Anúncios

ISFP – Dinâmica das Funções

Esse é mais um post traduzido e adaptado na íntegra, então se quiserem ver o original que merece todos os créditos esses são os links abaixo:

  1. Simulatedworld’s Profiles for Extroverted Types
  2. Simulatedworld’s Profiles for Introverted Types

 Não sabe o que é MBTI? GUIA DE ESTUDOS

Agora temos um Grupo no Facebook

 

ISFP: Uma análise das funções cognitivas junguianas

ISFP, or Introvertido Sensorial de Sentimento e Percepção, é um rótulo emprestado da nomenclatura MBTI e agora aplicado ao conjunto de Funções Cognitivas Junguianas {Fi, Se, Ni, Te}.

Dominante: Sentimento Introvertido (Fi) 

“Eu acho que é importante não pensar demais. Eu acho que sei como eu me sinto sobre as coisas no geral, mas muitas vezes eu realmente não penso conscientemente sobre isso até uma situação surgir, e então eu apenas reajo da maneira que eu sinta ser o certo no momento. Eu não acho que você possa se preparar para os momentos mais importantes da vida porque você nunca sabe realmente como as coisas vão ser, até que chegue e você sinta por si mesmo como isso te afeta emocionalmente e fisicamente. Geralmente sou muito bom para descobrir como outras pessoas se sentem também – apenas de observá-los e pensar sobre como eu me sentiria se estivesse em seu lugar.

É realmente importante tratar as pessoas de forma atenciosa e compreensiva – eu sei que é assim que eu gostaria que eles me tratassem. Mais do que tudo, eu acho, eu só quero ser quem eu sou e não tentar analisar demais ou definir as coisas mais do que eu preciso. Apenas sinta, faça o que você sente ser correto no momento e você saberá o que fazer quando chegar a hora”.

Os ISFPs, mais do que qualquer outro tipo, precisam sentir que têm a liberdade de se abrir e ser eles mesmos, fazer o que for preciso para encontrar o tipo de vida, o tipo de amigos, o tipo de trabalho e o tipo de hobbies que realmente os fazem sentir em casa, equilibrados e em paz consigo mesmos e seus valores. Embora estejam igualmente focados em valores pessoais e em um senso individualista de moralidade como INFPs, a principal diferença na aplicação de Fi dominante é que os ISFPs não analisam e reanalisam seus valores através de extensões hipotéticas ou teóricas de sua imaginação.

A menos que eles estejam diretamente contribuindo para resolver um verdadeiro dilema moral que os afeta, a um amigo ou amado pessoalmente, eles vêem pouco valor em misturar e confundir todas as diferentes aplicações possíveis de seus valores quando há tanta informação imediatamente disponível para lidar com o mundo real de sensações e emoções tangíveis. Por esta razão, entre outros, os ISFPs simbolizam o tipo de mentalidade “ir com o fluxo e deixar seu coração ser seu guia”, que muitas vezes é atribuído aos tipos P.

No entanto, ao contrário dos tipos de EP, que reagem aos seus ambientes de forma a agradar as demandas e as expectativas de seu ambiente, os ISFPs começam por consultar seus valores internos subjetivos e, em seguida, apoiar e auxiliar seus julgamentos pessoais com a informação imediata ao seu redor. O que torna este processo único é que os ISFPs não necessariamente sabem como uma determinada idéia ou conceito moral afetará seu senso de ética até surgir um cenário real e tangível em que eles possam reagir da maneira que se sentem mais naturais.

Simplesmente lhes parece um desperdício de tempo preocupar-se com coisas que não afetam diretamente a urgência da situação em frente a eles. Embora os INFPs possam saber com bastante antecedência como todos os tipos de situações diferentes afetariam seus ideais e as avaliações emocionais resultantes, os ISFPs geralmente não podem atribuir qualquer significado real a uma ideia teórica até que estejam no meio de uma situação que o torne real pra eles.

Quando perguntado: “Como você se sentiria se o xyz acontecesse?”, Muitas vezes a resposta do ISFP é: “Eu não sei – nunca aconteceu e não está acontecendo agora. Então, quem se importa?” O sentimento introvertido para os ISFPs muitas vezes leva a assimilação e apoio de várias causas e campanhas éticas, que vão desde a bondade humana básica e cotidiana até visões grandiosas para a mudança idealista e a promoção da harmonia universal (especialmente à medida que o Ni terciário desenvolve e concede ao ISFP um alcance mais profundo de possibilidades interpretativas para a aplicação de seus valores em direção à sintonia global com o que ele vê como “o bem maior”.) Esses ideais representam mais que esperanças e devaneios otimistas.

Eles servem como uma janela para a visão individualmente pessoal do ISFP para um mundo melhor do que o que temos hoje. O desenvolvimento desta visão pode levar de um ISFP boa parte de sua vida para moldar algo coerente o suficiente para que ele possa ser explicado ou compartilhado de forma concreta com os outros -, mas os ISFPs passam a maior parte de suas vidas preenchendo-se com experiências reais precisamente para que eles compreendam a si mesmos e sua relação com o mundo totalmente para compartilhar essa visão de uma maneira que combina o fogo de suas paixões com a empatia real e genuína pelas necessidades e sentimentos que unem a humanidade em um nível universal.

Você pode encontrar essas visões em desenvolvimento nas obras artísticas que os ISFPs tendem a gastar uma quantidade substancial de tempo se aperfeiçoando – muitas vezes tidos como “artistas”, os ISFPs podem exibir essa afinidade pela natureza estética através da música, design gráfico, atuação, moda, artes e ofícios, trabalhos em madeira ou outras criações artísticas concretas – mas eles não precisam mostrar isso através de lojas artísticas tradicionais, e é importante perceber que, embora muitos ISFPs estejam envolvidos em atividades artísticas, muitos não estão.

Alguns podem passar suas vidas inteiras sem encontrar o meio certo para expressar exatamente o que sentem por dentro, mas tenha a certeza de que estão sempre procurando. Alguns podem encontrá-lo através de algo tão simples como alimentar os sem-teto, adotar animais perdidos ou orientar crianças pequenas – qualquer coisa que os faça sentir como se tivessem algum tipo de impacto positivo e tangível na vida de outra pessoa. ISFPs quase sempre praticam o que eles pregam – se eles defendem algo, você pode apostar que eles estão lá fazendo isso eles mesmos.

Auxiliar: Sensação Extrovertida (Se) 

“Observe que a árvore mais dura é mais facilmente quebrada, enquanto o bambu ou salgueiro sobrevive dobrando-se com o vento”.–Bruce Lee, ISFP Alerta e pronto para reagir em um segundo aviso, o Se auxiliar serve como uma ligação de Fi com o excitante mundo de sensações e respostas sensoriais.

É a combinação do domínio natural de Se do apelo visual/ auditivo e do senso de valor e importância estética de Fi que confere aos ISFP sua posição totalmente estereotipada como fornecedores de todas as coisas artísticas e expressivas. Embora esta reputação possa ser um pouco exagerada, é verdade que os ISFPs muitas vezes sentem a necessidade de expressar e exibir suas identidades pessoais através de meios visualmente atraentes – suas casas e a forma de se vestir são muitas vezes pouco convencionais e decorados de forma exclusiva, com o objetivo de criar uma sensação de calma e tranquilidade que nos conecta com nossas necessidades espirituais e emocionais, evitando expectativas e pretensões sociais.

Os ISFPs precisam que as coisas sejam “reais” e precisam mostrar suas convicções, gostos e preferências através de demonstrações “reais”. Tal como acontece com todos os tipos de SP, é importante lembrar que as ações falam mais alto do que as palavras: Se coloca o ISFP em contato com as expectativas sensoriais de seu entorno e o público natural que esses ambientes criam.

Isso se presta não só ao seu celebrado senso de espontaneidade improvisada, mas também a uma ideia clara do que “funciona” e o que não – alguns ISFPs fazem disso um negócio: ter consciência de quais tendências e visual na moda e estética estão causando o maior impacto no maior número de pessoas e fazem um esforço consciente para ficar à frente (Alguns tornam-se o que você pode chamar de “hipsters” – compreendendo sem esforço a essência do que é “cool”, mas silenciosamente confortável com o status que ele transmite e divertindo-se silenciosamente com as tentativas falhadas de outros de imitá-lo).

Ao contrário dos ESPs, que muitas vezes preenchem seu tempo com atividades emocionantes e fisicamente excitantes em grande parte pela excitação imediata envolvida em se perderem em suas reações sensoriais, os ISFPs se envolvem em comportamentos superficiais semelhantes para um propósito diferente: eles precisam desses tipos de experiências não só porque eles apreciam o valor expressivo das percepções sensoriais por si próprias, mas, mais importante, porque colocar-se em situações desconhecidas obriga-os a definir seus próprios valores e identidades através dos meios que eles escolherem para encontrar o caminho certo.

Os ISFPs geralmente sentem que devem provar que eles têm o que é preciso para encontrar o caminho para sair de situações perigosas como um meio de confirmar o valor e a dignidade moral de seu próprio caráter para si. Os ISFPs têm a reputação de largar tudo e partir para embarcar em algum tipo de viagem ou jornada com pouca ou nenhuma preparação e nenhuma razão aparente para fazê-lo além de um capricho momentâneo.

A variedade é o tempero da vida, e se eles fizerem o mesmo durante muito tempo, os ISFPs podem se sentir presos e bloqueados em um curso de ação – eles precisam mudar os ares de vez em quando apenas para se certificarem de que não estão perdendo contato com o que é realmente importante para eles, tornando-se muito inflexíveis em uma abordagem ou em uma maneira de viver a vida.

Embora isso possa confundir outros tipos (exceto EPs, quem fazem as mesmas coisas puramente para evitar o tédio, como é uma preocupação constante para eles), os ISFPs têm mais motivos para fazer isso do que o simples prazer da experiência em si. Uma vez que muitas vezes vêem pouco ou nenhum valor na auto-análise hipotética, podem achar difícil entrar em contato com seus verdadeiros eus até se forçarem a situações difíceis ou inesperadas que exigem respostas imediatas e instintivas.

As pessoas mostram suas verdadeiras “cores” completamente quando surge uma crise e, como tipo Fi dominante, é de extrema importância descobrir e alimentar suas identidades individuais: qual melhor maneira de fazer isso do que envolver-se diretamente na vida real e ver como respondemos?

Paradoxalmente, por ser um tipo frequentemente caracterizado como tão calmo e sereno, na maioria das vezes é durante momentos de crise aguda que os ISFPs encontram as experiências que definem o significado geral de suas vidas. Por outro lado, Se pode resultar em algumas tendências negativas para o ISFP que o utiliza em excesso.

Quando um ISFP vê uma situação que ele percebe como evidentemente errado ou imoral, ele pode se lançar precipitadamente em um confronto sem considerar as consequências desse comportamento a longo prazo. Embora a sua desenvoltura e a adaptabilidade sejam dons valiosos, é possível que ele avalie mal ou superestime sua capacidade de resolução de problemas e realmente piore tudo ao se envolver em situações em que sua presença exacerba o problema e, em seguida, não consegue apresentar qualquer solução genuinamente útil.

Enquanto Fi sente que está aderindo ao que é certo, Se pode deturpar as intenções geralmente boas do ISFP através de exibições arrogantes de bravura física, ou gestos excessivamente grandiosos de amor ou alguma combinação bizarra dos dois. Eu conheci homens ISFPs que, devido à educação em um ambiente hostil à sua natureza fundamentalmente sensível, cresceram para compensar demais essa “fraqueza” exagerando seu Se para mostrar aos seus amigos e famílias que eles podem ser “viris” também – eles podem dar em cima de todas as mulheres em um raio de 20 milhas, começar uma briga por qualquer coisa, ou sentir-se constantemente pressionados para ter uma “performance” e impressionar seu “público” de todas as formas.

Enquanto Se tende a emprestar um certo talento para o desempenho e seu impacto na “audiência”, viver constantemente nesse modo de interação é uma abordagem melhor para Se dominantes – quando um tipo Se auxiliar tenta fazer isso, ele pode se enfraquecer bloqueando a identidade interna mais importante que define seu senso de si mesmo.

Embora o desenvolvimento de Se seja, certamente, um componente útil e necessário ao equilíbrio cognitivo total do ISFP, forçando demais quase sempre resultará em um sentimento de identidade esmagada: “Quem sou eu mesmo?”, Fi pode perguntar. É vital para o jovem ISFP lembrar que, embora seja saudável experimentar novos tipos de situações e abordagens da vida, ele precisa passar mais tempo refletindo sobre o significado desses eventos para si mesmo, a fim de conquistar sua parte na auto-compreensão total e sensação de equilíbrio interno.

Terciário: Intuição Introvertida (Ni)

À medida que o tempo e a maturidade se estabelecem, os ISFPs geralmente começam a sentir que falta algo em suas perspectivas. Eles sabem como julgar o certo do errado, e eles sabem como responder instintivamente e causar um impacto sobre os outros, mas eles ainda podem sentir como se algo estivesse faltando – algo que eles não conseguem identificar ou articular. É um Ni terciário que preenche essa lacuna – adicionando uma sensação de profundidade intuitiva à sua gama de opções cognitivas, os ISFPs podem começar a ver além do imediato e considerar as implicações de seus valores e ações em uma escala maior.

Eu tenho um amigo ISFP que, aparentemente por um capricho, saiu de casa para caminhar pelas 2.200 milhas inteiras do Apalachian Trail em uma missão pessoal para provar a si mesmo que ele poderia suportar os desafios envolvidos. Este é um comportamento clássico do ISFP: quando ele retornou, meu grupo de amigos mal podia acreditar que ele era a mesma pessoa. Se antes ele estava bravo, impulsivo e insatisfeito com sua vida, agora irradiava sensação de calma, de aceitação confortável de sua própria identidade – um mestre de seu próprio destino.

Quando questionado sobre o que havia mudado, ele simplesmente respondeu que, depois de caminhar 2.200 milhas e encarando a morte em várias ocasiões, vivendo fora de sua terra e encontrando um meio para seu propósito, os desafios comuns da vida cotidiana simplesmente não pareciam mais tão significativos no grande esquema das coisas.

O que o meu amigo fez foi desenvolver seu Ni terciário: não mais contente em considerar apenas as implicações imediatas da interação entre seus valores e seu ambiente atual, ele conseguiu reconsiderar os pressupostos que sua mentalidade naturalmente faria no que se refere ao significado geral de tudo em torno dele. Ele desenvolveu um nível de perspectiva inteiramente nova e o efeito era óbvio e inspirador para todos os que o rodeavam.

Quando os ISFPs aplicam Ni de uma forma menos produtiva, geralmente negligenciando o desenvolvimento de Se e caindo em um ciclo FiNi, o resultado é geralmente uma combinação de cinismo amargo com as intenções de todos ao seu redor e sentimentos de isolamento e desapego irreparáveis ​​das experiências concretas e reais pelas quais eles encontrariam um sentido de significado e propósito.

Sobrecarregado com muito Ni muito cedo, o ISFP pode decidir simplesmente “abandonar” a vida em geral – convencido de que nada jamais lhe dará o sentimento de realização pessoal que ele deseja porque nada é realmente significativo em um sentido geral, ele pode se resignar a um comentário cínico sobre a desesperança de tudo. “Por que me incomodar? Nada nunca vai mudar.

Nada do que eu faço nunca vai fazer qualquer diferença para ninguém – então qual é o objetivo? Por que eu deveria mesmo me incomodar? Eu já sei o que vai acontecer, e não é nada que eu queira fazer parte – então eu desisto.” A solução geralmente envolve aprender a se envolver na excitação do momento, em encontrar alguma atividade que não só aproxime o ISFP de seu senso idealizado de harmonia interna, mas que também o lembre de que as coisas podem sempre mudar em um momento, e sempre devemos estar prontos para reagir e adaptar nossa abordagem ao mundo externo.

Quando um Ni eficiente se combina com Se desenvolvido de forma adequada, confere ao ISFP um novo senso do significado de suas ações a longo prazo: ao invés de entrar numa auto-piedade e duvidar do valor em qualquer coisa que ele faça, como o ciclo FiNi encorajaria em si próprio, uma ajuda equilibrada de Ni criará a percepção de que todos os dias de sua vida, o ISFP tem a chance de mudar o mundo para melhor.

Mesmo o menor ato de bondade, compaixão ou expressão pessoal pode afetar a vida de alguém – ou mesmo a vida de muitas pessoas – em uma escala muito maior do que nunca poderíamos imaginar.

Inferior: Pensamento Extrovertido (Te) 

Finalizando a hierarquia cognitiva do ISFP, chegamos a Te. Diretamente incompatível com o senso de liberdade individual de Fi, o Te não desenvolvido ameaça tudo o que o ISFP considera essencial ao núcleo de seus valores: ética pessoal, liberdade para mudar ou remover a estrutura externa abruptamente e capacidade de se expressar livremente e redefinir (ou ignorar completamente) as convenções. Em suma, quando o ISFP ainda não integrou o Te, parece ter um amortecedor de tudo o que ele considera importante em relação a si próprio e ao seu modo de vida.

Não é incomum ver jovens ISFPs, especialmente, usando a ideia de Te em si como um bode expiatório geral para tudo que há de errado com o mundo. Isso acontece mais freqüentemente quando algo está ficando no caminho de sua sensação de espontaneidade e eles começam a se sentir presos ou trancados em uma determinada metodologia ou maneira de ver as coisas.

Muitos ISFPs farão bem em lembrar que o objetivo dessa atitude é a eficiência e a organização, não necessariamente o ataque pessoal ou o golpe deliberado às suas identidades, como muitas vezes eles acham que é. Quando uma fonte externa de Te ameaça sua própria identificação subconsciente com ela, o ISFP geralmente preferiria fazer tudo o que puder para escapar da situação ao invés de recorrer a um confronto completo.

A menos que eles (ou seus entes queridos) tenham sido atacados ou feridos profundamente e deliberadamente, os ISFP raramente possuem rancores por longos períodos de tempo; no entanto, quando eles estão irritados, podemos esperar pequenas vinganças ocasionais, que vão de não aparecer a obrigações (“Você não se importa com minhas contribuições? Bom, divirta-se fazendo o trabalho sem mim!”) até provocações passivo-agressivas quando sugerem que ele seja forçado a fazer qualquer coisa contra sua vontade.

Quando o Te inferior explode, ele tende a resultar que o ISFP se entregue temporariamente a todos os comportamentos que ele normalmente odeia e, portanto, trabalha duro para manter bloqueado em seu subconsciente. Tal como acontece com os INFPs, isso geralmente acontece em meio a projetos criativos que o ISFP considera importantes, e acontece com a maior freqüência quando os parceiros criativos não são julgados como sustentando seu peso em termos de contribuição para o projeto ou estão tentando orientar o fluxo criativo em uma direção que aparece ao Fi como obviamente “errado”, ou fora do espírito ou essência do sentimento ou humor que ele está tentando transmitir.

Aqui é onde encontramos o perfeccionista minucioso escondido no observador amigável, de outra forma descontraído: ataque algo muito perto de seu coração, e você pode rapidamente encontrar uma explosão inesperada quando o ISFP normalmente silencioso e compassivo for forçado a tomar uma decisão assumindo o papel de liderança que, verdade seja dita, ele preferiria que nunca acontecesse porque as pessoas deveriam saber como se comportar de maneira razoável e compassiva.

“Eu não quero ser o cara ruim, mas se você continuar me pressionando, eu terei que corrigir as coisas”. Bem conscientes dos usos de Se em termos de agressão e intimidação, a maioria dos ISFPs tendem a esconder esse lado de si mesmos, exceto em situações em que eles acreditam que é necessário proteger seus eus internos de um comportamento similarmente agressivo dos outros. No entanto, quando uma situação se torna seriamente ameaçadora, se algo é demasiado errado, cruel ou obsceno para ser permitido, a raiva de Se pode desencadear uma resposta ainda pior do Te.

Quando a situação ficou tão ruim que ele não está mais contente reagindo por sua reação sensorial instintiva normal, ele deve realmente parar para deliberadamente planejar e criar estratégias para reorganizar recursos (principalmente recursos humanos, já que é o que ele prefere trabalhar) de acordo com alguma lei externa ou padrão mensurável que possa cobrir o que quer que seja que as outras pessoas sintam como indivíduos e que seja importante para a situação em questão.

Se você fez Te sair de um ISFP, normalmente significa que você fez algo que ele achou tão inaceitável que ele tem que interromper seu fluxo natural de ação e reação harmoniosa para manter sob controle algo extremamente ameaçador – e isso realmente não é algo ele queira fazer com frequência. Uma vez que esta resposta é algo que ele normalmente despreza nos outros, vê-la em si mesmo cria sentimentos de hipocrisia e a culpa resultante tende a gerar uma associação muito negativa com qualquer tipo de uso de Te.

Demora muito tempo e muita experiência para que o ISFP aprenda a comunicar suas queixas com calma e produtividade o suficiente para liderar um grupo efetivamente, equilibrando os objetivos de respeitar a individualidade de todos e, simultaneamente, gerar resultados mensuráveis. Às vezes, os dois objetivos são conflitantes e uma decisão deve ser tomada – o ISFP geralmente idealista e amável pode ter uma séria dificuldade de bater o pé por qualquer coisa ou defender seu próprio ponto de vista, mesmo quando outros estão se aproveitando de sua bondade natural e paciência.

Como eles sabem que tendem a ser incapazes de se controlar quando surge esse tipo de situação, eles fazem o possível para simplesmente evitar confrontos até aprenderem a desenvolver uma espécie de diplomacia desprendida, pela qual eles podem comunicar suas preocupações com facilidade – e até mesmo críticas – sem parecer muito ásperas para seus próprios padrões ou deixar seus sentimentos ferverem e exagerar as críticas que estão sendo feitas.

Eventualmente, Fi, Se, Ni e Te devem se equilibrar em um indivíduo muito calmo e compreensivo que sabe como aplicar apenas o toque necessário no controle administrativo sem pisar em ninguém ou permitir que qualquer disputa se transforme de trocas produtivas de ideias em ataques pessoais hostis.

À medida que ele descobre que, às vezes, os sentimentos pessoais devem ser sacrificados – ou, pelo menos, postergados ​​temporariamente – no intuito de avançar com metas mais amplas, sua visão de mundo, naturalmente, se endireitará e ampliará sua compreensão para uma tomada de decisão harmoniosa, justa e equilibrada. Armado com um senso saudável de ceticismo e preocupação com a praticidade, o ISFP bem equilibrado perceberá seus objetivos e ideais alinhando-se mais com a realidade física imediata como ele jamais pensou ser possível.

Anúncios

Deixe uma resposta

Powered by WordPress.com. Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: