender os padrões para avaliar o produto final e depois organizar/planejar etapas lineares e lógicas para concluí-lo corretamente.

No entanto, uma vez que Te é a força adversa à Fi, o Fi é muito propenso a reverter e reprimir o Te e compreender a sua natureza fundamental. Enquanto os Fi-doms podem usar Te de maneiras muito simplistas, eles não podem entender o uso de Te como uma “abordagem principal da vida” como uma função dominante, e aí está a principal fonte de conflitos psicológicos.

Fi se concentra na compreensão da experiência individual, promovendo a consciência do mundo psicológico interno de valores, necessidades, limites, limites, pensamentos, sentimentos, emoções, preferências, etc.

Quando os Fi-Doms dependem muito da Fi, eles se identificarão com as atividades da Fi, usando a profundidade da experiência pessoal para construir a base de sua identidade. Por isso, a Fi se sentirá continuamente ameaçada pela perspectiva de Te porque Te tem o potencial de interromper ou destruir a autoimagem do ego.

Te está focada em aplicar padrões/julgamentos universais, bem como garantir resultados eficientes através de generalizações. Mas Fi tende a interpretar mal Te como sendo fria, estéril, crítica, indiferente, desrespeitosa e até mesmo visando eliminar as diferenças individuais.

Em última análise, Fi rejeita vigorosamente a perspectiva de Te porque teme que os padrões e generalizações universais degradem a experiência individual e, sem valorizar a própria experiência, a vida de alguém não tem mais nenhum significado especial. Portanto, os Fi-doms insalubres ou imaturos fazem o máximo para rejeitar Te buscando proteger sua imagem do ego como uma pessoa “única, sensível e reflexiva”.

No entanto, quando os Fi-doms dependem muito da Fi e suprimem o Te, eles desenvolverão uma visão excessivamente subjetiva e solipsista do mundo. Em vez de usar Te apropriadamente, Fi usará Te para confirmar seus próprios julgamentos, valores ou expectativas preconceituosas.

Em outras palavras, os Fi-doms desenvolverão uma tendência inadaptada para interpretar erroneamente os padrões externos de valor ou realização, por exemplo, eles podem considerar esses padrões como opressivos e se opõem desnecessariamente, ou podem, inconscientemente, adotar valores morais equivocados os quais impõe injustificadamente à si mesmos e aos outros.

Quando o Fi não está funcionando de forma saudável, os Fi-doms serão mais propensos a se comportar de maneiras que parecem irracionais, auto-centradas, hipersensíveis ou obstinadas, o que levará a uma crescente auto-estima flutuante e a um acúmulo de sentimentos de isolamento, inadequação ou inutilidade, especialmente quando eles são incapazes de organizar ou expressar suas ideias/valores de forma coerente e, como resultado, acham difícil alcançar metas significativas na vida.

Nenhuma função pode ser totalmente suprimida, de modo que o Te inferior irá penetrar na consciência de maneiras estranhas. Te deseja previsibilidade e é sente-se confortável em ver a realidade externa como tendo regras, estruturas e limites rígidos que devem ser aderidos a fim de tornar a vida tão suave e eficiente quanto possível.

Isso pode criar uma sensação subjacente de inquietação ou rebeldia em Fi-doms porque Fi fundamentalmente exige a liberdade de determinar e honrar seus próprios limites. Assim, quando o Fi se torna excessivamente desgastado, os Fi-doms podem exibir tentativas um tanto desesperadas em ir contra padrões/estruturas externas como forma de reforçar seu próprio direito à autoexpressão e defender-se contra a natureza sufocante e inflexível de Te.

Por exemplo, eles podem: procurar maneiras superficiais de expressar sua autoimagem externamente, explorar idéias ou ideologias “alternativas” para evitar o sentimento de ser comuns/inaltênticos, buscar sem fim imergir em experiências “significativas”, sendo rápido para detectar a “falsidade” ou a insinceridade em outros, sendo rápido em apontar falhas ou imprecisões no “sistema”, concentrar muita atenção na ideia de maldade ou injustiça, adotar uma abordagem rígida ou preta/branca para a moralidade, será excessivamente confiável sobre a verdade e a coerência de seus próprios julgamentos morais, julgará pessoas que vivem “comumente” como sem imaginação ou controle, se tornarão mais sensíveis às críticas, se tornarão muito evitantes ou avessas ao conflito, tentarão limitar suas interações e experiências sociais, restringindo-se ao que consideram pessoalmente aceitável/confortável, e assim por diante.

No entanto, isso significa que a Fi não entendeu a verdadeira fonte de seu próprio desconforto e, portanto, o conflito subjacente permanece sem solução. Fi vê Te como o “inimigo” e não como uma parte importante e útil de sua própria psique. Quanto mais tempo este conflito entre Fi e Te continua, maior a probabilidade de sucumbir às “garras”.

O Fi pode tentar resistir a uma experiência “In The Grip” projetando sua confusão externamente nos outros. Não querendo fazer um olhar crítico sobre si mesmo, a Fi pode culpar o mundo exterior por sua própria incapacidade de se envolver com a Te, por exemplo, julgando que outras pessoas são demasiado conformistas e/ou criticar as estruturas sociais como sendo demasiadamente opressivas.

Por um lado, Fi-doms anseiam por uma conexão com o mundo Te e inconscientemente deseja ter a clareza mental, a eficácia e as conquistas dos melhores Te-doms; Por outro lado, eles se recusam a si mesmos satisfazer esse desejo e, em seguida, se retiram defensivamente, criando uma mentalidade autocompasiva, sentindo-se subestimados ou inadequados, ignorando o problema real. Quanto mais eles resistem aos padrões objetivos do mundo externo, mais eles se sentirão vinculados ou definidos por esses padrões.

Episódios “In The Grip” podem ser desencadeados de uma variedade de maneiras, tais como:

  • Ter um valor pessoal importante violado;
  • Passando o tempo num ambiente social negativo, hostil, “direto ao ponto” ou tóxico;
  • Estar sendo alvo de críticas;
  • Testemunhando severas críticas dirigidas à outros;
  • Passando por experiências que provocam o medo de perder ou ser separadas de pessoas importantes;
  • Tendo seus apegos ás certas pessoas desfazendo-se ou sendo invalidados;
  • Ver as pessoas ignorarem os graves problemas pessoais/sociais;
  • Lidar com pessoas que são inautênticas ou desonestas nos relacionamentos;
  • Lidar com pessoas inflexíveis ou dominadoras;
  • Lidar com pessoas que se precipitam no julgamento sem considerar pontos de vista/sentimentos dos outros;
  • Sentindo-se pressionado a cumprir prazos rígidos, regras, rotinas ou procedimentos;
  • Não sendo ouvido ou se sentido desconsiderado pelos outros;
    Sentir que seus esforços não são apreciados;
  • Sendo incapaz de verbalizar de forma coerente/convincente seus pensamentos ou sentimentos quando precisam influenciar os resultados;
  • Sentindo que seu trabalho não tem sentido;
  • Sentindo uma inadequação real ou imaginada devido à incapacidade de definir ou atingir objetivos pessoais.

Quando Fi-doms se tornam estressados ​​e mentalmente cansados ​​até o ponto em que a Fi não pode mais manter seu domínio, os hábitos saudáveis ​​de Te irão finalmente entrar em erupção do inconsciente, dirigindo Fi-doms para render-se a Te, mas de maneira negativa ou destrutiva.

As maneiras pelas quais esses impulsos psicológicos se manifestam comportamentalmente são muitas vezes únicas para indivíduos e circunstâncias, eles podem:

  • Tornar-se suspeito/paranoico e mais propenso a encurralar ou a desencadear pensamentos hostis;
  • Envolver-se em sarcasmo mordaz ou cinismo e projetar suas expectativas pessimistas para o mundo em geral;
  • Entregar-se a fantasias destrutivas dirigidas às pessoas que não gostam;
  • Atacar severamente as pessoas que são negativas ou críticas;
  • Agressivamente ser detalhistas ou criticar os erros das pessoas e repreendê-las por serem incompetentes;
  • Procurar conflitos ou iniciar brigas com pessoas com as quais eles não concordam;
  • Tornar-se controlador ou excessivamente preocupado em ser organizado;
  • Eles perderão sua natureza natural e tolerante e, em vez disso, ficarão obcecados com a verdade ou a precisão, tornando-se temperamental, irritável, combativo, acusatório ou legalista em seus pensamentos.
  • Concentrando-se nas consequências lógicas, eles podem sentir uma necessidade urgente de tomar medidas para corrigir os erros percebidos ou evitar resultados negativos, mas, em última análise, falhar por causa de planos/ações precipitadas e mal concebidas.

Como resultado, eles podem eventualmente voltar essa negatividade ou condenação para dentro e criticar-se por serem inadequados, incompetentes, sem valor, insensíveis ou fora de contato com seus próprios valores fundamentais. Eles podem sentir como se sua vida inteira não valesse nada e todas as coisas podem de repente parecer impossíveis/duvidosas, pois perdem a fé na sua capacidade de permanecerem verdadeiras enquanto continuam participando do mundo.

Para evitar adequadamente uma experiência de aderência, é essencial que a Fi-doms aprendam o valor real da perspectiva Te e as vantagens que ela pode conferir. Para Fi-doms, emergir com êxito de uma experiência “In The Grip” geralmente requer reflexão solitária e se envolver em atividades relaxantes/distrativas, onde sentem-se livres para serem elas mesmas e podem permitir que as emoções negativas se dissolvam por conta própria.

Falar seus problemas pode ser necessário, mas apenas com pessoas que podem ouvir sem julgamento, críticas ou aconselhamento. Uma vez que a intensidade desapareceu um pouco, Fi-doms pode liberar alguma energia negativa, envolvendo atividades produtivas relacionadas ao Te que requerem um foco positivo no planejamento ou ação prática.

Independentemente das atividades escolhidas, devem ter como objetivo liberar e gastar a energia Te de uma maneira que enfatiza seus benefícios, em vez de usar o Te para atacar ou controlar desesperadamente as situações para diminuir o domínio de Fi, permitindo que ele recupere seu equilíbrio e atitude normal.

Como o acesso à função inferior é extremamente difícil de alcançar devido à sua natureza oposta, a função auxiliar também deve ser usada para aliviar a pressão psicológica sempre que possível:

Os ISFPs podem usar as atividades relacionadas ao Se para melhorar sua capacidade de se envolver de forma flexível com o mundo externo por serem aventureiros ou criativos e aprender mais sobre novas pessoas e experiências fora de si (para ver o mundo de forma mais objetiva).

Os INFPs podem usar atividades relacionadas ao Ne para melhorar sua capacidade de se envolver de forma flexível com o mundo externo, através da busca criativa de possibilidades interessantes e da exploração de novas pessoas e idéias fora de si (para ver o mundo de forma mais otimista).

Desenvolvimento contínuo relacionado ao tipo para Fi-doms:

  • Aceitar que você precisa de conquistas e competência, depois trabalhe na construção das habilidades necessárias para atingir seus objetivos.
  • Contrabalanceie seus sentimentos de inadequação ao reconhecer suas habilidades, talentos ou conquistas existentes;
  • Seja mais realista em seus objetivos/expectativas, a fim de evitar estresse/ansiedade indevidos.
  • Use Te conscientemente para desenvolver boas habilidades de crítica verbal.
  • Use Te de forma adaptativa para descobrir/analisar conexões lógicas, alternativas ou prós/contras (ou seja, aprender habilidades de raciocínio crítico).
    Use Te para suportar Fi trabalhando em direção a metas que são importantes para você ou seu sistema de valores.
  • Melhore suas habilidades de escrita crítica para que você possa expressar ideias de forma mais coerente.
  • Evite ser tão severo nas críticas à si mesmo ou aos outros, moderando seu idealismo através da coleta de mais fatos/detalhes antes de fazer julgamentos (ampliar sua visão de situações além de sua experiência pessoal).
  • Aprenda a usar problemas/críticas objetivamente como uma forma de melhorar a si mesmo na direção de seus valores/ideais.
  • Analise seus próprios valores, padrões e auto-imagem para se certificar de que eles são saudáveis ​​e razoáveis, senão eles irão levá-lo mais e mais longe por seu próprio bem-estar.
  • Tente entender os pontos fortes e fracos do Fi para que você possa aprender a se ver com mais precisão e ajustar sua visão quando necessário.
  • Reflita sobre como sua implacável necessidade de usar sua própria experiência como um quadro de referência afeta você e as pessoas ao seu redor.
  • Faça esforços para entender e construir verdadeiramente os pontos fortes naturais de Te;
  • Observe Te-doms saudáveis ​​e aprenda a apreciar seu estilo.
  • Imaginar, recordar ou experimentar cenários da vida real onde Te é mais capaz ou eficaz do que Fi em lidar com a realidade, para que você possa aprender a escolher conscientemente e de forma confortável os comportamentos mais adaptativos.

Adaptado de: Was That Really Me ?: Como o stress cotidiano traz nossa personalidade oculta. Quenk, N. 2002. E não sou louco, eu não sou apenas você: o significado real dos dezesseis tipos de personalidade. Pearman, R. Albritton, S. 1996.

Referências: MBTI

Um comentário em “Função Inferior: Pensamento Extrovertido (Te) – INFP/ISFP

  1. Muito bom! Acredito que nós passamos a valorizar essa função quando encontramos nosso “nicho”, descobrimos nossos talentos. Daí a dedicação e o idealismo encontram o esforço e o método.

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: