Eneagrama 1: Infância

Publicado por

Este guia visa apresentar a teoria e tipologia do Eneagrama. Os posts serão traduções e adaptações do original, que merece todos os créditos: The Enneagram Institute e os livros de Riso-Hudson

 

Agora temos um Grupo no Facebook

Orientação Parental

“Um” se desenvolve como o faz porque, quando crianças, eram desconectados de sua figura protetora, aquele adulto na primeira infância que era responsável por estabelecer limites, dar diretrizes e disciplinar a criança quando necessário. Esta é a pessoa que ocupa o papel patriarcal tradicional na família.

Muitas vezes, a figura protetora é o pai, mas nem sempre. Em muitas famílias, a mãe é a figura protetora, enquanto em outras famílias, um avô ou irmão pode desempenhar esse papel no desenvolvimento da criança. A desconexão da figura protetora e o que essa pessoa simbolizava, foi de importância central para o desenvolvimento do superego: essas crianças sentiam que não podiam confiar na estrutura e diretrizes fornecidas pela família de origem.

Eles podem ter experimentado as regras da família como arbitrárias e injustas, ou muito rigorosas, ou muito instáveis. Quaisquer que sejam as particularidades, estavam insatisfeitos e frustrados com a estrutura e os limites que receberam da figura protetora e sentiram que precisavam desenvolver suas próprias diretrizes. “Um” tentam transcender as regras de sua família de origem, criando um código de ética que é ainda mais rigoroso do que o que se espera deles.

Desta forma, eles chegam a acreditar que eles podem evitar a condenação sempre tentando ser irrepreensível. Isso criou um mecanismo de superego implacável cuja mensagem constante é “Você não é aceitável como você é; você deve ser melhor, sempre melhor”. Em sistemas familiares mais autoritários ou caóticos, essas mensagens do superego poderiam ter se tornado severas e inflexíveis.

Em tais situações, seus próprios desejos e sentimentos raramente eram aprovados; Em vez disso, essas crianças sentiram que sempre tinham que seguir a linha para evitar serem criticadas ou condenadas. Como resultado, suas emoções e outros impulsos foram reprimidos por forças simbolizadas por um pai punitivo internalizado. (Freudianos vêem o treinamento do banheiro como a arena em que as “características anais” do tipo obsessivo-compulsivo que correspondem ao ”Um” foram aprendidos.

Enquanto as “características anais” de Freud da ordem, da parcimônia e da obstinação são vistos no “Um”, especialmente aqueles com uma asa Nove, não precisamos nos restringir apenas a essas questões para entender as origens desse tipo de personalidade). Quando crianças, podem ter se desconectado da figura de proteção por vários motivos.

A figura protetora pode ter sido ausente da família, ou ter sido abusiva, ou ter tratado a criança de forma injusta. Ou como resultado de uma educação moral e religiosa da ameaça do castigo eterno, a criança pode ter temido ofender a Deus o Pai e ser condenada.

O filho pode ter temido ser enviado ao inferno por ser impulsivo, por buscar prazer ou ser egoísta, ou por outras ações que foram, afinal, apenas o comportamento natural de uma criança. Em outros casos, o Um pode ter experimentado uma infância bastante pacífica e normal, mas ainda sentiu que havia algo mais pelo que se esforçar – um ideal maior do que era parte dos valores da família ou dos pais da criança.

Muitas vezes, sentiam-se desconfortáveis ​​em ser filhos ou não podiam se comportar como crianças e, assim, se esforçavam para se tornar pequenos adultos antes do tempo. Por uma razão ou outra, decidiram que eles tinham que confiar em si mesmos para orientação, estrutura e disciplina.

Eles teriam que se preparar e fazer um trabalho melhor do que sua figura protetora. Também vale a pena notar que eles não se rebelaram contra as restrições sobre si mesmos; Em vez disso, eles internalizaram o controle em suas consciências sentindo-se culpados por suas transgressões.

No entanto, sentiram-se irritados de que o peso da perfeição fosse colocado sobre eles e ainda mais irritados quando viram outros que não estavam sujeitos ao mesmo controle de seus sentimentos e impulsos. A liberdade dos outros (para o Um, a licença que os outros se concedem) antagoniza-os e os deixa aborrecidos sob o peso de suas próprias proibições.

Anúncios

Deixe uma resposta