Anúncios

Racionais (NT): Abstratos e Utilitaristas

Este post visa explicar os 4 temperamentos descritos por David Keirsey, PhD. Para isso traduzirei partes na íntegra, adaptarei e complementarei com algumas outras informações.

Esta série de posts são traduções na íntegra do livro Please Understand Me II de David Keirsey, PhD.

Agora temos um Grupo no Facebook

Introdução

O temperamento é um conjunto de traços de personalidade observáveis, tais como hábitos de comunicação, padrões de ação, conjuntos de atitudes, valores e talentos característicos. Abrange, também, as necessidades pessoais, os tipos de contribuições que os indivíduos fazem no local de trabalho, assim como o papel que desempenham na sociedade. David Keirsey, PhD identificou quatro temperamentos básicos, são eles: Artesãos (SP)Guardiões (SJ)Racionais (NT)Idealistas (NF).

Os Utilitaristas Abstratos

Os NTs possuem a combinação da linguagem abstrata com o comportamento cooperativo, que os separa inconfundivelmente das outras três personalidades. Essa é a sua combinação única de temperamento, e portanto, eu quero adicionar
outro nome na lista, e chamá-los de “Utilitaristas Abstratos”.

Apesar deles partilharem do uso abstrato da linguagem com os NFs e o comportamento utilitarista com os SPs, sua linguagem difere da dos NFs, e seu comportamento é visivelmente diferente dos SPs.

Observe também que eles não têm nada de importante em comum com os SJs, que são seu oposto, pois têm comportamento cooperativo e linguagem concreta.

 

Linguagem Abstrata

As palavras abstratas referem-se à coisas que não podem ser observadas, mas apenas imaginadas, enquanto palavras concretas se referem à coisas que podem ser observadas e, portanto, mão precisam ser imaginadas. Os Idealistas falam pouco do que eles observam, dos sapatos, carros, roupas, acontecimentos da vida diária, etc.

Ao invés disso ele falam sobre o que só pode ser visto com os olhos da mente: amor e ódio, céu e inferno, comédia e tragédia, coração e alma, contos e lendas, eras e épocas,
crenças, fantasias, possibilidades, símbolos, e sim, temperamento, personalidade e psicologia.

Todos nós, é claro, podemos observar o que está diante de nós, e também imaginar o que não é e existe. Mas isso não significa que façamos os dois igualmente. Muito cedo na vida, começamos a exercer uma forma específica de pensamento e linguagem – observação ou imaginação – mais do que outra, e continuamos a fazê-lo durante toda a vida.

Como os NFs, os NTs escolhem o imaginário, o conceitual ou o inferencial como tópicos preferidos, acima do observacional, perceptivo ou experiencial.

Na conversa, os Racionais tentam evitar o irrelevante, o trivial e o redundante. Eles não desperdiçam palavras e, mesmo sabendo que as vezes é necessária alguma redundância, eles ainda são relutantes em declarar o óbvio, ou repetir em um ponto, sintetizando suas explicações e definições, porque eles assumem que o que é óbvio para eles é óbvio para outros.

Os NTs assumem que se eles declarassem o óbvio seus ouvintes ou leitores
certamente ficariam entediados, se não ofendidos. A sua suposição tácita é que o que
é óbvio para eles é óbvio para os outros, e seu excessivamente conciso e compacto estilo de expressão resulta na dificuldade para a compreensão alheia.

Por causa disso os Racionais às vezes perdem a audiência e se perguntam por quê. A base da coerência no pensamento e na fala Racional é inferência dedutiva. Esta base tem muito em comum com a inferência indutiva de dos Idealistas, pouco em comum com o pensamento harmônico e a fala do Artesãos, e nada em comum com o pensamento e o discurso associativo dos Guardiões.

Embora inferencial, a indução dos NFs requer o chamado “salto intuitivo”, um salto permitido apenas de forma duvidosa por NTs, mesmo quando é necessário continuar com suas especulações atuais.

Por outro lado, o pensamento e o discurso associativo dos SJs exigem o salto do tópico à tópico, algo só ocasionalmente e relutantemente feito pelos NTs , e apenas como uma excursão antes de retornar ao tópico inacabado.

E o pensamento e o discurso harmônicos dos SPs requerem uma seleção e organização das palavras pela maneira como elas soam, uma habilidade não possuída pelos Racionais.

Embora não possamos observar o pensamento dedutivo (indo do geral para
específico, inteiro à parte), podemos observar a linguagem que o torna possível.
Definir palavras para limitar seu uso é um processo dedutivo, assim também é organizar
palavras em ordem lógica para controlar a coerência, e assim como escolher palavras para controlar o significado.

Assim, a coerência, referência, arranjo, e a escolha de palavras tende a ser feita de forma dedutiva por Racionais, e eles são invulgarmente exigentes sobre as definições. Nossas palavras podem ter referência distinta somente se tivermos cuidado em defini-las, e assim NTs fazem distinções, muitas delas, na maioria das vezes.

Mas os Racionais não se importam em ser provocados com esses nomes porque
eles assumem que suas distinções permitem controlar os argumentos e agregam valor. A maneira como os Racionais vêem, quem controla as categorias, controla operações úteis. Eles deixam o controle de outras coisas para os outros.

Muitos Racionais são leitores de dicionário, até mesmo dicionários especializados: antropologia, aforismos, etimologia, direito, medicina, filosofia, psicologia,
calão. Alguns passam muito tempo com seus dicionários, e assim são conscientes de definições e famílias de palavras, de raízes e derivações, de denotações e conotações, coisas que os outros tipos se contentam em deixar passar.

Enquanto o arsenal de palavras cresce ao longo dos anos, os Racionais também tendem a desfrutar brincar com palavras, encontrar prazer e em trocadilhos e paradoxos.

Os Racionais são cuidadosos ao submeter uma palavra qualquer, visando evitar erros
de sequência ou de categoria. Todo mundo percebe erros tão óbvios na linguagem como “O cão, mia.”, mas o NTs, muito mais do que outros conscientes de erros notáveis ​​de categoria que resulta em sutis contradições.

Por exemplo, a expressão ‘desordem leva ao caos” presume que o caos difere da desordem, quando na verdade as palavras são sinônimas. O caos não pode seguir a desordem, porque é desordem.

Erros de categoria são tão escrupulosamente evitados por Racionais. Por exemplo, é um erro “existem ervas daninhas entre as plantas”, porque as plantas daninhas são plantas, sendo que a categoria de plantas, engloba a categorias de ervas daninhas.

NTs freqüentemente observam tais erros triviais de categoria no discurso dos outros,
mas eles raramente comentam sobre eles. No entanto, deixe o erro ocasionar a contradição em um argumento sendo feito, e NTs são compelidos por sua própria
natureza para apontar o erro.

Muitos Racionais estão obcecados com o inquérito específico, então o discurso deles
tende a ser atado com supostos e pressupostos, probabilidades e possibilidades, postulados e premissas, hipóteses e teoremas, na qual os dados desempenham apenas um papel de apoio e secundário, assim como o meramente factuais. É essa característica de sua linguagem, seu desinteresse em informações factuais que coloca os NTs mais afastados de seus primos concretos, os SPs e seus opostos concretos e SJs.

Os Racionais preferem parecer sem emoção quando se comunicam (e eles podem parecer bastante rígidos), tentando minimizar a linguagem corporal, a expressão facial e outros qualificadores não-verbais, tanto quanto possível. Mas quando eles se animam de seus gestos característicos expressam sua necessidade para precisão e controle.

Comportamento Utilitarista

Os Racionais são utilitaristas ao ir atrás do que querem, o que significa
que eles consideram a utilidade de suas ferramentas como mais importantes do que suas
a aceitação social, sejam de natureza moral, sejam legais, são legítimas. Não que os Racionais preferem ser imorais, ilegais ou ilegítimos No uso de suas ferramentas. Eles não se recusam a cooperar com seus grupos, mas como seus primos utilitaristas, os Artesãos, eles acham obedecer as regras como considerações secundárias, apenas após determinaram o quão bem os seus meios pretendidos funcionarão na realização
Seus fins.

No entanto, deve-se enfatizar que o concreto utilitarismo do Artesão é diferente do abstrato utilitarismo do Racional. Onde os SPs estão interessados ​​em operações efetivas, os NTs estão interessados ​​em operações eficientes. Se uma operação dada promete ser muito dispendiosa em relação aos resultados obtidos, ou seja, ineficiente, embora eficaz, o NT procurará operações que sejam prováveis que com menos esforço, se obtenham os mesmos resultados.

Se não social ou politicamente corretos, porém os Racionais não são esnobes
no seu utilitarismo. Na verdade, eles procuram ouvir alguém que tenha algo útil para oferecer sobre a escolha, da forma e meios pelos quais está atuando, mas também
desconsidera quem não o faça.

Status, prestígio, autoridade, grau, licença, credenciais, reputação, costumes, e todas essas marcas de a aprovação social, não significa nada para os NTs quando a questão é o utilitarismo da ação dirigida por objetivos. Eles prestarão atenção aos demônios se suas idéias forem frutíferas, e ignorarão os santos se suas ideias não forem. Niccolo Machiavelli adquiriu o seu conhecimento estudando muitos meios eficazes de tomar e
manter o poder.

O design de ação eficiente em busca de objetivos bem definidos não é coisa para incompetentes, mesmo os bonzinhos. Os Racionais costumam pensar em si mesmos como os principais motores, que devem abordar suas formas e meios utilitaristas mesmo contra a cultura e a tradição, em uma luta sem fim para trazer eficiência e direção de objetivo para as empreitadas, uma atitude considerada por muitos como arrogante. Mas se isso for arrogância, então, pelo menos, não é vaidade, e sem dúvida, levou os Racionais à engenhosidade e à tecnologia sobre a qual a civilização se baseia.

Quer saber mais sobre os Temperamentos? Sim! Claro que quero…

Anúncios

Deixe uma resposta

Powered by WordPress.com. Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: