Eneagrama 2: O Ajudante

Este guia visa apresentar a teoria e tipologia do Eneagrama. Os posts serão traduções e adaptações do original, que merece todos os créditos: The Enneagram Institute e os livros de Riso-Hudson

Agora temos um Grupo no Facebook

Relação estimada com a Tipologia MBTI

Enea Jungian Functions MBTI Types
Dois Sentimento Extrovertido ou Sentimento Introvertido Frequentemente ESFJ, ENFJ, ESFP, ENFP, ISFJ, ISFP
Esporadicamente INFJ, INFP, ISTP
Raramente ENTP, INTP, INTJ, ENTJ, ESTP, ESTJ, ISTJ

Tipo Dois: O Ajudante

Saudável

Empático, compassivo, sentimental com e para os outros, cuidando e preocupado com suas necessidades. Extrovertidos e apaixonados, eles oferecem amizade e gentileza. Pensativo, caloroso, indulgente e sincero.

Incentivador e apreciativo, capaz de ver o que há de bom nos outros. Dedicado e favorável às pessoas, trazendo o melhor deles. O serviço é importante: eles são criadores, generosos e que se doam – pessoas verdadeiramente amorosas. No seu melhor: profundamente altruístas, humildes e abnegados, dando amor incondicional a si mesmos e aos outros. Sentem que é um privilégio estarem na vida dos outros. Radiantemente alegres e graciosos.

Mediano

Tornam-se “pessoas agradáveis” para se aproximar dos outros, tornando-se excessivamente amigáveis, emocionalmente demonstrativos e cheios de “boas intenções”. Oferecem atenção sedutora aos outros em busca de aprovação, “elogios” e lisonjas.

Falantes, especialmente sobre amor e seus relacionamentos. Tornam-se excessivamente íntimos e intrusivos: eles precisam ser necessários, então eles sufocam, se envolvem e controlam em nome do amor. Querem que os outros dependam deles: se doam, mas esperam reciprocidade.

Enviam mensagens confusas aos outros, pois enquanto são possessivos e se sacrificam pelos demais, quando não há reciprocidade, vestem uma “máscara” afim de se tornarem necessários e conseguir a atenção que precisam.

Cada vez mais auto-importantes e auto-satisfeitos, sentem que são indispensáveis, embora exagerem seus esforços em nome da atenção dos outros. Procuram formas específicas de recompensa por sua ajuda. Hipocondria, tornando-se um “mártir” para os outros. Excessivo, condescendente, presunçoso.

Não saudável

Manipulador e egoísta, instilando a culpa nos outros, fazendo com que os outros se sintam em dívida com eles. Abuso alimentos e medicamentos para “sentir coisas” e obter simpatia. Acredita que as pessoas estão fazendo críticas depreciativas quando não estão.

Mentem para si mesmos sobre seus motivos e sobre como são egoístas e/ou agressivos em seu comportamento.

Tentam dominar e ser coercivos, sentindo-se autorizados a obter qualquer coisa que eles desejam dos outros e ficam amargamente ressentidos e irritados quando não conseguem.

Somatização de suas agressões resulta em problemas de saúde crônicos à medida que eles se vangloriam por “se sacrificar”, e ao sobrecarregar os outros.

Motivações-chave

Quer ser amado, expressar seus sentimentos pelos outros, ser necessário e apreciado, fazer com que outros respondam à altura, conseguir suas reivindicações sobre os outros.

Uma visão geral dos Dois

Por ter tantas facetas, o amor é difícil de definir. Ele significa coisas diferentes para pessoas diferentes em diferentes tipos de relacionamentos. A palavra pode ser usada para cobrir uma infinidade de virtudes e vícios. De todos os tipos de personalidade, o Dois pensa no amor em termos de sentimentos positivos para com os outros, de cuidar dos outros e de auto-sacrifício.

Dois também pode ver o amor em termos de intimidade e alcançar a proximidade com os outros. Esses aspectos do amor são, sem dúvida, partes importantes da imagem. Mas o que Dois nem sempre lembra é que, no máximo, o amor está mais alinhado com o realismo do que com os sentimentos.

O verdadeiro amor quer o que é melhor para o outro, mesmo que isso signifique arriscar o relacionamento. O amor quer que o amado se torne forte e independente, mesmo que isso signifique que isso leve ao término da relação. O amor real nunca é usado para obter dos outros o que eles não dariam livremente.

O amor sobrevive a falta de resposta, egoísmo e erros, não importa quem tenha a culpa. E não pode ser retomado. Se puder ser, não é amor. Uma coisa central para entender sobre Dois é que, embora na superfície parecem estar oferecendo amor, em um nível mais profundo eles estão realmente procurando recebê-lo. Os Dois acreditam que, se eles amarem os outros o suficientemente, certamente outros os amarão em troca.

Uma e outra vez, como veremos, Dois estendem aos outros carinho, presentes, serviços e muitas outras coisas, mas muitas vezes são decepcionados com as respostas que recebem. No entanto, até que Dois aprenda a se amar de forma adequada, nenhuma das respostas que obtêm, por mais amorosas, os fará sentirem amados.

Os Dois acreditam profundamente no poder do amor como a principal fonte de tudo que há de bom na vida, e de muitas maneiras eles estão certos. Mas o que alguns Dois chamam de “amor” e o que é digno do nome são coisas muito diferentes. Neste tipo de personalidade, veremos os mais amplos significados possíveis do amor, do amor desinteressado e genuíno, às efusões lisonjeiras dos “prazeres”, à manipulação desesperada e às perigosas obsessões de “perseguição”.

Existe uma tremenda variedade entre aqueles que marcham sob a bandeira do amor, dos anjos mais desinteressados ​​aos demônios mais cheios de ódio. Compreender o tipo de personalidade Dois nos ajudará a entender como eles chegaram a serem assim. Na tríade do sentimento, embora o Dois tenham sentimentos fortes pelos outros, eles têm problemas potenciais com seus próprios sentimentos.

Eles tendem a sobre-expressar o quão positivo eles sentem sobre os outros, ignorando completamente seus sentimentos negativos. Eles se vêem como pessoas carinhosas e bondosas, mas muitas vezes eles amam os outros apenas para manipular os outros para amá-los em troca.

Seu “amor” não é gratuito pois expectativas de reembolso estão anexadas. Dois são muitas vezes prejudicados em sua capacidade de amar verdadeiramente os outros, porque sua auto-imagem é altamente investida em ter apenas certos sentimentos positivos em relação ás pessoas e evitar ter sentimentos “desagradáveis”. Dois saudáveis, no entanto, são os mais considerados e genuinamente amorosos de todos os tipos de personalidade.

Como eles têm sentimentos fortes e sinceramente se importam com os outros, eles saem do seu caminho para ajudar as pessoas, fazendo isso muito bem e atendendo às necessidades reais. Mas se eles se tornam não saudáveis, enganam-se sobre a presença e extensão de suas próprias necessidades emocionais, bem como seus sentimentos agressivos, não se reconhecendo como os manipuladores e dominadores que podem vir a ser.

Como veremos, os Dois não saudáveis ​​estão entre os mais difíceis dos tipos de personalidade perceberem suas reais motivações, por serem extremamente egoístas em nome do altruísmo. Eles podem causar terríveis danos aos outros enquanto acreditam que são completamente bons.

A essência do problema é que mesmo o Dois mediano tem dificuldade em se ver como eles realmente são, como pessoas de motivos mistos, sentimentos conflitantes e necessidades pessoais que eles querem satisfazer. Isso ocorre porque seus superegos dizem-lhes que ao se satisfazerem e conseguirem o que querem diretamente, eles estão sendo egoístas e serão punidos.

Assim, Dois deve convencer-se de que não tem necessidades, e que o que eles fazem para os outros é sem interesse próprio. Eles devem se ver apenas em termos positivos, acomodados em suas bases distorcidas de auto-decepção. O que é difícil de entender sobre Dois menos saudáveis ​​é como eles podem enganarem-se tão completamente;

O que é difícil para os outros de lidar neles, é a maneira indireta em que eles tentam satisfazer suas necessidades. Quanto mais não saudável for a forma com que eles tentam obter, mais difícil é para os outros avaliar suas intenções como seria a parte mais virtuosa de um Dois.

Eles se exoneram constantemente e exigem que outros façam o mesmo – de fato, exigem que as pessoas aceitem sua interpretação de suas ações, às vezes mesmo quando isso é contrário aos fatos óbvios.

A ambivalência dos sentimentos dos dois e a capacidade de mudar de sentimentos aparentemente totalmente positivos para os outros altamente negativos é surpreendente. Ao traçar a deterioração dos Dois ao longo dos Níveis de Desenvolvimento, podemos ver que os Dois saudáveis ​​realmente amam os outros genuinamente.

Já o Dois mediano, tem sentimentos mistos: seu amor não é tão puro ou altruísta, como eles querem acreditar. E em Dois não saudáveis, o oposto do amor está em operação: o ódio encontra combustível em ressentimentos ardentes contra os outros.

Jung não está errado ao dizer que “apenas uma alteração muito leve na situação é necessária para invocar imediatamente o pronunciamento oposto sobre o mesmo objeto”, uma vez que o ódio está no outro extremo do espectro do amor genuíno. Mas o que é verdade é que, passo a passo, quando o Dois se deteriora ao longo dos Níveis para a neurose, é precisamente o que acontece.

Problemas com Hostilidade e Identidade

Os tipos Dois, Três e Quatro têm um problema em comum em relação á hostilidade, embora se manifeste de maneiras diferentes. Dois negam que tenham sentimentos hostis, ocultando suas agressões não apenas dos outros, mas também de si mesmos.

Como todos os outros, Dois tem sentimentos agressivos, mas eles se protegem de perceber sua existência e extensão porque sua própria imagem proíbe-os de serem abertamente hostis. Eles agem de forma agressiva apenas se conseguirem convencer-se de que suas agressões são para o bem de outra pessoa, nunca para seu próprio interesse.

Dois medianos à não saudáveis temem que se eles fossem sempre abertamente egoístas ou agressivos, não só seu comportamento negativo contradiria sua auto-imagem virtuosa, mas também afastaria os outros deles. Eles, portanto, negam a si mesmos (e aos outros) que eles têm motivos egoístas ou agressivos, ao mesmo tempo que interpretam seu comportamento real de uma maneira que lhes permita se ver em uma luz positiva.

Eles tornaram-se tão bons nisso que se enganam completamente sobre a contradição entre seus motivos expressos e seu comportamento real. Dois não saudáveis ​​tornam-se capazes de agir de forma muito egoísta e muito agressiva, enquanto, em suas mentes, não são nem egoístas nem agressivos. A fonte de sua motivação é a necessidade de ser amado.

No entanto, Dois estão sempre correndo o risco de permitir que seus desejos de serem amados, se deteriorem no desejo de controlar os outros. Ao gradualmente criar dependência dos outros neles, o Dois  mediano inevitavelmente desperta ressentimentos contra si mesmos, exigindo que outros confirmem o quão virtuosos são. Quando surgem conflitos interpessoais, como é inevitável, por suas tentativas de controlar os outros, os Dois medianos para não saudáveis, sempre sentem que outros pecaram e não que els são os pecadores.

Eles se vêem como mártires que se sacrificaram desinteressadamente sem serem apreciados por isso. Os seus sentimentos e ressentimentos, sua agressividade reprimida, e sua passivo-agressividade eventualmente se manifestam em queixas, doenças psicossomáticas graves e doenças físicas que obrigam os outros a cuidar deles.

Ganhar o amor dos outros é tão importante para os Dois porque eles temem que eles não são amados quando sozinhos. Eles sentem que só serão amados se puderem ganhar amor, sempre sendo bons e sacrificando-se constantemente por outros. Em uma palavra, eles temem que outros não os amem, a menos que eles façam com que outros os amem.

Dois poderiam ser caracterizados brevemente como pessoas que, temendo que não sejam amáveis, passem suas vidas tentando fazer as pessoas os amarem. Naturalmente, isso cria uma fonte profunda de agressão escondida e, se as pessoas não respondem como eles querem, o Dois mediano para não-saudável se torna cada vez mais ressentido.

Mas, como eles não podem conscientemente admitir seus sentimentos agressivos, eles expressam indiretamente, no comportamento manipulador. É surpreendente ver quão malignos Dois podem tratar os outros enquanto justificam tudo o que fazem. Mas, não importa o quão destrutivas sejam suas ações, os Dois não conseguem ser dissuadidos de que não têm nada além do amor e das mais boas intenções do coração.

Uma das principais ironias de todos os Dois é que, a menos que sejam saudáveis, o foco de sua atenção é essencialmente sobre si mesmos, embora eles não deem essa impressão aos outros, nem se considerem egocêntricos. Dificilmente cogitariam que seu “amor pelos outros” não se trata de um subterfúgio.

Em vez disso, seus sentimentos positivos sobre si mesmos – como reforçados pelas reações positivas dos outros – são o que é importante para eles, e o que estão buscando. De forma real, Dois dependem das respostas amorosas dos outros para validar sua auto-imagem – a pessoa boa, altruísta e amorosa. O problema é que, enquanto os Dois estiverem focados nos outros para encontrar indicações de seu próprio valor e adorabilidade, eles não conseguirão estar plenamente conscientes de todos os seus próprios sentimentos, e não poderão reconhecer as qualidades adoráveis ​​dentro de si.

À medida que o Dois se deteriora, a situação piora, porque eles também não conseguem reconhecer respostas amorosas nos outros. O Dois mediano à não saudável começa a procurar sinais muito específicos de afeição dos outros por eles, e quaisquer indicações diferentes de “amor” são descartadas.

Assim, passam a querer descobrir o tipo de pessoa que eles precisam ser e o que eles tem que fazer para provocar nas outras respostas específicas que “contam” como amor. É por isso que Dois tem um segundo problema em comum com Três e Quatros – um problema com suas identidades.

Outras pessoas não veem Dois como realmente são, e, mais importante, os próprios Dois não se veem como realmente são. Há uma disparidade cada vez maior entre a auto-imagem amorosa e a pessoa necessitada real, entre as reivindicações de generosidade altruísta e as reivindicações que eles fazem sobre o amor dos outros.

De forma real, Dois aprenderam a se rejeitar e às suas próprias necessidades legítimas, acreditando que a auto-imagem idealizada que criaram – o ajudante e o amigo desinteressado ​​- serão mais aceitáveis ​​do que seus próprios sentimentos e respostas autênticas. E porque sua identidade depende de outros afirmando e apreciando sua bondade, Dois ficam presos em comportamentos que cada vez mais os frustrarão e alienarão os outros.

Para que os Dois escapem desta armadilha, eles precisam reconhecer o grau em que ignoram suas próprias necessidades, bem como o seu pesar e vergonha. Eles podem então aplicar suas extraordinárias habilidades de nutrição à alguém que as precisa desesperadamente: ele mesmo.

Dinâmica dos Dois

A direção da desintegração

O eneatipo Dois vai em direção ao eneatipo Oito em sua direção de desintegração.

Começando no nível 4, o Dois mediano para não saudáveis, às vezes responderá ao estresse e à adversidade, exibindo alguns dos traços do Oito  mediano para os não saudável. Como o Dois reprime muitos de seus sentimentos negativos e agressivos, a mudança para o Oito pode ser vista como uma maneira alternativa de agir quando as defesas do ego normal deles falharem.

No Nível 4, os Dois tendem a ser amigáveis ​​e bem intencionados, expressando seus sentimentos positivos sobre todos em suas vidas. Quando eles vão para Oito, de repente se tornam mais diretos e, em certo sentido, “diretos e retos”. Eles podem parecer perspicazes e pragmáticos, em contraste marcado com a imagem de doçura que costumam projetar, ao serem terrivelmente francos. Eles também respondem ao estresse trabalhando mais e ficando cada vez mais empenhados nos projetos que estabeleceram e ficando preocupados com as necessidades de sobrevivência da família.

No nível 5, Dois querem tornarem-se necessários, e tentam tornarem-se indispensáveis para as pessoas. Aqui, o movimento em direção a Oito denota sua necessidade de ser apreciado pelos seus esforços. Eles começam a chamar a atenção para sua importância, blefando e se vangloriando e fazendo grandes promessas para as pessoas.

Isso se mistura com as fofocas dos Dois e citar o nome de uma maneira que se destina a se comunicar com os outros: “Espero que você esteja ciente de quão importante eu são em sua vida.” Dois neste nível também pode pegar alguns dos traços arrogantes dos Oito. Em resposta às frustrações decorrentes de seus auto-sacrifícios, eles começam a causar problemas ao seu redor.

No nível 6, há um colapso de auto-importância, Dois pode se tornar mais flagrantemente agressivos e controladores como Oitos no nível 6. Eles podem fazer ameaças e tentar testar a confiança das pessoas que as cercam como uma maneira de tentar exercer controle. Quando o Dois atua como um Oito nesse nível, os pretextos de serem amorosos e amigáveis ​​desaparecem e a raiva subjacente e os sentimentos de traição são expostos. Embora os Dois tenderão a racionalizar esses episódios e até mesmo esquecê-los. Mas outros, não.

No nível 7, o Dois tornou-se profundamente neurótico e estará usando toda a sua força para reprimir sua crescente raiva e hostilidade, a fim de preservar a ilusão de que eles ainda são pessoas boas e altruístas. O movimento em direção ao Oito aqui é indicativo que está se tornando difícil “manter a tampa lacrada” por mais tempo. O temperamento do Dois neste nível pode ser assustador, pois sua raiva e desapontamento chegam à superfície. Eles podem atacar outros, ou gritar viciosamente e abusivamente com as pessoas que sentem que estão frustrando-os.

No nível 8, até os pretensões da doçura desapareceram, e nesse ponto os Dois no Oito, agora, liberam suas agressões, pois sentem-se no direito. Seus desejos suprimidos podem emergir descontroladamente, e eles podem ser implacáveis e brutais em busca do que eles acreditam ter lhes sido negado.

Eles se sentem poderosos, justificados e inexpugnáveis ​​na corrida da ira que explode neles. O problema essencial com os Dois não saudáveis ​​é que eles não enfrentaram seus sentimentos agressivos quando eram brandos. Mesmo nas profundezas de sua doença e sofrimento, os Dois neuróticos percebem que ainda estão coagindo pela atenção dos outros, e este pensamento continua a enfurecê-los. Eles podem acabar acamados ou hospitalizados porque estão fisicamente doentes, mas ainda não estão perturbados ou dissociados da realidade.

Assim, no nível 9, Enquanto podem ter se recuperado da parte física do problema, ainda subjaz neles o real motivo dos seus sintomas. E esse “bem estar” não deve durar por muito tempo.

Por ainda estarem neuróticos, no entanto, os Dois não estão em condições de lidar de forma construtiva com seus impulsos agressivos. Sua amargura e rancor, seu desejo de vingança e auto-vindicação são direcionados para aqueles que frustraram seu desejo de serem amados.

Quando se estão no Oito, os Dois neuróticos atacam aqueles que não responderam à eles como gostaram. O ódio que eles suprimiram vem derramando, e é expressado abertamente contra àqueles os quais sentem que não os amaram suficientemente no passado.

O amor se transforma completamente em ódio, e o ódio arde em violência e destruição. Um Dois profundamente neurótico, no nível Oito pode se tornar fisicamente violento, até mesmo assassino.

Aqueles na família imediata são geralmente as pessoas mais ameaçadas, as mesmas para as quais, os Dois, antes, estavam convencidos, de que não tinham nada senão boas intenções e amor eterno. O mártir auto-sacrificial, o santo sofredor, agora tornou-se um monstro, sacrificando os outros.

A direção da integração

O eneatipo Dois vai em direção ao eneatipo Quatro em a direção de integração.

Quando os Dois saudáveis ​​vão para o Quatro, eles entram em contato com seus sentimentos, especialmente os agressivos, e se tornam conscientes de si mesmos como realmente são. Eles saem de uma falta de vontade de se examinarem e aos seus motivos, e se movem para o autoconhecimento.

A Integração do Dois aceita a presença de seus sentimentos negativos tão plenamente quanto aceitam seus sentimentos positivos. Isso não significa que eles agem sobre seus sentimentos negativos quando estão no Quatro, mas que eles estão dispostos á reconhecer esses sentimentos em si mesmos.

O Dois no Quatro tornam-se emocionalmente honestos, eles são capazes de expressar toda a gama de suas emoções – não apenas seu lado amoroso, embora certamente esse esteja presente e mais genuíno do que nunca. Pela primeira vez, o Dois integrado se aceita incondicionalmente, assim como eles incondicionalmente aceitam outros.

É, portanto, possível dar algo mais profundo e pessoal aos outros do que já fizeram no passado. E quando eles são amados pelos outros, é ainda mais gratificante porque os outros amam eles de volta genuinamente.

Dois integrados podem, com razão, sentir que eles não são mais amados apenas pelo que eles fazem para os outros, mas para quem eles são. Existe também a possibilidade de aproveitar seus sentimentos mais completos e autênticos em formas de criatividade.

Eles se tornam mais  humanos, conscientes e reflexivos, e desenvolvem intuições sobre as profundezas da condição humana. Tudo o que eles dão aos outros é agora ainda mais valioso porque os Dois integrados são mais genuínos como seres humanos, seja como artistas, como, pais ou como amigos.

Pensamentos Finais

Ao olhar para trás, podemos ver que o Dois tem conflitos entre seu desejo de amar e sua necessidade de ser amado, entre sua auto-estima genuína e sua necessidade de manipular os outros para se sentirem bem consigo mesmos. O que é infeliz é que, parafraseando a Othello, os Dois medianos para não-saudáveis, ​​amaram, nem muito sabiamente, nem muito bem.

Mas pelo menos de acordo com sua própria ótica, eles tentaram amar os outros. Nisso reside a nobreza de seu objetivo e sua tragédia se eles não conseguem alcançá-lo. A ironia é que os Dois menos saudáveis ​​provocam compulsivamente a própria coisa que mais temem: querem ser amados, mas acabam sendo odiados, ou pelo menos indesejados por qualquer um.

Uma segunda, ironia sombria e cômica, está na probabilidade de a única pessoa que pode ser atraída para a posição de cuidar de um inválido e neurótico Dois, pode ser exatamente outro Dois não saudável.

Se o segundo Dois for manipuladamente auto-sacrificado também sobre a ajuda que ele ou ela dá, um duelo patético de vontades pode se originar entre essas duas almas semelhantes. O resultado é uma dança macabra da morte.

Se extraímos uma lição desse tipo de personalidade, é que alguém pode estar certo em sua crença sobre o valor do amor, mas errado em sua maneira de amar os outros.

Os Dois provam involuntariamente que o que eles forçam sobre os outros não é amor, e, por esse motivo, está condenado ao fracasso.

Assim quando o ego se mascara atrás do amor, o amor se torna corrompido e eventualmente corrompe tudo que toca – com todas as consequências que vimos neste tipo de personalidade.

 

Quer saber mais sobre Eneagrama? Mostre-me onde!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: