Anúncios

Eneagrama: Tipo 4 – Naranjo

Este guia visa apresentar a teoria e tipologia do Eneagrama. Os posts serão traduções e adaptações do original, que merece todos os créditos: Claudio Naranjo

Agora temos um Grupo no Facebook

Eneatipo IV – Personalidade DEPRESSIVO MASOQUISTA E INVEJOSA

  1. Teoria do núcleo, Nomenclatura e Lugar no Eneagrama

O estado emocional da inveja envolve uma sensação dolorosa de falta e um desejo de – o que é sentida falta; A situação envolve um senso de ideal como alguma coisa fora de si mesma que precisa ser incorporada. Embora seja uma reação compreensível a frustração e privação precoces, a inveja constitui um fator autofrustrante na psique pelo desejo excessivo de amor, implicando em uma sensação crônica de escassez e mal estar interno que nunca é preenchido, estimulando mais frustração e dor.

A frustração é uma consequência natural da inveja. Além disso, o excesso de desejos pode levar a situações dolorosas como retratado por Quevedo em seu sonho de inferno, quando ele nos diz que quando o invejoso chegar lá e ver as diferentes almas sujeitas às várias torturas dos reinos do inferno, eles estão frustrados e sofrem ao ver isso não há lugar reservado para eles.

A posição de inveja no eneagrama é a de um satélite para a vaidade e vizinho do ponto 5, avareza, o que implica um senso comparável de privação para inveja, embora envolva uma atitude diferente diante da experiência da escassez. Embora o ponto 4 represente uma chegada vigorosa, uma demanda intensa pelo que lhe falta, o ponto 5 é caracterizado por uma atitude psíquica de desistir da expectativa de receber qualquer coisa de fora e, em vez disso, uma preocupação em segurar sua energia, cuidado e atenção.

A conexão com a vaidade é ainda mais importante do que a avareza, uma vez que o ponto 4 constitui um membro da tríade no canto direito da eneagrama, que, como um todo, gravita em torno de uma preocupação excessiva com a imagem do eu. Enquanto uma pessoa de tipo enea III se identifica com essa parte do self que coincide com a imagem idealizada, o indivíduo IV se identifica com essa parte da psique que não consegue se adequar à imagem idealizada, e sempre se esforça para alcançar o inalcançável. Aqui está uma pessoa movida por uma vaidade que não alcança seu objetivo por causa da mistura do senso de escassez e inutilidade (do ponto 5).

Mesmo que os tipos de eneatipos mapeados nas posições 4 e 5 (inveja e avareza) tenham em comum o senso de inutilidade, culpa e falta, e ambos possam ser descritos como deprimidos, eles tem contrastes marcantes em vários aspectos. Enquanto a culpa na inveja é uma tortura consciente, com a avareza, é parcialmente velada por uma aparente indiferença moral (que compartilha com eneatipo VIII e constitui uma rebelião contra suas próprias demandas e acusações excessivas); enquanto depressão na inveja manifesta-se como um sofrimento aberto, os avarentos geralmente têm problemas em chorar ou em entrar em contato com sua dor, de modo que sua depressão se manifesta, em vez disso, como apatia e sensação de vazio. Pode-se dizer que o tipo Enea V é uma depressão “seca” contrária a depressão “úmida” do tipo Enea IV: assim como a avareza é resignada, a inveja é apaixonada.Isso reflete uma característica fortemente diferenciada: a avareza seca é apática, a inveja é úmida, mais intensa; Se um é um deserto, o outro é um pântano (O uso francês de “inveja” significando “desejo” sublinha a observação implícita de que a inveja é a maior paixão das paixões). Enquanto o tipo enea V envolve uma atmosfera interna de calma, eneatipo IV envolve uma atmosfera de turbulência e crise. O maior aspecto característico IV, além da motivação invejosa, pode ser visto na tendência de auto-vitimização e frustração.

Kernberg e outros criticaram com razão o DSM III por não ter em conta o estilo de personalidade masoquista depressivo, contraproducente, autodestrutivo. Estou satisfeito por ver que foi trazido, pelo menos uma tentativa, à revisão DSM III, com certeza constitui uma das fontes mais comuns de problemas interpessoais. Resmungar, se lamentar, e a tendência ao descontentamento, por outro lado, foram observados desde a antiguidade, enquanto o padrão masoquista que já havia sido descrito por Kurt Schneider, foi redescoberto por Abraham em sua observação do discurso do caráter oral-agressivo e foi elaborado extensamente por Horney.

3. Estrutura do Traço

Inveja

Se entendemos a essência da inveja como um desejo excessivamente intenso de incorporação da “boa mãe”, o conceito coincide com  a noção psicanalítica de um “impulso canibalista” que pode se manifestar não apenas como fome de amor, mas como uma voracidade ou ganância mais generalizada.

Embora uma ganância culpada e controlada faça parte da psicologia do tipo IV, não é maior que a avidez exploradora e desinibida do tipo VIII, e não tão peculiar para personagens invejosos como é inveja na concepção de Melanie Klein: “A ganância é um desejo impetuoso e insaciável, excedendo o que o sujeito necessita e o que o objeto é capaz e disposto a dar. No nível inconsciente, a ganância visa primordialmente a escavação, sugando a seco e devorando o peito: isto é, seu objetivo é a introjeção destrutiva; enquanto a inveja não só procura roubar dessa forma, mas também coloca um mal, principalmente excrementos ruins e a parte ruim do eu, na mãe, e antes de tudo em seu seio, para estragá-la e destruí-la. No sentido mais profundo, isso significa destruir sua criatividade”.

Se concordamos ou não com Klein em relação às fantasias de inveja ​​que ela atribui ao bebê no peito, eu acho que é razoável considerá-las como uma expressão simbólica das experiências no adulto – e, mais particularmente, a processo característico de auto-frustração que parece inseparável da inveja, como a base contínua de sua característica de desejo excessivo. Seja qual for a verdade sobre o início da inveja durante a amamentação, na experiência de muitos invejosos não é conscientemente experimentado em conexão com a mãe, mas em direção a um irmão preferido, e então o indivíduo procurou ser ele ou ela, em vez de ele mesmo no busca do amor parental. Muitas vezes, há um elemento de inveja sexual que Freud observou em mulheres e – do ponto de vista de sua interpretação sexual e biológica – conhecido como “inveja do pênis”. Uma vez que a inveja das mulheres também é vivida por alguns homens em termos distintamente eróticos, também podemos falar de “inveja da vagina” – embora eu seja da opinião de que as fantasias sexuais são derivadas de um fenômeno mais básico de inveja de gênero envolvendo um senso de superioridade do outro sexo. Dado o viés patriarcal de nossa civilização não é de admirar que a inveja do homem seja mais comum – (de fato, mulheres eneatipo IV são consideráveis no movimento de libertação), mas ambas as formas de inveja sexual são marcantes no caso da identidade contra-sexual subjacente à homossexualidade e ao lesbianismo (ambos mais freqüentes em tipo IV do que em qualquer outro tipo).

Outro domínio da expressão da inveja é social, e pode manifestar-se como uma idealização das classes superiores e uma forte campanha de escalada social, como Proust tem retratado tão magistralmente ao longo dos primeiros volumes de Lembrança das Coisas do Passado. Ainda mais sutil, a inveja pode se manifestar como uma busca sempre presente do extraordinário e intenso, juntamente com a correspondente insatisfação com o ordinário e não dramático.

Uma manifestação patológica primitiva da mesma disposição é o sintoma da bulimia, que observei existir no contexto do caráter do tipo IV;Muitas pessoas experimentam um eco sutil dessa condição: sentimentos ocasionais de vazio doloroso na cavidade do estômago. Considerando que a avareza e, mais caracteristicamente, a raiva são traços ocultos na síndromes de personalidade de que fazem parte (desde que foram compensados por desprendimento patológico e traços reativos de benignidade e dignidade, respectivamente) no caso da inveja, a própria paixão é aparente, e a pessoa sofre assim da contradição entre uma extrema necessidade e o tabu contra ela. Também à luz desse choque entre a percepção da inveja intensa e a correlata sensação de vergonha e maldade em ser invejoso, podemos entender o traço de “imagem ruim” discutido abaixo.

Autoimagem pobre

O mais marcante dos traços do ponto de vista do número de descritores é esse que indica uma autoimagem pobre. Incluído entre as características específicas não está apenas “autoimagem pobre”, mas outros como “sentir-se inadequado”,”propenso a vergonha”,”sensação de ridículo”,”sensação de falta de inteligência”,”feio”, “Repulsivo”, “podre”, “venenoso” e assim por diante. Embora tenha escolhido falar de “autoimagem ruim” separadamente (ecoando assim a imagem de um grupo conceitual independente de descritores) é impossível dissociar o fenômeno de inveja dessa autoimagem ruim, que teóricos das relações interpretam como a consequência da introjeção de um “objeto ruim”. É essa autodepreciação que cria o “buraco” de que surge a voracidade da inveja propriamente em suas manifestações aderentes, exigentes, penetrantes e mordazes, dependentes e sobrepostas.

Foco no sofrimento

Ainda não comentei o conjunto de características normalmente designadas pela etiqueta “masoquista”. Na compreensão disto, devemos invocar, além do sofrimento que surge através de uma autoimagem ruim, e a frustração de uma exagerada necessidade, o uso da dor como vingança e uma esperança inconsciente de obter amor através do sofrimento. Indivíduos tipo Eneatipo IV, como resultado desses fatores dinâmicos e também de uma disposição emocional básica, não são apenas sensíveis, intensos, passionais e românticos, mas tendem a sofrer de solidão e podem abrigar um trágico sentido de sua vida ou da vida em geral.

Possuído de uma profunda saudade, dominado pela nostalgia, intimamente desamparado e às vezes visivelmente de olhos líquidos e lânguidos, eles geralmente são pessimistas, muitas vezes amargos, e às vezes cínicos. As características associadas são lamentar-se, reclamar, desânimo e auto-piedade. De particular destaque na paisagem dolorosa da psicologia do tipo IV é o que tem a ver com o sentimento de perda, geralmente o eco de experiências reais de perda e privação, às vezes presentes como um medo de perda futura e particularmente manifesta como uma tendência ao sofrimento intenso da separação e frustrações da vida. Particularmente marcante é a propensão do tipo IV a resposta de luto, não apenas em relação a pessoas, mas também animais de estimação. É neste agrupar, penso eu, que estamos mais próximos do núcleo do tipo dessa personalidade, e particularmente na manobra que envolve focalizar e expressar sofrimento para obter amor.

Assim como há um aspecto funcional do choro no bebê humano, ou seja,  atrair o cuidado protetor da mãe, acho que a experiência de chorar contém a de procurar atenção. Assim como as crianças eneatipo III aprendem a brilhar para obter atenção (e aqueles que desenvolverão o tipo V ou tipo VIII, sem esperança de obtê-la, preferer o modo de retirada ou o caminho do poder), aqui o indivíduo aprende a obter “atenção negativa” através da intensificação da necessidade – que opera não só em um comportamento histriônico (através da ampliação imaginativa do sofrimento e da amplificação da expressão do sofrimento), mas também através da caminhada dolorosa pelas situações – ou seja, através de um curso de vida doloroso. Chorar pode ser, na verdade, não apenas uma dor, mas uma satisfação para um indivíduo de tipo IV. Resta dizer que (como a palavra “Masoquista” traz à mente), pode haver uma triste doçura no sofrimento. Parece real, embora seja também o oposto – pois o auto-engano principal no eneatipo IV é o exagero de uma posição de vitimização, que vai de mãos dadas com a sua “Reivindicação” e disposição exigente.

Dependência

Mais do que aqueles de qualquer outra personalidade, os indivíduos do tipo Ennea IV podem ser chamado “viciados no amor”, e seu desejo de amor é, por sua vez, apoiado por uma necessidade de reconhecimento que eles são incapazes de dar a si mesmos. “Dependência” – seu corolário – pode se manifestar não só como um apego a relacionamentos que são frustrantes, mas como uma adesividade – uma sutil imposição de contato que parece não ser apenas uma necessidade de contato, mas uma defesa antecipada ou adiamento da separação. Relacionado com o desejo de cuidados é também a comumente observada “impotência” de indivíduos do tipo IV, que, como no tipo V, se manifesta como uma inabilidade motivacional de cuidar de si mesmos adequadamente e pode ser interpretada como inconsciente manobra para atrair proteção. A necessidade de proteção financeira, especificamente, pode ser apoiado pelo desejo de se sentir cuidado.

Nutrir

As pessoas tipo Ennea tipo IV geralmente são consideradas pensativas, compreensivas, apologético, suave, gentil, cordial, abnegado, humilde, às vezes obsequioso. Sua qualidade zelosa não só parece constituir uma forma de “dar para obter”, ou seja, dependente da necessidade de amor somente, mas de uma identificação empática com as necessidades de outros que faz com que eles sejam pais zelosos, trabalhadores sociais empáticos, psicoterapeutas atentos e lutadores pelos menos favorecidos. O caráter cuidador do IV pode ser entendido dinamicamente como uma forma de sedução no serviço da intensa necessidade do outro e sua frustração dolorosa. Cuidar dos outros pode ser exagerado de forma masoquista, a um ponto de auto-escravização e contribui, portanto, para a auto frustração e dor que, por sua vez, ativa os aspectos exigentes e litigiosos da personalidade.

Emotividade

A palavra “emocional”, embora implícita em um alto nível de sofrimento, merece ser colocada por si só em vista da contribuição determinante no domínio dos sentimentos para a estrutura do tipo ennea IV. Estamos na presença de um “tipo emocional”, assim como no caso do tipo II, apenas aqui com uma maior mistura de interesses intelectuais e introversão. (Na verdade, estes são os dois tipos mais apropriadamente considerados emocionais, pois a palavra se aplica a eles mais exatamente do que no caso da sedução alegre e útil de glutões, e a cordialidade defensiva dos mais medrosos e covardes dependentes).

A emoção intensa aplica-se não só aos sentimentos românticos, a dramatização do sofrimento, e às características viciado-em-amor e zeloso, mas também à expressão de raiva. As pessoas invejosas sentem ódio intensamente, e seus gritos são os mais impressionantes. Também encontrado em tipos II e III, no canto direito do enneagrama está essa qualidade que a psiquiatria chamou de “plasticidade” em referência a uma capacidade de dramatização, representar um personagem (relacionado à capacidade de modular a expressão dos sentimentos).

Arrogância competitiva

Conectado a uma emoção odiosa, uma atitude de superioridade às vezes existe junto a – e em compensação – uma autoimagem ruim. Embora o indivíduo possa observar-se em autodepreciação e auto-ódio, a atitude para o mundo exterior é neste caso o de uma “prima-donna” ou pelo menos uma pessoa muito especial. Quando essa alegação de especialidade é frustrada pode ser complicada por um papel vitimizado de “Gênio incompreendido”. De acordo com esse desenvolvimento, os indivíduos também desenvolvem traços de inteligência, conversas interessantes e outros em que uma disposição natural – A imaginação, a análise ou a profundidade emocional (por exemplo) são secundariamente colocados a serviço da necessidade de contato e do desejo de obter admiração.

Refinamento

Uma inclinação ao refinamento (e a aversão correspondente à grosseria) é manifestado em descritores como “elegante”, “delicado”, “de bom gosto”, “artístico” “Sensível” e, às vezes, “afetado”, “educado”. Isso pode ser entendido como um esforço por parte da pessoa para compensar uma má autoimagem (para que uma autoimagem feia e o self ideal refinado possam ser vistos como mutuamente cooperando um com o outro); também, transmitem a tentativa por parte da pessoa de ser algo diferente do que ele ou ela é, talvez conectado a inveja de classe. A falta de originalidade decorrente de tal imitatividade, por sua vez, perpetua uma inveja da originalidade – assim como a tentativa de imitar indivíduos originais e o desejo de imitar a espontaneidade estão condenados a falhar.

Interesses artísticos

A inclinação característica do eneatipo IV para as artes é sobre determinado: pelo menos uma das suas raízes reside na característica refinada do caráter invejoso. Também é apoiado pela disposição centrada no sentimento do tipo. Outros componentes são a possibilidade de idealizar a dor através da arte e até mesmo transmutar isso – na medida em que se torna um elemento na configuração da beleza.

Superego forte

O refinamento é talvez o mais característico das formas em que o tipo Ennea IV procura ser melhor do que ele ou ela é, e para exercer disciplina. Mais geralmente há um superego tipicamente forte que o tipo IV compartilha com tipo I, mas, no geral, o tipo IV é mais consciente de seus padrões e o ideal do seu ego é mais estético do que ético. Junto com a disciplina (que pode chegar a um grau masoquista) o superego característico do tipo Ennea IV contém descritores de tenacidade e de orientação de regras. O amor à cerimônia reflete tanto as características estético-refinadas quanto as orientadas para as regras. Um superego forte é, naturalmente, envolvido na propensão de culpa do tipo Ennea IV, na sua vergonha, auto-ódio e autodepreciação.

4. Mecanismos de defesa

Na minha experiência, o mecanismo de defesa dominante no tipo Ennea IV é uma introjeção pontual, cuja operação se torna aparente através de uma consideração da própria estrutura de personalidade. Podemos dizer que a autoimagem ruim do tipo IV é a expressão direta de um progenitor autorejeitado introjetado e a necessidade da inveja resulta do auto-ódio crônico implicado por essa introjeção – a necessidade de aprovação externa e amor na natureza de uma necessidade de compensar a incapacidade de amar a si mesmo.

O conceito de introjeção foi introduzido por Ferenczi em “Introjecção e Transferência”. O conceito foi assumido por Freud em sua análise do processo de luto (em “Mourning and Melancholia”), onde ele observa que o indivíduo reage à perda de amor tornando-se como o amado (como se estivesse dizendo ao morto amado: eu não preciso de você, agora tenho você dentro de mim).

Enquanto em Ferenczi e Freud a ênfase reside na idéia de trazer em alguém um “bom objeto”, foi Melanie Klein, que enfatizou a importância das introjeções ruins. Nesses casos, é como se a pessoa – impulsionada por uma necessidade excessiva de amor – queira criar uma figura parental em si mesma a todo custo (ou seja, “masoquisticamente”).

Em conexão com o tema da introjeção, pode ser útil ressaltar que Freud freqüentemente usava os termos “introjeção” e “incorporação” sem diferenciar seus significados. No uso atual, “incorporação” mantém o significado de uma fantasia de trazer uma pessoa para o corpo de alguém enquanto em “introjeção” a noção é mais abstrata, de modo que ao falar de “introjeção no ego”, por exemplo, não há uma referência específica aos limites do corpo. A palavra “internalização” é também usada no mesmo sentido que “introjeção” às vezes, embora possa ser mais apropriado mantê-la para indicar a transposição de uma relação do mundo exterior para o interior.

Mesmo neste caso, no entanto, sua operação vai de mãos dadas com a introjeção. Como Laplanche e Pontalis observam, “podemos dizer que com o declínio do complexo de Edipo o sujeito introjeta a imagem parental enquanto internaliza o conflito de autoridade com o pai”. De forma semelhante e mais especificamente (em conexão com o nosso tópico), podemos dizer que a eneatipo IV internaliza a rejeição parental ou introjeta um progenitor não amoroso, e, portanto, traz em sua psique uma constelação de traços que vão desde um autoconceito ruim até a busca de distinções especiais, envolvendo sofrimento crônico e uma dependência (compensatória) de reconhecimento.

Embora Melanie Klein atribua muita importância à projeção no mecanismo de inveja (como na fantasia paradigmática de colocar excrementos no peito da mãe), eu penso que o processo através do qual para o tipo IV  “familiaridade produz desprezo” (e através do qual o disponível nunca é tão desejável quanto o indisponível) é mais como uma “Infecção” através da qual a autodepreciação se estende aqueles que, através da intimidade, passaram a participar de uma certa “auto-qualidade”. Ao contrário da situação de projeção, em que algo é “cuspido” da psique como um meio de não conhecer sua presença, nessa situação não há repúdio de características pessoais, mas a manifestação do fato de que o senso de si mesmo – que nunca é fixo (mas, como propôs Perls, uma “função de identidade”) – parece em suspenso – personalidades pendentes para se estenderem para o mundo de relacionamentos íntimos.

Também é impressionante na psicologia do tipo IV (particularmente como se manifesta no processo terapêutico) é o mecanismo que a psicanálise chama de “virar contra o self ” (aproximadamente o mesmo mecanismo que Perls chama de “retroflexão”). Enquanto auto-ódio ou autorejeição está implícita na noção de um “objeto-ruim” introjetado, a idéia de retroflexão convida ao pensamento que a ira gerou em conseqüência da frustração que visa não apenas a fonte externa de frustração (e ao original frustrador na vida de alguém), mas também – em conseqüência de sua introjeção – em si mesmo.

Resta considerar, além de um mecanismo de defesa dominante, a existência de um conteúdo dominante de repressão no tipo IV, um conteúdo para a repressão cuja introjeção pode ser mais especificamente adequada. Eu acho que pode-se dizer que a atitude mais evitada para o tipo IV é a exigente superioridade que é tão natural no tipo I. À luz disso, a introjeção é um mecanismo que torna possível para a pessoa transformar a superioridade em inferioridade ao adotar a estratégia masoquista em relacionamentos interpessoais. É como se o introjetor fosse uma pedra amarrada aos pés da pessoa para se certificar de que ele afunda – ao mesmo tempo que mantém uma posição de necessidade e evitando uma superioridade que poderia ter sido disfuncional através da adaptação da primeira infância.

A exigência irá sobreviver à transição do tipo Ennea-I para Eneatipo IV, mas o senso de justiça da exigência no momento da transição se transformará em uma associação de reivindicação com culpa (que perpetua a posição de inferioridade). Como em outros casos, a dinâmica representada pela estrutura de eneagrama significa não só a repressão de uma emoção (raiva), mas sua transformação para o próximo (inveja) – por inveja, através da intensificação dos esforços orais, o indivíduo procura satisfazer as mesmas necessidades que, na abordagem de tipo I, são satisfeitas através da exigência.

 6. Psicodinâmica Existencial

Embora tenhamos boas razões para acreditar que o padrão de inveja se origina em frustração das primeiras necessidades de vínculo da criança e podemos entender a dor crônica nessa personalidade como um resíduo da dor do passado, é útil considerar que também pode ser uma armadilha para os indivíduos de tipo IV ficar preso na lamentação do passado. Além disso, embora seja muito verdade que foi amor que a criança precisava urgentemente e almejou, a busca exagerada e compulsiva do amor no presente pode ser considerada uma disfunção e apenas uma miragem ou uma interpretação aproximada do que o adulto está com extrema necessidade. Isso, em vez de suporte, reconhecimento e cuidado externos, é a capacidade de reconhecer, apoiar e amar a si mesmo; e também o desenvolvimento de um senso de si como centro que possa contrariar a “excêntrica” expectativa de bondade do lado de fora.

Podemos imaginar a psicologia do tipo IV precisamente do ponto de vista de um empobrecimento do ser ou da individualidade que a inveja procura “preencher” e que, por sua vez, perpetuado através da autodepreciação, embora da busca pelo ser através do amor e da imitação de outros (“Eu sou como Einstein, portanto eu existo”). A psique do tipo IV funciona como se tivesse concluído no início da vida “Eu sou amado, portanto, eu não sou sem valor” e agora persegue dignidade através do amor que faltou (ame-me, então eu sei que estou bem) e através de um processo de distorção de autorefinamento, através da busca de algo diferente e presumivelmente melhor e mais nobre do que o que ele ou ela é.

Esses processos são autofrustrantes, pois o amor, uma vez obtido, provavelmente será invalidado (“ele não pode valer a pena se ele me ama”) ou, tendo estimulado reivindicações neuróticas, leva à frustração e também invalidação nessa base; ainda, mais basicamente, a busca de ser através da imitação do self ideal está em uma base de autorejeição e de cegueira ao valor do verdadeiro eu (assim como a perseguição do extraordinário envolve a depreciação do ordinário). Por causa disso, tipo IV precisa, além de informações sobre essas armadilhas, e mais do que qualquer outro tipo de personalidade, o desenvolvimento da autosustentação: o autosuporte que vem, em última instância, da consciência apreciativa e sentido da dignidade de si e da vida em todas as suas formas.

Existe uma patologia dos valores inerentes à inveja que pode ser explicada à luz da metáfora de um cão que carrega um osso e que, acreditando que seu reflexo sobre uma piscina seja outro cão com um osso mais desejável, abre seus maxilares enquanto ele se lança para ele, perdendo no processo o osso que ele tem. Podemos dizer: o reflexo de um osso não tem “ser”, assim como não existe ser em imagens autônomas idealizadas ou depreciadas.

 

 

 

 

Anúncios

2 comentários em “Eneagrama: Tipo 4 – Naranjo

Adicione o seu

  1. Nunca vi um artigo tao depreciativo como este.Tão longe da “luz” e objetivo da psicologia.Bem se vê que também es uma pessoa super amargurada como o IV.Eu me pergunto eu qual categoria o autor se define,ou diria quais.

  2. Creio que o autor pretendeu focar o desenvolvimento da personalidade a partir da paixão, no caso do tipo 4, a “inveja”, que é chamada também por outros autores através de outros nomes. Eu chamo de “sentimento de injustiça”, talvez essa diferença tenha a ver com os níveis de consciência. Não vejo o artigo como depreciativo, pois não considero-o uma visão total e acabada, mas parte potencialmente enriquecedora de uma pesquisa que vislumbre um entendimento maior e mais complexo. Mas concordo que, limitando a compreensão do tipo 4 à descrição acima, a impressão é de que este tipo de personalidade é muito negativo. Não li ainda a descrição dos outros tipos pelo mesmo autor, mas creio que ele deve “pegar pesado” da mesma forma.

Deixe uma resposta

Powered by WordPress.com. Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: