Eneagrama 2: Subtipos

Publicado por

Este guia visa apresentar a teoria e tipologia do Eneagrama. Os posts serão traduções e adaptações do original, que merece todos os créditos: The Enneagram Institute e os livros de Riso-Hudson

 

Agora temos um Grupo no Facebook

 

Antes de ler esse post, é recomendado entender sobre o Eneagrama 2.

Caso não sabe que são Asas e Sub-Tipos, esse é o link.

Eneagrama 2: Subtipos

O indivíduo de Eneagrama 2, estará dentro de um dos dois Subtipos: 2w1 (Dois Asa Um- O Servo)  ou 2w3 (Dois Asa Três – O Anfitrião).

O Dois com asa Um: “O Servo”

Tanto o Dois como o Um estão fortemente orientados para os seus superegos, então vemos uma sensação aumentada de altruísmo nos Dois com asa Um. Ao mesmo tempo, os traços dos Dois e do Um tendem a entrar em conflito um com os outro: os Dois são emocionais, interpessoais e histriônicos, enquanto os Ums são racionais, impessoais e autocontrolados.

A empatia e habilidade interpessoal dos Dois são contrabalançados pela restrição, objetividade e idealismo do Um. Assim, os Dois com asa Um se esforçam pelo o amor através do bem e do serviço abnegado. Eles contribuem com um grau de circunspecção e severidade que é menos pronunciada no outro subtipo do Dois.

No Dois com asa Um, o sentimento de obrigação também é mais forte, enquanto as qualidades interpessoais dos Dois são tipicamente mais silenciosas nele que no outro subtipo. A este respeito, este subtipo pode ser identificado erroneamente como tipo Seis, ou vice-versa.

Há uma consciência forte e um desejo de agir por princípios, de forma que as pessoas desse subtipo tentam tratar os outros de forma justa, independentemente das suas necessidades emocionais, embora, como Dois é de tipo básico, provavelmente sentirão conflitos entre seus princípios e seu coração.

Pessoas saudáveis ​​desse subtipo podem trazer benefício para os outros, em parte por causa dos princípios da asa Um. Ensinar os outros, melhorar suas vidas e trabalhar por uma causa são traços notáveis. Muitas organizações de caridade e organizações religiosas e filantrópicas provavelmente começaram e são equipadas por este subtipo.

Eles querem dar o melhor serviço possível aos outros, e eles fazem isso com menos autoestima e mais altruísmo do que o outro subtipo do Dois. Eles muitas vezes sentem uma seriedade de propósito e são atraídos à procurar seu propósito na vida. Eles podem ser professores particularmente bons, uma vez que eles não só têm uma orientação objetiva e intelectual para fatos e valores, mas o calor emocional para trazer ideias à vida.

Como professores e pais, eles também são muito encorajadores e apreciativos daqueles a seu cargo. Em seu estilo pessoal, eles gostam de manter as coisas simples e funcionais, em contraste com os Dois mais exibicionistas com uma asa Três.

Em pessoas no nível mediano desse subtipo, há uma tensão entre personalismo e idealismo. Como Dois, eles simpatizam com as pessoas, mas se seus ideais abstratos estiverem em conflito com seus sentimentos, será difícil para eles simpatizar com outros de todo o coração. Pelo menos parte deles permanece julgadora, pronta para fazer declarações morais.

No entanto, ambos os componentes fazem com que pessoas desse subtipo se sintam fortemente orientadas a servir os outros, e eles experimentam grande dificuldade em dizer não às pessoas. As pessoas no nível mediano deste subtipo também podem ser muito controladoras, dos demais e de si mesmas. Eles são egocêntricos, embora este fato seja escondido por conta de seus ideais, especialmente o ideal do amor.

Vemos as tendências conflitantes dos dois subtipos mais claramente no desejo de ser importante para os outros versus o desejo de ser razoável e objetivo. Eles se sentem estranhos em chamar a atenção para si mesmos e preferem trabalhar em segundo plano, no entanto, como Dois eles querem se sentir significativos nas vidas dos outros.

As pessoas deste subtipo também estão mais sujeitas à culpa e à auto condenação do que Dois com asa Três, uma vez que eles tendem a ser mais críticos de si mesmos quando não conseguem cumprir seus próprios padrões morais. Eles muitas vezes sentem que já têm muito, e têm mais problemas para pedir o que eles querem do que o outro subtipo do Dois.

Pessoas não saudáveis deste subtipo são auto justificativas, inflexíveis e moralistas sobre o que eles pensam ser a coisa certa a fazer. O desejo de se justificar combina-se ao auto engano e manipulação para produzir uma mentalidade fortemente arraigada que é muito difícil de mudar. As pessoas desse subtipo são rápidas em condenar os outros e podem justificar-se por motivos morais.

Eles não querem ser provadas erradas, nem querem se mostrar egoístas, e eles negam completamente seus sentimentos agressivos. As pessoas desse subtipo estão sujeitas a hipocondria e transtornos psicossomáticos – obsessões e compulsões focadas em seus corpos.

O Dois com asa Três: “O Anfitrião”

Os traços dos Dois e os dos Três tendem a se reforçar: ambos os tipos relacionam-se facilmente às pessoas. A asa Três acrescenta elementos de charme, “personalidade” e adaptabilidade; Assim, Dois com uma asa Três procura o amor através da criação de intimidade e conexão pessoal. Este é também o lado mais “sedutor” dos Dois: este subtipo emprega charme e graças sociais para ganhar o carinho dos outros.

O desejo de aceitação e validação dos Três combinada ao impulso dos Dois para apreciação e proximidade acaba formando uma personalidade em que as relações são o foco central. Pessoas saudáveis ​​deste subtipo são charmosas, amigáveis ​​e extrovertidas. Eles apreciam a atenção dos outros, são seguros de si mesmos e exalam uma aura de bem-estar e uma satisfação saudável.

Possuem uma atitude mundana de espírito livre que pode ser facilmente confundida com a alegria de viver dos Sete. Existe um calor genuíno nas pessoas desse subtipo, bem como a capacidade de comunicar esse calor aos outros. O “dar” desse subtipo é menos propenso a assumir a forma de cuidados abertos.

Eles gostam de conferir qualquer talento que eles possuem sobre seus amigos e admiradores: cozinhar, divertir, cantar e ouvir são todos experimentados como uma generosidade interior a ser compartilhada.

O Dois com asa Três é mais um “doador de presentes” do que um “servo”. As qualidades sociais são valorizadas mais do que as de moral ou intelectuais. Eles são menos orientados por tarefas do que o outro subtipo, mas também são menos propensos a se autoquestionar e a autocrítica. O Dois medianos com asa Três querem projetar uma imagem de excelente calor e simpatia.

É importante para eles serem percebidos como pessoas extraordinárias e desejáveis. Dois usam outros para validar suas qualidades; Três, para validar a sua desejabilidade, que neste subtipo é frequentemente expresso como um foco na atratividade física e atratividade sexual.

Além disso, na medida em que a asa Três é operacional, eles são muito dedicados e querem sinais tangíveis de realização e sucesso. A imagem-consciência dos Três medianos pode começar a se manifestar em Dois como amizade excessiva, serem “bonzinhos” e sentimentalismo exagerado. Eles também são mais propensos a lisonjas e fofocas do que o outro subtipo.

Considerando que nenhum desses comportamentos é necessariamente prejudicial, eles tendem a fazer com que outros os rejeitem como sérios – exatamente o oposto do que Dois querem. Eles também estão conscientes do que os outros pensam deles e de como se deparam com os outros.

Quando combinados com a possessividade dos Dois, isso pode fazer com que eles estejam excessivamente preocupados com sua desejabilidade de uma maneira que pode levar tanto a atrações fortes como a grandes decepções. Ter os amigos certos, e cultivar pessoas é típico. Também encontramos a tendência de ser auto focados e narcisistas, embora a preocupação do Três sobre sua “imagem” e a personalidade auto sacrificial dos Dois irá mascarar isso até certo ponto.

A asa Três ajuda o Dois a ser mais direto sobre o que eles querem, mas também faz com que eles chamem mais atenção aos serviços que eles forneceram. Uma pessoa desse subtipo teme ser humilhada e perder status ao invés de se sentir culpada pela violação de seus ideais morais.

Se as pessoas desse subtipo se tornam não saudáveis, elas podem ser emocionalmente devastadoras para os outros, uma vez que se tornam manipuladoras e exploradoras, enganadoras em relação aos outros e auto enganosas, oportunistas e neuroticamente se sentindo autorizadas a obter o que quiserem dos outros.

A hostilidade para com os outros pode ser extremamente forte e consumidora: sob seu aparente charme, há uma ameaça. Eles são potencialmente psicopatas que são capazes de causar grande destruição.

Neles, encontramos elementos de obsessão emocional – até mesmo comportamento de perseguição – que podem levar à maldade e à tendência de arruinar o que não podem ter, especialmente os relacionamentos. Dois com asa Três são capazes de ciúmes patológicos e crimes violentos de paixão.

Anúncios

Deixe uma resposta