Eneagrama 7: O Entusiasta

Publicado por

Este guia visa apresentar a teoria e tipologia do Eneagrama. Os posts serão traduções e adaptações do original, que merece todos os créditos: The Enneagram Institute e os livros de Riso-Hudson

 

Agora temos um Grupo no Facebook

Relação estimada com a Tipologia MBTI

Enea Jungian Functions MBTI Types
Sete Intuição Extrovertida ou Percepção Extrovertida Frequentemente ESFP, ENFP, ESTP, ISTP, ENTP
Esporadicamente ENFJ, ENTJ, INTP, ISFJ
Raramente INTJ, INFJ, INFP, ISFP, ESFJ, ESTJ, ISTJ

Tipo Sete: o Entusiasta

Saudável

Altamente receptivo, excitável, entusiasmado com a sensação e a experiência. Tipo mais extrovertido: os estímulos trazem respostas imediatas – eles acham tudo revigorante. Vivazes, ansiosos, espontâneos, resilientes, alegres.

Facilmente tornam-se realizadores, generalistas que fazem muitas coisas diferentes e muito bem: multi-talentosos. Áreas práticas, produtivas, geralmente prolíficas, de fertilização cruzada de interesse.

No seu melhor: assimilam as experiências em profundidade, tornando-os profundamente gratos e apreciativos pelo que eles têm. Tornam-se impressionado com as simples maravilhas da vida: alegres e extasiados. Em contato com a realidade espiritual, da bondade ilimitada da vida.

Mediano

À medida que os apetites aumentam, tornam-se aquisitivos, materialistas, “sábios mundanos”, constantemente se divertindo com novas coisas e experiências: o sofisticado, o conhecedor e o consumidor.

Dinheiro, variedade, acompanhando as últimas tendências importantes. Tornam-se hiperativos, incapazes de dizer não a si mesmos, refrear seus desejos. Desinibidos, fazendo e dizendo o que quer que venha à mente: narração de histórias, exageros e extravagâncias.

Muito medo de ficarem entediados, então continuam em movimento perpétuo, mas fazem coisas demais – tornam-se diletantes superficiais. Consumo notável e todas as formas de excesso. Auto-centrado e ganancioso, sem sentir que eles têm o suficiente. Exigente e insistente, mas insatisfeito, grosseiro, cansado. Tendência à vícios, endurecidos, insensíveis.

Não saudável

Tornam-se ofensivos e abusivos enquanto seguem o que querem. Impulsivos e infantis: não sabem quando parar. Os vícios e os excessos começam a causar prejuízos, os deixando escapistas destrutivos, depravados e dissipados.

Se entregam à impulsos para evitar ter que lidar com ansiedade ou frustrações: saem de controle, tem mudanças de humor erráticas e agir compulsivamente (manias).

Finalmente, sua energia e saúde são completamente gastas: tornam-se claustrofóbicos e em pânico. Muitas vezes desistem de si mesmos e da vida: depressão profunda e desespero, overdoses autodestrutivas, suicídio impulsivo.

Motivações-chave

Quer ser feliz e satisfeito, ter uma grande variedade de experiências, manter suas opções abertas, aproveitar a vida e se divertir, para escapar da ansiedade.

Visão geral dos Sete

Não é uma grande dificuldade em ver por que a vida de hedonismo puro é insatisfatório, mesmo em seus próprios termos. O aborrecimento, seu inimigo, vem inevitavelmente. . . .

Uma vida dedicada à coleção de experiências agradáveis ​​ou “interessantes” é uma vida vazia. Não é uma vida de espírito, mas uma em que o espírito desaparece na multidão de diversões. Quando pensamos nisso, todos sabemos que aqueles que estão em posição de provar todos os prazeres da vida não são melhores em termos fundamentais, do que àqueles que não podem fazer isso.

Sabemos que aqueles que se lançaram em vidas de auto-indulgência são muitas vezes preenchidos com o vazio, a solidão, o ódio próprio, a nostalgia, e ainda não estão dispostos a mudar. Mesmo sabendo disso, no entanto, estaríamos relutantes em deixar a oportunidade de vivermos essa vida. Por que isso é assim?

Porque nos convencemos de que seríamos judiciosos em nosso uso de prazer. Praticaríamos moderação. . . . A vida de diversões superficiais tem grande atração, assim como a mesa de doces para uma criança. Mas no fim, sabemos, que a criança não é séria sobre seus hábitos alimentares. Então também será conosco. . . .

Lançar-se à indulgências é dizer: “Tudo o que sou é um potencial para o prazer. Quanto mais prazer existe, maior eu sou.” Ninguém pode acreditar nisso com seriedade, é claro, e é por isso que essa vida deve descansar sobre o auto-engano. (John Douglas Mullen, Filosofia de Kierkegaard.)

Alguns dos que são abençoados com os prazeres mais doces da vida não são de fato “cheios de vazio, de solidão, de ódio próprio”. Alguns são verdadeiramente felizes e sabem o quão abençoados eles são.

Depois, há aqueles que parecem ser bastante felizes – pelo menos, eles pensam que são – mas eles estão meramente se divertindo e distraindo, agarrando-se os prazeres da vida ao invés de experimentar a felicidade em seus níveis mais profundos.

Finalmente, há aqueles que, apesar de terem tudo, são amargos e desapontados. Por algum motivo, a posse de riqueza e todas as coisas boas da vida não foram suficientes para eles.

Por que as diferenças entre esses três tipos de pessoas?

Todos os tipos de personalidade são confrontados com a questão de como “usar” o mundo em sua própria vantagem, embora o Sete seja o tipo que mais exemplifica esse problema universal. Como curtir os prazeres sem viver para o prazer? Como possuir as coisas boas da vida sem ser insensível às necessidades dos outros? Como viver no mundo sem se perder? O cerne das questões relacionadas ao Sete, reside nessas questões.

Sete é um dos três tipos de personalidade na Tríade de Pensamento. A natureza do seu problema potencial começa com um dos seus ativos mais fortes – suas mentes ágeis: o seu pensamento é rápido e mercurial. Setes são curiosos, facilmente estimulados e ansiosos por novas idéias e experiências.

No entanto, o grau em que eles estão ansiosos sobre si mesmos ou suas vidas é o grau em que suas mentes saem fora do controle, levando-os a um círculo crescente de comportamentos desfocados. Existe um poderoso link nos Setes entre o seu pensamento e suas ações. Se eles entreterem uma ideia sobre uma atividade que eles acreditam que será interessante e agradável, eles querem fazê-lo o mais rápido possível.

Em última análise, suas mentes estão aceleradas cerca de dois passos à frente deles, e eles estão se movendo com bastante rapidez! Eles tendem a girar fora de controle tentando realizar todas as suas ideias, em busca de experiências e felicidades satisfatórias. Setes são prontamente entusiasmados com o meio ambiente: respondem fortemente aos estímulos, lançando-se no mundo da experiência com enorme vitalidade.

Vale ressaltar que, ao contrário de Cincos, Setes concentram seus pensamentos principalmente neste mundo e nas coisas que eles querem fazer. Pensar sobre suas possibilidades e atividades futuras faz com que se sintam bem, afastando as emoções e ansiedade potencialmente dolorosas.

Setes reagem à tudo com tal imediatismo que o que quer que eles façam rapidamente leva a ideias mais emocionantes ainda e conseqüentemente, mais ações. A experiência é seu guia para a vida. Setes estão em casa entre os gostos, cores, sons e texturas do mundo material. Suas identidades e auto-estima dependem da obtenção de um fluxo constante de ideias e impressões estimulantes.

Seus traços de personalidade, seus mecanismos de defesa e suas motivações refletem o fato de que, para os Setes, tudo o que é desejável existe fora de si no mundo das coisas e das experiências. Setes, portanto, têm muito pouco interesse no que eles não podem sentir imediatamente. De um modo geral, eles não são profundamente introspectivos nem especialmente orientados à pessoas.

Em vez disso, eles são orientados à experiência – extrovertidos, práticos e urbanos. Eles sentem que o mundo existe para seu gozo, e que cabe a eles obter o que eles querem por si sós. Quando são saudáveis, suas experiências são uma fonte de imensa satisfação para eles e eles aprendem a fazer muitas coisas, porque o foco de sua atenção é produzir algo no meio ambiente.

No entanto, o foco do Sete mediano se afasta da produtividade para a posse e o consumo de mais bens e experiências. Eles ficam ocupados para manter um alto nível de estimulação. No entanto, a hiperatividade faz com que a felicidade acabe por eludir-lhes porque eles não apreciam realmente nada que eles façam ou tenham. É por isso que, se eles se tornam não saudáveis, Setes são pouco mais do que escapistas dissipados, agindo de forma impulsiva e cada vez mais fora de controle.

“Como a sensação é extrovertida, e por isso, principalmente condicionada pelo objeto, os objetos que excitam as sensações mais fortes serão decisivos para a psicologia do indivíduo. O resultado é um forte laço sensível ao objeto. . . . Os objetos são valorizados na medida em que excitam sensações e, na medida em que estão dentro do poder da sensação, são plenamente aceitos na consciência se são compatíveis com juízos racionais ou não.

O único critério de seu valor é a intensidade da sensação produzida por suas qualidades objetivas. . . . Nenhum outro tipo humano pode igualar a sensação extrovertida no realismo. Seu sentido de fatos objetivos é extraordinariamente desenvolvido. Sua vida é um acúmulo de experiências reais de objetos concretos. . . . O que ele experimentam serve como um guia para novas sensações. . . . A sensação para eles é uma expressão concreta da vida – é simplesmente a vida real vivida ao máximo. Todo o seu objetivo é o gozo concreto, e sua moralidade está orientada em conformidade à isso.” (C. G. Jung, Psychological Types)

A descrição de Jung da Sensação Extrovertida se aplica excepcionalmente bem aos Setes. Nenhum tipo de personalidade é mais prático ou mais amplamente realizado do que eles são. Sua orientação positiva, mesmo alegre, ao mundo produz uma grande felicidade para si e para os outros.

Mas se seus apetites corromperem seu melhor, minando sua capacidade de controlá-los, os Setes  medianos consumirão mais do que eles precisam e mais do que eles podem apreciar. Eles começam a desfrutar suas experiências cada vez menos, enquanto se tornam ansiosos para obter mais de tudo.

Problemas com a ansiedade e insegurança

Como os tipos Cinco e Seis, os outros dois tipos dessa tríade, Setes têm problemas de ansiedade e desenvolvem um padrão de pensamento e comportamento como defesa contra ela. Nós vimos que Cincos tem medo e se torna ansioso sobre sua capacidade de lidar com o ambiente externo e, assim, se afastam dele.

Os Setes são quase exatamente o oposto: são temerosos e ansiosos quanto à sua capacidade de lidar com seu ambiente interno – o sofrimento, a perda e a ansiedade. Como resultado, eles fogem para fora no ambiente externo e procuram interagir com ele o suficiente para evitar lidar com sua dor emocional interna.

Setes tentam controlar seu nível de ansiedade, mantendo sua atenção ocupada com ideias e possibilidades que os excitam. Eles mantêm sua mente cheia de atividades que podem esperar, experiências positivas que eles sabem que irão apreciar. Toda vez que a ansiedade se aproxima, Setes se lançam numa nova aventura, um novo livro, um curso que eles planejam participar ou um novo e emocionante relacionamento.

Enquanto eles podem manter sua atenção ocupada com expectativas positivas, Setes podem manter a dor e a ansiedade à distância. Eles não querem lidar com sua ansiedade ou examinar suas causas em suas vidas, porque, assim, ao voltarem-se para dentro, se tornam ainda mais ansiosas, enquanto a extroversão as puxa para fora, em direção ao meio ambiente, reprimindo assim a ansiedade, pelo menos temporariamente.

Eles descobrem que as distrações que suas atividades proporcionam, aliviam a ansiedade sempre que ela ameaça entrar em erupção em sua consciência, mas que eles precisam continuar procurando por atividades excitantes para manterem-se á salvo de sua angústia interior.

Eles, portanto, se lançam em mais e mais experiências para evitar ter que enfrentar a ansiedade ou qualquer sentimento de infelicidade. O problema é que quanto mais os Setes preencherem suas mentes antecipando a diversão que eles terão no futuro, menos eles estarão em contato com a experiência que eles estão tendo no presente.

Conseqüentemente, a experiência que eles estão tendo atualmente não pode realmente afetá-los, não pode realmente satisfazê-los. Isto é como a pessoa que sempre quis ver as pirâmides no Egito; No entanto, ao chegar às pirâmides, a pessoa está antecipando um jantar emocionante no Cairo naquela noite, ou pensando em mostrar aos amigos imagens de volta da casa da viagem e, assim, não aproveita na verdade sua experiência visitando as pirâmides, pois a atenção da pessoa está em outro lugar, não na experiência que ele ou ela está tendo.

Naturalmente, isso diminui o prazer da experiência, deixando os Setes famintos por mais. À medida que o prazer diminui, Setes medianos se sentem ansiosos e inseguros, levando-os a exagerar suas atividades ainda mais. Mas, à medida que se tornam hiperativos, os Setes não saudáveis ​​não só não apreciam o que fazem, mas tornam-se ainda mais ansiosos e tentados a se dissiparem ainda mais.

Eles não percebem que será cada vez mais difícil para eles saírem deste círculo vicioso uma vez que eles se tornam viciados em permanecer em movimento. Além disso, os Setes mais ansiosos não notam, que quanto mais dor eles estiverem reprimindo, mais suas mentes serão agitadas e menos serão capazes de ficarem satisfeitos com as experiências que estão tendo grandes problemas para ter.

É como se suas mentes andassem dois ou três passos à frente deles. Quanto mais ansiosos eles ficam, mais eles se distraem antecipando o futuro e menos suas experiências servem para reprimir sua ansiedade.

Assim, Setes continuam fugindo para o mundo da experiência enquanto tentam superar o medo e dano dentro deles. Mas quanto mais eles fogem, maiores são as emoções de que precisam e mais difícil é mantê-las. A falha neste padrão é que, quanto mais os Setes medianos à não saudáveis ​se distraem para evitar sua dor, menos satisfação suas experiências são capazes de fornecer.

Eles não veem que sua felicidade é precária e fácil de perder, porque eles não interiorizam suas experiências nem controlam seus apetites. Em última análise, se eles investem pouco de si mesmos em suas experiências, Setes não podem ficar satisfeitos com o que eles fazem. Para o seu crescente pânico, eles descobrem que nada os deixa felizes. Eles ficam enfurecidos e aterrorizados porque parece que a vida os privou cruelmente da felicidade.

Problemas com apetites e agressões

Os Setes mediano querem gratificação instantânea. Eles colocam poucos limites em si mesmos e não querem se negar nada. Se eles vêem algo que eles querem, eles devem tê-lo. Se algo acontecer com eles, eles devem fazê-lo imediatamente. Se algo lhes dá prazer, eles querem mais disso imediatamente.

Seus apetites são fortes, e a extensão em que são capazes de ir para satisfazer seus desejos nos permite caracterizar Setes como personalidades agressivas. No entanto, uma vez que também são inseguros, a imagem é mista: eles alistam seus impulsos agressivos para evitar suas ansiedades e inseguranças.

Setes também geralmente entram em conflito com as pessoas colocando os outros na posição de ter que impor limites à eles ao invés de fazê-los por si sós. Qualquer que seja o “autocontrole ” para Setes mediano à não saudáveis ​​deve vir de fora, seja de outros que são obrigados a dizer não à eles, ou da própria realidade, a qual pode frustrar seus desejos.

Ao se sentirem frustrados, Setes ficam enfurecidos porque inconscientemente trazem à memórias suas privações na infância, fossem elas reais ou imaginadas. Aqueles que frustraram os Setes medianos para não saudáveis, ​​não são susceptíveis de esquecer a raiva que provocaram, ou a profundidade da necessidade, poucos os Setes as mostrarão involuntariamente.

Quando Setes são saudáveis, no entanto, eles se preocupam com a satisfação de suas necessidades genuínas, em vez da satisfação de todos os desejos. Eles são produtivos, agregando ao mundo em vez de simplesmente consumi-lo. Eles se tornam realizados, fazendo com que o meio ambiente produza mais de suas riquezas para si e para os outros.

Eles também são pessoas invulgarmente felizes porque são capazes de realmente assimilar suas experiências, entrar em contato com seus sentimentos e com eles mesmos. Mas, à medida que se deterioram em direção ao não saudável, Setes permitem que seus apetites se restrinjam, e tornam-se gananciosos, egoístas e insensíveis às necessidades dos outros.

Eles se preocupam apenas com sua própria gratificação. A terrível ironia é que, uma vez que os Setes não saudáveis ​​não interiorizam nada, nada pode satisfazê-los. Eles são como toxicodependentes que precisam de uma “solução” cada vez maior para manter sua felicidade artificial.

No final, os Setes não saudáveis ​​se tornam tão indiscriminados na busca da felicidade que eles saem totalmente fora de controle, tanto em suas ações quanto na capacidade de reprimir sua crescente ansiedade. O pânico os sobrecarrega porque eles não têm nada sólido para se ancorar. O tipo que afirma a vida tão completamente quando é saudável torna-se, quando não é saudável, o tipo mais aterrorizado pelas próprias condições de vida.

Dinâmica dos Sete

A Direção de Desintegração

O eneatipo Sete vai em direção ao eneatipo Um em sua direção de desintegração.

No Nível 4, o Sete mediano sob o estresse começa a apresentar algumas das características do Um mediano para não saudável. Vimos que o Sete mediano resiste á restrições colocadas sobre eles e querem ser livres para perseguir o que os excita no momento.

Em algum nível, eles reconhecem que eles terão que concentrar suas energias se quiserem continuar tendo os meios para se divertir. Quando o seu calendário de atividades começa a sair da mão, no entanto, Setes começam a sentir a necessidade de trabalhar mais e a se restringir como um Um mediano.

Embora alguma medida de auto-restrição seja útil para Setes neste momento, ele está vindo da motivação errada e, portanto, tem um efeito limitado. Setes se sentem obrigados a impor limites à si mesmos, mas então se sente frustrados e rebeldes por estas imposições. O resultado usual é que Setes acabam fazendo mais do que eles estavam tentando limitar.

No Nível 4, o Sete está interessado em adquirir uma grande variedade de novas experiências e entreter-se. Eles estão ansiosos para explorar tudo o que parece emocionante e novidade para eles. Como o Um mediano, eles gostam de educar os outros sobre suas experiências, relatar zelosamente sua nova empreitada ou livro, ou avisar seus amigos sobre um restaurante de má qualidade que experimentou.

Sua conversa entusiasmada, no entanto, pode rapidamente se transformar em debate, particularmente se a outra pessoa não parece apreciar a excelência do que os Sete ofereceu. Ao mesmo tempo, porque eles querem garantir que eles terão os meios para perseguir as muitas possibilidades emocionantes que vêem em torno deles, eles começam a se forçar a permanecer no caminho certo.

Eles fazem isso não porque eles realmente estão envolvidos em uma atividade particular, como exercício ou dever de casa, mas porque eles sentem que deveriam estar. Consequentemente, Setes se sentem mais frustrado e ansiosos. Eles estão certos de que estão perdendo alguma outra atividadeeeeee mais agradável.

No nível 5, Setes estarão se tornando mais indiscriminatórios e inquietos. Suas energias estarão espalhadas e algumas de suas explosões espontâneas estão fazendo com que outros reajam negativamente a elas. Quando eles vão para Um, eles sentem que precisam se controlar e assim se tornarem mais auto-controlados e rígidos como forma de controlar seus impulsos.

Eles podem mudir subitamente de uma irreverência barulhenta para uma seriedade sombria. Eles podem se tornar bruscos e impessoais com as pessoas, e cada vez mais impacientes com o que vêem como a incompetência dos outros. Em última análise, seu autocontrole não funciona muito bem, porque na verdade é outra maneira de resistir a seus sentimentos reais. O único sentimento que surge do movimento para Um é a crescente raiva e ressentimento de que suas necessidades não estão sendo atendidas.

No Nível 6, Setes estarão determinados a satisfazer seus desejos e a aliviar a ansiedade. Eles são auto-centrados e exigentes, e sob estresse, à medida que se mudam para o Um, podem se tornar altamente críticos e sarcásticos com as pessoas que não largam tudo imediatamente para satisfazer seus desejos.

Eles também se tornam muito perfeccionistas, tanto em suas expectativas quanto ao serviço que eles esperam receber dos outros e de suas próprias realizações. O Sete mediano sabe que eles estão perdendo a oportunidade de alcançar as coisas em suas vidas, mas acabam julgando seus próprios esforços como inadequados antes de lhes dar uma chance.

Da mesma forma, eles se tornam cada vez mais perfeccionistas em relação ao seu ambiente. Nada é satisfatório. Ninguém nunca está certo. Eles se encontram em um estado contínuo de frustração, vendo pouco no que eles possam se deleitar. Eles repreendem e são críticos com os outros por decepcioná-los e aliviam sua frustração com comentários condescendentes e sarcásticos.

No nível 7, Setes não saudáveis ​​estão desesperados para escaparem de seu medo e dor, e se envolverem em um comportamento autodestrutivo e dissipador. Aqui, o movimento para o Um exacerba sua amargura e ressentimento. Quando outros os confrontam sobre seu estilo de vida irresponsável, eles respondem com surtos e raiva.

Eles são absolutamente inflexíveis sobre suas atividades: ninguém pode dissuadi-los de de suas ideias. Além disso, apesar da quase total falta de direção ou autocontrole em suas próprias vidas, Setes não saudáveis ​​são extremamente intolerantes às peculiaridades e fraquezas dos outros. A pessoa uma vez alegre se tornou misantrópica e desagradável, detestando as pessoas e vendo apenas o pior nelas.

No Nível 8, a impulsividade do Nível 7 degenerou em mania e imprudência. Setes não saudáveis ​​estão fora de controle e são perigosos para si mesmo e para os outros. Quando eles vão para o Um, eles lançam toda a sua energia em alguma direção ou plano pelo qual eles esperam recuperar a sensação de controle.

O controle de si mesmo – uma maneira de se centrar e de encontrar estabilidade emocional – é o que eles mais precisam, e ir para o Um parece oferecer exatamente isso. Eles podem tentar impor uma ordem sobre seus impulsos selvagens através de alguma atividade obsessiva ou crença fetichista.

Eles podem ficar completamente obsessivos numa ideia que eles acreditam que os resgatará da sua desintegração, ou eles podem acreditar que uma determinada pessoa ou objeto está causando toda a sua angústia. Em qualquer caso, o movimento para o Um no nível 8 sinaliza um esforço de última hora para impedir a onda da sua ansiedade, mas porque geralmente é baseado em delírios e não traz um foco equilibrado para suas energias, na melhor das hipóteses só permite um respiro às vezes.

Além disso, ir para o Um não funciona, porque o ponto equilíbrio em torno do qual Setes deteriorados esperava encontrar algum tipo de salvação para si próprio está inteiramente fora de si mesmos, agindo ironicamente como uma espécie de raios psicológicos para seus impulsos destrutivos.

Em vez de ajudar Setes a suprimir seus impulsos destrutivos ou lidar com eles de forma construtiva, a pessoa que se tornou o meio esperado de salvação torna-se o foco do ódio por terem frustrado seus desejos no passado.

Assim, no nível 9, toda a energia que anteriormente investiram no meio ambiente na busca da felicidade implode em um núcleo de ódio, tanto para a realidade como para aqueles que os frustraram. Eles de repente simplificam sua existência, intensificando seu interesse em uma pessoa ou coisa em uma obsessão.

Indo para o Um fornece-lhes um raciocínio pelo qual eles podem erradicar qualquer pessoa ou qualquer coisa que pareça ser a origem de sua frustração e dor. Os impulsos punitivos e as mais graves condenações dos outros fazem parte da imagem. Setes deteriorados são perigosos não só porque são impulsivos e violentos, mas porque seu pensamento é perturbado.

Agora, em um ataque de paixão histérica ou um momento de insanidade temporária, eles podem muito bem matar ou ferir gravemente as mesmas pessoas que um dia forma importantes para elas. Mesmo que não sejam homicidas, os Setes deteriorados podem tornar-se violentamente abusivos com seus filhos ou cônjuges. Se eles conseguem matar ou ferir outros, sua defesa maníaca pode finalmente dar lugar a uma depressão grave, com o possível suicídio como resultado final.

A direção da integração

O eneatipo Sete vai em direção ao eneatipo Cinco em sua direção de integração.

Como eles já alcançaram o equilíbrio psicológico, integrando Setes já não temem que eles sejam privados da felicidade. Quando Setes saudáveis ​​vão para Cinco, eles se envolvem com as coisas em profundidade.

Ao internalizar suas experiências, a integração dos Sete cria as âncoras que precisam para encontrar estabilidade e segurança em suas vidas. A gratidão que eles sentem pela vida quando eles são muito saudáveis ​​leva Setes integrados a querer saber mais sobre o que os tornou tão extraordinariamente felizes.

Já não é suficiente apenas para experimentar o mundo, eles querem saber mais e aprofundar sobre essas experiências. O foco de sua atenção se afastou de si (suas experiências e sua felicidade imediata) para o mundo ao seu redor. Setes integrados tornam-se mais respeitosos com a integridade de tudo, entendendo o mundo como existente para outros fins que não a gratificação pessoal.

Eles não são mais os consumidores do mundo, mas seus contempladores. Sua sensação de gratidão floresce em um sentimento de maravilha e curiosidade sobre a criação. Sete integrados se afastaram de sua tendência a serem escapadores dissipados. Eles concentram-se em suas experiências e são recompensados ​​por seus esforços, apreciando muito as satisfações que eles recebem.

Novas profundidades de experiência ficam disponíveis para eles enquanto eles se centram. Eles se tornam mais especialistas, uma realidade profundamente penetrante e permitindo que a realidade os penetre. Setes integrados trazem toda a força de suas consideráveis ​​habilidades e talentos para suportar suas experiências. Eles não perdem seu entusiasmo saudável ou produtividade quando eles vão para Cinco. Pelo contrário, a integração dos Sete pode tornar-se ainda mais produtiva ao contribuir com algo original ao mundo.

Pensamentos Finais

Olhando para trás em sua deterioração, pudemos ver que Setes não saudáveis ​​causaram o que mais temiam. Eles foram privados da felicidade que procuravam, não porque o mundo se incline à frustra-los, mas porque eles não confiaram na vida suficiente.

Eles consumiram suas experiências, saboreando-as superficialmente como se tudo existisse apenas para seu prazer. Viver para a sua própria gratificação imediata não trouxe a felicidade que eles estavam buscando, mas o contrário. Também vale a pena notar que, enquanto Setes tem medo de serem privados de suas expectativas, é extremamente raro encontrar Setes que sejam realmente privados, pelo menos por muito tempo.

Por temerem a privação, eles tornam-se vítimas delas uma vez que a vida e as pessoas voltam-se contra eles e os force a criarem limites para seus desejos. Por serem agressivos, eles geralmente conseguem obter o que querem. Mas também precisamente porque eles são agressivos, eles tendem a ir ao mar, arruinando-se pelo excesso e destruindo a possibilidade de alcançar a felicidade.

Se Setes não “experimentarem suas experiências”, qualquer coisa que eles façam será inútil e desperdiçador. As posses mais requintadas e as experiências mais potentes não significarão nada se Setes não as assimilarem internamente.

No fim, se Setes não conseguirem superar o medo de serem privados, continuarão a consumir e continuarão insatisfeitos. Não há como convencê-los dessa verdade, porque as experiências mais valiosas na vida só podem ser absorvidas depois que as pessoas estão preparadas psicologicamente e espiritualmente para elas.

A menos que Setes interiorizem suas experiências nas profundezas de suas almas, eles se barrarão para sempre das experiências mais sublimes que a vida tem para oferecer. Eles trocarão involuntariamente o ouro verdadeiro por chumbo.

 

Quer saber mais sobre Eneagrama? Mostre-me onde!

Anúncios

Deixe uma resposta