Anúncios

Função Auxiliar: Percepção Extrovertida (Se) – ISTP/ISFP

Traduzirei e adaptarei na íntegra, então se quiserem ver o original que merece todos os créditos esse é o link: MBTI

Para quem não sabe quais funções tem cada tipo, segue a tabela:

Tipo NickName Funções
ESFJ Cônsul/Provedor Fe, Si, Ne, Ti
ESFP Animador/Performer Se, Fi, Te, Ni
ESTP Empreendedor/Promotor Se, Ti, Fe, Ni
ESTJ Executivo/Supervisor Te, Si, Ne, Fi
ENTP Debatedor/Inventor Ne, Ti, Fe, Si
ENTJ Comandante/Marechal Te, Ni, Se, Fi
ENFJ Protagonista/Professor Fe, Ni, Se, Ti
ENFP Ativista/Promotor Ne, Fi, Te, Si
ISTJ Logístico/Inspetor Si, Te, Fi, Ne
ISTP Virtuoso/Artesão Ti, Se, Ni, Fe
ISFJ Defensor/Protetor Si, Fe, Ti, Ne
ISFP Aventureiro/Compositor Fi, Se, Ni, Te
INTJ Arquiteto/Mastermind Ni, Te, Fi, Se
INTP Logicista/Arquiteto Ti, Ne, Si, Fe
INFP Mediador/Curandeiro Fi, Ne, Si, Te
INFJ Advogado/Conselheiro Ni, Fe, Ti, Se

Como funcionam as funções Auxiliares:

A função dominante inevitavelmente tem muitos pontos cegos, porque ela apenas se concentra num aspecto da realidade. Quando enfrentamos situações/problemas mais complicados ou sofisticados, o escopo da função dominante torna-se muito estreito/limitado e nós começaremos a sentir que estamos está em conflito com a realidade. Para resolver esse conflito, precisamos empregar nossa função auxiliar para fornecer um ponto de vista alternativo que, com sorte, nos ajude a ver a situação em uma nova luz, trazendo assim mais equilíbrio para nossa perspectiva.

A função dominante funciona como que por reflexo, pois aprimoramos sua visão e adaptamos seu uso ao longo de muitos anos. Mas a função auxiliar precisa ser usada de forma mais deliberada, porque estamos menos acostumados a ver o mundo através dessa lente, por isso precisamos despender algum esforço para “focá-la” adequadamente. Podem levar vários anos para aprendermos a usar bem a função auxiliar.

Quando a função dominante produz algum atrito ou conflito com a realidade, podemos responder a esse conflito de duas maneiras.

Nós podemos:

1) Aceitar o conflito e lidar com ele adequadamente

2) Nos comportar defensivamente e tentar negar que qualquer coisa está errada. Claro, negar problemas significa que eles nunca serão resolvidos.

A função auxiliar ajuda a equilibrar a função dominante de duas formas importantes:

  1. Se a função dominante for introvertida (I), a função auxiliar será extrovertida (E) e vice-versa. Isso ajuda a manter um equilíbrio adequado entre nossos mundos interno e externo.
    1. Os Extrovertidos que não usam a função auxiliar acabam tornando-se hiperativos no mundo externo, agindo de forma muito precipitada e não refletindo o suficiente ao tomar decisões.
    2. Os Introvertidos que não usam a função auxiliar acabam tornando-se muito isolados em seu mundo interior, cedendo à passividade e não se envolvendo o suficiente com o mundo externo.
  2. Se a função dominante é uma função Perceptiva (S/N), a função auxiliar será uma função Julgadora (T/F) e vice-versa. Isso ajuda as pessoas a tomarem melhores decisões, garantindo que elas coletem dados suficientes e avaliem as informações adequadamente.
    1. Os tipos que tem como dominante uma função Julgadora tenderão a tirar conclusões com muita rapidez, então eles precisam coletar mais dados através da auxiliar antes de prosseguirem.
    2. Os tipos que tem como dominante uma função Perceptiva tendem a ter dificuldade em classificar/analisar todos os dados que eles coletam, então eles precisam usar uma função Julgadora para fornecer critérios sólidos para avaliarem as informações corretamente.

O papel da função auxiliar na estrutura funcional é extremamente importante para a saúde psicológica. Sem o seu funcionamento saudável, as pessoas serão muito mais propensas a esgotar a função dominante, o que pode eventualmente levar à comportamentos mais frequentes de Loop Dominante/Terciária ou nas garras da Inferior (In The Grip).

Uma vez que a função auxiliar é orientada na mesma direção que a função inferior, ela serve como uma forma de compensação em termos de ajudar a combater alguns dos efeitos negativos de nossos impulsos inferiores inconscientes.

Podemos usar a função auxiliar como uma via adicional para dispersar energia mental, afim de evitar que a função dominante entre em “superaquecimento”.

Portanto, aqueles que sofrem de Loops ou Grips devem tornar o desenvolvimento da função auxiliar uma prioridade para restaurar um equilíbrio saudável da sua personalidade.

Se Auxiliar (ISTP / ISFP)

ISTP (TiSe)

Ti em conflito

Ti dominante quer liberdade e flexibilidade para descobrir o que deseja saber/aprender com precisão. No entanto, pode tornar-se também autocentrada ou solitária na busca de uma paixão ou interesse pessoal.

Isso pode resultar em subestimar ou ignorar demandas externas, obrigações, relacionamentos ou qualquer outra coisa que seja considerada não relacionada ou irrelevante para seus interesses ou habilidades limitados. Para outras pessoas, quem faz uso apenas da Ti parece distante, arrogante ou egoísta.

Se saudável

Se saudável deve atrair a atenção da Ti para o mundo externo. Através da Se, Ti pode coletar dados empíricos e expandir o sentido de si mesma através da expansão dos limites de seu conhecimento.

Ao observar circunstâncias externas, Ti pode aprender a se adaptar mais eficazmente à situação atual. É especialmente importante para Ti analisar dados sobre como as ações ou comportamentos de si própria afetam os outros ou o resultado imediato dos eventos.

O Se saudável deve servir para compensar a Fe inferior, ajudando Ti a entender por que é importante ajustar-se às demandas do mundo externo, em vez de se fechar para novos conhecimentos e experiências.

Quando Ti consegue entender os benefícios de ser receptiva aos outros, ter uma visão mais ampla da natureza humana e dos relacionamentos, e tirar o máximo proveito das oportunidades da vida, os ISTPs se sentirão menos isolados e melhor conectados às pessoas e ao mundo externo.

Ti deve perceber que as perspectivas de outras pessoas são importantes e meritórias de consideração porque são importantes para uma compreensão completa do mundo, ao invés de tratá-los como irrelevantes ou inúteis.

A Se saudável também pode melhorar a capacidade de dominar habilidades ou sistemas físicos complexos, tornando Ti mais adaptável a como as variáveis ​​mudam de momento a momento e prevenindo ativamente problemas que afetam as pessoas envolvidas.

Se não saudável

Quando Ti resiste à Se, ISTPs fecham-se à qualquer novo conhecimento ou experiência que considerem irrelevante ou ameaçador para a concepção estreita do mundo. Esses ISTPs tenderão a se comportarem de maneiras que parecem fechadas, insensíveis ou desdenhosas, ignorando áreas importantes da vida que exigem um maior desenvolvimento.

Quando Ti sobrecarrega Se, o ISTP torna-se excessivo na busca de novas experiências porque quer reunir sensações e aproveitar experiências sem restrições. Esses ISTPs são propensos a comportamentos não saudáveis, improdutivos, de alto risco ou perigosos e sem sentido, negligenciando seu próprio bem-estar e não entendendo as consequências à longo prazo de suas ações.

Sejam resistentes ou excessivos, ambos os casos exemplificam maneiras imaturas de exercer superficialmente independência e liberdade pessoal contra os limites ou limitações reais ou imaginárias do mundo externo. Os comportamentos não saudáveis ​​à longo prazo de Se acabarão eventualmente tornando-se sentimentos de incompetência e isolamento emocional dos outros.

ISFP (FiSe)

Fi em conflito

Fi dominante quer liberdade e flexibilidade para viver sob próprios valores, a fim de promover a harmonia interior ou reduzir as turbulências internas. No entanto, pode tornar-se também autocentrado e excessivamente focada na experiência individual.

Isso pode resultar em subestimar ou ignorar perspectivas externas, demandas, estruturas, limites ou qualquer outra coisa que seja considerada desconfortável ou irrelevante para seus interesses e valores estreitos/limitados. Para outras pessoas, o uso excessivo da Fi parece egoísta, pouco confiável ou obstinado.

Se saudável

Se saudável deve chamar a atenção de Fi para o mundo externo. Através da Se, Fi pode coletar dados empíricos e expandir o sentido de si mesma através da expansão dos limites de quais experiências podem ser aceitáveis ​​ou confortáveis.

Ao observar circunstâncias externas, Fi pode aprender a encontrar formas mais aventureiras de expressar valores pessoais no mundo. É especialmente importante para Fi observar valores que são compartilhados entre todas as pessoas, a fim de entender a si mesma e outros de forma mais objetiva.

A Se saudável deve servir para compensar a Te inferior ao ajudar a Fi a entender por que é importante encontrar congruência entre a vida interior e o mundo externo, ao invés de limitar-se a um conjunto estreito de valores excessivamente individualistas.

Quando a Fi consegue entender os benefícios de explorar, reconhecer e promover competentemente valores compartilhados dentro do sistema maior, os ISFPs se sentirão menos isolados e mais confiantes em alcançar metas ou sucesso no mundo externo.

Fi deve perceber que as regras e os padrões impessoais são necessários e importantes para que os indivíduos trabalhem em conjunto de forma eficaz, ao invés de observarem-se compulsivamente como separados, únicos ou sufocados pelos padrões convencionais/convencionais.

A Se saudável também pode melhorar a capacidade de ser criativo ou altruísta, tornando a Fi mais interessado em aprender sobre as experiências compartilhadas de todos os indivíduos e como eles reagem ao sistema em que vivem.

Se não saudável

Quando Fi resiste à Se, ISFPs fecham-se à novos conhecimentos e experiências que consideram desconfortáveis ou em violação do conjunto de crenças e valores limitados.

Esses ISFPs tendem a comportarem-se de maneiras que parecem erráticas, amorais ou ineficazes, ignorando áreas importantes da vida que requerem um maior desenvolvimento.

Quando Fi sobrecarrega Se, o ISFP torna-se excessivo na busca de novas experiências porque quer entreter aventuras e desfrutar de experiências sem restrições. Esses ISFPs são propensos a comportamentos não saudáveis, improdutivos, arriscados ou perigosos e sem sentido, negligenciando seu próprio bem-estar e não conseguindo entender as consequências à longo prazo de suas ações.

Sejam resistentes ou excessivos, ambos os casos exemplificam maneiras imaturas de exercer superficialmente individualidade e liberdade pessoal contra os limites ou limitações reais ou imaginárias do mundo externo. Os comportamentos não saudáveis ​​à longo prazo da Se acabará por conduzir a sentimentos negativos de descontentamento ou incompetência, bem como a adoção de valores problemáticos ou equivocados.

Referências: MBTI

Anúncios

Deixe uma resposta

Powered by WordPress.com. Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: