Eneagrama 3: O Realizador

Publicado por

Este guia visa apresentar a teoria e tipologia do Eneagrama. Os posts serão traduções e adaptações do original, que merece todos os créditos: The Enneagram Institute e os livros de Riso-Hudson

 

Agora temos um Grupo no Facebook

Relação estimada com a Tipologia MBTI

Enea Jungian Functions MBTI Types
Três Pensamento Extrovertido ou Sentimento Extrovertido Frequentemente ENTP, ESFJ, ESTJ, ENTJ, ENFJ ESTP, ENFP
Esporadicamente ISFJ, INFJ, INTJ
Raramente ISTJ, INFP, ESFP, ISFP, INTP, ISTP

 

Tipo Três: O Motivador

Saudável

Seguro de si mesmo e enérgico, com alta auto-estima: eles acreditam em si próprios e em seu próprio valor. Adaptável, bem ajustado e encantador, muitas vezes atraente e popular.

Realista, com propósito e com um bom senso de seu potencial. Ambiciosos para melhorarem à si mesmos, “serem tudo o que podem ser” – muitas vezes tornam-se extraordinários, uma espécie de ideal humano, incorporando qualidades amplamente admiradas.

Outros são motivados à serem como eles de alguma forma positiva. Bom humor, orientado à objetivos e persistentes. São pessoas efetivas e industriosas. No seu melhor: Direção interna e autêntica, tudo o que parecem ser. Aceitam suas limitações e vivem dentro delas. Sentido de humor auto-depreciativo e uma inocência infantil emergem. Caridoso, genuinamente modesto e benevolente.

Mediano

Muito preocupado com o desempenho, fazendo bem seu trabalho, procura ser superior e e estar acima de outros. Compara-se com outros em busca de status e sucesso. Tornam-se escaladores sociais, investidos em conquista, exclusividade e serem “vencedores”.

Tornam-se conscientes da própria imagem, muito preocupados com a forma como são percebidos. Começam a apresentar-se de acordo com as expectativas dos outros e o que eles precisam fazer para ter sucesso. Pragmático e eficiente, mas também reprimido, perdendo contato com seus próprios sentimentos sob uma fachada suave.

Problemas com intimidade, credibilidade e oportunidade emergem. Querem impressionar os outros com a sua superioridade: promovendo-se constantemente, fazendo-se parecer melhor do que realmente são. Narcisistas, com noções grandiosas e infladas sobre si mesmos e seus talentos. Exibicionistas e sedutores, como se estivessem dizendo: “Olhem para mim!” A arrogância e o desprezo são uma defesa contra seu próprio sentimento de ciúmes dos outros e de seus sucessos.

Não saudável

Com medo de falhas e humilhações, eles se deturparam, distorcendo a verdade de suas realizações. Eles podem ser extremamente sem princípios, cobiçosos, invejosos do sucesso dos outros e dispostos a fazer “o que for necessário” para preservar a ilusão de sua superioridade.

Exploradores e oportunista, mas também enganadores para evitar que seus erros sejam expostos. Orgulho patológico, hostilidade extrema e ciúme delirante: traição e sabotagem das pessoas para triunfar sobre elas. Pode tornar-se vingativo, tentando arruinar o que não podem ter. Implacável, obsessivo em destruir tudo o que lhes faz lembrar os seus próprios defeitos e falhas. Tendências psicopatas: assassinato.

Motivações-chave

Quer se sentir valioso, afirmar-se, distinguir-se, ter atenção, ser admirado e impressionar os outros.

Visão geral dos Três

Os Estados Unidos está se tornando rapidamente uma cultura “Três” disfuncional: orientada às conquistas, narcisista, orientada à imagem, enfatizando o estilo sobre a substância, os símbolos sobre a realidade. A busca da excelência (como exemplificado pelos Três saudáveis) está sendo substituída pela celebração do artificial, pois tudo é tratado como uma mercadoria, embalada, anunciada e comercializada.

A política está cada vez menos preocupada com os princípios ou com o uso do poder para o bem comum, e sim, como a exibição de personalidades. A política serve relações públicas, vendendo candidatos com suas posições calculadas para um público que não pode mais contar uma imagem fabricada de uma pessoa real. Os meios de comunicação, particularmente a televisão, estão principalmente preocupados em chamar a atenção do público para que possam lhes vender algo.

Os valores superficiais e o brilho sedutor de “show biz” tornaram-se as normas pelas quais tudo é medido. A única orientação é a capacidade de ganhar atenção: o que é notado e tem demanda, tem valor. As imagens calculadas se excitam como realidade, desde a amizade programada das personalidades da televisão até a sinceridade ensaiada dos concorrentes do concurso de beleza. O exibicionismo e a auto-promoção estão se tornando aceitáveis, pois as pessoas fazem o que for preciso para ser notado em um mercado cada vez mais competitivo.

O ideal é ser um vencedor – ser bem sucedido, famoso e celebrado. A busca de sucesso e prestígio está em todo lugar. Todos os dias, um novo livro nos diz como se vestir para o sucesso, comer para o sucesso, ou criar sua “rede” para o sucesso. Estamos sendo vendidos uma fantasia narcisista: seremos “alguém” se formos como todos os outros, só que melhores. Se você gerencia sua imagem corretamente, você também pode se tornar uma estrela ou um deus.

O tipo de personalidade Três exemplifica a busca pela validação do eu, e assim ele olha e pauta nos outros para determinar quem eles devem ser, o que eles devem fazer, para se sentirem valiosos e terem valor como seres humanos. Com esse foco particular, Três freqüentemente se torna bem-sucedido nos olhos de sua sociedade, porque eles conseguem alcançar as coisas que seus colegas acham valiosas.

Isso não é menos verdade em um mosteiro budista na Tailândia do que em uma cultura corporativa rápida. Três se esforçará para exemplificar quaisquer qualidades que sejam honradas no meio em que se encontram. Assim, em uma sociedade não saudável que manipula tais medos e motivações, Três podem conquistar mais atenção e sucesso da sociedade, mas também acabarem entre suas maiores vítimas – distanciadas do desejo de seu próprio coração, vazias e emocionalmente isoladas, enquanto nunca sabendo o que deu errado.

Na Tríade do sentimento Três, o tipo de personalidade principal na Tríade do sentimento, são os mais afastados de suas vidas emocionais. Isso ocorre porque o Três aprendeu a colocar seus próprios sentimentos e seus próprios desejos verdadeiros em “pausa”, para poder funcionar de forma mais eficaz. Três acreditam que serão valorizados apenas pelo que fazem, então eles colocam suas energias no bom desempenho, “fazendo o trabalho”, e tornando-se bem-sucedidos em seus esforços, no entanto, o “sucesso” não fica bem definido.

Além disso, Três querem respostas positivas de outros, então eles aprendem a se comportar de maneiras que eles acreditam que criarão uma boa impressão. Enquanto isso pode ser uma orientação útil em certas situações, pode tornar-se uma forma habitual de ser, mesmo em circunstâncias em que esse comportamento seja inadequado ou, pelo menos, limitante.

Ao longo do tempo, como o Três adia continuamente o tratamento de seus próprios sentimentos reais, eles começam a ter problemas para acessá-los. Uma profunda divisão se desenvolve entre quem eles parecem ser e quem são eles, entre a imagem que eles projetam para os outros e a realidade por trás disso. Eventualmente, sua imagem se torna sua única realidade.

Eles ficam tão distanciados de seus próprios sentimentos e necessidades que eles não sabem mais quem são. Eles acreditam que a imagem é tudo o que eles têm. Neste ponto, uma vez que qualquer afirmação que eles estão recebendo é em resposta a uma imagem, e não a si mesmos, nenhum louvor ou conquista os tornará melhores. O grande desafio para as pessoas desse tipo de personalidade é tornar-se interno, desenvolver-se como pessoas de acordo com seus sentimentos genuínos e seus próprios valores verdadeiros e não em busca de louvor e aceitação do mundo externo.

A maioria dos Três desconhece até que ponto eles se abandonaram, e pode ser muito difícil quando descobrem que os sonhos que eles têm perseguido tão implacavelmente não são seus. Quando são saudáveis, Três são amados e admirados, até mesmo idolatrados pelos outros, porque eles se esforçaram para adquirir qualidades e habilidades que eles encarnam praticamente em um grau ideal.

Ironicamente, porém, os Três saudáveis ​​se sentem valiosos e valorosos não por causa da validação dos outros, mas porque estão em contato com seu próprio coração e são orientados por ele. Claro, a atenção e o louvor dos outros é maravilhosa, mas os Três saudáveis ​​não são influenciados por isso. Eles perseguiriam seus objetivos mesmo sem a admiração dos outros.

A auto-estima esmagadoramente positiva de Três saudáveis ​​é real e, portanto, não pode ser afetada pelas opiniões dos outros. A liberdade e o propósito desta maneira de viver são muito atraentes para os outros que os mantêm em grande consideração. Mesmo porque, como os Três saudáveis ​​integram mais plenamente seus sentimentos, são calorosos e genuínos, tanto em suas vidas pessoais quanto em suas carreiras.

Três saudáveis ​​são notáveis, as estrelas da natureza humana. No entanto, os Três medianos não sentem a auto-estima, eles acreditam que eles se sentirão bem consigo mesmos se eles alcançarem, apenas se eles se tornem grandes sucessos e estrelas – o número um na classe. Isso os leva a ser intensamente competitivos com os outros em todas as formas de sucesso e prestígio, uma vez que estão convencidos de que isso lhes dará uma sensação de valor.

Na medida em que reprimem os sentimentos de inutilidade, os Três serão levados a se tornarem “vencedores”. Infelizmente, eles também olham para fora para determinar quais as qualidades que um vencedor deve ter. Em vez de desenvolverem-se, eles recorrem a imagens projetadas, que causam uma impressão favorável. Pragmáticos e calculistas, eles são capazes de mudar sua imagem para obter o que querem. À medida que se tornam mais desesperados e vazios, eles começam a se exibir e a se desdobrar para atrair mais admiração, mas, como não estão expressando quem são realmente, nem toda a atenção do mundo poderia saciá-los.

Se eles se tornam não saudáveis, Três enganam a si mesmos e aos outros para que eles possam manter a ilusão de que ainda estão no topo, ainda pessoas superiores. Eles tem extremo pavor do risco de serem expostos e humilhados. Três não saudáveis ​​são como qualquer outro tipo quando com problemas psicológico profundos: eles têm dificuldade em funcionar.

No entanto, para o Três , o funcionamento, ou nesta fase, até mesmo a aparência do funcionamento, é tudo. Eles sentem-se aterrorizados de que qualquer um descobrirá o grau de sua desordem. Eles podem se tornar extremamente perigosos à medida que atacam aqueles que percebem que ameaçam a imagem em ruínas que eles agora se identificam inteiramente.

Problemas com a hostilidade e o narcisismo

Como os outros tipos de personalidade desta tríade, Três tem um problema com a hostilidade, que pode se manifestar em Três menos saudáveis ​​como uma malícia vingativa em relação a quem acreditam que seja uma ameaça à sua auto-imagem. Enquanto Dois e Quatros são indiretamente hostis, os Três medianos à não saudáveis são mais diretamente hostis em uma ampla variedade de maneiras, desde distanciarem-se arrogantemente, de fazer piadas às custas dos outros, de comentários sarcásticos, até sabotar e trair pessoas.

A hostilidade serve o Três de duas maneiras: primeiro, compensa seus próprios sentimentos de inadequação e, em segundo lugar, evita pessoas que, por uma razão ou outra, prejudicam sua frágil auto-estima. Neste último aspecto, Três menos saudáveis ​​até podem ser hostis a pessoas que admiram ou a quem são atraídos. Os Três medianos são os mais narcisistas dos tipos de personalidade.

Enquanto os Três saudáveis ​​possuem justamente uma alta autoestima, os Três medianos constroem suas identidades em torno de uma auto-estima cada vez mais inflada: eles parecem estar totalmente apaixonados por eles mesmos. Mas, mais precisamente, eles estão apaixonados por sua imagem inflada em vez de seu eu real. Em vez de se amarem como são realmente, incluindo uma aceitação realista de suas limitações, eles adoram uma fachada falsa que tem pouca semelhança com a pessoa subdesenvolvida abaixo.

Como o Três se adapta aos desejos e às expectativas dos outros para se validar, eles podem perder um senso claro de quem são e o que eles querem de suas vidas. No nível mediano de desenvolvimento ao não saudável, o impulso para obter o reconhecimento por si só torna-se tão grande que afoga outras necessidades legítimas que podem ter.

Além disso, como seu senso de “eu” autêntico se torna cada vez mais bloqueado, os Três medianos começam a se envolver em “conversas mentais” para convencer-se de que eles realmente são a pessoa excepcionais que estão tentando tornar-se. Os narcisistas se preocupam principalmente com eles mesmos – e com os outros apenas na medida em que eles refletem bem sobre si mesmos.

Eles permanecem intensamente auto-centrados, com uma capacidade limitada de simpatizar com os sentimentos ou necessidades de qualquer outra pessoa. É por isso que eles têm pouca capacidade de amar e por isso – uma vez que se tornaram narcisistas -, os Três medianos têm pouca capacidade para formar relacionamentos duradouros e mutuamente satisfatórios.

Os relacionamentos são unilaterais porque as duas partes estão apaixonadas pela mesma pessoa: os Três. É claro que seu narcisismo os coloca em constante conflito com as pessoas. Como eles acreditam muito em sua superioridade, os Três medianos são competitivos com as mesmas pessoas de quem querem admiração. Eles as veem como se não fossem mais que um público adorável sem fim pronto para aplaudir todos os seus movimentos;

Se outros não aplaudirem, Três lhes ficarão hostis ou os rejeitam. Pior, os Três narcisistas agregam insulto à injúria, exigindo que as pessoas os admirem, mesmo quando são desdenhosos pelas pessoas cuja admiração eles querem. O problema é que o narcisismo não é o mesmo que a auto-estima genuína. Embora o Três  mediano pareça ser legalmente autônomo, eles não são realmente seguros de si mesmos porque sua auto-estima baseia-se não no desenvolvimento de suas capacidades reais, mas na capacidade de capturar a atenção dos outros.

Três são realmente sintonizados nas reações das pessoas à eles, e podem responder projetando qualquer imagem que eles precisem no momento. Mas, como seu repertório de imagens não tem uma medida correspondente da realidade por trás, tudo o que eles fazem é feito em busca de afirmação, e não porque eles estão pessoalmente comprometidos ou envolvidos com o que eles estão expressando (sendo “politicamente correto”).

A ironia é que, por trás da fachada, há uma dependência profundamente escondida dos outros, uma dependência que eles não podem reconhecer por causa das demandas de seu narcisismo. Uma vez que o narcisismo toma conta, os Três não podem viver com as pessoas e não podem viver sem elas, porque são hostis às pessoas de quem dependem, ao mesmo tempo em que sentem como “ninguéns” sem a atenção dos outros.

Dinâmica dos Três

A direção da desintegração

O eneatipo Três vai em direção ao eneatipo Nove em sua direção de desintegração.

A partir do nível de desenvolvimento 4, os Três começam a responder ao estresse, exibindo algumas das características dos Noves medianos para não saudáveis. Três são altamente orientados e identificados com o que eles fazem, então o movimento para o Nove pode ser visto como uma maneira de desengatar-se de sua implacável atividade e busca do sucesso.

No Nível 4, Três geralmente se concentram em desenvolver suas carreiras, conquistar e avanços. Eles são competitivos com os pares, e ansiosos para provar a si mesmos para outros. Quando eles se empurram demais, ou a sua competitividade torna-se aparente para os outros, eles se mudam para os Nove, tornando-se conciliadores e apologéticos. Três quer se destacar da “manada”, mas não muito. Quando surge a ansiedade de que eles possam alienar os outros, eles começam a assumir papéis mais convencionais, reduzindo seus perfis e se conformando às normas do grupo.

No Nível 5, os Três estão trabalhando constantemente em uma variedade de projetos para avançar e fazer uma impressão favorável. Isso freqüentemente os leva a situações em que eles são desconfortáveis ​​ou no trabalho que eles não querem necessariamente fazer. Os Três medianos lidam com o estresse desta negação de seus próprios desejos, desviando sua atenção de suas atividades. Eles se perdem no trabalho e na rotina e esperam superar situações difíceis sem serem diretamente afetados por eles.

Os Três são geralmente rápidos e eficazes para lidar com demandas sobre eles, mas quando eles vão para Nove, eles ficam estranhamente insensíveis e sem foco. Ao longo do tempo, isso pode levar a uma complacência que aparece em marcado contraste com a sua indigência habitual.

No nível 6, Três estão se promovendo incessantemente e suas realizações. Eles querem que todos saibam que eles são um “alguém”. Mas manter a energia desse auto-engano é cansativo e os colapsos são inevitáveis. Eles são particularmente vulneráveis ​​a retrocessos em suas carreiras nesta fase, e se eles estão sofrendo decepções nessa frente, eles podem mudar para o Nove por longos períodos de tempo.

Não mais capazes de manter suas opiniões grandiosas de si mesmos, a sua auto-dúvida subjacente rompe e eles de repente podem se tornar apáticos e sem objetivo. Anteriormente eficazes e orientados à objetivos, Três agora colapsam em uma resignação apática, evitando as realidades de seus problemas e recorrendo à desejos e fantasias de seu próximo grande sucesso. Beber e abuso de substâncias podem iniciar.

No Nível 7, Três tornam-se profundamente neuróticos e tentam manter a ilusão de sua superioridade viva através de enganação e falsas afirmações sobre si mesmos. Eles podem se envolver em atividades antiéticas, mesmo ilegais, a fim de salvar a auto-estima do naufrágio.

Muito instáveis para funcionar bem, seu “sucesso” depende de convencerem-se e aos outros que eles “conseguiram”, o que, de fato, eles não conseguiram. Quando o estresse de manter a fachada os aborrece, eles podem cair em uma profunda apatia e depressão. Eles ficaram dispostos a olhar para os desastres em suas vidas, e parecem desistir de si mesmos. Eles são altamente ineficazes e têm dificuldade em executar até tarefas básicas. Três não saudáveis ​​podem passar meses ou mesmo anos nesta condição, em vez de cair no Nível 8 ou 9.

No Nível 8, Três estão tentando desesperadamente encobrir suas feridas, bem como a profundidade de sua disfunção. Eles são cortados de seus sentimentos e, no interesse de salvar sua imagem, são capazes de ações perigosas e criminosas.

Embora possam ser bem sucedidos em ocultar sua verdadeira condição por um tempo, eles estão muito quebrados para evitar períodos de colapso. Quando eles vão para Nove, a extensão total de sua angústia e sua falta de desenvolvimento são descobertas. Eles podem regredir para partes anteriores de sua vida, reproduzindo triunfos ou traumas da infância.

Eles também podem alternar entre períodos depressivos, dissociativos e explosões histéricas súbitas. Se possível, evitando deixar que alguém os veja assim e, enquanto tiverem a força para fazê-lo, restaurará sua imagem sempre que interagirem com os outros.

No Nível 9, Três não saudáveis ​​estão cheios de raiva e hostilidade e querem atacar quem quer que sintam que tenha ferido o que resta de sua auto-estima. Quando o horror de seus comportamentos compulsivos se revela, ou quando outros descobrem o que eles fizeram, eles vão para os Nove, se deteriorando em uma condição de tipo psicótico, em um mundo de sonhos a partir do qual eles não desejam acordar.

Tudo se torna irreal, incluindo os horríveis atos que eles podem ter perpetrado contra os outros. Eles já não se sentem enfurecidos ou hostis ou vingativos. Quando eles vão para Nove, os Três não saudáveis, inconscientemente, se dissociam dos únicos sentimentos que eles têm, seus sentimentos hostis, tão completamente que eles não sentem absolutamente nada.

Sua depressão manifesta-se como “morte”, letargia, sem energia ou interesse em nada, muito menos neles mesmos. Quando se deterioraram à esse ponto, tornam-se despersonalizados, a extensão da sua verdadeira alienação de si mesma torna-se aparente.

As ilusões infladas com as quais seu narcisismo lhes permitiu manter seu senso de si próprio desmoronam, expondo seu vazio. Eles deixam de interessar-se, podem ganhar peso e se afundarem em um estado vegetativo.

No Nível 9, eles podem quebrar completamente o vínculo com realidade, fracturando-se em sub-personalidades ou recuando para um estado parecido com catatonia.

A Direção de Integração

O eneatipo Três vai em direção ao eneatipo Seis em sua direção de integração

A real e verdadeira intimidade, pode ser assustadora para o Três porque, ao fazê-lo, eles se comprometem com outra pessoa, expondo-se ao medo de serem rejeitados. A verdadeira intimidade com os outros ameaça especialmente os Três porque acreditaram que apenas sua imagem e realizações são valiosas.

Eles sentem que seu eu autêntico é muito pouco desenvolvido e vulnerável para valer a pena. Quando os Três saudáveis ​​vão para Seis, no entanto, eles se comprometem com algo ou alguém fora de si mesmos, percebendo que seu valor não é diminuído por ser parte de algo maior do que eles.

Três integrados descobrem que, por seu compromisso com algo fora de si, eles paradoxalmente começam a crescer como pessoas dentro de si. Identificar com os outros permite que os valores sólidos possam arraigar. Seu compromisso com os outros também permite que os Três façam o que eles têm tanto medo de fazer: deixar os outros verem seus sentimentos e vulnerabilidades reais.

Quando Três vão para o Seis acham a coragem de explorar seus medos e necessidades emocionais genuínas e, como muitas vezes o fazem dentro de um relacionamento comprometido, acham que eles ainda são aceitos e, portanto, têm uma base firme para começar a desenvolver sua autêntica identidade. (Uma conversão espiritual pode ser extremamente útil a este respeito.)

O que também ajuda os Três saudáveis ​​a irem e permanecer no Seis, é a experiência de se apaixonar por alguém que está claramente mais desenvolvido do que eles. Se o Três pode admirar e se sentir amado por outros com quem eles não são competitivos, os relacionamentos têm uma chance real de serem duradouros. Uma vez que o Três estabeleceu um relacionamento comprometido, o relacionamento faz emergir as qualidades deles, o que pode ajudá-los a permanecer saudáveis.

Quando se mudam para o Seis, Três já não se preocupam mais em impressionar os outros com seu prestígio, sucesso ou status, nem se exaltarem à custa dos outros. Eles usam seus talentos para afirmar o valor dos outros, o que lhes permite experimentar seu próprio valor verdadeiro.

Por último, aprendendo a trabalhar e a servir causas que não necessariamente lhes dão atenção direta ou louvor, Três começam a abrir seus corações e descobrem verdadeiras fontes de auto-estima. Eles são saciados pelas enormes satisfações de cooperar com os outros por objetivos compartilhados e descobrem que seu compromisso com os outros lhes traz mais afirmação, amor e apoio do que sua capacidade de sucesso e competitividade.

Mais profundamente, porém, sem perceber isso, Três pararam de se concentrar em sua própria imagem e, quando ela desapareceu, pouco a pouco, o seu verdadeiro ego surge: estar em contato com a bondade de seus próprios corações os enche de mais alegria e serenidade do que jamais poderiam ter imaginado.

Pensamentos Finais

Olhando para trás, vimos que os Três se desviaram abandonando-se, rejeitando o desejo de seu próprio coração para se tornar o tipo de pessoa que eles acreditavam ser mais aceitável e valer a pena.

Como resultado, os Três desenvolvem apenas certas partes de si mesmos, como fisiculturistas que se concentram no desenvolvimento de apenas um aspecto de seu físico em vez de buscar o equilíbrio geral. Enquanto as qualidades que Três saudáveis ​​desenvolvem são reais, elas são partes, não o todo, de si mesmos.

Em Três medianos, vimos o desenvolvimento excessivo de uma parte muito mais insubstancial de si, sua imagem, que serviu a sua necessidade narcisista de afirmação. E nós vimos que os Três não saudáveis ​​sacrificam seu verdadeiro eu, destruindo sua integridade e causando à outros um grande dano para manter sua própria auto-imagem inflada, e sendo assim involuntariamente provocaram o que mais temiam.

Eles temem ser sem valor, mas por causa de seu narcisismo, explicação e malícia, eles acabam cortados da única fonte de valor verdadeiro que um ser humano pode ter, sua própria vida interior. Sua desesperada oferta de sucesso leva a uma desolação e sentimentos de deficiência aterradora.

A pessoa tão desejada de ser afirmada pelos outros fez coisas que são desprezadas pelos outros. Muito do que os outros admiravam acabou por ser uma falsidade, uma fachada que desabou, revelando o vazio interior.

Como Três são tão habilidosos em promover impressões favoráveis ​​de si mesmos, não é evidente que eles possam ser seres humanos muito subdesenvolvidos sob esse imagem que eles apresentam. A ironia é que eles são cada vez mais dependentes de outros para afirmar seu valor quando há progressivamente menos e menos valor sobre eles para afirmar.

No entanto, quando Três enfrentam seus medos de inutilidade, e revelam os seres humanos mais simples e vulneráveis ​​que realmente são, eles se tornam profundamente afetuosos e poderosos.

Quer saber mais sobre Eneagrama? Mostre-me onde!

Anúncios

Deixe uma resposta