Eneagrama 3: Nível Mediano

Publicado por

Este guia visa apresentar a teoria e tipologia do Eneagrama. Os posts serão traduções e adaptações do original, que merece todos os créditos: The Enneagram Institute e os livros de Riso-Hudson

 

Agora temos um Grupo no Facebook

 

 

Analisando o Três mediano

Nível 4: O competitivo buscador de status

Agora ocorre uma mudança de atitude: Três começam a querer se distinguir dos outros. Não é mais uma questão de trabalhar duro para se sentir digno: os Três medianos querem ser notados. Eles começam a se comparar com os outros, temendo que eles possam ser ofuscados pelas realizações alheias. Isso inevitavelmente configura uma necessidade de competir com as pessoas, embora neste ponto, a competição seja sutil e velada.

Os Três medianos querem demonstrar a si mesmos e aos seus pares que são pessoas extraordinárias e superiores. Eles fazem isso trabalhando mais do que outros e adquirindo os símbolos que representam sucesso e realização para eles: diplomas, aumentos, um endereço de prestígio, um contrato de gravação, uma posição especial com seu professor ou guru. Estar acima de outros reforça sua auto-estima, defendendo o Três de sentimentos profundos de inutilidade ao fazê-los sentir-se mais desejáveis ​​e mais dignos de atenção e admiração.

Para este fim, Três literalmente se joga em seus projetos, suas carreiras e qualquer outra coisa que eles estão fazendo para aumentar sua autoestima. Eles são verdadeiramente personalidades do tipo A, motivados e potencialmente viciados no trabalho. Claro, nem todos os Três estão em carreiras de via rápida de Wall Street; No entanto, qualquer “carreira” que um Três tenha escolhido será um importante ponto focal de sua energia. A Três, que é dona de casa e pai, trabalhará no âmbito dos seus meios econômicos para criar uma “casa modelo”. Três se esforçará para tornar seus filhos extraordinários, fornecendo-lhes lições e enviando-as para as melhores escolas possíveis.

Um Três que é um monge budista trabalhará para tornar-se o mais santo e altruísta de seus irmãos. Os Três medianos querem se destacar no que quer que estejam envolvidos e, se possível, querem ser os melhores. Por exemplo, eles podem ser bons nadadores ou jogadores de tênis, mas eles começam a sentir que isso não é suficiente para suprimir seus medos de inutilidade, então eles devem superar todos os outros. O Três mediano, portanto, cria rivalidades onde não existia. Infelizmente, criar essas comparações coloca todos os seus relacionamentos em uma base inteiramente nova porque eles se colocaram na posição de competir com pessoas cuja opinião positiva eles precisam.

Na verdade, os Três medianos são mais direcionados pelos valores dos outros, e trabalham ainda mais para alcançar metas que eles acreditam serem sancionados como valiosos pelos seus pares. Isso começa a resultar em um estranhamento crescente de seus próprios desejos e sentimentos. Afinal, é difícil ficar focado em metas quando o coração de alguém não os apoia totalmente. Os sentimentos tornam-se uma distração, algo que interfere com a habilidade dos Três para funcionar, para permanecer “no caminho certo”. Os Três medianos não estão preocupados se o que eles têm ou fazem é porque eles gostam, mas porque faz com que eles sintam que estão “chegando na frente”.

Os Três medianos perseguem o sucesso com uma eficiência imbatível para qualquer outro tipo de personalidade. (Podemos caracterizá-los, em poucas palavras, pelas três coisas que eles mais valorizam: carreira, sucesso e reconhecimento.) O sucesso para Três significa ser o número um, um “vencedor”, melhorando constantemente sua posição ou status. Com certeza, os Três medianos trabalham duro para obter e ficar no topo. Eles valorizam a competência profissional e visam ser o melhor no que fazem, principalmente pelo prestígio de estar no topo de sua profissão. Para o melhor ou o pior, este é o mundo do currículo e da “corrida de ratos”.

Nesta fase, são “carreiristas”, uma vez que o sucesso profissional se torna o indicador primário pelo qual eles medem seu valor como pessoas. A trama da carreira se move implacavelmente, eles querem avançar o mais rápido possível e estão dispostos a fazer grandes sacrifícios para alcançar o sucesso que eles procuram. Infelizmente, esses sacrifícios podem incluir um casamento, família ou amigos, para não mencionar sua saúde emocional. Ter um título ou profissão de prestígio é importante, porque reforça seu senso de si mesmo como bem-sucedido. (Pelo mesmo motivo, sua autoestima é altamente ameaçada se não tiverem uma carreira de prestígio e, duplamente, se estiverem desempregados).

Como o sucesso é tão importante para o Três mediano e porque eles começaram a competir com os outros, eles aprendem a se apresentar de forma mais favorável e adquirir as habilidades da diplomacia. Se ser diplomático pode ser útil em muitas situações, em Três medianos marca o início de uma mudança na expressão autêntica. Eles estão começando a mascarar seus motivos e se comunicar com os outros para produzir uma resposta desejada, para não expressar o que estão realmente pensando ou sentindo. Além disso, essa orientação pode levá-los a se tornarem estratégicos sobre seus amigos e associados.

Para manter a “mobilidade ascendente”, bom senso político e ter os amigos e associados certos é crítico. Eles estão sempre formando redes, fazendo contatos e cultivando pessoas para promover suas carreiras e aumentar seu brilho social. Seu talento saudável para detectar os estados das pessoas agora é usado para dimensionar outros rapidamente de acordo com seu valor de prestígio, como quem se  pergunta: “Como você pode me ajudar a alcançar meu objetivo? Vale a pena prosseguir com você? “Assim, o Três mediano torna-se altamente consciente do status e está constantemente avaliando se eles estão “avançando “ou não, procurando símbolos tangíveis de seu progresso.

Mas mesmo estes podem falhá-los se um dos seus colegas de repente tem algo mais valioso ou obtém maior respeito ou admiração. Eles ainda são altamente organizados e dirigidos a objetivos, mas seu foco está se tornando distorcido. Quais são seus objetivos? É o autoaperfeiçoamento próprio e a realização de tarefas específicas ou ganhar reconhecimento e atenção dos outros? Cada vez mais, é este último.

Nível 5: o pragmatista consciente da imagem

Temerosos de perder a consideração positiva dos outros por causa de sua competitividade crescente, Três medianos começam a submergir ainda mais seus sentimentos e auto-expressão autêntica e se preocupam em criar uma impressão favorável de si mesmos. Isso marca um estágio significativo no desenvolvimento ou deterioração deles. Três saudáveis ​​podem ser competitivos, mas eles são principalmente focados em seus próprios esforços e conquistas reais. Eles estão interessados ​​em autoaperfeiçoamento genuíno. Do nível 5 para baixo, no entanto, Três stá principalmente interessado em melhorar sua auto-apresentação, sua imagem. Eles querem criar uma impressão favorável, independentemente de a imagem que eles representam reflete quem eles realmente são ou não.

O estilo acima do conteúdo – o que alguém acha deles torna-se sua preocupação primordial. O medo da rejeição faz com que se abaixem cada vez mais à medida que procuram a “combinação certa” de fatores que eles acreditam que os aprimorará e os tornará mais aceitáveis. Sua autoapresentação torna-se suave e profissional, sua aparência mais calculada. A tremenda energia dos Três é investida no desenvolvimento de uma aparência polida que, com sorte, “passará” e ganhará o sucesso que eles desejam. Claro, essa atenção à imagem trai uma falta subjacente de autoestima autêntica. Os Três medianos rejeitaram-se e estão determinados a apresentar um “pacote” que será mais valioso do que eles percebem o seu eu autêntico.

Ironicamente, o resultado é que eles tornam-se menos desejáveis ​​como seres humanos genuínos e mais desejáveis ​​como mercadorias. Correspondem, em parte, ao tipo de personalidade descrito por Erich Fromm como “orientado pelo marketing”. Esse tipo de orientação está enraizado na experiência de si mesmo como uma mercadoria e de seu valor como valor de troca. O sucesso depende em grande medida de quão bem uma pessoa se vende no mercado, quão bem soa sua personalidade, quão bom é como um “pacote”. Um corretor de bolsa, um vendedor, um secretário, um executivo ferroviário, um professor universitário ou um gerente de hotel devem oferecer diferentes tipos de personalidades que, independentemente das suas diferenças, devem preencher uma condição: estar em demanda. A orientação de marketing não desenvolve algo que seja potencialmente a pessoa (a menos que façamos a afirmação absurda de que “nada” também faz parte do material humano); sua natureza é que nenhum tipo de relação específica e permanente é desenvolvida, mas que a mudança de atitudes é a única qualidade permanente dessa orientação. Nesta orientação, as qualidades desenvolvidas são as que podem ser vendidas melhor. Nenhuma atitude particular é predominante, mas o vazio que pode ser preenchido mais rapidamente com a qualidade desejada. Essa qualidade, no entanto, deixa de ser uma no sentido próprio da palavra; é apenas um papel, o pretexto de uma qualidade, para ser facilmente trocado se outro é mais desejável. (Fromm, Man for Himself, 76-77, 84.)

Como os Três medianos experimentam-se como mercadorias, ficam obcecados com a forma com que os outros os veem. Eles se preocupam com a impressão que estão fazendo e constantemente se perguntam o que as pessoas pensam sobre elas. Problemas de sucesso suficiente, competente o suficiente e atraente o suficiente repetidamente  aparecem em suas mentes. Eles sentem como se todos os olhos estivessem neles e eles sempre devem estar preparados com a aparência certa, a coisa certa a se dizer, o nível certo de afeto. Naturalmente, essa orientação não lhes permite expressar seus próprios sentimentos e reações genuínas. De fato, eles têm dificuldades crescentes mesmo sabendo quais são seus próprios sentimentos. O problema é que eles agem de acordo com as necessidades da imagem que estão projetando, não de acordo com suas próprias necessidades reais e não porque acreditam sinceramente no que estão dizendo ou fazendo.

O Três mediano aprende a projetar um estado emocional simulado após o outro, cada um apropriado para a situação e cada um igualmente convincente. Podem parecer ser sinceros, amigáveis, modestos, gentis, arrependidos, virtuosos e verdadeiros, embora possam não ser. Eles podem ter ajustado sua imagem apenas para atender as demandas do momento para que os outros pensem bem deles. O que eles parecem ser e o que eles realmente são começam a ser bastante diferentes. Assim, há um elemento de escuridão, um vazio emocional, porque muito do que eles dizem e fazem não é um verdadeiro reflexo de quem eles são. “Quem são” é cada vez mais difícil de identificar, tanto para os outros quanto para si mesmos.

Os Três medianos sabem como se acondicionar para se adequarem ao seu ambiente com sucesso. Indústrias inteiras foram dedicadas a este aspecto do comportamento humano: as indústrias de publicidade e moda entende e manipula esses medos particularmente bem. Os mundos profissional e corporativo estão cheios de consultores de imagem altamente remunerados que ensinam aos outros a ter o look certo, o melhor jargão profissional e apagar qualquer regionalismo irritante na fala ou no estilo da pessoa. Como a mudança de cor de um camaleão, uma imagem é útil na medida em que permite que alguém se encaixe perfeitamente no ambiente.

Sua imagem permite que Três faça exatamente isso, só que melhor: eles não se encaixam apenas no ambiente, eles podem aperfeiçoar sua imagem na medida em que se torna o padrão através do qual os outros se avaliam. A imagem assume uma realidade própria, uma vez que outros a aceitam como desejável. É importante enfatizar quão sutil o Três mediano pode ser na projeção de uma imagem confiável e como é difícil para os outros detectar qualquer grau de inautenticidade, especialmente se determinado Três é inteligente e bem educado.

Este tipo de personalidade não se limita, de forma alguma, a apresentadores de TV, concorrentes de beleza ou yuppies. Os Três medianos podem ser encontrados em todos os lugares, em todas as profissões, de MBAs para instrutores de auto-ajuda, de figuras esportivas para políticos, de artistas para líderes. A pista para os outros de que eles estão lidando com uma imagem em vez de uma pessoa é a aparente perfeição do Três. Os Três se encontram extremamente bem (o profissional “cool”, sereno, “amigável” é típico), embora outros possam notar uma qualidade ensaiada e estudada sobre eles.

Três, no entanto, estão conscientes das reações dos outros a eles, mesmo que eles sejam amplamente desconhecidos de suas próprias reações. Se outros parecem desencorajados, eles redobrarão seus esforços e farão novos ajustes, ou se desculparão, se necessário. É precisamente porque seu comportamento é tão bem considerado que é difícil para os outros apontar o que falta ao Três. Se, no entanto, outros olharem profundamente o suficiente, não encontrarão quase nada “essencial” sobre o Três mediano – eles expressam poucos sentimentos genuínos e têm poucas convicções pessoais profundamente mantidas.

Eles parecem não ter idiossincrasias e nenhuma paixão sob a superfície suavemente polida. Embora tudo sobre eles pareça perfeito, as várias imagens não se somam a uma pessoa inteira. O que falta é um sentimento pessoal de engajamento e compromisso. Os Três medianos não estão conectados com eles mesmos, com seus próprios sentimentos. Eles são como máquinas perfeitamente projetadas que executam exatamente como esperado e, portanto, continuam a ser demandadas. Como se poderia esperar, há dificuldades com essa orientação.

Os Três medianos temem a intimidade genuína, para que ninguém descubra seu vazio interior. Eles temem (provavelmente inconscientemente) que seu eu autêntico seja inútil e eles ficam cada vez menos dispostos a deixar os outros verem o eu vulnerável abaixo da imagem. É um sinal extraordinário de confiança e respeito quando um Três mediano se atreve a se revelar a alguém. Mais frequentemente, no entanto, com o seu considerável charme e capacidade de se adaptar às pessoas, são capazes de criar a impressão de intimidade, aparentemente revelando mais do que eles costumam fazer. É por isso que o Três mediano geralmente está preocupada com sua credibilidade, se as pessoas acreditam na imagem idealizada que estão construindo.

Apesar de toda a atenção e esforço que o Três mediano colocou em sua imagem, eles são cada vez mais pouco convincentes porque sua desconexão emocional torna-se evidente para os outros. No entanto, ser desconectado de seus sentimentos permite que Três seja extremamente eficiente no trabalho e que seja excepcionalmente capaz de concentrar sua energia na conclusão de metas profissionais. Convenientes e orientados para o objetivo, eles são bons na solução prática de problemas porque seu pragmatismo permite que eles respondam a situações sem serem limitados por princípios abstratos ou emoções turbulentas. Quando os sentimentos surgem, os Três medianos tendem a se sentir fora de controle e perdidos. Eles lidam com seus sentimentos em particular.

Eles dissimulam rapidamente e fortemente, mas querem ir “de volta aos negócios” o mais rápido possível. Seus sentimentos são um território cada vez mais estranho e desconhecido, ameaçando destruir seu foco e sua imagem de eficiência. Como resultado, Três ficam inseguros com o que sentem sobre as coisas. Eles passaram tanto tempo tentando se tornar alguém que tiveram dificuldade em acessar suas próprias crenças e respostas. Eles podem levar qualquer lado de uma questão – e mudar para o lado oposto com facilidade incrível – porque suas paixões e convicções pessoais se tornaram estranhas a eles. Em vez disso, eles aprendem a confiar em técnicas e fórmulas, seja em suas carreiras ou suas vidas pessoais.

Os Três medianos são mestres do jargão, manipuladores supremos de símbolos para efetuar seus fins, seja para eleger um presidente, para vender uma pasta de dente ou para se promover. Outros começam a sentir que a amizade deles é de acordo com a conveniência. Eles têm lugares para ir e coisas para realizar, e tornar-se cada vez mais rápido, eficiente e emocionalmente separado. Porque eles estão perdendo contato com o desejo de seu próprio coração, a única fonte de orientação neste nível é “o que funciona”.

Embora sejam adequados para dominar problemas técnicos, os normalmente não são bons líderes porque não têm visão pessoal, tem poucos valores fortemente mantidos e pouca empatia para os outros. Infelizmente, no entanto, são muitas vezes atraídos por posições de liderança, porque o prestígio está envolvido. O resultado é que eles lideram seguindo, dizendo às pessoas o que querem ouvir e não o que eles precisam fazer. Uma vez que a imagem se torna a realidade, ela assume uma vida falsa própria.

Nível 6: O Narcisista Auto Promotor

Depois de elaborar meticulosamente um eu “novo e melhorado” que outros podem afirmar e aceitar, Três pode ter medo de que os outros vejam através deles e descubram que eles não são realmente a imagem fantástica, “perfeita”, que estão tentando projetar. Neste ponto, ser exposto como menos do que sua imagem idealizada causaria humilhação completa, então Três “acelera o passo” e se torna uma máquina eficaz de auto-promoção para impressionar os outros. Eles querem que os outros os admirem e invejem, pensem que são absolutamente excepcionais em todos os sentidos, que eles têm tudo, que não são nada menos que perfeitos.

Mas o mais importante, Três quer esquecer o cada vez mais necessitado eu interior que continua a causar vergonha e dor. Eles querem se tornar sua imagem. Como uma compensação por seus crescentes medos de inutilidade, sua autoimagem tornou-se grotescamente inflada e grandiosa. Eles começam a anunciar-se implacáveis, se gabando de suas realizações, lançando nomes importantes, exagerando suas conquistas ou deixando que outros saibam sobre o grande sucesso que estão prestes a ter, fazendo-se soar incrivelmente maravilhoso, e o que quer que façam parecer melhor do que qualquer outra pessoa faz – e melhor do que realmente é.

Nesta fase, os Três medianos começam a se promover exageradamente, fazendo declarações extraordinárias sobre suas realizações. O inflação do ego narcisista marca um grau de dissociação do seu eu real, com todas as suas necessidades e limitações reais, para reivindicações sobre um eu glorioso que não existe. Na verdade, há menos que o que se vê aqui, embora isso ainda seja difícil de perceber porque o “discurso de vendas” geralmente é bastante convincente. No entanto, embora eles estejam desesperados para convencer a si mesmos e aos outros de que eles são notáveis, outros podem começar a sentir que eles são muito bons para ser verdade: muito do que eles dizem sobre si mesmos simplesmente não se anexa.

Tudo o que eles fazem nesta fase é para mostrar, para que as pessoas percebam e admirem. Os seus egos exibidos dizem: “Olhe para mim!”. Eles se tornam “fanfarrões” sem vergonha, mostrando sua cultura, sua educação, seu status, seus corpos, sua inteligência, suas carreiras, seus cônjuges, suas conquistas sexuais, sua inteligência, o que quer que seja eles pensem que lhes tratá admiração. Seu único assunto são eles próprios, e eles agem como se outros fossem, ou deveriam ser, fascinados por tudo o que eles dizem e fazem. Naturalmente, isso geralmente tem o efeito de aborrecer os outros, que então retiram sua atenção – exatamente o que Três quer evitar.

Os conflitos com outros também começam, e ficam progressivamente piores, como resultado de sua competitividade agora aberta. Porque é difícil para Três neste nível ter sentimentos positivos para com quem eles competem, eles começam a ter problemas para fazer amigos entre seus colegas. A competitividade faz com que vejam os outros como ameaças e obstáculos ao seu próprio sucesso. Eles se sentem confortáveis ​​em torno de pessoas apenas se eles se sentem superiores a elas de alguma forma, seja porque outras têm menos status do que elas, ou porque Três as derrotou em algum tipo de disputa aberta ou velada.

Como Três no Nível 6 tem feridas profundas em relação a seu senso de valor, eles sentem que apenas um grande sucesso será suficiente para satisfazê-los. A melhor marca de sucesso para o Três mediano é tornar-se rico e famoso, especialmente famoso. A fama tem um profundo apelo a eles porque significa ser conhecido por um grande número de pessoas. Com a fama, sua existência é afirmada: eles não são “ninguém”. Se todos sabem quem são, devem ser pessoas verdadeiramente valiosas. Eles também costumam buscar e promover símbolos de status como forma de criar novos valores sociais.

Os Três medianos obtém seu status adotando posses, depois usando-as como base para a concorrência com outros. A exclusividade é um complemento muito importante para a competitividade, porque ao excluir as pessoas menos desejáveis ​​de seu círculo social o Três mediano se torna árbitros de quem está “dentro” e quem está “fora”. O status é, portanto, o jogo desempenhado por aqueles que idolatram sucesso. Como autodenominados árbitros de status, Três precisa garantir que quem mais joga o jogo, falhará, mas ainda voltará para mais.

Não é necessário dizer que os Três narcisistas são auto-envolvidos, arrogantes e altamente impressionados consigo mesmos. Eles começam a acreditar em sua própria impressão e se convencem de que eles realmente são pessoas superiores. Ao adotar uma atitude desdenhosa para com os outros, são capazes de reforçar sua delicada autoestima. Sentir-se superior aos outros também garante que eles não serão rejeitados por ninguém, e se por algum motivo eles são, a rejeição não os incomodará, pois eles sentem que aqueles que os rejeitam são inferiores e não contam de qualquer maneira.

Em suma, eles olham os outros apenas para ver se outros estão olhando para eles. Ser bem visto, literal e figurativamente, sempre foi extremamente importante para Três, mas a atratividade física nunca é mais importante do que quando são abertamente narcisistas. Eles fazem poses, exibindo “atitude” tanto como uma forma de ser exclusivo (e de maneira inacessível, melhor do que qualquer outra pessoa) e de chamar a atenção para si mesmos (sem parecer fazê-lo constantemente). Homens ou mulheres, Três nesta fase são exibicionistas e sedutores, usando seu sex appeal para aumentar sua desejabilidade.

Exibição sexual, hipermasculina ou hiperfeminina, sendo um galã ou rainha da beleza, é típico. Claro, nem todos os Três são fisicamente atraentes. No entanto, qualidades físicas são importantes para eles, e aqueles que não são fisicamente atraentes poderão substituir narcisisticamente por exibição de inteligência ou sabedoria, dinheiro e sucesso, fama e prestígio para impressionar outros. Narcisismo é essencialmente passivo, e a sexualidade nos Três tem uma certa passividade também: eles querem ser o objeto de desejo. Três narcisistas querem que os outros os admirem, apesar de eles mesmos não estarem dispostos a gratificar ninguém, sexualmente ou psicologicamente. Mas a passividade narcisista também aparece de outras formas.

Tendo “ganhado” os outros, eles começam a “relaxar em sua glória” e se tornam arrogantemente complacentes. Eles estão tão envolvidos em obter estímulos de curto prazo a seu narcisismo que tornam-se incapazes de focar em metas e conquistas reais a longo prazo. Eles começam a passar pela vida, contando com charme e sex appeal. Qualquer energia que eles possam ter gasto cultivando relacionamentos agora acaba: tendo seduzido ou conquistado outros com charme, eles se sentem que estão “garantidos”. Ou eles perdem totalmente o interesse: uma vez que conquistam alguém, perdem o interesse após ter o estímulo a seu narcisismo. Eles também gostam de frustrar as pessoas que tentam se aproximar, como se dissessem: “Você pode olhar, mas não pode tocar. Você pode me venerar, mas não pode me ter.” Tudo isso aparece devido ao grande medo da intimidade e de sua necessidade de se afirmar como “desejável”.

Conflitos com os outros também surgem devido a sua pretensão, porque Três começa a acreditar em sua própria imagem, exagerando suas conquistas a extremos ridículos. (“Minha descoberta vai ganhar o Prêmio Nobel”, “Minha exibição de arte vai vender tudo no primeiro dia”). O problema é que quanto mais pretensiosos eles são, mais facilmente ficam ofendidos quando alguém aponta o quanto suas avaliações de si mesmos e suas expectativas de sucesso não são realistas. A ironia é que, devido a suas grandiosas expectativas, eles na verdade se colocam em posição de sofrer grandes decepções. E quanto mais narcisistas eles são, mais rapidamente eles se sentirão menosprezados pelos outros.

Eles são muito sensíveis sobre seu  valor precisamente quando seu narcisismo está mais inflado, um sinal certo de que o narcisismo está encobrindo uma grande falta de autoestima genuína. De fato, se seu narcisismo não é reforçardo constantemente, eles começam a ficar hostis, rapidamente perdendo qualquer senso de humor que eles possam ter tido sobre eles mesmos. Eles começam a ser sarcásticos e desdenhosos em relação aos outros. Sob o pretexto de serem honestos, eles colocam as pessoas pra baixo para se sentirem superiores, pelo menos em suas cabeças.

Os poucos amigos que ainda possam ter são tratados de forma grosseira: são ignorados, levam bolo e nem recebem pedidos de desculpas, e o Três os fazem sentir-se inadequados e inferiores de diferentes formas.

O Três nesse nível está se deteriorando e muito longe da pessoa extraordinária e exemplar que vimos no Três saudável. Não mais focado em objetivos reais e autoaperfeiçoamento genuíno, eles estão desesperadamente consumidos por necessidade de reconhecimento, apesar de não saberem o porquê. Mas tendo rejeitado seus corações, e vendo que todo seu trabalho não os fez sentir melhor consigo mesmos, eles estão desapontados e com raiva, o que eles tentam esconder ao máximo. Se eles podem entrar em contato com sua vergonha e auto alienação podem começar a se recuperar e entrar em contato com seu verdadeiro eu. Entretanto, se continuar a se enganar sobre sua verdadeira situação, eles arriscam perder severamente a conexão com quem eles realmente são.

Anúncios

Deixe uma resposta