Eneagrama: Tipo 6 – Naranjo

Este guia visa apresentar a teoria e tipologia do Eneagrama. Os posts serão traduções e adaptações do original, que merece todos os créditos: Claudio Naranjo

Agora temos um Grupo no Facebook

 

Eneatipo VI – COVARDIA, PERSONALIDADE PARANÓIDE E ACUSAÇÃO

  1. Teoria do núcleo, Nomenclatura e Lugar no Eneagrama

As palavras de Ichazo para a paixão e a fixação do eneatipo VI, como mencionado na Introdução, foram “timidez” e “covardia”, respectivamente.

A timidez pode significar uma hesitação ansiosa ou inibição de ação na presença de medo, mas se for assim, então o significado não é muito diferente de “medo”, que estou usando para designar a paixão dominante nesta personalidade.

Se usarmos medo ou covardia para designar a paixão dominante do tipo VI, no entanto, precisamos apontar, como no caso da raiva e outras emoções, que este importante estado emocional não precisa ser diretamente manifestado em comportamento. Pode, alternativamente, manifestar-se na compensação excessiva de uma atitude consciente de luta heróica. A negação contra-fóbica do medo não é diferente, em essência, do encobertamento da raiva por excessiva gentileza e controle, a cobertura do egoísmo através da rendição excessiva, e outras formas de compensação manifestadas em toda a gama de personalidades, particularmente em alguns dos sub eneatipos.

Mais característico do que o medo e a covardia, em muitos indivíduos eneatipo VI, pode ser a presença de ansiedade – esse derivado do medo que pode ser caracterizado como medo sem a percepção de perigo externo ou interno.

Embora o medo não esteja entre os “pecados capitais”, a transcendência do medo pode ser uma pedra angular do verdadeiro ideal cristão, na medida em que isso envolve um Imitatio Christi até um ponto que é necessariamente heróico. É interessante observar, como sempre, que o ideal cristão se deslocou daquele dos primeiros mártires para um impregnado por atitudes que Nietzsche criticou sob o epíteto da “moralidade escrava” (embora, ultimamente, na América do Sul pelo menos, a igreja se tornou heróica novamente para o ponto do martírio).

Ao contrário da noção grega de virtude (arete) que enfatizava a coragem, como Nietszche apontou, o ideal da sociedade cristã apóia uma obediência excessivaa autoridade e um desequilíbrio na direção do controle apolônio sobre a expansividade dionísiaca. Assim como podemos testemunhar uma degradação na consciência cristã ao longo da caminho específico de coragem para covardia, podemos falar de uma degradação em sua sub-posição de fé. Embora a fé seja, na Protoanálise, o psicocatalista que se encontra como um portão de libertação potencial da escravidão da insegurança, isso é completamente diferente. O que a palavra significou no discurso religioso médio: que é uma empresa mantendo um conjunto de crenças.

Como vou elaborar na análise psicodinâmica, acho que a contraparte cognitiva do medo pode ser encontrada em uma atitude de auto-invalidação, auto-oposição e auto-culpa – tornando-se um inimigo de si mesmo – que parece implicar que é melhor opor-se a si mesmo (ao lado da oposição antecipada no exterior) do que encontrar um inimigo externo. A definição DSM III de caráter paranóico é mais estreita do que eneatipo VI, pois este último compreende três variedades diferentes de pensamento paranóico que envolvem diferentes formas de lidar com a ansiedade. O caráter fóbico da psico-análise, agora ecoou na personalidade “evitante” do DSM III e também em “desordem de personalidade dependente”; ainda existe um estilo mais obsessivo, geralmente diagnosticado como transtorno misto da personalidade, entre o paranóico e oobsessivo.

3. Estrutura do Traço 

Medo, covardia e ansiedade

Uma característica central entre os traços descritivos do tipo ennea VI é a emoção peculiar que a psicologia contemporânea descreveu como ansiedade. Isso pode ser comparado a um medo congelado ou a um alarme congelado antes do perigo que deixou de ser ameaça (embora continue a ser imaginado).

Examinando descritores de tipo VI, acho, além da ansiedade, muitos em que o medo é a característica psicológica explícita: medo da mudança, medo de cometer erros, medo do desconhecido, medo de deixar ir, medo de hostilidade e trapaça, medo de não ser capaz de lidar, medo de não sobreviver, medo da solidão em um mundo ameaçador, medo de traição e medo de amar. O ciúme paranóico pode ser incluído no mesmo grupo.

Estreitamente ligados a estes são os traços que têm a ver com a expressão de medo no comportamento: insegurança, hesitação, indecisão e especulação (uma conseqüência do medo de cometer erros), paralisado pela dúvida, imobilizado, fora de contato com impulso, evitação de decisões e a inclinação para comprometer-se, sendo exageradamente cuidadoso e cauteloso, propenso a checagem compulsiva, nunca com certeza, falta de autoconfiança, excesso de ensaios e dificuldade com situações não-estruturadas (ou seja, aquelas nas quais não existe uma diretriz estabelecida para comportamento).

Se o medo paralisa ou inibe, a inibição dos impulsos alimenta a ansiedade, como foi a afirmação de Freud; e podemos dizer que o medo é um medo dos próprios impulsos, um medo de agir de forma espontânea. Este “medo de ser”, para emprestar a expressão de Tillich, é tipicamente complicado pelo medo do mundo exterior e pelo medo das consequências futuras das ações presentes. Uma maneira adicional em que o medo, através da imobilização, reacende-se, é através da sensação de impotência que afeta um indivíduo que teme soltar livremente impulsos agressivos ou sexuais. Não podendo confiar no seu poder, a desconfiança das habilidades e a capacidade de lidar com situações – com a consequente insegurança e a necessidade de contar com os outros – podem ser considerados como não totalmente irracionais, mas como resultado dessa pessoa se perceber, numa perspectiva psicológica, como “castrada”.

Hiper-intencionalidade excessivamente alerta

Estreitamente relacionado com a ansiedade, mas não idêntico a isso, é estar hiperalerta envolvido por uma disposição suspeita e excessivamente cautelosa. Ao contrário do excesso de alerta confiante do tipo III que se orienta a ter “tudo sob controle”, esta é uma hiper-vigilância que está atento aos significados escondidos, pistas e ao invulgar. Além de constituir um estado de excitação crônica ao serviço da interpretação (potencialmente perigoso) da realidade, serve uma deliberação excessiva sobre o que, por outro lado, seria uma questão de escolha espontânea. Tomei emprestado a palavra de Shapiro “hiper-intencionalidade” para a direção extraordinariamente rígida e tensa de comportamento (de caráter suspeito), bem como para a necessidade exagerada de contar com escolhas racionais.

Orientação teórica

O medo torna o covarde incapaz de ter certeza do suficiente para agir, de modo que nunca tenha certeza suficiente e quer saber melhor. Ele não só precisa de orientação, mas também tipicamente (orientação de desconfiança e necessidade) resolve esse conflito através de apelar para a orientação de algum sistema lógico ou o próprio motivo. Eneatipo VI não é só um tipo intelectual, mas o mais lógico dos tipos, um dedicado a razão. Ao contrário do eneatipo VII que usa o intelecto como estratégia, o tipo VI provavelmente venerar o intelecto através da fidelidade fanática à razão e à razão única – como na ciência. Na sua necessidade de respostas para resolver seus problemas, o tipo VI é mais do que qualquer outro questionador e, portanto, um potencial filósofo. Não só ele usa o intelecto para a resolução de problemas, mas ele recorre a procura de problemas como forma de sentir-se seguro. Na sua hipervigilância, seu caráter paranóico está atento aos problemas; ele é um atirador de problemas em relação a si mesmo e tem dificuldade em se aceitar sem problemas. Embora haja esperança em se ver com problemas – a esperança de poder resolvê-los – também há uma armadilha no problema que se manifesta, por exemplo, como uma incapacidade de ultrapassar o papel de paciente em processo terapêutico e uma dificuldade em apenas se deixar ser.

Não só a ineficácia ou o problema generalizado em agir dos indivíduos tímidos tipo VI são uma conseqüência de uma orientação excessiva ao abstrato e teórico, mas buscar refúgio na atividade intelectual também é uma conseqüência de um temeroso reter-se, imprecisão, falta de objetividade e “bater ao redor do arbusto”. 

Amabilidade insinuante

Outros grupos de descritores apontam para traços generalizados compreensíveis como formas de lidar com a ansiedade. Assim, podemos entender o calor da maioria dos indivíduos VI como uma fraqueza: uma maneira de insinuação. Mesmo que não possamos concordar com a interpretação de Freud sobre a amizade como um associar-se paranóico em face de um inimigo comum, devemos conceder que existe tal “amizade”. A busca compulsiva por proteção de afeição covarde cai nesta categoria.

Juntamente com o descritor “afeição”, eu inscrevo neste grupo “buscando e dando-calor”,”ser um bom anfitrião e ser hospitaleiro” e “generoso”. “Piedade patológica” pode ​​também ser listada aqui, juntamente com “fidelidade exagerada a indivíduos e causas”. Também os traços da “consideração”, “gentileza”, “subserviência”, e a necessidade de apoio e validação nos covardes mais inseguros se junta aos citados acima. Eu percebo que os indivíduos VI em quem esses os traços dominam também são propensos a tristeza, desamparo, e uma sensação de abandono, bem como no tipo Ennea IV. Relacionado com a amabilidade insinuante e o calor do VI é a necessidade de associação com um parceiro mais forte, que lhes dá segurança ainda que frustre suas inclinações competitivas.

Rigidez

Estreitamente relacionado com a expressão afetuosa da covardia é uma característica acomodação. O traço da própria obediência, no entanto, agrupei com características de um zelo mais generalizada, como a obediência à lei, uma devoção para cumprir as responsabilidades, conforme definido pela autoridade externa, uma tendência a seguir regras e valores de documentos e instituições. Indivíduos eneatipo VI em quem esses traços predominam podem ser ditos ter um “caráter prussiano”, em referência a esse estereótipo de rigidez e organização. O medo da autoridade e o medo de cometer erros porque eles precisam de diretrizes claras sobre o que é certo e errado, então eles são altamente intolerantes à ambiguidade. Essas diretrizes nunca são essas da opinião popular, como no “outro dirigido” eneatipo III, mas as regras do presente ou autoridades passadas, como o conjunto de regras internas implícitas de Dom Quixote, que segue o cavaleiro errante em sua imaginação. Juntamente com o acima mencionado, listei o traços “controlados”, “corretos”, “bem informados”, “trabalho duro”, “pontual”, “preciso” e “responsável”.

Combatividade

Uma alternativa ao estilo suave, obediente e gratificante de lidar com ansiedade é o estilo rígido, baseado em princípios e com regras, encontramos um conjunto de características que podem ser entendidas como uma intimidação combativa através da qual o indivíduo (como Freud descreveu em conexão com a luta edípica) compete com os pais e autoridade – e mais tarde na vida usa a posição de autoridade para se sentir segura e para obter o que ele quer. Na medida em que a usurpação competitiva está envolvida, há culpa, medo de retaliação e perpetuação da insegurança paranóica.

Pertencendo a esta categoria está, além da denúncia da autoridade e do desejo competitivo de permanecer no lugar da autoridade, “argumentatividade”, “criticidade”, “ceticismo” e “cinismo”. Juntamente com estes, listei os descritores “eles acham que eles conhecem a maneira certa”, “pressionar os outros para se conformarem”, “bombástico”, “blefar”, “forte”, “corajoso” e “grandioso”. A característica do bode expiatório parece estar relacionada a essa expressão “forte” do tipo VI em vez do estilo caloroso e fraco. Estamos na presença da manifestação contrafóbica do tipo VI – uma estratégia comparável ao latido de um cachorro. 

Orientação para Autoridade e Ideais

O que as manobras de segurança agressivas, obedientes e carinhosas têm emcomum é a sua relevância para a autoridade. Podemos dizer que o medo do eneatipo VI foi originalmente despertado pela autoridade parental e a ameaça de punição pelo progenitor que exercia o poder – geralmente o pai. Assim como originalmente seu medo levou a doçura, obediência ou rebeldia (e geralmente ambivalência) em relação a seus pais, agora ele continua a se comportar e a sentir o mesmo diante de outros a quem ele atribui autoridade ou para quem ele (conscientemente ou inconscientemente) se torna um.

O padrão de “agressão autoritária” e “submissão autoritária” observado pelos autores da Personalidade Autoritária pode ser mencionado aqui: tipo VI manifesta agressão em relação àqueles abaixo e submete-se àqueles acima na hierarquia de autoridade. Eles não apenas vivem em um mundo hierárquico: eles ambos odeiam e amam a autoridade conscientemente (sendo, apesar da ansiedade em face da ambiguidade, o mais explicitamente ambivalente de todos os tipos de personalidade).

Além dos traços de submissão, a demanda de obediência e amor, ódio e ambivalência em relação à autoridade, o eneatipo VI mostra, em maior medida que qualquer outra, uma idealização das figuras de autoridade – manifestam-se em adoração individual a figuras de herói, em uma atração generalizada para o grande e o forte ou em uma orientação para a grandeza impessoal, o que faz com que alguns se entreguem a uma paixão pela sublimidade arquetípica. Essa inclinação para o que é maior do que a vida parece não apenas subjugar uma divinização/demonização do ordinário (observado por Jung em conexão com o tipo pensador introvertido) e a sublimidade percebida de ideais de fanáticos, mas é uma característica do tipo ennea VI em geral, que, em vista disso, podem ser descritos como “idealistas”.

Acusação de si e de outros

A culpa é tão proeminente no tipo VI como nos tipos IV e V, apenas que no tipo VI, o mecanismo da produção de culpa vai de mãos dadas com um proeminente mecanismo de exculpação através da projeção e criação de inimigos externos. Isto não é apenas ansiedade, mas a culpa, podemos dizer, que busca ser aliviada através de insinuações, apaziguamento obediente de potenciais acusadores, da submissão a autoridades pessoais ou intelectuais, ou através de um blefe assertivo por trás do qual o indivíduo esconde suas fraquezas e imperfeições. Na usurpação da autoridade dos pais tornando-se a autoridade, assim como no apaziguamento da autoridade, o indivíduo age não apenas de forma auto-protetora, mas de forma a evitar a culpa.

Podemos dizer que a culpa se manifesta em traços como defensiva, auto- justificação e insegurança, envolve um ato de auto-acusação, pelo qual uma indicação o indivíduo torna-se um pai invalidante para si mesmo. É neste ato de auto-oposição através do qual um indivíduo se torna seu próprio inimigo, que vejo como a fixação própria do tipo VI, isto é, o defeito cognitivo que se desenvolveu como conseqüência do medo e terminou se tornando sua raiz. A acusação não é apenas uma característica do tipo VI em relação a si mesmo, mas também a outros – talvez através da operação de projeção no serviço de evitar o tormento de muita culpa. Não só o tipo ennea VI persegue-se e se sente perseguido, mas também é um perseguidor suspeito e crítico – e ele pode afirmar sua grandiosidade precisamente em virtude do direito que permite pronunciar o julgamento sobre os outros. 

Dúvida e ambivalência

Falar de auto-invalidação é falar de auto-dúvida, assim como a suspeita implica uma dúvida dos outros. Além da atitude de um inquisidor acusatório de si mesmo e outros, a palavra “dúvida” traz à mente a incerteza do tipo ennea VI em relação a seus pontos de vista: tanto se invalida quanto se adora sutilmente, sentindo-se como os esquizofrênicos paranóicos se sentem ao extremo: ambos perseguidos e grandiosos.

Para dizer de forma diferente: ele duvida de si mesmo e duvida da dúvida dele; ele está desconfiado dos outros, e ainda tem medo de estar confuso. O resultado dessa dupla perspectiva é, é claro, a incerteza crónica em relação à escolha de um curso de ação e a consequente ansiedade, necessidade de apoio e orientação, e assim em diante. Às vezes – e como defesa contra ambiguidade insuportável – ele pode tomar no mundo, a posição de um verdadeiro crente que está absolutamente seguro das coisas.

Quando não é um fanático, porém, o eneatipo VI é caracterizado por ambivalência, mais fortemente que qualquer outro tipo; e sua ambivalência mais marcante é a de odiar e amar seu progenitor “portador de autoridade” ao mesmo tempo. A dúvida intelectual, ao que parece, é apenas a expressão dessa dúvida emocional em virtude da qual ele está dividido entre o seu eu odioso e seu eu sedutor, o desejo de agradar e o desejo de se mover contra, obedecer e rebelar-se, admirar e invalidar. 

4. Mecanismos de defesa

A estreita associação entre o funcionamento paranóico e a projeção está tão bem estabelecida que Shapiro¹⁵ observa: “a operação ou o mecanismo mental é tão central para a nossa compreensão da patologia paranóica e dos sintomas que quase vem definir o que se chama paranóico em psiquiatria”.

Embora “projeção” seja uma palavra que tenha sido usada com vários significados, o que é apropriado neste contexto é o de atribuir a outro motivos, sentimentos ou pensamentos não reconhecidos em si mesmo. Em alguns casos (“projeção do super-ego”) é uma auto-acusação que é repudiada, através da pretensão implícita de que a má vontade punitiva vem de uma fonte externa (como é mais marcante nos delírios de psicóticos sobre perseguição). A sensação de ser observado, julgado, e assim por diante é parte da suspeita de tipo VI que também pode ser interpretada em termos de externalização: o mecanismo de transferência de um evento intrapessoal para uma relação interpessoal. Em outros casos, (“projeção do Id”) é a pessoa não aceitar impulsos que são destituídos e atribuídos a outros, de modo que a auto-condenação se  torne a acusação de outro.

Em ambos os casos, a projeção pode ser entendida como uma operação mental voltada para auto-exculpação ou evasão da culpa, e, portanto, algo na natureza de uma válvula de escape para culpa excessiva. A geração dessa culpa – que proponho para considerar o núcleo da psicologia do tipo VI – pode ser entendida em relação ao mecanismo conhecido como “identificação com o agressor”. A psique do covarde é aquela que melhor encarna o significado de “diabolus”, o diabo: o adversário, o inimigo.

Podemos dizer que o indivíduo VI uma vez procurou apaziguar seu inimigo através de se tornar um inimigo para si mesmo. É como se ele pensasse consigo mesmo que é prudente adotar uma atitude auto-acusadora, pois dessa forma não se encontrará com problemas com autoridade. A auto-acusação geralmente vê monstruosidade onde existe apenas a natureza e, na medida em que o medo faz parte da neurose universal, nós carregamos dentro de nós, um Id freudiano cheio de hostilidade e destruição. Essa imaginação de monstruosidade onde existe potencial espontaneidade e sabedoria do organismo não só leva à auto-inibição, mas é complicado pelo fato de que a inibição perpetua a situação de não se conhecer, o que, por sua vez, torna o indivíduo vulnerável à auto-hostilização. 

6. Psicodinâmica Existencial

Este é um tópico particularmente relevante no caso do tipo ennea VI em vista da conexão entre os pontos IX e VI no enneagrama: podemos dizer que o medo de agir implica estar fora de contato consigo mesmo, que a falta de base para ser se traduz em uma fragilidade ou fraqueza em relação à auto-expressão.

Enquanto o ennea-tipo III não está ciente de sua auto-alienação e os tipos IV e V permenecem nisso intensamente, experimentando-o como uma sensação de insubstancialidade, a experiência de obscurecimento ôntico no tipo VI é projetado para o futuro e traz uma sensação de antecipação temerosa. Foi descrito corretamente por R.D. Laing como o terror de olhar dentro e descobrir que não há nada lá. Não há nessa situação um ignorar a questão, nem um encarar completo ela, mas sim um olhar mais ou menos, uma evasão parcial.

A fragilidade do sentido do ser também é de tal qualidade que é adequadamente descrita pela expressão que Laing propôs em conexão com obstrução ôntica em geral: “insegurança ôntica”. Podemos dizer que a perda do ser no tipo VI é uma experiência de ser ameaçado, ser precário. Também a expressão de Guntrip, “fraqueza do ego” parece particularmente apropriada para a nuance paranóica da perda de ser.

É possível pensar que a preocupação excessiva do tipo VI com segurança não é arraigada no medo físico ou mesmo no medo emocional tanto quanto em uma pressão excessiva em fatores de segurança física e emocional por uma insegurança que “não é desse mundo”. Ao contrário da experiência da pessoa verdadeiramente corajosa – o herói que pode arriscar tudo, a vida incluída, por um sentimento implícito de enraizamento em algo além da existência contingente, o covarde projeta sua insegurança ôntica nas camadas externas da existência através de uma incapacidade generalizada de risco ou uma preocupação excessiva com uma autoridade e poder que serve como garantia para o risco.

No caso da personalidade paranóica sensu strictu, é fácil entender a perda de ser como um derivado de uma busca por ser – através da aproximação da grandiosidade e do nutrir da grandiosidade da pessoa – como pode ser ilustrado pela situação de Don Quixote, que em sua identificação com o ideal de um cavaleiro errante de cavalaria demanda uma vida de fantasia, incompatível com a experiência muito comum (não grandiosa) da realidade do dia-a-dia.

Em outros casos, não é a grandiosidade de uma imagem ideal internalizada que se torna uma substituta do ser, mas a grandiosidade de uma autoridade externa do presente ou do passado. Em todos esses casos, podemos dizer que há uma confusão entre estar com autoridade e o tipo especial de poder que implica a autoridade.

Assim como é verdade que, no nível psicológico propriamente dito, o indivíduo tipo VI abandona seu poder diante da autoridade, também é possível dizer que  ele desiste do senso de ser através de sua projeção sobre indivíduos, sistemas ou ideias dotadas de uma importância ou sublimidade “maior do que a vida”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um comentário sobre “Eneagrama: Tipo 6 – Naranjo

  1. Thaíse Wenzel

    Li duras verdades. Fiquei horrorizada pensando que realmente posso estar me enganando e ser, no fundo, algo que não quero ser, e então entendi que é exatamente essa auto perseguição e essa busca constante por problemas em mim mesma que configura o buraco do tipo 6. Parei de render pensamentos monstruosos de ataque à minha pessoa, e já senti uma melhora de 200%. Estou tentando ser gentil comigo, confiando que espontaneamente aparecerá em mim tudo que eu preciso para resolver qualquer problema.

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s