Função Auxiliar: Pensamento Extrovertido (Te) – ISTJ/INTJ

Publicado por

Traduzirei e adaptarei na íntegra, então se quiserem ver o original que merece todos os créditos esse é o link: MBTI

Para quem não sabe quais funções tem cada tipo, segue a tabela:

Tipo NickName Funções
ESFJ Cônsul/Provedor Fe, Si, Ne, Ti
ESFP Animador/Performer Se, Fi, Te, Ni
ESTP Empreendedor/Promotor Se, Ti, Fe, Ni
ESTJ Executivo/Supervisor Te, Si, Ne, Fi
ENTP Debatedor/Inventor Ne, Ti, Fe, Si
ENTJ Comandante/Marechal Te, Ni, Se, Fi
ENFJ Protagonista/Professor Fe, Ni, Se, Ti
ENFP Ativista/Promotor Ne, Fi, Te, Si
ISTJ Logístico/Inspetor Si, Te, Fi, Ne
ISTP Virtuoso/Artesão Ti, Se, Ni, Fe
ISFJ Defensor/Protetor Si, Fe, Ti, Ne
ISFP Aventureiro/Compositor Fi, Se, Ni, Te
INTJ Arquiteto/Mastermind Ni, Te, Fi, Se
INTP Logicista/Arquiteto Ti, Ne, Si, Fe
INFP Mediador/Curandeiro Fi, Ne, Si, Te
INFJ Advogado/Conselheiro Ni, Fe, Ti, Se

Como funcionam as funções Auxiliares:

A função dominante inevitavelmente tem muitos pontos cegos, porque ela apenas se concentra num aspecto da realidade. Quando enfrentamos situações/problemas mais complicados ou sofisticados, o escopo da função dominante torna-se muito estreito/limitado e nós começaremos a sentir que estamos está em conflito com a realidade. Para resolver esse conflito, precisamos empregar nossa função auxiliar para fornecer um ponto de vista alternativo que, com sorte, nos ajude a ver a situação em uma nova luz, trazendo assim mais equilíbrio para nossa perspectiva.

A função dominante funciona como que por reflexo, pois aprimoramos sua visão e adaptamos seu uso ao longo de muitos anos. Mas a função auxiliar precisa ser usada de forma mais deliberada, porque estamos menos acostumados a ver o mundo através dessa lente, por isso precisamos despender algum esforço para “focá-la” adequadamente. Podem levar vários anos para aprendermos a usar bem a função auxiliar.

Quando a função dominante produz algum atrito ou conflito com a realidade, podemos responder a esse conflito de duas maneiras.

Nós podemos:

1) Aceitar o conflito e lidar com ele adequadamente

2) Nos comportar defensivamente e tentar negar que qualquer coisa está errada. Claro, negar problemas significa que eles nunca serão resolvidos.

A função auxiliar ajuda a equilibrar a função dominante de duas formas importantes:

  1. Se a função dominante for introvertida (I), a função auxiliar será extrovertida (E) e vice-versa. Isso ajuda a manter um equilíbrio adequado entre nossos mundos interno e externo.
    1. Os Extrovertidos que não usam a função auxiliar acabam tornando-se hiperativos no mundo externo, agindo de forma muito precipitada e não refletindo o suficiente ao tomar decisões.
    2. Os Introvertidos que não usam a função auxiliar acabam tornando-se muito isolados em seu mundo interior, cedendo à passividade e não se envolvendo o suficiente com o mundo externo.
  2. Se a função dominante é uma função Perceptiva (S/N), a função auxiliar será uma função Julgadora (T/F) e vice-versa. Isso ajuda as pessoas a tomarem melhores decisões, garantindo que elas coletem dados suficientes e avaliem as informações adequadamente.
    1. Os tipos que tem como dominante uma função Julgadora tenderão a tirar conclusões com muita rapidez, então eles precisam coletar mais dados através da auxiliar antes de prosseguirem.
    2. Os tipos que tem como dominante uma função Perceptiva tendem a ter dificuldade em classificar/analisar todos os dados que eles coletam, então eles precisam usar uma função Julgadora para fornecer critérios sólidos para avaliarem as informações corretamente.

O papel da função auxiliar na estrutura funcional é extremamente importante para a saúde psicológica. Sem o seu funcionamento saudável, as pessoas serão muito mais propensas a esgotar a função dominante, o que pode eventualmente levar à comportamentos mais frequentes de Loop Dominante/Terciária ou nas garras da Inferior (In The Grip).

Uma vez que a função auxiliar é orientada na mesma direção que a função inferior, ela serve como uma forma de compensação em termos de ajudar a combater alguns dos efeitos negativos de nossos impulsos inferiores inconscientes.

Podemos usar a função auxiliar como uma via adicional para dispersar energia mental, afim de evitar que a função dominante entre em “superaquecimento”.

Portanto, aqueles que sofrem de Loops ou Grips devem tornar o desenvolvimento da função auxiliar uma prioridade para restaurar um equilíbrio saudável da sua personalidade.

Te auxiliar (ISTJ/INTJ)

ISTJ (SiTe)

Si em conflito

Si dominante quer ancorar a realidade física ao seu próprio conhecimento e experiência estabelecidos, a fim de promover a estabilidade interna, a integridade e a regularidade do pensamento e do comportamento.

No entanto, pode tornar-se demasiada dependente da experiência anterior, rituais ou rotinas para manter uma sensação de controle. Isso pode resultar em subestimar ou ignorar ideias melhores, métodos, perspectivas ou qualquer outra coisa que seja considerada disruptiva ou impraticável em relação a prioridades subjetivas. Para outras pessoas, a dependência na Si parece teimosa, exigente ou excessiva.

Te saudável

Te saudável deve voltar a atenção da Si em direção ao mundo externo. Através da Te, Si pode fazer melhores julgamentos e expandir o senso de si mesma através da coleta de conhecimento, de princípios ou padrões úteis e efetivos.

Ao usar padrões mais objetivos para avaliar situações, Si pode encontrar melhores maneiras de adaptar prioridades subjetivas às demandas externas. É especialmente importante para a Si explorar e aprender em detalhes como certas ações ou comportamentos podem produzir melhores resultados.

Te saudável deve servir para compensar a Ne inferior, ajudando Si a entender por que é importante considerar melhores maneiras de fazer coisas no mundo, ao invés de rejeitar imediatamente as mudanças em favor de manter o conhecimento prévio.

Quando a Si consegue entender os benefícios de alcançar progressivamente os objetivos com maior habilidade, confiança e eficiência, os ISTJs se sentirão menos isolados e mais conectados aos aspectos positivos do mundo externo. Si deveria perceber que explorar o potencial de novas perspectivas é interessante e útil para fazer progressos, em vez de ver tal exploração como impraticável ou ameaçadora.

Te saudável também pode melhorar a capacidade de desenvolver um alto nível de experiência e competência, tornando a Si mais focada e sistemática em como ela aprende e se adapta às situações.

Te não saudável

Quando Si resiste à Te, ela se fecha do entendimento de como as coisas realmente funcionam no mundo real e, como resultado, restringe-se severamente à situações que são confortáveis ​​ou não ameaçadoras.

Esses ISTJs tendem a se comportarem de maneiras que parecem isoladoras, indecisas ou desnecessariamente impeditivas, ignorando áreas importantes da vida que exigem um maior desenvolvimento.

Quando Si sobrecarrega Te, o ISTJ torna-se excessivamente crítico ou controlado porque fica muito desesperado para estabelecer ordem e previsibilidade. Esses ISTJs são propensos a serem agressivos, julgadores, fazer microgerenciamento implacável, ou assumirem demasiada responsabilidade, não cuidando do bem-estar deles ou de outras pessoas.

Sejam resistentes ou excessivos, ambos os casos exemplificam maneiras imaturas de exercer um controle superficial sobre as ameaças reais ou imaginadas do mundo externo. Os comportamentos não saudáveis ​​à longo prazo acabarão por conduzir à impermeabilidade à influência externa, sentimentos de incompetência ou inutilidade e isolamento emocional.

INTJ (NiTe)

Ni em conflito

O Ni dominante quer entender padrões, perspectivas e implicações abstratas para prever com precisão o que acontecerá, construindo assim um senso de visão e propósito pessoal. No entanto, pode tornar-se muito propensa a complicar demais o significado e interpretar erroneamente a “verdade” até o ponto de formar ideais pouco realistas.

Isso pode resultar em subestimar ou ignorar fatos e detalhes simples ou qualquer perspectiva que seja considerada como perturbadora ou indevidamente “infectando” a visão pessoal. Para outras pessoas, a dependência pesada na Ni parece impraticável, arrogante ou neurótica.

Te saudável

Te saudável deve atrair a atenção da Ni para o mundo externo. Através da Te, Ni pode fazer melhores julgamentos e expandir o senso de si mesma através da análise de princípios e padrões úteis e efetivos. Ao usar padrões mais objetivos para avaliar situações, Ni pode encontrar melhores maneiras de adaptar a visão subjetiva às demandas externas. É especialmente importante para Ni examinar perspectivas diversas com profundidade suficiente para chegar à intuições mais precisas sobre o mundo.

Te saudável deve servir para compensar a Se inferior, ajudando Ni a entender por que é importante reunir mais dados factuais e evidências para verificar suas intuições sobre como o mundo funciona, ao invés de rejeitar imediatamente certas perspectivas a favor de manter a visão estabelecida ou ideais.

Quando Ni conseguir entender os benefícios de usar a intuição para alcançar objetivos com maior habilidade, confiança e eficiência, os INTJs sentirão menos isolados e mais conectados às verdades universais do mundo.

Ni deve perceber que é necessário envolver-se plenamente com o mundo externo, porque a intuição está firmemente enraizada na realidade tangível da situação atual, em vez de compulsivamente recuar para alguma concepção conceitual vazia do mundo/futuro.

A Te saudável também pode melhorar a capacidade de atingir níveis maiores de percepção e competência, tornando Ni mais focada e sistemática em como ela aprende e se adapta às situações.

Te não saudável

Quando Ni sobrecarrega a Te, o INTJ se fecha para entender como as coisas realmente funcionam no mundo real e, como resultado, restringe-se severamente à situações que são confortáveis ​​ou alinhadas com a visão subjetiva.

Esses INTJs tendem a se comportarem de maneiras que parecem isoladoras, amorais ou desnecessariamente defensivas, ignorando áreas importantes da vida que exigem um maior desenvolvimento.

Quando Ni sobrecarrega Te, o INTJ torna-se excessivamente crítico ou controlador porque fica muito desesperado para conseguir ordem e eficiência.

Esses INTJs são propensos a serem agressivamente julgadores, incansavelmente focados ou assumindo demasiada responsabilidade, não cuidando do bem-estar deles ou de outras pessoas.

Sejam resistentes ou excessivos, ambos os casos exemplificam maneiras imaturas de exercer um controle superficial sobre as ameaças reais ou imaginadas do mundo externo. Os comportamentos não saudáveis ​​à longo prazo acabarão por conduzir à impermeabilidade à influência externa, sentimentos de incompetência ou inutilidade e isolamento emocional.

Referências: MBTI

Anúncios

Deixe uma resposta