Anúncios

A Sombra Pessoal

A Sombra Pessoal – Deparando-nos com nós mesmos

“O processo de chegar a um acordo com o Outro em nós valerá a pena, porque dessa forma nós conheceremos aspectos de nossa natureza que não permitiríamos que mais ninguém nos mostrasse e que nós mesmos nunca admitimos.” — C. G. JUNG

“Os filhos deram forma aos pés com os sapatos de seus pais. Pelo martírio de suas mães, as filhas renunciaram a seus sonhos.” – “O RIO”, LARRY D. THOMAS

Alegadamente, eu já fui um exibicionista. Entre o nascimento e a idade de doze anos, vivíamos a cerca de um quarteirão de uma fábrica de tratores, a Allis-Chalmers. Ao meio-dia, quando as secretárias passavam pela nossa casa, a caminho de almoçar em um restaurante local, tirei minhas roupas, dancei e cantei para elas. Minha mãe ouviu suas risadas e correu em grande embaraço, me apressando para fora da varanda. Não só ela estava envergonhada com a minha nudez, ela ficou ainda mais envergonhada ao chamar a atenção para mim, para nós, para ela. Logo me tornei um introvertido virtualmente patológico, pois aprendi a não chamar atenção para mim mesmo. Não apenas o corpo ou o fato de cantar, mas o simples fato chamar a atenção para si mesmo estava claramente fora dos limites. Agora entendo que os traumas de vida de minha mãe a haviam advertido para evitar ser vista, evitando atrair a atenção de outra pessoa. No entanto, os problemas de minha mãe em relação a esses assuntos logo se tornaram minha Sombra pessoal. Em pouco tempo, aprendi repetidamente, reflexivamente, a sabotar o meu potencial, a anular os meus anseios e a “esconder-me”. Neste caso, a Sombra não era sobre nudez, ou expressão pública, mas apenas ser vista e, portanto, vulnerável à opinião dos outros. Uma parte substancial da minha Sombra juvenil foi acumulada por meio do aprendizado de não ser eu mesmo – expressar a exuberância natural da criança era simplesmente muito custoso nesse cenário. Para uma criança, pelo menos aquela criança, a necessidade de aceitação pelos pais prevalece sobre qualquer desejo instintivo de se expressar espontaneamente. Esse tipo de evento, com sua mensagem, foi repetido muitas vezes.

Aos cinco anos, voltei do jardim de infância cantando uma música que aprendi no parquinho: “Perdi meu braço no exército / perdi minha perna na Marinha / perdi minhas bolas nas Cataratas do Niágara / e encontrei-as no molho.” Gostei da música porque era cativante e rimava. Lembre-se, eu não sabia o que eram “bolas” então… mas logo descobri, e outro “tijolo na parede”, para usar a frase do Pink Floyd. (Décadas mais tarde, com a publicação do meu primeiro livro, a reação natural para mim foi: “Por que você fez isso? O que as pessoas dirão?” Embora eu já estivesse na idade adulta até então, por assim dizer, aquela mensagem apitava um lugar muito antigo em mim.) A partir dessas e muitas outras mensagens semelhantes, eu cresci encouraçado contra mim mesmo. Minha sombra não era malvada; era a defesa contra ser eu mesmo, meu eu próprio – aparentemente arriscado, aparentemente muito caro. Lembre-se de que a Sombra abraça tudo aquilo que não desejamos ser. Consequentemente, é extremamente difícil para nós reconhecer, trabalhar e possuir nosso material sombrio.  Quanto mais fraco for o ego, menos provável é que se faça esse trabalho e, portanto, as energias das Sombras são patologizadas indo para o subterrâneo. Sendo reprimidos, eles só podem surgir em algum momento ou local inesperado, através de projeção para os outros, ou sutilmente tomando posse de nós e atuando de formas embaraçosas ou destrutivas.

Cada um de nós tem lembranças humilhantes de sermos apanhados pela nossa Sombra – se refletirmos em todas as nossas vidas -, embora no momento nos considerássemos autoconfiantes, no controle. (Certa vez fui surpreendido com a estupidez admiradora de um estudante de segundo ano da minha faculdade que me disse: “Quero ser como você … não ter sentimentos”. Ele quis dizer isso como um elogio. Eu realmente comecei a perceber o quão bem eu tinha assimilado a advertência para me esconder.) Além disso, quem entre nós pode saber completamente o que constitui o material da Sombra de alguma forma objetiva e identificável? Quando refletimos que o que é aceitável e o que é proibido varia de idade para idade, cultura para cultura, tribo para tribo, família para família, reconhecemos a relatividade da questão da Sombra em primeiro lugar.

Quando eu morava na Suíça, um amigo suíço me disse que um bávaro agindo como bávaro em Sankt Gallen seria considerado louco. (A distância entre Munique e Sankt Gallen é bastante curta, e apenas uma linha invisível no mapa separa suas fronteiras.) O que ele estava se referindo é que um tipo estereótipo extrovertido (um bávaro), ao entrar em uma cultura de esteréotipo introvertido (Suíça), seria considerado tão excêntrico, tão fora da norma coletiva que seria considerado louco! Estreitamente separada pela geografia, uma cultura produz maquinaria e cerveja, e uma vez apoiou Hitler entusiasticamente, e a outra se especializou em produtos farmacêuticos, bancos e relógios de precisão, e considerou Hitler burguês e, portanto, perigoso. Hoje, como culturas sensatas, ambas têm trens que funcionam na hora certa, realmente na hora certa, e ainda assim cada um considera o outro com uma certa perplexidade e pouca condescendência. Tanto para uma definição objetiva da Sombra! Então, o que é essa Sombra, quando vista em um nível pessoal? Talvez a melhor maneira de ver a Sombra trabalhando seja na vida de pessoas únicas como você e eu.

A FERIDA DE EROS

Edward era um âncora de televisão. Na tela, ele era polido, legal, articulado. Ele tinha as maiores classificações em sua comunidade, com a participação de mercado sempre se acumulando em seu canal quando as varreduras eram concluídas. Durante toda a sua vida ele agiu com propriedade, decoro e uma genuína consideração pelos sentimentos dos outros. Não é de admirar que ele tenha sido a primeira escolha de organizações sem fins lucrativos a apresentar seus benefícios anuais e apresentar o convidado de honra – quando ele não era ele mesmo o homenageado. O que ninguém sabia era que dentro e por trás dessa fachada fria, um tormento fervente consumia sua vida. Edward entrou em terapia sem vontade, como os homens costumam fazer. Sua esposa insistira, ou ela estaria indo embora, apesar de suas fortes convicções religiosas contra o divórcio.

Sua esposa enviou Edward para a terapia não porque ele era uma pessoa ruim, mas porque ele era compulsivamente “muito bom”. Ela estava cansada dos telefonemas incessantes. Quando o telefone tocou, ela se encolheu: “Aqui vamos nós de novo.” Quando Edward dirigiu para a estação, ou chegou em casa depois de apresentar outro evento beneficente, ele achou necessário telefonar para sua esposa. O que ele sentiu compelido a dizer a ela foi que ele tinha acabado de ver uma menina bonita na rua, e teve uma fantasia de estar com ela, ou que, subtraindo o estímulo externo, ele teria que confessar sua masturbação compulsiva. A princípio, pouco depois de se casarem, sua esposa, Emily, achou esses telefonemas quase encantadores: que confiava nela tanto, que sua fidelidade a ela era tão clara; então ela achou divertido; e depois compulsivo, interruptivo e finalmente detestável. Eles tiveram que parar. Seu próximo pensamento foi que ela era casada com algum tipo de viciado em sexo e que, mais cedo ou mais tarde, ele iria agir e trazer desgraça sobre todos eles. Hoje, com o advento da pornografia na Internet, a história deles não é tão incomum, mas quando Edward e Emily vieram me ver, quase três décadas atrás, eles se viram em um mundo estranho e ameaçador, bem diferente da religiosidade convencional em que cada um foi criado.

Esta história é a história de duas pessoas, uma “perturbada” e outra aparentemente perfeitamente “normal” – o que quer que “perturbada” seja e o que quer que seja “normal”. Edward era filho de uma mãe muito dominadora e de um pai passivo, principalmente complacente. Suas primeiras mensagens eram de que o corpo, a emoção forte e, acima de tudo, a sexualidade eram, se não ruins, território claramente perigoso e proibido. Ao longo de sua juventude, ele era o epítome dos sonhos de sua mãe: um estudante, coroinha e idealizado por todos. Sua infância não foi perturbada e ele se lembrou disso como uma época idílica, quando se sentiu amado, seguro e certo sobre a vida. Quando, no entanto, a puberdade chegou, sua vida foi jogada no caos.

A anarquia do corpo, o tumulto tenebroso da emoção dirigida por hormônios, o amplo círculo de escolhas morais – tudo o levou a confusão, desânimo e quase pânico. Para tratar essa enfermidade psicológica, também conhecida como adolescência, Edward levou-se ao seu padre, que calmamente reforçou firmemente os valores de sua mãe: a masturbação é um pecado, os pensamentos impuros são perigosos e a turbulência do corpo deve ser contida a todo custo. Essa dupla mensagem, das duas autoridades de sua vida – mãe e pai-sacerdote (com o pai pessoal emocionalmente ausente como energia compensatória), criou uma grande divisão dentro dele. Ninguém jamais havia levantado a possibilidade com ele de que o Deus que criara seu corpo – com seus desejos, seus prazeres e sua insistência – merecia pelo menos tanto respeito quanto as repreensões de seus conselheiros.

Por vários anos, Edward acreditava que ele estava destinado a se tornar um padre. Ele sentiu um chamado para servir a Deus, para cimentar a aprovação de sua comunidade e, acima de tudo, para sentir a aceitação da família tão necessária para ele. Então ele foi para a faculdade, se formou em religião, entrou no seminário e fez votos. No entanto, os deuses arcaicos do corpo e as agendas polimorfas da psique lançaram-no em um conflito tão impossível que ele conseguiu ser expulso. Esse golpe em seu ego e a vergonha diante da família levaram Edward a compensar, entrando na arena pública e solicitando pronta aclamação dos outros, o que havia sido o leite de sua mãe por tanto tempo. Apesar de aprender a obter a aprovação dos outros. por sua personalidade suave e até untuosa, Edward era assombrado pelos velhos demônios. Sua imaginação erótica estava fora dos controles de um ego regulado.

Quando ele finalmente se casou com Emily, ele achou a vida sexual inicialmente excitante, mas logo após o casamento, seu eros foi interrompido. Por motivos a serem explicados depois, Emily estava mais ou menos bem com essa desconexão, pois sabia que eles estavam vivendo a boa vida, uma vida muito aprovada e muito desejada. Assim, a caminho do trabalho, vendo uma garota na rua, Edward sentiu a necessidade de telefonar para Emily e contar-lhe sua fantasia. A formosa colega que transmitia o clima invariavelmente provocou pelo menos dois telefonemas para Emily, mesmo enquanto o noticiário continuava. Na maior parte, essas ligações eram antes ou depois do programa, mas Emily sabia que um limite havia sido cruzado quando Edward ligou para ela enquanto o show estava ao vivo. Ela podia ouvir o som dos comerciais da TV e do celular.

O que Edward descobrira quando foi ao seminário era que não podia reprimir sua natureza ativa, que ele supunha que a piedade ou uma devoção a um paradigma santo alcançaria. Ele não podia obrigar sua própria natureza a se calar. Quanto mais ele tentava, pior ficava, e mais ele sentia culpa, vergonha e fracasso. Sente-se em qualquer lugar privado e tente não imaginar algum pensamento, e observe como esse pensamento será persistente e inelutável. Quando ele finalmente deixou a casa de sua mãe e entrou no seminário, pensando que ele era um adulto livre e consciente, Edward previsivelmente carregou essa profunda divisão da Sombra com ele. O que ele experimentou no seminário não foi uma cura compensatória de sua divisão, mas a companhia de homens movidos por suas mães que eram tão intimidados pelo feminino a ponto de tentar banir sua presença completamente pela separação física, pelo celibato e pela colocação do feminino em um platô celeste impossível como uma eterna virgem.

Quando sua natureza insistente o expulsou do seminário, Edward se casou com Emily, acreditando mais uma vez que o problema seria resolvido para sempre. Vítima do que Jung teria chamado de uma profunda “divisão da anima“, Edward sofreu um grande tormento. (A anima, que é a palavra latina para alma, era o termo de Jung para o chamado “feminino interior” que reside no núcleo afetivo de todo homem, embora o peso da história e o peso do condicionamento cultural freqüentemente separem essa energia de sua vida consciente. A anima é a portadora da capacidade relacional do homem – sua relação com o corpo, instinto, sentir a vida, o espírito e, finalmente, a mulher exterior. Quaisquer energias de anima que não estejam disponíveis para a consciência, invariavelmente sofrerão repressão, será desviada para dentro dos espaços anárquicos do corpo, ou irá para fora através de projeção ou comportamentos compulsivos.

Essa divisão que a maioria dos homens carrega, sem dúvida ocasiona sua maior taxa de suicídio, alcoolismo e mortes mais precoces que das mulheres, mas a maior ferida de todos é o seu distanciamento de si mesmos e uns dos outros. Até que os homens possam se abrir para esta vida interior, seus caminhos serão perturbados, e seu concurso com outros homens e sua dialética com as mulheres, permanecerão atormentados. Enquanto Edward nunca teria sido diagnosticado como “deprimido”, ter um aspecto vital de sua natureza oprimida invariavelmente provará um peso depressivo no espírito. Mas sua anima, com sua energia inspirada, escapou até mesmo de sua história repressiva e entrou no mundo como fantasia.

Para seu horror, ele fantasiava sobre as mulheres, ou usava pornografia, onde a conexão com o “feminino” era aparentemente disponível, convidativa e sem as complexidades que a intimidade exige. Ao mesmo tempo, essa energia exuberante, a força da vida eros, imediatamente correu para a parede de pedra da mãe e da igreja. Com uma hipérbole deliberada, William Blake escreveu que é “melhor matar um bebê dormindo em seu berço do que nutrir desejos não realizados”. O que este visionário, um século antes de Freud, quis dizer é que a deflexão sustentada do eros mais cedo ou mais tarde patologizará em maneiras destrutivas. É melhor, então, encontrar uma maneira de honrar essa energia do que inseri-la no mundo de uma forma distorcida. Os telefonemas incessantes de Edward para sua esposa não apenas violavam sua integridade emocional através de constantes interrupções, mas, involuntariamente, a convertiam em uma mãe substituta e padre ao mesmo tempo. Edward estava tacitamente ciente de que seu comportamento inevitavelmente produziria a condenação que ele esperava de si mesmo. Ele nunca poderia escapar de ser um menino mau tentando ser apenas um bom menino. O que é tão triste sobre Edward foi que durante toda a sua vida ele nunca se sentiu livre para ser quem ele era, para sentir o que ele sentia, para desejar o que ele desejava, e para buscar o que sua natureza pretendia. Toda vez que essa agenda natural crescia dentro dele, ele era obrigado a pagar por isso com culpa – o que quer dizer, ansiedade e auto-recriminação em massa.

Finalmente, Edward começou a entender o mecanismo de seu dilema. Ele entendeu o poder da experiência de sua mãe, não mediado por uma figura paternal equilibrada e fortalecedora, e ainda reforçado pelo padre truncado e “conduzido pela mãe” de sua infância. Para facilitar sua própria terapia, ele convidou Emily para se juntar a ele em várias sessões. Ironicamente, ela veio para a primeira sessão com um sonho próprio. No sonho, ela observou que uma aranha saíra do braço de uma mulher que ela conhecera nos anos anteriores e subiu em seu braço. Era um sonho simples, sem palavras, mas intrigante e um pouco assustador para ela. Sua associação com essa outra garota, há muito tempo, era que ela era um pouco ousada, talvez “solta”, pelos padrões da época, e tão diferente dela a ponto de fazer com que Emily a evitasse durante seus tempos de colégio. Então nós temos uma segunda pessoa neste pas de deux, chamado casamento, que tem um problema de Sombra. Edward e Emily foram atraídos juntos em primeiro lugar porque eles se espelharam.

De um modo geral, as pessoas são atraídas para relacionamentos íntimos, ou porque são opostas, que compensam umas às outras, ou porque são complementares, o que significa que não apenas seus gostos e desgostos conscientes se alinham, mas também seus complexos. Edward e Emily encontraram um ao outro porque ambos estavam emparedados de seu eros. Edward teve a necessidade de colocar Emily no pedestal porque ele sofria de uma variante do complexo virgem / prostituta, uma imago intrapsíquica que separa e eleva “o feminino” em sua adoração celestial, ou a delimita apenas por sua forma carnal. Esta é a cunha profunda que a mãe e o padre conseguiram introduzir na alma dessa criança.

Emily, por outro lado, tinha uma história e influência cultural semelhantes, e por isso tinha uma forte necessidade de estar naquele pedestal. Quando questionada sobre essa aranha, ela só poderia associá-la à escuridão, à morte e à lama suja das coisas corporais. O que aconteceu com o terapeuta ao falar com essas duas pessoas de 30 anos foi o quão jovem elas se sentiam, quão limpas, agradáveis ​​e irreal a sua bondade. O que o terapeuta experimentou neles foi o enfraquecimento de eros: para Edward, a evisceração de sua energia anima pelo complexo materno, e para Emily, a constrição de sua energia anímica, pelo peso da imagem proscrita de deus à qual ela fora exposta. Seu Cristo e sua Mãe elevada estavam carentes de corpo, de sexualidade, de virtudes terrenas, e sua adoração só podia negar os mesmos valores ricamente fecundos dentro deles. Infelizmente, em vez de adorar as energias complexas e abrangentes da divindade, vistas mais comumente nas religiões orientais, elas foram inculcadas em uma Imago Dei patologizada e debilitada a serviço da divisão neurótica entre a mente e o corpo dos teólogos fundadores.
A divisão do eros e da vida natural por imposição cultural é em si um estudo importante, pois não conheço ninguém no mundo moderno que não compartilhe algum aspecto desse ferimento de sua natureza. Como alguém poderia não carregar essas divisões, sendo que internalizamos todos os complexos culturais que se sobrepõem às nossas verdades naturais, a fim de facilitar nosso caminho no mundo e obter o apoio e a aprovação necessários da família e do consenso comunitário? Assim, a sombra nasce, o eros ferido fica no subsolo e, com demasiada frequência, cria monstros como estupro, pornografia, abuso sexual de menores e atos cheios de culpa que têm origem tanto na sua natureza quanto comer e dormir.

Eu gostaria de relatar que tanto Edward quanto Emily abriram caminho através dessas questões, que adquiriram conhecimento suficiente sobre o poder de suas histórias incapacitantes, e ganharam bastante percepção sobre as possibilidades de escolha adulta, eles libertaram a si mesmos e a seu casamento da escravidão do passado. Infelizmente, conjuntamente, eles decidiram abandonar a terapia e trabalhar sobre o assunto com o padre. Espero que tenham conseguido avançar com a ajuda dele, mas suspeito que cada um deles viu, realmente viu, a imensidão da tarefa diante deles e fugiu de sua convocação. Para cada história de um avanço terapêutico, existem pelo menos tantas histórias do poder resistente, recalcitrante e inelutável de complexos centrais, e de nossa fuga subseqüente do rigor de crescer, preferindo a preguiça familiar da mesma velha escolha.  Crescer significa não somente dialogar e confrontar as mensagens que carregamos internamente, admoestações que nos negariam nosso destino, mas requer o risco de sermos nós mesmos neste mundo, sem garantia, sem aprovação consensual e sem esperança de restaurar a velha inocência. Esse risco, esse empreendimento, esse crescimento é, infelizmente, muito raro.

E assim o material Sombrio cresce, se replica e vagamos na escuridão. A história de Edward e Emily é repetida através de um milhão de variações em nossa cultura, pois uma energia primordial como a sexualidade, com tanto potencial para o bem ou para o mal, com tal mistura de mensagens que a moldam e dirigem, não pode deixar de proporcionar muita possibilidade de Sombra. A sexualidade é um tema constante e subtema através da cultura popular: música, cinema, televisão. A maioria dos sitcoms flertam com temas sexuais a maior parte do tempo, sem mencionar as novelas. Sim, eros é uma energia arquetípica e, portanto, um fundamento do nosso ser, mas é possível que algo como o sexo seja importante demais para nós? E se for muito importante, por que esse é o caso? A sexualidade proibida, ou restrita, é um fruto tentador, com certeza, mas estou ainda convencido de que o sexo (e sua fantasia acompanhante de amor romântico) está agora carregando o fardo de grande parte de nossa espiritualidade perdida.

Quando as imagens tradicionais, ou seus substitutos contemporâneos, não podem ligar a um sentido de propósito transcendente, a algum lugar espiritual neste cosmos centrífugo, então vamos olhar para outras formas de “conexão”. Mais adiante mencionarei as permutações de eros que chamamos de parafilias, mas por enquanto, vamos reconhecer que nossa preocupação com o sexo está colocando uma quantidade incrível de tráfego espiritual sobre uma ponte. Talvez superestimemos essa ponte porque sentimos que é uma das poucas. Portanto, a sexualidade é um campo energético primordial para a expressão da Sombra – incluindo abuso infantil, estupro, pornografia, incesto e uma preocupação cultural geral – precisamente porque é importante. É uma forma primordial de conexão, afinal de contas – nossas vidas começam com a separação e sentimos nossa vida progressivamente separada e, muitas vezes, solitária. Reconectar-se com o outro, seja a divindade, uma ideia orientadora ou um corpo quente, é um impulso poderoso. Mas torna-se especialmente atraente, até mesmo obsessivo, quando poucas outras modalidades ajudam a se conectar.

Não quero de forma alguma parecer moralista nessas observações. Eu não julgo nenhuma dessas permutações de eros, exceto aquelas em que alguém é vitimizado. Por exemplo, a triste história de homens sentados em bares de striptease quase quebra meu coração. Eles estão em um inferno redundante, pois sua busca por conexões se restringe a uma repetição tão restrita, com tão pouca satisfação sustentada pela conexão superficial e comercializada. (É por essa razão que a sexualidade torna-se tão facilmente viciante). A deles não é um fracasso da moralidade; é uma falha de imaginação. É material de sombra não por razões moralistas, mas porque é uma defesa inconsciente contra o luto aberto de suas almas. A sombra não é sexo; mas sua excessiva importância representa um plano de tratamento fracassado para o desejo da alma por cura, por conexão, por significado.

UMA VISITA À MARTE

Além da sexualidade, a raiva é outro problema comum da Sombra. Sem dúvida, a raiva e a sexualidade são especialmente carregadas porque cada uma delas é potencialmente anárquica, cada uma tem um enorme poder autônomo, cada uma delas ameaça o controle do ego, e cada uma delas tem o potencial de derrubar as atitudes e práticas dominantes de qualquer grupo. A ira é, afinal, um dos chamados sete pecados capitais. Certamente, a raiva pode ser destrutiva, seja ela encontrada em abuso doméstico, na guerra ou na raiva soturna e fria que pulsa logo abaixo da superfície de grande parte da vida moderna.

Quando eu era criança, tenho certeza de que a maioria dos leitores foi instruída a não ficar com raiva. Em uma ocasião, depois que outra criança me atingiu e fugiu, fiquei tremendo de raiva impotente. Minha mãe, ao me ver assim, redirecionou sua mangueira de jardim para mim, dizendo: “Aqui. . . isso vai esfriar você. ”Além de me sentir ainda mais irritado, sentindo-me violado, embora impotente, recebi uma mensagem clara – que eu não tinha direito aos sentimentos que tinha ou que se os tinha, havia algo errado comigo. Este é um exemplo do nascimento da neurose, uma das muitas câmaras daquela grande mansão em que residimos – um estado de sentimento que ocorre naturalmente é oposto por uma proibição poderosa. (Ao dar esses exemplos pessoais, não estou escolhendo minha mãe, que me amou da melhor maneira que pôde, com as melhores luzes disponíveis para ela, mas como um exemplo do que cada um de nós tem que fazer – a saber, reconstruir a etiologia e os elementos de nossas vidas Sombrias, aqueles instintos naturais que sofrem restrição, proibição).

Freud viu a formação de sintomas, seja uma imagem de sonho ou uma perturbação somática, como o esforço da psique para escapar de tal proibição, evitando as atitudes repressivas e encontrando uma expressão simbólica. Nunca vi isso com mais clareza do que no momento em que joguei uma caneta para uma cliente que acabava de sair, e havia me descrito seu profundo ódio por seu pai dominador. Ela estava se queixando de uma sinestesia de seu braço, não totalmente paralisado, mas formigando e desajeitado. Ela pegou a caneta com seu braço dominante e quando eu perguntei o que sua expressão significava, ela apunhalou a caneta para baixo, como se fosse para esfaquear aquele pai. Nesse momento, a interferência somática foi aliviada e seu desejo secreto foi expresso. A sinestesia era um simbólico entorpecimento do poder de sua animosidade em relação a seu pai muito controlador e devorador. Naquele momento reflexivo, o desejo secreto vazou e a neurose desapareceu, embora apenas por um tempo. Então fica-se com a tarefa do que fazer com o pensamento perturbador de que se tem fantasias homicidas. Mas se eles não forem tornados conscientes, onde mais eles podem aparecer na vida de alguém?

Quando nos lembramos de que a raiz etimológica das palavras raiva, ansiedade, angústia e angina vem da palavra raiz indo-germânica argh, que significa “constringir”, então percebemos como a raiva é natural e normal, quão naturalmente o organismo sensível reage às ameaças contra o seu bem-estar. Sim, toda família e toda cultura tem interesse em conter os poderes destrutivos da raiva, mas é a neurose que se forma quando a raiva é excessivamente suprimida. Dois séculos atrás, William Blake escreveu um poema intitulado “Uma árvore venenosa”, no qual ele observou como a raiva expressa em voz alta pode levar a conflitos, mas também a uma possível reparação e resolução; mas a raiva defletida para dentro só poderia produzir fruto venenoso de uma árvore contaminada – da qual o próprio relacionamento seria morto. Assim, como a constrição é prejudicial ao eu orgânico, a raiva é uma resposta natural e epifenomênica a essa ameaça ao seu bem-estar. Não ter essa excitação reflexiva de sensibilidade que a raiva encarna deixaria a pessoa em risco. Portanto, temos raiva, ansiedade, angústia e angina, a constrição do coração, como subprodutos da ameaça, real ou percebida, mas em si mesmas reações naturais de um organismo instintivamente protetor. Embora tenhamos a aceitação cultural da raiva justa, ou mesmo de um Deus irado, a raiva é geralmente vista como uma presença indesejada em nosso meio, por mais natural que seja.

Embora cada pessoa, e cada sociedade, esteja encarregada de como a raiva deve ser adequadamente canalizada, a negação da raiva, ou sua repressão contínua, é uma fonte profunda de nossa psicopatologia e invariavelmente buscará sua expressão de uma maneira menos saudável. Sabemos que um dos frutos da “raiva interior” é a depressão, que a raiva tende a vazar para nossos comportamentos inconscientes – como dirigimos, como toleramos a frustração – que a raiva não expressa afetará o corpo, pelo menos com pressão alta e que algumas evidências fragmentárias sugerem que uma pessoa que tem dificuldade em reconhecer a raiva pode ser mais propensa ao câncer.

Uma ilustração interessante dessa dança sombria com raiva apareceu há três décadas na Suíça, na forma de um livro autobiográfico chamado Mars, em homenagem ao deus romano da raiva. O autor era um jovem que descobriu que estava morrendo de câncer agressivo. Ele assinou seu livro com o pseudônimo de Fritz Zorn (zorn é a palavra alemã para raiva). Zorn, compreensivelmente, ficou furioso com o término que se aproximava de sua vida truncada e não vivida. Ele chegou à conclusão de que ele havia passado a vida como um burguês suíço adequado, negando o poder de suas emoções, e que essa emoção engarrafada havia se voltado contra ele na forma de uma vingança agressiva por sua psique. Em outras palavras, sua vida emocional autônoma, concluiu ele, estava agora incorporada em um retorno maligno, uma multiplicação irrestrita da expressão da vida na forma de células enfurecidas. Zorn concluiu ainda que tinha uma chance de viver – de liberar essa grande energia das Sombras em uma tempestade de raiva em direção à cultura repressiva, dirigida pelo superego, e em direção à sua família socialmente proeminente em particular. Se ele pudesse expressar cada célula de raiva, ele esperava que ele pudesse queimar o maligno invasor carcinômico que não era intimidado pela radiação e pela quimioterapia. Marte tornou-se um best seller, não apenas porque a situação de seu autor era tocante, mas porque seu dilema de sombra era compartilhado por muitos. Ele correu para terminar o livro e salvar sua vida. Um dia antes de morrer, ele foi informado de que o livro seria publicado.

A história de sua tentativa heróica de salvar sua vida expressando sua Sombra permanece totalmente cautelosa para cada um de nós, uma lembrança do fato de que as energias da Sombra não vão embora – elas sempre vão para algum lugar. Compreensivelmente, sexualidade e raiva são tão facilmente identificadas como preocupações sombrias porque todas as sociedades temeram seu poder e exerceram poderosas medidas proibitivas, desde leis punitivas até invadir a mente do indivíduo através do controle de complexos de culpa. Um paciente certa vez expresseu satisfação por ter sofrido uma doença física debilitante, que ele considerou como compensação penitenciária por ter tido um caso extraconjugal. O custo para o espírito humano por complexos de culpa inculcados por pais, comunidades e autoridades religiosas não pode ser superestimado, pois azedou a suposta doçura de muitas, muitas vidas.

O CUSTO DAS ADAPTAÇÕES NECESSÁRIAS

Mas há muitas outras energias, muitas questões, muitos locais em nossa experiência da Sombra pessoal. Em “Finding Meaning in the Second Half of Life”, observei que as adaptações necessárias da infância produzem complexos governantes – isto é, “ideias” carregadas de afeto que assumem vida própria e submetem o adulto à sua influência contínua. É nosso serviço inconsciente para esses grupos de energia historicamente carregados que criam nossas redundâncias – quando pensamos que estamos escolhendo livremente em qualquer momento dado – e, porque são respostas adaptativas às demandas externas, muitas vezes levam à nossa progressiva auto-alienação. Quantos de nós, chegando à meia-idade ou depois, tendo feito todas as coisas “certas”, tendo atendido as expectativas de nossa família e nossa tribo, nos sentimos tão pouco confortáveis em nossas vidas? Toda essa vida não vivida é agora parte da Sombra pessoal – aquilo que se aprendeu a manter sob controle desde que sua expressão pôde ser custosa para as adaptações necessárias. É por isso que o clichê de nos tornarmos nossos piores inimigos é um clichê – é tão repetidamente verdadeiro. A adaptação às condições da vida requer o desenvolvimento de uma persona, a máscara que vestimos em qualquer situação social. Às vezes até acreditamos que realmente somos contidos ou definidos por esses papéis de persona. Mas quanto maior a identificação com a persona, maior é a dialética reativa com a Sombra.

A Sombra – neste caso, a vida não vivida – vai à clandestinidade e busca expressão através de invasões de afeto: uma depressão, por exemplo, uma ação precipitada da qual logo nos arrependemos, sonhos perturbadores, uma doença física ou enervação psíquica. Além disso, as adaptações obrigatórias da primeira metade da vida requerem uma diminuição progressiva da autoridade pessoal a ponto de frequentemente deixarmos de saber quem somos, além de nossos papéis e nossa história, perder o contato com o que desejamos e nos tornarmos estranhos para nós mesmos. A convocação crítica da segunda metade da vida é recuperar um senso pessoal de autoridade, explorar, expressar cuidadosamente a Sombra pessoal e arriscar-se a viver fielmente com a agenda da alma. Não é tarefa fácil, mas é por isso que o trabalho pessoal da sombra é tão crítico. Além disso, o desenvolvimento de Jung da tipologia da personalidade, introversão / extroversão, com as funções variáveis ​​de pensamento, sentimento, intuição e sensação, também constituem questões da Sombra na segunda metade da vida.

Nós tendemos a cruzar nossa tipologia mais prontamente adaptada – digamos, um tipo de pensamento intuitivo introvertido, ou, estereotipicamente na América, um tipo de sentimento sensorial extrovertido. Assim, privilegiamos alguns aspectos da vida, abraçamos algumas tarefas, evitamos outros aspectos da vida e evitamos certas tarefas o máximo possível. Essas áreas de negligência e essas questões de evitação pessoal sempre se refletirão e aparecerão em nossas vidas como presenças, constrangimentos e padrões de autossabotagem preocupantes. Tais adaptações e identificações tipológicas produzem desequilíbrios na personalidade. Tanto a realidade externa, negligenciada ou desvalorizada, quanto a realidade interior, negligenciada ou desvalorizada, exigirão seu devido direito. Seja externo ou interno, o que resistimos persistirá e exigirá uma contabilidade mais cedo ou mais tarde. Paradoxalmente, nossa capacidade de ver algo da Sombra dentro de nós aguça nossa capacidade de reconhecer as ações sombrias ao nosso redor. Se somos incapazes de discernir o vigarista em nós mesmos, ou o ladrão, ou o valentão, como poderíamos reconhecer esse comportamento nos outros? Se não temos consciência dessas capacidades dentro de nós, é mais provável que nos deixemos trair pela nossa ingenuidade. Mesmo a análise do nosso humor revelará motivos ocultos que, embora reprimidos pelo ideal do ego consciente, são aspectos da nossa humanidade complexa que desejam ver a luz do dia.

Quantas piadas têm uma borda afiada, talvez um molde racista ou um motivo agressivo? E se somos confrontados por outro pela nossa agressividade, quantas vezes protestamos dizendo que estávamos apenas brincando? Assim, vemos novamente que a Sombra não é sinônimo de mal. A Sombra pessoal é comum a todos nós em algumas áreas – como sexualidade e raiva – mas é singular em outras áreas, pois os caprichos de nossa história nos obrigam a deixar partes substanciais de nós mesmos para trás, permanecendo inconscientes ou cuidadosamente evitados. Uma vez que esses componentes invisíveis são energias autônomas, eles estão sempre ativos em nossas vidas, em nossas famílias, em nossas intimidades, em nossas relações com os outros e em nossa própria vida não vivida.

Jung observou certa vez que o maior fardo que a criança deve suportar é a vida não vivida dos pais. Internalizando o exemplo parental, a criança também ficará sem plenitude, ou será levada a supercompensar e viver em nome dos pais, ou buscar algum plano de tratamento inconsciente para esse insulto à integridade – seja um vício, uma vida de diversão contínua ou uma preocupação com a saúde ou problema – nunca compreendendo que tal compulsão deriva da agenda recebida e não tratada de outro. Quantas de nossas vidas são, portanto, levadas à repetição, à supercompensação ou a tratamentos inconscientes da Sombra pessoal de outra pessoa? Jung deu o exemplo de um pai dominador cuja retidão tirânica levou seu filho às drogas e sua filha à dissolução moral, embora todos os três fossem ignorantes de como as crianças eram levadas a viver reativamente com a vida não vivida de seu pai.

Não podemos, por um momento, dizer que a Sombra dos outros não nos afeta, nem podemos realmente argumentar que nossa Sombra não rola sobre aqueles que nos rodeiam. Assim, nossa convocação para trazer a sombra para uma maior consciência é um serviço ético para os outros, bem como uma abertura para uma vida maior a nós mesmos. O paradoxo que cada um de nós deve enfrentar é que, para realmente crescer, para realmente sair de casa, é preciso se separar das imagens parentais e começar a possuir algumas partes da própria Sombra rica. A imagem de Jesus retratada em tantas escolas dominicais é a do sem-sombra, não o homem que disse à mãe quando apareceu na cerimônia de casamento em Cana: “Mulher, o que você tem a ver comigo?” homem que, em um ataque de raiva, expulsou os credores do templo. Ou, ainda mais diretamente, convidando outras pessoas pelo caminho da individuação, proclamou que “quem está com a mãe e o pai não está comigo”. Essas não são palavras ambíguas. São palavras que dizem que temos uma responsabilidade com algo maior que nossa história, nossos complexos replicativos, até mesmo nossas mais profundas lealdades! Tal conversa é revolucionária e inflamatória até hoje – e psicologicamente necessária.

Anúncios

Deixe uma resposta

Powered by WordPress.com. Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: