Anúncios

Eneagrama: Tipo 5 – Naranjo

Este guia visa apresentar a teoria e tipologia do Eneagrama. Os posts serão traduções e adaptações do original, que merece todos os créditos: Claudio Naranjo

Agora temos um Grupo no Facebook

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Eneatipo 5 – AVAREZA E DESAPEGO PATOLÓGICO

  1. Teoria do núcleo, Nomenclatura e Lugar no Eneagrama

Como uma “falta de sinal” espiritual ou obstáculo espiritual, a avareza deve ter sido entendida naturalmente pelos padres da igreja em mais do que o seu sentido literal, e assim vemos confirmados no “Conto de Parson” de Chaucer dos Contos de Canterbury, um reflexo do espírito de seu tempo: “A avareza consiste não só na ganância por terras e bens, mas às vezes por aprender e para a glória.”

Se o gesto de raiva é passar por cima, o da avareza é de reter e privar. Enquanto a ira expressa a ganância de um modo assertivo (mesmo que não reconhecido), a ganância na avareza se manifesta apenas através da retenção. Esta é uma ganância receosa, implicando uma fantasia de que deixar ir daria origem a um empobrecimento catastrófico. Por trás do impulso de acumular existe, podemos dizer, uma experiência de empobrecimento iminente.

No entanto, reter é apenas metade da psicologia do eneatipo V; a outra metade está em desistir também facilmente. Devido a uma resignação excessiva em relação ao amor e às pessoas, precisamente, há uma compensação de se agarrar a si mesmo – o que pode ou não se manifestar na apreensão das posses, mas envolve uma posse muito mais generalizada sobre a própria vida interior, bem como uma economia de esforços e recursos. A retenção e o autocontrole da avareza não são diferentes do tipo raivoso, mas é acompanhado por um agarrar-se no presente sem abertura para o futuro emergente.

Assim como se pode dizer sobre os raivosos de que eles são na maior parte inconscientes de sua raiva e essa raiva é o seu tabu principal – pode-se dizer do avarento que sua avareza é na maior parte inconsciente, enquanto conscientemente eles podem sentir todos os gestos de posse e elaboração de limites como proibidos. Pode-se dizer que o avarento é internamente perfeccionista em vez de criticar o mundo exterior, mas, o mais importante, a diferença entre os dois eneatipos reside no contraste entre a extroversão ativa do primeiro e a introversão do último (a introversão de um tipo pensador que evita a ação).

Também o tipo enea I é exigente, enquanto o tipo enea V procura minimizar suas próprias necessidades e reivindicações, e é propenso a ser pressionado em virtude de uma obediência compulsiva. Embora ambos os tipos sejam caracterizados por um super-ego forte, eles são como policiais e assaltantes, respectivamente, pois o primeiro se identifica mais com o seu superego ideologicamente congruente, enquanto o eneatipo V com a sub-personalidade oprimida e culpada que é o objeto de demandas do superego.

O desprendimento patológico e a fixação em reter ecoa a polaridade do eneatipo I entre raiva e uma virtude compulsiva excessivamente civilizada. A carência no eneatipo V está profundamente escondida na psique, por trás do véu da indiferença, resignação, renúncia estóica. E assim como o perfeccionismo nutre a raiva que a sustenta, podemos também dizer aqui que a proibição das necessidades (não apenas da sua satisfação, mas mesmo do seu reconhecimento na psique) deve contribuir para o empobrecimento da vida que está subjacente ao desejo de suportar.

A palavra de Ichazo para a fixação correspondente ao tipo enea V é “miserabilidade”, o que está, penso eu, muito próximo da “avareza” – a paixão ou emoção dominante. “Mesquinhez” com a sua conotação de uma falha desconhecida para “dar” se aproxima maisdo aspecto dominante do eneatipo V em face do mundo: auto-distanciamento e abandono de relacionamentos. Ainda melhor, no entanto, é falar de ser desapegado, retirado, autista e esquizoide.

3. Estrutura do Traço

Retenção

Como de costume, é possível encontrar neste personagem um conjunto de descritores correspondentes a paixão dominante. Nela, juntamente com a avareza, pertencem características como a falta de generosidade em matéria de dinheiro, energia e tempo, e também a maldade – com a implicação de uma insensibilidade às necessidades dos outros. Entre as características de retenção, é importante tomar nota de uma retenção no conteúdo contínuo da mente, como se quisesse elaborar ou extrair a última gota de significância – uma característica que resulta em um solavanco típico da função mental, uma sutil forma de rigidez que milita contra a abertura do indivíduo ao estímulo ambiental e ao que está emergindo, a transição do estado mental presente para o próximo. Esta é a característica que von Gebsattel apontou em “anancastics” como um “ficar preso”.

Podemos dizer que a estratégia interpessoal implícita de reter implica uma preferência pela auto-suficiência em relação aos recursos em vez de se aproximar dos outros. Isso, por sua vez, envolve uma perspectiva pessimista em relação à perspectiva de receber cuidados e proteção ou ter o poder de exigir ou tomar o que é necessário.

Não Dar

Também a evitação do compromisso pode ser considerada como uma expressão de não dar, uma vez que equivale a uma evitação de dar no futuro. No entanto, nesta evasão de compromisso, há também outro aspecto: a necessidade de os indivíduos de tipo V serem completamente livres, não vinculados, desobstruídos, possuindo a plenitude de si mesmos – um traço representando um compósito de avareza e uma sobre-sensibilidade para se envolver (a ser discutido mais tarde). Pode-se apontar que o acúmulo implica não apenas a avareza, mas uma projeção da avareza para o futuro – uma proteção contra a falta. Aqui, novamente, a característica representa uma derivação não só da avareza, mas também da intensa necessidade de autonomia do personagem (veja abaixo).

Desapego Patológico

Dada a reciprocidade de dar e assumir relações humanas, uma compulsão para não dar (certamente o eco da percepção, no início da vida, de que vai contra a sobrevivência dar mais do que receber) dificilmente pode ser sustentado, exceto à custa do relacionamento em si – como se o indivíduo considerasse: “Se a única maneira de segurar o pouco que tenho é distanciar-me dos outros e das suas necessidades ou desejos, é o que farei “.

Um aspecto do desprendimento patológico é o distanciamento característico do tipo V; outro aspecto é a qualidade de ser um “solitário”, isto é, um acostumado a ser solitário e quem, por renúncia em relação a se relacionar, não se sente particularmente solitário. A isolação é, é claro, parte do traço mais amplo de desapego, uma vez que requer desapego emocional e repressão da necessidade de se relacionar, isolar-se. A dificuldade que os indivíduos do tipo V têm em fazer amigos pode ser considerada também aqui, pois um aspecto importante dessa dificuldade é a falta de motivação para se relacionar.

Embora seja fácil ver como o desprendimento pode surgir como uma complicação da retenção, a renúncia ao relacionamento é interdependente com a inibição das necessidades – pois dificilmente poderia ser compatível desistir de relacionamentos e ser necessitado, e assim renunciar ao relacionamento já implica uma renúncia ou minimização de necessidades. Embora a resignação em relação às próprias necessidades seja praticamente um corolário de desapego, a inibição da expressão de raiva neste personagem envolve não só a resignação em relação às necessidades do amor, mas também o medo que está presente na personalidade esquizóide em virtude de sua posição ao lado do canto esquerdo do eneagrama.

Medo do envolvimento

O medo e a evitação de ser “engolido pelos outros” pode ser um corolário de evitar os relacionamentos, não só isso, pois é também a expressão de uma percepção meio consciente da própria necessidade suprimida de se relacionar, e (como Fairbairn enfatizou) o medo da dependência potencial. A grande sensibilidade à interferência e à interrupção dos indivíduos V não é apenas a expressão de uma atitude isolada, mas também uma função da prontidão da pessoa para se interromper diante das demandas externas e das necessidades percebidas dos outros. Em outras palavras, uma grande sensibilidade à interferência vai de mãos dadas com uma hiper docilidade, em virtude da qual o indivíduo interfere muito facilmente com sua própria espontaneidade, com suas preferências e com a atuação de forma coerente com suas necessidades em presença de outros. Além disso, à luz deste excesso de docilidade (compreensível como um subproduto de uma forte necessidade de amor reprimida), podemos entender a ênfase particular na solidão no tipo ennea V. Na medida em que o relacionamento envolve a alienação de suas próprias preferências e expressão autêntica, surge um estresse implícito e a necessidade de se recuperar: uma necessidade de encontrar-se novamente na solidão.

Autonomia

A grande necessidade de autonomia é um corolário compreensível de abandonar os relacionamentos. Juntamente com o desenvolvimento do “mecanismo de distância” (para usar a expressão de H. Sullivan), o indivíduo precisa ser capaz de fazer sem suprimentos externos. Aquele que não pode chegar aos outros para satisfazer seus desejos precisa construir seus recursos, armazenando-os, por assim dizer, dentro de sua torre de marfim. Estreitamente relacionado com a autonomia e, no entanto, uma característica por si só é a idealização da autonomia que reforça a repressão dos desejos e subjacente a uma filosofia de vida muito parecida com aquilo que Hesse coloca na boca de Siddhartha: “Posso pensar, posso esperar, posso jejuar.”

Sem sentimentos

Embora eu tenha aludido a uma repressão das necessidades e tenha mencionado a supressão da ira do tipo Ennea V, parece desejável agrupar esses descritores junto com outros em um traço mais generalizado de sensação. Isso tem a ver com a perda de consciência dos sentimentos e até mesmo uma interferência com a geração do sentimento, que resulta da evitação da expressão e da ação. Essa característica faz com que alguns indivíduos sejam indiferentes, frios e apáticos. Também a anedonia pode ser colocada aqui, embora a maior ou menor incapacidade de aproveitar o prazer seja um fenômeno mais complexo: enquanto o tipo ennea I é aversivo ao prazer, o tipo ennea V simplesmente aparece como tendo uma capacidade diminuída para experimentá-lo. No entanto, isto é implícito, o fato de que o prazer não é alto na escala de valores desse personagem, pois é adiada para movimentos mais “urgentes”, como a unidade para manter uma distância segura dos outros e a autonomia.

Adiamento da Ação

Podemos dizer que agir é investir-se, colocar as energias em uso, o que vai contra a orientação remanescente do tipo V. Contudo, mais geralmente, a ação não pode ser considerada como separada da interação, então, quando a motivação para relacionar-se é baixa, a motivação para ação é diminuída concomitantemente. Por outro lado, a ação exige um entusiasmo por algo, uma presença de sentimentos – o que não é o caso no indivíduo apático. Fazer também é algo como mostrar-se para o mundo, pois as ações de alguém manifestam suas intenções. Aquele que quer manter suas intenções escondidas (como o avarento normalmente faz) também irá inibir sua atividade por esses motivos e desenvolver, em vez de um movimento e iniciativa espontânea, uma restrição excessiva. O traço característico da procrastinação pode ser considerado como um híbrido entre o negativismo e a evitação da ação.

Orientação cognitiva

Ennea-type V não é apenas introversivo (como é implícito em se afastar de relacionamentos) mas também tipicamente intelectual (como os introvertidos geralmente tendem a ser). Através de uma orientação predominantemente cognitiva, o indivíduo pode buscar satisfação substitutiva – como na substituição da vida através da leitura. No entanto, a substituição simbólica da vida não é a única forma de expressão da atividade de pensamento intenso: outro aspecto é a preparação para a vida – uma preparação intensa na medida em que o indivíduo nunca se sente pronto. Na elaboração de percepções como preparação para a ação (inibida), a atividade de abstração é particularmente marcante, os indivíduos de tipo V se inclinam para a atividade de classificação e organização, e não só exibem uma forte atração pelo processo de requisição de experiência, mas tendem a permanecer em abstrações e, ao mesmo tempo, evitar a concretude. Esta evitação da concretude, por sua vez, está ligada ao oculto do tipo: apenas os resultados das percepções de alguém são oferecidos ao mundo, e não a sua matéria-prima.

Relacionado com a abstração e a organização da experiência é um interesse na ciência e um curiosidade em relação ao conhecimento. Além disso, a inibição de sentimentos e de ação, juntamente com a ênfase da cognição, dá origem à característica de ser um mero testemunho da vida, um observador ainda não contente, que, por sua própria vontade, parece estar buscando substituir a vida através do seu entendimento.

Sensação de vazio

Naturalmente, a supressão dos sentimentos e a evasão da vida (no interesse de evitar sentimentos) constituem a evasão da ação, além de um empobrecimento objetivo da experiência. Podemos entender a sensação de esterilidade, depleção e falta de sentido que são típicas do tipo V como resultado de um empobrecimento objetivo na vida de relacionamentos, sentimentos e ações. A prevalência de tal senso de vácuo interno nos tempos modernos (quando outras neuroses sintomáticas têm sido relativamente eclipsadas pelos “existenciais”) refletem a proporção de indivíduos V nos consultórios de psicoterapeutas de hoje. Uma conseqüência psicodinâmica dessa dor existencial de sentimento fracamente existente é a tentativa de compensar o empobrecimento do sentimento e da vida ativa através da vida intelectual (para o qual o indivíduo é geralmente bem dotado constitucionalmente) e por ser um curioso e / ou “estranho” crítico. Outra conseqüência mais fundamental, no entanto, é o fato da “insuficiência ôntica” em estimular a própria paixão dominante – como é o caso em cada uma das estruturas de personalidade.

Culpa

Eneatipo V (juntamente com o tipo IV, na parte inferior do eneagrama) é caracterizadado pela propensão à culpa – mesmo que no tipo IV, é mais intensamente sentida – “tamponada” por um distanciamento generalizado dos sentimentos.

A culpa manifesta-se em um vago senso de inferioridade, no entanto, em uma vulnerabilidade à intimidação, em um senso de estranheza e autoconsciência, e, mais tipicamente, na discrição muito característica da pessoa. Embora a culpa possa ser entendida à luz do forte superego do tipo V, acredito que também é uma conseqüência da decisão implícita precoce da pessoa de retirar-se do amor (como resposta à falta de amor do mundo exterior). O distanciamento frio do tipo V pode, portanto, ser considerado equivalente à raiva do tipo vingativo VIII, que se propõe a ir sozinho e luta por suas necessidades em um mundo hostil. Seu afastamento das pessoas é equivalente a se mover contra, como se, na impossibilidade de expressar raiva, ele aniquilasse o outro em seu mundo interior. Ao abraçar uma atitude de desprezo sem amor, ele sente uma culpa que não é apenas comparável à do intimidador cabeça dura, mas mais visível já que no intimidador é defensivamente negado, enquanto aqui é manifestada de forma abrangente e suscetível a uma culpa kafkaniana.

Super-ego elevado

O traço do super-ego elevado pode ser considerado interdependente com a culpa: o superego exigente resulta em culpa e é uma resposta compensatória (não ao contrário da reação de formação envolvida no alto super-ego do ennea-tipo I). Como o tipo I individual, o tipo V se sente orientado, e exige muito de si mesmo, bem como de outros. Pode-se dizer que o tipo ennea I é mais externamente perfeccionista, enquanto o tipo ennea V o é internamente. Além disso, o primeiro se mantém em uma identificação relativa com o seu super-ego, enquanto o último se identifica com seu “oprimido” interno.

Negativismo

Um traço de origem relacionado à percepção das necessidades dos outros como vinculativo e também uma forma de rebelião contra as próprias demandas (superegoicas), é o que envolve, além de uma evitação das interferências ou influências, um desejo de subverter as demandas percebidas dos outros e de si mesmo. Aqui podemos ver novamente um fator subjacente ao adiamento característico da ação, pois, por vezes, isso envolve o desejo de não fazer o que é percebido como um dever, o desejo de não “dar” algo solicitado ou esperado, mesmo quando a fonte do pedido é interno e não societal. Uma manifestação desse negativismo é que qualquer coisa que o indivíduo escolha fazer com base no desejo verdadeiro provavelmente se tornará, uma vez que um projeto explícito, um “dever” que evoca uma perda de motivação através da rebelião interna.

Hipersensibilidade

Embora tenhamos pesquisado o aspecto insensível do tipo V, também precisamos incluir a sua hipersensibilidade característica, manifesta em traços que variam de uma baixa tolerância à dor ao medo de rejeição.

Tenho a impressão de que essa característica é mais básica (no sentido de ser psicodinamicamente fundamental) do que a falta de sensibilidade e que, como Kretschmer propôs, a opacidade emocional se ajusta precisamente como uma defesa contra a característica hipersensibilidade. A característica hipersensibilidade do tipo Ennea V envolve um sentimento de fraqueza, uma vulnerabilidade e também uma sensibilidade ao lidar com o mundo dos objetos e mesmo das pessoas. Na medida em que o indivíduo não é autisticamente desconectado da percepção dos outros, ele é gentil, suave e inofensivo. Mesmo em seu lidar com o ambiente inanimado, isso é verdade: ele não quer perturbar a maneira como são as coisas; ele gostaria, por assim dizer, de caminhar sem prejudicar a grama em que ele pisa.

Embora essa característica hipersensibilidade possa ser atribuída, juntamente com a orientação cognitiva e a mudança introversiva das pessoas, para o fundo cerebrotonico do tipo, também podemos compreendê-lo como parcialmente derivado da experiência da dor psicológica meio consciente: a dor da culpa, a dor da solidão não reconhecida, a dor do vazio. Parece-me que um indivíduo que se sente cheio e substancial pode suportar mais dor do que aquele que se sente vazio.

A falta de prazer e o sentimento de insignificância, assim, parece influenciar o limite de dor que pode ser aceito, e a própria hipersensibilidade, sem dúvida, é um fator por trás da decisão do indivíduo para evitar a dor de relacionamentos frustrantes através da escolha de isolamento e autonomia.

4. Mecanismos de defesa

Embora seja possível falar de formação de reação em conexão com o super-egoico aspecto do tipo V (ou seja, o bom menino ou boa menina, não ganancioso e não irritado) não é a formação de reação que predomina no caráter do tipo V, mas o isolamento.

Claro, o que se entende por isolamento neste sentido técnico da palavra não é o isolamento comportamental de um esquizoide no mundo social – e, no entanto, parece haver alguma relação entre o isolamento interpessoal e o mecanismo de defesa chamado isolamento na psicanálise, ou seja, entre a interrupção do relacionamento com os outros e a interrupção do relacionamento consigo mesmo ou com a representação dos outros no mundo interior.

Anna Freud descreve o isolamento como uma condição em que as pulsões instintivas são separadas de seu contexto, enquanto ao mesmo tempo persistem em consciência. Matte-Blanco, falando de experiências traumáticas dolorosas, diz que pode ser observado nos casos em que o conteúdo intelectual do que ocorreu é isolado da intensa emoção que experimentou, que é lembrada pelo paciente como se se referisse algo que aconteceu com outra pessoa e não importa para ele. Nesses casos, ele acrescenta: “não é apenas o conteúdo emocional isolado, mas a conexão que reúne no próprio conteúdo intelectual, o que resulta na perda do verdadeiro e profundo significado da experiência traumática e dos impulsos instintivos que estiveram em jogo em relação a isso. O resultado disso é, então, o mesmo que na repressão através da amnésia”.

O conceito de isolamento foi aplicado ao processo de separação de uma experiência do horizonte contextual da experiência através da interpolação de um vácuo mental imediatamente depois. O sintoma de bloqueio na esquizofrenia pode ser considerado como correspondente a uma forma extrema de auto-interrupção através de uma espécie de parada de atividade mental. Este processo foi chamado por Freud de isolamento motor e interpretado como um derivado da concentração normal (em que também é impedida a irrupção de pensamentos ou estados mentais). Matte-Blanco comenta ainda mais: “No processo normal de dirigir o fluxo de pensamentos, o ego pode ser chamado a envolver muito trabalho de isolamento”.

O mecanismo de separação do ego está intimamente relacionado com o isolamento e, assim como proeminente no tipo V. Embora a divisão na psique seja uma característica geral na neurose (e está implícita na separação do superego, do ego e do id), a divisão do ego propriamente – no qual pensamentos, papéis ou atitudes contraditórias coexistem na psique consciente sem consciência de contradição – são mais proeminentes no tipo V do que em qualquer outro, e explica não apenas a simultaneidade da grandiosidade e inferioridade, mas também a simultaneidade das percepções positivas e negativas dos outros. Podemos dizer que o isolamento é um núcleo de caráter tipo V, na medida em que o desprendimento característico, não apenas de pessoas, mas de um modo geral, do mundo (incluindo o próprio corpo) depende da inativação de sentimentos e também corresponde a evitar a situação em que geralmente ocorrem sentimentos: uma interrupção do processo da vida ao serviço da prevenção de sentimentos.

A incongruência de alheamento com a necessidade humana comum de contato é mantida através de um enfraquecimento da vida emocional; outras vezes na variedade mais hipersensível do indivíduo, existe lado a lado com sentimentos intensos, que aparecem em maior associação com o estético e o abstrato do que com o mundo interpessoal. Além disso, a evitação da ação no tipo V pode ser vista à luz da evitação do sentimento e do mecanismo de isolamento e mereceria o nome do isolamento motor melhor do que a interrupção dos pensamentos e o distúrbio da percepção da gestalt através do bloqueio mental.

Onde há distanciamento não só dos outros, mas também do mundo, a ação é desnecessária, e, inversamente, evitar ações contribuem para evitar o relacionamento. Como em outras personalidades aqui também, podemos nos perguntar se o mecanismo de isolamento surgiu em conexão com um domínio de experiência particularmente evitado, de modo que sua operação típica combina com um conteúdo típico reprimido. A resposta parece ser dada pela própria estrutura do eneagrama, pois, uma vez mais, podemos entender que a atitude do tipo V é mais oposta à do tipo VIII, e parece que o excesso de controle, a vitalidade diminuída e a disposição para não Investir-se em qualquer curso de ação ou relacionamento específico envolve um tabu correspondente de intensidade e medo de potencial destruição.

O tipo V é a própria negação da superabundância robusta e, portanto, somos convidados a pensar sobre o mecanismo de divisão surgido da maneira individual de se proteger contra uma resposta primitiva e impulsiva ao meio ambiente. Sua habilidade em separar-se de forma conceitual e analítica, considerando os aspectos de uma situação, permite que ele veja tais situações como algo não relacionado às necessidades pessoais – e, portanto, leva à restrição de necessidades pessoais que acompanha a avareza na auto-despesa.

Anúncios

Deixe uma resposta

Powered by WordPress.com. Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: