Anúncios

Eneagrama: Tipo 7 – Naranjo

Este guia visa apresentar a teoria e tipologia do Eneagrama. Os posts serão traduções e adaptações do original, que merece todos os créditos: Claudio Naranjo

Agora temos um Grupo no Facebook

 

Eneatipo VII – Caráter e Neurose de Naranjo: Gula, Fraude e “Personalidade Narcisista”

  1. Teoria do núcleo, Nomenclatura e Lugar no Eneagrama

No mundo cristão, a “gula” está incluída entre os sete “pecados capitais”, mas a compreensão usual como uma gula por comida só faz parecer menos pecaminosa do que outros. Não seria incluído entre as disposições pecaminosas básicas, no entanto, se o significado original do termo não fosse – como é o caso da avareza e da luxúria – algo além do literal. Se entendermos a gula mais amplamente, no sentido de uma paixão pelo prazer, podemos dizer que isso definitivamente é um pecado capital – na medida em que implica um desvio do potencial de auto-realização de um indivíduo; o hedonismo é vinculativo para a psique e envolve (através da confusão) um obstáculo na busca do summum bonum e uma armadilha. Podemos dizer que uma fraqueza para o prazer constitui uma susceptibilidade generalizada à tentação e, nesta luz, podemos entender a afirmação de Chaucer em seu “The Parson’s Tale”, segundo o qual “Aquele que é viciado neste pecado de gula pode não resistir a nenhum outro pecado”.

Quando eu ouvi as idéias de Protoanálise de Ichazo, isso era em espanhol, e ele usou a palavra “charlatão” para o indivíduo eneatipo VII (e “charlatanismo” para a fixação). Essa palavra também precisa ser entendida de maneira mais que literal: que o guloso é aquele que se aproxima do mundo através da estratégia de palavras e “boas razões” – um que manipula através do intelecto. A palavra posterior de Ichazo para essa personalidade, “plano do ego”, faz referência ao fato de que o “charlatão” também é um sonhador – de fato, seu charlatanismo pode ser interpretado como tomar (ou oferecer) sonhos como realidade. No entanto, acho que o “charlatanismo” é mais evocativo, pois o planejamento é um traço proeminente dos tipos I e III e o “charlatanismo” transmite significados adicionais, como a capacidade expressiva, o papel de persuadir e manipular palavras, desviadamente ultrapassando os limites de seu conhecimento. Mais do que um mero planejador, o tipo VII é um “maquinador”, com esse caráter estratégico que La Fontaine simbolizou na raposa (um portador dessa disposição).
Ichazo caracterizou a gula como “querer mais”: deixo aos meus leitores gulosos decidir qual a interpretação mais profunda. Minha própria impressão é que, embora essa descrição seja caracteristicamente apropriada, aponta para uma insaciabilidade que os gulosos compartilham com os luxuriosos. Além disso, embora seja verdade que às vezes os gulosos imaginam que mais do mesmo traria maior prazer, também é verdade que eles mais caracteristicamente não são buscadores de mais do mesmo, mas (romanticamente) buscam o remoto e o estranho, buscadores de variedades, aventura e surpresa. Na linguagem do DSM III, a síndrome do eneatipo VII recebe o nome de “narcisista”, e deve ser consciente do fato de que esta é uma palavra usada pelos diferentes autores para outras personalidades também.

  1. Estrutura do Traço

Gula

Indivíduos eneatipo VII são mais do que apenas mente aberta, exploratória; Sua busca pela experiência leva-os, caracteristicamente, de um insuficiente aqui para um promissor lá. A “insaciabilidade” é, no entanto, velada por uma aparente satisfação; ou mais precisamente, a frustração está escondida por trás do entusiasmo – um entusiasmo que parece compensar a insatisfação, bem como manter a experiência da frustração longe da consciência do indivíduo.

Seja na questão da comida ou de outras questões, a gula do guloso normalmente não é para o comum, mas, pelo contrário, para o que é mais notável, para o extraordinário. Em consonância com isso, é o interesse característico no que é mágico ou esotérico em si, uma manifestação de um interesse mais amplo no que é remoto, seja geograficamente, culturalmente ou à margem do conhecimento.

Além disso, uma atração por aquilo que está além dos limites da própria cultura reflete o mesmo deslocamento de valores daqui para lá; e o mesmo pode ser dito sobre as tendências anticonvencionais típicas do tipo VII. Neste caso, o ideal pode ser em uma perspectiva utópica, futurista ou progressiva e não em modelos culturais existentes. Permissividade Hedonística. Um par de traços inseparáveis ​​do viés guloso do prazer, são a evasão do sofrimento e, concomitantemente, a orientação hedonista, característica da personalidade do eneatipo VII. Intrinsecamente ligados a esses traços são a permissividade e auto-indulgência. Em conexão com a permissividade, pode-se dizer que não só descreve um traço do indivíduo em relação a si mesmo, mas uma característica em relação aos outros; Essa permissividade às vezes até torna-se cumplicidade quando se tornam sedutoramente amigos dos vícios de outras pessoas.

Estreitamente relacionado com a auto-indulgência é a característica de ser “mimado”, geralmente empregado em referência a uma atitude de direito à gratidão. Além disso, a orientação do “play-boy” para a vida cai aqui e, indiretamente, o senso exagerado de bem que o indivíduo desenvolve como proteção do hedonismo contra a dor e a frustração: a “atitude otimista” que não só faz com que ele e outros sejam bem-sucedidos , mas o mundo inteiro é bom para viver. Em alguns casos, podemos falar de uma “aprovação cósmica”, em que a satisfação do indivíduo é apoiada por uma visão do mundo em que não há bem ou mal, sem culpa, sem deveres, e não há necessidade de fazer nenhum esforço – pois é suficiente desfrutar.

Rebeldia

Claro, sem rebeldia, a auto-indulgência não seria possível no mundo inibidor da civilização atual. As principais coisas a serem ditas sobre a rebelião do tipo VII são que ela se manifesta mais visivelmente em um olho agudo para os preconceitos convencionais e que geralmente encontra uma saída humorística. Além disso, a rebeldia é principalmente incorporada a uma orientação anti-convencional, enquanto a rebelião intelectual anda de mãos dadas com uma boa medida de aquiescência comportamental. Esta característica faz das pessoas do tipo VII os ideólogos das revoluções, e não os ativistas.

Eneatipo VII geralmente não está orientado para as autoridades. Pode-se dizer que ele “aprendeu” cedo na vida que não existe uma boa autoridade, mas adota para a autoridade uma atitude diplomática e não oposicionista. Um aspecto da rebelião implícita é o fato de que o indivíduo do tipo VII vive principalmente em um ambiente psicológico não hierárquico. Assim como o tipo VI percebe-se exageradamente em termos de suas relações com superiores e inferiores, o tipo VII é “igualitário” em sua abordagem às pessoas. Não toma autoridade muito a sério (pois isso iria combater a auto-indulgência, a permissividade, a falta de culpa e a superioridade), tampouco apresenta-se aos outros como uma autoridade, exceto em uma maneira secreta que procura impressionar ao mesmo tempo assumindo a aparência de modéstia.

Falta de disciplina

Ainda outro traço que é independente o suficiente para ser considerado como tal e ainda dinamicamente dependente da gula e da rebelião, manifesta-se através da falta de disciplina, instabilidade, falta de compromisso e as características diletantes do VII. A palavra “play-boy” reporta não só o hedonismo, mas a atitude não comprometida de um desfrutador. A falta de disciplina neste personagem é uma conseqüência de seu interesse em não adiar o prazer – e, em um nível mais profundo, se baseia na percepção do adiamento do prazer como desamor. 

Realização imaginária dos desejos

A “cathexis” da fantasia e orientação aos planos e à utopia faz parte do viés do guloso que, como uma criança no peito, se apega a um mundo muito doce e não frustrante. Estreitamente relacionado com o acima e também uma fuga das realidades da vida é a atração para o futuro e o potencial: eles geralmente têm uma orientação futurista por meio de uma identificação com planos e ideais, o indivíduo parece viver imaginativamente neles, em vez de na realidade pés no chão.

Sedutoramente agradável

Existem duas facetas na personalidade eneatipo VII, cada uma das quais deu origem ao reconhecimento popular do personagem (“feliz” e “amável”, respectivamente) e que, em conjunto, contribuem para a qualidade caracteristicamente agradável do caráter tipo VII. Assim como o tipo VII é um guloso para o que é agradável e passou a se sentir amado através da experiência do prazer – ele parece empenhado em cumprir o prazer-gula dos que quer seduzir. Como o tipo II, o tipo VII é eminentemente sedutor e está inclinado a satisfazer tanto a utilidade quanto a satisfação alegre e livre de problemas.

O aspecto amável desta personalidade é aludido por tais descritores como “quente”, “útil”, “amigável”, “obrigatória”, “verdadeiramente pronta para servir “e “generosa”. Eles são muito bons anfitriões e podem ser grandes gastadores. No grau em que a generosidade é parte da sedução e uma maneira de comprar amor ao invés de uma verdadeira doação, é contrabalançada na psique do guloso pelo oposto correspondente: uma exploratividade oculta, mas efetiva que pode manifestar-se como uma tendência parasitária e talvez em sentimentos de direito ao cuidado e afeto. O estado de bem-estar satisfeito do tipo ennea VII repousa em parte nas prioridades de um desfrutador, em parte na habilidade do guloso para realização imaginária.

No entanto, “sentir-se bem” também serve os fins da sedução e a motivação sedutora pode, às vezes, tornar o tipo VII especialmente alegre, bem-humorado e divertido. O bom humor do tipo VII faz com que outras pessoas se sintam iluminadas em sua presença, e isso contribui de forma eficiente para o prazer que eles causam e a atratividade de estar perto deles, na medida em que a felicidade é, pelo menos em parte, sedutora e definitivamente compulsivo. A tendência feliz do eneatipo VII (como no caso do tipo III) é mantida à custa da repressão e evasão da dor e resulta em um empobrecimento da experiência. Em particular, o “legal” do tipo VII envolve uma repressão de tal ansiedade que alimenta cronicamente a atitude de se refugiar em prazer.

Narcisismo

Outro grupo de traços que podem ser discernidos como expressão de sedução pode ser chamado de narcisista. Ele compreende tais descritores como “exibicionista”, “sabe melhor”, “bem informado”, “intelectualmente superior”. Às vezes, isso se manifesta como uma compulsão para explicar coisas, como Fellini procura retratar em filmes onde um narrador constantemente coloca em palavras tudo que está ocorrendo.

Podemos falar de uma “sedução através da superioridade”, que geralmente assume a forma de superioridade intelectual, embora (como em Le Tartuffe de Moliere) possa envolver uma imagem religiosa, boa e santa. A aparente falta de grandiosidade em uma imagem tão santa às vezes é manifesta, mesmo no caso daqueles que ativamente procuram afirmar sua superioridade, sabedoria e bondade. Isso cai em sintonia com o fato de que tendem a estabelecer relações fraternais qualitativas, em vez de relações de autoridade. Por causa disso, sua pretensa superioridade é implícita e não explícita, mascarada por um estilo não assumido, apreciativo e igualitário.

Como no caso da satisfação, a superioridade do eneatipo VII expressa apenas metade da experiência do guloso; o outro é a percepção simultânea de si como inferior, e os sentimentos correspondentes de insegurança. Como no eneatipo V, em ambos os casos a divisão permite a simultaneidade do dois sub-eus, no entanto, enquanto é o eu depreciado que está no primeiro plano no tipo V, é o eu grandioso que tem a vantagem na personalidade narcisista. Uma característica psicológica que é importante mencionar em conexão com o narcisismo gratificante do “receptivo oral” é o charme, uma qualidade em que convergem as qualidades admiráveis ​​do eneatipo VII (talento, perceptividade, inteligência, saber-viver, e assim por diante) e suas características agradáveis, não agressivas, agradável e satisfeito. Através do charme, ele pode satisfazer sua gula efetivamente, o que implica que o jeito agradável e charmoso não são apenas sedutores, mas manipuladores. Através de seu grande encanto, pode encantar os outros e mesmo ele mesmo. Entre suas habilidades está a do fascínio – o fascínio hipnótico até – e o charme é a magia dele.

Junto com a faceta narcisista da eneatipo VII, é necessário mencionar a alta intuição e os talentos freqüentes do tipo VII, o que sugere que tais disposições podem ter favorecido o desenvolvimento de sua estratégia dominante (assim como a adoção da estratégia estimulou seu desenvolvimento).

Persuasivo

Podemos pensar no eneatipo VII como uma pessoa em quem a busca do amor se voltou para a busca do prazer e, na necessária medida de rebelião que isso envolve, pretende satisfazer seus desejos ao se tornar um explicador e um racionalizador hábil. Um charlatão é, claro, alguém que é capaz de persuadir os outros da utilidade do que ele vende. No entanto, além da atividade intelectual de explicação, que pode se tornar um vício narcisista no tipo VII, a persuasão reside na própria crença na própria sabedoria, superioridade, respeitabilidade e bondade das intenções. Assim, apenas podemos distinguir traços que existem em estreita entrelaçabilidade: ser admirável serve a persuasão, assim como agradar.

As qualidades de ser um persuador e uma fonte de conhecimento normalmente expressam no tipo VII se tornar um conselheiro às vezes em uma capacidade profissional. Charlatões gostam de influenciar os outros através de conselhos. Podemos ver não só a satisfação narcisista e a expressão de utilidade no charlatanismo, mas também o interesse em manipular através de palavras: “andar de lado” sobre as pessoas e fazê-las implementar os projetos do persuader. Juntamente com uma motivação manipuladora para influenciar os outros, podemos considerar a alta inteligência, habilidade verbal alta, capacidade de sugerir, e assim por diante, que geralmente caracterizam os indivíduos do tipo VII.

Fraude

Nós discutimos a polaridade de sentir-se bem (e melhor do que OK) e de ser ao mesmo tempo impulsionados por uma paixão oral para sugar o melhor da vida. Nós falamos de uma rebelião como descrito na observação de Fritz Perls de que “por trás de cada bom menino se pode encontrar um pirralho rancoroso”. Nós encontramos em eneatipo VII uma confusão entre imaginação e realidade, entre projetos e realizações, potencialidades e realizações. Então, encontramos um prazer, uma ansiedade escondida, uma suavidade que esconde a agressão, uma generosidade escondendo a exploração A palavra “charlatão” no eneatipo VII em sua conotação de conhecimento falso e confusão entre mapa verbal e território tem, portanto, uma adequação ao personagem além da mera persuasividade. Tomado em grande medida, ele transmite uma fraude mais generalizada (a que todos os resumos acima). Na verdade, o rótulo conceitual “fraude” pode ser mais apropriado do que o “charlatanismo” simbólico ou metafórico para a fixação do eneatipo VII.

  1. Mecanismos de defesa

Mais de um mecanismo de defesa parece particularmente pertinente ao caráter hedonista-narcisista. Dizer que o indivíduo do tipo VII aprende no início da vida a permitir a indulgência de seus desejos por “boas razões” implica que o mecanismo de racionalização adquire uma importante função estratégica em sua vida.

A racionalização foi descrita por Ernest Jones como a invenção de um motivo para uma atitude ou ação cujo motivo não é reconhecido. Embora nem sempre seja considerado como um mecanismo de defesa, há motivos suficientes para afirmar que é, pois, embora não implique a inibição do impulso (mas sim o oposto), envolve uma distração de atenção dos “motivos reais” das atitudes e ações de uma pessoa e, ao fazer tais ações parecerem boas e nobres, satisfaz as demandas do superego. Como Matte-Blanco escreve: “Dissipar a suspeita sobre o significado de uma ação, facilita a manutenção pacífica da repressão e, portanto, pode ser considerada uma manifestação disso”. A racionalização é mais marcante, na medida em que opera e constitui uma maneira da vida – um “explicador” usa a persuasão para contornar os obstáculos para o seu prazer. A racionalização pode ser contemplada, no entanto, como um mecanismo de defesa bastante elementar que sustenta a mais complexa idealização. Assim como a racionalização não foi universalmente considerada como um mecanismo de defesa, o mesmo ocorre com a idealização, proeminente na psicologia do eneatipo VII. Antes de tudo, há auto-idealização, que na mente da pessoa do tipo VII está ligada à negação de culpa e também à atitude narcisista e às suas reivindicações. Pode encontrar-se como uma auto propaganda, mesmo que o indivíduo auto-congratulatório acredite em sua versão idealizada de si mesmo. A idealização também funciona de forma importante em relação às pessoas, e particularmente em relação a mãe e a suplentes da mãe. (Assim como os machos do tipo VI tendem a ser amantes de pai ou idealizadores de pai, os indivíduos do tipo VII com tendência para mente suave são devidamente dedicados às suas mães e rebeldes diante da autoridade que exerce os pais. Em relação às figuras de autoridade em geral, o tipo VII parece ter adotado uma atitude de des-idealização, implícita em sua orientação não-hierárquica.)

É possível dizer que a atitude otimista característica do tipo VII e o humor alegre que é habitual para eles não seriam possíveis sem a operação de idealização em relação ao mundo em geral e as pessoas mais significativas nele. Em relação com os outros como em conexão com si mesmo, o otimismo implica a suspensão da criticidade e culpa, e uma suposição de amor e bem-aventurança. Há um forte viés em relação ao sentimento expresso pelo slogan “Estou bem, você está bem”. Além disso, há uma tendência para entreter um “otimismo cósmico” – a sensação de que tudo está bem – no mundo e que não há necessidade de lutar.

Para além da racionalização e da idealização, podemos também mencionar a relevância do mecanismo de defesa da sublimação na psicologia do tipo VII, na medida em que a sublimação é definida como um giro da energia instintiva para os fins socialmente desejados, e o guloso é caracteristicamente aquele cujo interesse próprio foi revelado como motivação altruísta. A operação da sublimação nos ajuda a entender a orientação deles para a fantasia, que envolve a substituição do objetivo real de seus impulsos por imagens, planos e cathexis de sua própria capacidade (ou seja, em virtude da qual tendem a acumular ferramentas para fazer, em vez de simplesmente fazer).

  1. Psicodinâmica Existencial

Como em outros tipos de personalidades, a paixão dominante é apoiada dia após dia, não apenas por memórias de gratificação passada e por frustração passada, mas por meio da interferência que esse caráter implica na função saudável e na auto-realização. Como no caso das outras paixões, podemos entender a gula como uma tentativa de preencher um vazio. A gula, assim como a inveja (oral-agressiva), procura fora algo que percebe que não tem interiormente. Somente ao contrário da inveja (em que há uma consciência pronunciada da insuficiência ôntica), a gula se encarrega fraudulentamente da insuficiência com uma falsa abundância comparável à do orgulho. (Desta forma, a paixão é atuada sem auto-consciência total).
A deficiência ôntica não é apenas a fonte do hedonismo (e a prevenção da dor) no entanto, mas também sua conseqüência; pois a confusão entre o amor e o prazer não traz o significado mais profundo do que o disponível imediatamente. Uma sensação de escassez interna também é, naturalmente, apoiada pela alienação do indivíduo a partir de sua profundidade experiencial, que ocorre como uma conseqüência da necessidade hedonista de experimentar apenas o que é agradável. É alimentado também pelo medo implícito que permeia o tipo em sua amável acomodação – um medo não compatível com o viver da vida verdadeira. Também a manipulação (no entanto, mascarada pela amabilidade, isto pode ser), pressupõe uma perda do verdadeiro relacionamento, um se divorciar do sentido da comunidade e o senso fraudulento da comunidade, que faz parte do charme sedutor, não se esconde completamente por esse vazio.

Finalmente, a orientação do guloso ao espiritual, o esotérico e o paranormal, enquanto procura constituir a resposta exata para a deficiência ôntica que se encontra no núcleo, serve apenas para perpetuá-la – pois, buscando ser no futuro, no remoto, imaginado e o além, o indivíduo apenas assegura sua frustração para encontrar valor no presente e no real.

 

 

 

 

Anúncios

Deixe uma resposta

Powered by WordPress.com. Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: