Eneagrama 2: Infância

Publicado por

Este guia visa apresentar a teoria e tipologia do Eneagrama. Os posts serão traduções e adaptações do original, que merece todos os créditos: The Enneagram Institute e os livros de Riso-Hudson

 

Agora temos um Grupo no Facebook

Orientação Parental

Quando crianças, Dois era ambivalente com a figura protetora, a pessoa em seu desenvolvimento inicial responsável por orientação, estrutura e disciplina. Este é muitas vezes o pai, mas outras pessoas também podem desempenhar esse papel, incluindo a mãe ou mesmo um irmão mais velho.

Dois não se identificou fortemente com a figura protetora, mas também não se separou psicologicamente da pessoa completamente. Como resultado, sentiu que ele poderia se encaixar melhor no sistema familiar criando uma identidade que era complementar à figura protetora.

Uma vez que a orientação é em direção a figura protetora, que representa as qualidades associadas ao patriarcado – autoridade, estrutura, disciplina, orientando a criança nos caminhos do mundo – a criança começou a se identificar com o papel complementar matriarcal.

O jovem Dois aprendeu a se tornar um “pequeno cuidador” como forma de ganhar segurança e proteção no sistema familiar. Em outras palavras, eles acreditavam que, se pudessem nutrir os outros em sua família o suficiente, poderiam ganhar o carinho e a proteção da figura protetora.

Essa relação com a figura protetora prepara o cenário para uma orientação semelhante para todos os que podem dar ao Dois o amor que eles querem. Essa orientação ambivalente em direção a sua figura protetora ajuda a explicar por que sua auto-estima é condicional.

Dois não se amam incondicionalmente, e essa é realmente a fonte de todo o sofrimento que experimentarão ou causarão. Sua auto-estima baseia-se na condição de que eles sejam absolutamente bons e “altruístas”. Eles devem se ver dessa maneira, porque eles acreditam que se não for por serem pessoas extraordinariamente boas e generosas, jamais obterão o amor dos outros.

Além disso, quanto mais disfuncionais tenham sido os sistemas familiares dos Dois, mais sentirão que devem sacrificar e reprimir suas próprias necessidades para obter amor. Infelizmente, quanto mais vêem suas próprias necessidades como egoístas, mais encontram maneiras indiretas de encontrá-las.

Os superegos dos Dois são sempre vigilantes, julgando não apenas o “egoísmo” deles, mas as respostas dos outros à ajuda que eles oferecem. (“Isso foi bom, Brenda disse, mas se você fosse realmente uma pessoa adorável, ela teria lhe dado um abraço”.) Em média, Dois não saudáveis, muito pouco podem satisfazer o superego.

Os Dois não podem ser abnegados o suficiente, e nenhuma resposta dos outros é suficiente para fazê-los acreditar que eles são amados. Ironicamente, Dois tenta manter sua sobrevivência psicológica, tentando ainda mais convencer a si mesmos e aos outros (assim como seus superegos punitivos) de que eles realmente estão sendo bons, altruístas e sem necessidades.

Embora não haja nada de errado sobre Dois se considerarem pessoas boas e amorosas quando são genuinamente boas, os problemas começam quando eles precisam sentir que são bons o tempo todo. Mesmo quando estão longe de ser bons, Dois deve se ver como bom para os outros.

A ironia é que sua necessidade de pensar em si mesma como totalmente bom e útil nunca é tão urgente quanto quando estão freneticamente carentes, auto-centradas e manipuladoras. No entanto, quando são saudáveis, Dois são capazes de se mover além de sua busca desesperada pelo amor aprendendo a se nutrir.

Eles entendem que a auto cuidado não é egoísta: de fato, é essencial se eles querem de alguma forma real ajudar qualquer outra pessoa. Eles sabem que na medida em que eles podem se amar incondicionalmente, eles não precisam ter amor dos outros sendo bons o tempo todo.

Eles podem então ser carinhosos, desinteressados ​​e altruístas, nos significados mais positivos dessas palavras, porque seu amor é verdadeiramente sem interesse próprio. Infelizmente, na parte inferior do continuum da personalidade, o “amor” dos Dois não saudáveis ​​é nada mais do que uma fachada para o desejo de criar dependências para que possam manter o apego dos outros. Por causa da intensidade de sua necessidade doentia, dois fazem o mal em nome do bem e não podem mais perceber a diferença.

Anúncios

Deixe uma resposta