A Síndrome do Bonzinho: Introdução

Publicado por

Esta será uma série de posts traduzidos e adaptados diretamente do livro No More Mr. Nice Guy de Robert A. Glover, publicado pela Barnes & Noble Digital, o qual merecem todos os créditos.

“Sou um cara legal. Eu sou um dos caras mais legais que você vai
encontrar. ”

Jason, um quiroprata em seus trinta e poucos anos, começou sua primeira sessão de terapia individual com esta introdução. Jason descreveu sua vida como “perfeita” – exceto por um grande problema – a sua vida sexual. Tinha passado vários meses desde que ele e sua esposa Heather tinham tido relação sexual e nada indicava que isso iria mudar em breve.

Jason falou abertamente sobre seu casamento, sua família e sua sexualidade. Um homem afável, ele parecia apreciar a oportunidade de falar sobre si mesmo e sua vida.

Mais do que qualquer coisa, Jason queria ser amado. Ele se via como uma pessoa muito generosa, doando-se. Orgulhava-se de não ter muitos altos e baixos e nunca perder a paciência. Ele revelou que gostava de fazer as pessoas felizes e que odiava conflitos. Para evitar perturbar sua esposa, ele tende a segurar seus sentimentos e tenta fazer tudo “certo”.

Depois desta introdução, Jason pegou um pedaço de papel do bolso e começou a desdobrá-lo. Depois disso, ele disso que ele havia escrito algumas coisas para garantir que não iria esquecê-las.

“Eu nunca conseguia fazer as coisas direito”, Jason começou, olhando para sua lista. “Não importa quanto eu tente, Heather encontra sempre algo errado. Eu não mereço ser tratados desta forma. Eu tento ser um bom marido e pai, mas nunca é bom o suficiente.”

Jason fez uma pausa enquanto olhava sobre sua lista. “Este manhã foi um bom exemplo”, continuou ele. “Enquanto Heather estava se preparando para o trabalho, eu cuido do nosso bebê Chelsie, alimentado-a no café da manhã, dei-lhe um banho. Eu tinha deixado tudo pronto e estava prestes a preparar tudo sozinho. Então Heather entrou e vi tudo em seu rosto.

Eu sabia que estava em apuros.”
“‘Por que você vestiu-la desse jeito. Isso é uma roupa boa?”Jason imitou o tom de sua esposa. “Eu não sabia que ela queria que Chelsie usasse algo diferente. Depois de tudo que eu fiz para deixá-la pronta, esta manhã, já estava tudo errado. ”

“Aqui está outro exemplo”, Jason continuou, “no outro dia eu limpei a cozinha e fiz um trabalho muito bom. Eu carreguei a máquina, limpei os potes e panelas, e varri o chão. Eu pensei que Heather realmente apreciou tudo o que eu estava fazendo para ajudar. Antes que eu tivesse acabado, ela entrou e perguntou: ‘Como é que você não limpou os contatores? Eu nem tinha terminado ainda, pelo amor de Deus. Mas em vez de perceber tudo o que eu tinha feito e me agradecer, dedicou-se a falar da única coisa que eu
não tinha terminado ainda.”

Então, há a “questão sexual”, Jason continuou. “Nós só fizemos algumas
vezes antes de nos casarmos, porque nós dois somos cristãos. O sexo é
realmente importante para mim, mas Heather simplesmente não está
interessada. Pensei, uma vez que você se casou, tudo deveria melhorar.

Depois de tudo o que faço por Heather, você pensaria que ela estaria disposta a me dar uma coisa que eu realmente quero. ” “Eu faço muito mais do que a maioria dos rapazes. Parece que eu estou sempre dando muito mais do que eu recebo.” Agora, olhando como um menino no sofá, Jason confessou, “Tudo que eu quero é ser amado e apreciado. Será que é pedir muito?”

Um dos caras mais legais que você vai encontrar

Homens como Jason entram em meu escritório em uma base surpreendentemente regular. Esses caras, de todas as formas e tamanhos, têm a mesma visão do mundo basicamente. Permitam-me apresentar-lhes um outros mais.

Omar

O Objetivo número um na vida de Omar é para agradar sua namorada. No entanto, ela reclama que ele nunca está emocionalmente disponível para ela. Na verdade, cada uma de suas namoradas anteriores teve a mesma queixa. Desde que Omar enxerga como um doador, ele não consegue entender essas acusações. Omar afirma que sua maior alegria na vida é fazer outras pessoas felizes. Ele ainda carrega um pager para que seus amigos possam entrar em contato com ele se precisarem de alguma coisa.

Todd

Todd orgulha-se de tratar as mulheres com honestidade e respeito. Ele acredita que essas características o distinguem de outros home ns e mulheres deve atraí-las para ele. Embora ele tenha muitos amigas mulheres, ele raramente tem encontros com garotas. As mulheres dizem que ele sabe ser um bom ouvinte e, muitas vezes chamam-no para compartilhar seus problemas. Ele gosta de se sentir útil. Estas amigas constantemente dizem-lhe que é uma grande ajuda que ele vai fazer para uma mulher sortuda. Apesar da
maneira como ele trata as mulheres, ele não consegue entender porque todos elas parecem ser atraídas por idiotas, em vez de Caras Bonzinhos como ele.

Bill

O seu projeto é ser a pessoa que ajuda a todos quando precisam de algo. A palavra “não” simplesmente não está em seu vocabulário. Ele arruma os carros para as mulheres da sua igreja. Ele treina a equipe de seu filho na liga de baseball. Seus amigos o chamam quando precisam de ajuda em algum momento. Ele cuida de sua mãe viúva, todas as noites depois de trabalho. Mesmo quando ele faz o bem para dar aos outros, ele nunca parece receber tanto quanto ele oferece.

Gary

A esposa de Gary tem freqüentes ataques de raiva quando ela verbalmente envergonha-o e humilha-o. Como ele evita o conflito e não quer provocar problemas, Gary evita trazer temas que ele conhece pode irritar sua mulher. Depois de uma briga, ele é sempre o primeiro a pedir desculpas. Ele não consegue se lembrar de sua esposa sempre dizer que ela não estivesse triste por qualquer um de seus comportamentos. Apesar do constante conflito, Gary diz que ama sua mulher e faria qualquer coisa para agradá-la.

Rick

Rick, um homem gay em seus quarenta anos, está em um relacionamento cometido com um alcoólatra. Rick chegou ao aconselhamento para ajudar seu parceiro Jay com o seu problema com a bebida. Rick reclama que se sente sempre como se ele tivesse que manter as coisas em ordem. Sua esperança é que, se ele pudesse ajudar Jay ficar sóbrio, ele vai finalmente ter o tipo de relacionamento que ele sempre quis.

Lyle

Lyle, um cristão devoto, tenta fazer tudo certo. Ele ensina na escola dominical e é um ancião na sua igreja. No entanto, ele tem lutado desde a adolescência com um vício em pornografia. Lyle se masturba compulsivamente, muitas vezes, três a quatro vezes por dia. Ele passa horas todos os dias olhando para sites de sexo explícito na internet. Ele está com medo de que se alguém descobrisse a verdade sobre suas compulsões sexuais, sua vida seria destruída. Ele tenta controlar seu problema com oração e estudo da Bíblia, embora nenhuma destas abordagens tenha dado resultado.

Jose

Jose, um consultor de negócios de quase quarenta anos, passou os últimos cinco anos em um relacionamento com uma mulher que ele considera carente e dependente. José começou a pensar em separação no primeiro dia em que ela se mudou. Ele tem medo que sua namorada não seja capaz de fazer tudo sozinha, se ele a deixasse. Embora ele tenha tentado várias abordagens para mudar essa situação, sua namorada sempre se torna um “caso perdido emocional” como retorno. Jose busca a todo momento tentar descobrir como sair da relação, sem ferir sua namorada ou olhando-se como um idiota.

Quem São estes homens?

Embora todos esses homens sejam únicos, cada um parte de uma rotina de vida em comum: Todos eles acreditam que se forem “Bons” e fazer tudo “certo”, eles vão ser amados, terem suas necessidades atendidas, e terem uma vida livre de problemas. Essa tentativa de ser bom tipicamente envolve tentativas eliminar ou ocultar certas coisas sobre si mesmos (os seus erros, necessidades, emoções) e tornar-se aquilo em que acreditam os outros querem que eles sejam (generoso, prestativo, calmo, etc.)

Eu chamo esses homens de caras Bonzinhos.

Até agora não temos dado muita atenção para o Cara Bonzinho, mas ele está em toda parte. Ele é o marido que permite que sua esposa comande o show. Ele é o amigo que vai fazer tudo por alguém, mas cuja própria vida parece estar em ruínas.
Ele é o cara que frustra sua esposa ou namorada, porque ele tem tanto medo do conflito que nada nunca é resolvido. Ele é o chefe que diz a uma pessoa o que elas querem ouvir, em seguida, contradiz-se para agradar alguém. Ele é o homem que permite que as pessoas andem por cima dele porque ele não quer encrencas. Ele é o cara de confiança na igreja ou no clube que nunca vai dizer “não”. Ele é o homem cuja vida parece estar tão sob controle, até um BOOM, num dia ele faz algo para destruir tudo.

Características de Cara Bonzinhos

Cada Cara Bonzinho é único, mas todos têm um conjunto de características semelhantes. Estes traços são o resultado de um roteiro, muitas vezes formado na infância, que orienta suas vidas. Enquanto outros homens podem ter uma ou duas dessas características, Cara Bonzinhos parecem possuir um número significativo.

Caras Bonzinhos são doadores. Cara Bonzinhos freqüentemente afirmam que os faz sentir bem doar-se aos outros. Estes homens acreditam que sua generosidade é um sinal de como eles são bons e vai fazer outras pessoas amá-los e apreciá-los.

Caras Bonzinhos corrigem e cuidam. Se uma pessoa tem um problema, tem uma necessidade, está zangada, deprimida ou triste, Caras Bonzinhos vão com freqüência tentar resolver ou corrigir a situação (normalmente sem serem solicitados).

Caras Bonzinhos buscam a aprovação dos outros. Um traço universal da Síndrome de Cara Bonzinho é a busca pela validação dos outros. Tudo o que um Cara Bonzinho faz ou diz é um nível calculado de ganhar a aprovação de alguém ou evitar a desaprovação. Isto é especialmente verdadeiro em suas relações com as mulheres.

Caras Bonzinhos evitam o conflito. Caras Bonzinhos procuram manter seu mundo suave. Para fazer isso, eles evitam fazer coisas que podem arrumar confusão ou perturbar alguém.

Caras Bonzinhos acreditam que devem esconder suas falhas e erros. Estes homens têm medo que os outros vão ficar bravo com eles, envergonhá- los, ou deixá-los se algum erro ou falha está exposto.

Caras Bonzinhos buscam o caminho “certo” para fazer as coisas. Caras Bonzinhos acreditam que há uma chave para ter uma vida feliz, sem problemas. Eles estão convencidos de que, se eles só podem descobrir o caminho certo para fazer tudo, nada deve dar errado sempre.

Caras Bonzinhos reprimem seus sentimentos. Caras Bonzinhos tendem a analisar, em vez de sentir. Eles podem ver sentimentos como um desperdício de tempo e energia. Eles freqüentemente tentam manter seus sentimentos em equilíbrio.

Caras Bonzinhos muitas vezes tentam ser diferentes de seus pais. Muitos Caras Bonzinhos relatam terem pais disponíveis, ausentes, passivos, mulherengos, irritados, ou alcoólicas. Não é incomum para estes homens tomarem uma decisão em algum momento de suas vidas para tentar ser 180 graus diferentes de seus pais.

Caras Bonzinhos tentem a ficar mais confortáveis diante das mulheres que de outros homens. Devido ao seu condicionamento da infância, muitos Caras Bonzinhos têm poucos amigos do sexo masculino. Cara Bonzinhos freqüentemente obtem a aprovação das mulheres e se convencem de que eles são diferentes dos outros homens. Eles gostam de acreditar que eles não são egoístas, raivosos, ou abusivos – traços que apontam para “outros” homens.

Caras Bonzinhos têm dificuldade em fazer as suas necessidades prioritárias. Esses homens muitas vezes sentem que eles serão egoístas se colocarem suas necessidades em primeiro lugar. Eles acreditam que é uma virtude colocar as necessidades dos outros à frente das deles próprios.

Caras Bonzinhos muitas vezes fazem o seu parceiro o seu centro emocional. Muitos Caras Bonzinhos relatam que estão felizes apenas se seu parceiro está feliz. Portanto, muitas vezes eles vão concentrar uma energia tremenda em seus relacionamentos íntimos.

O que há de errado em ser um cara bonzinho?

Nós podemos tentar minimizar o problema da Síndrome de Cara Bonzinho. Afinal, como pode alguém ser bom ser tão ruim assim? Podemos até rir desses comportamentos destes homens. Desde que esses homens já representam um alvo fácil em nossa cultura, a caricatura de um cara sensível pode ser um objeto de diversão, em vez de preocupação.

Caras Bonzinhos com freqüência têm dificuldade em compreender a profundidade e a gravidade das suas crenças e comportamentos. Quando eu começo a trabalhar com estes homens passivamente agradáveis, quase sem exceção, todos eles perguntam: “O que é errado em ser um cara legal?”

Pegando este livro e ficando intrigado com o título, você pode estar se
perguntando a mesma coisa.

Dando a esses homens o rótulo de Cara Bonzinho, eu não estou referindo-me muito a seu comportamento real, mas para seu sistema de crenças fundamentais sobre si mesmos e o mundo ao seu redor. Estes homens foram condicionados a acreditar que se eles são “bons”, eles vão ser amados, terem suas necessidades atendidas, e terão uma vida suave.

O termo Cara Bonzinho é realmente um equívoco, porque Caras Bonzinhos são, muitas vezes, nada agradáveis. Aqui estão alguns traços Não-tão-Bons de Caras Bonzinhos:

Caras Bonzinhos são desonestos. Estes homens escondem seus erros, evitam o conflito, dizem o que pensam que as pessoas querem ouvir, e reprimem seus sentimentos. Estas características fazem Caras Bonzinhos fundamentalmente desonestos.

Caras Bonzinhos são cheios de segredo. Porque eles são tão levados a procurar a aprovação, Caras Bonzinhos irão esconder qualquer coisa que eles acreditem que poderia perturbar ninguém. O lema é Cara Bonzinho “Se no início não der certo, esconda as evidências.”

Caras Bonzinhos são compartimentalizados. Cara Bonzinhos são peritos em harmonização através de pedaços contraditórios de informações sobre si mesmos, separando-os em compartimentos individuais em suas mentes. Portanto, um homem casado pode criar sua própria definição de fidelidade que lhe permite negar que ele teve um caso com sua secretária (ou estagiário), porque ele nunca colocou seu pênis em sua vagina. Fidelidade algo é bem diferente disso!

Caras Bonzinhos são manipuladores. Caras Bonzinhos tendem a ter dificuldade em fazer as suas necessidades uma prioridade e tem dificuldade em pedir o que querem de maneira clara e direta. Isso cria uma sensação de impotência. Portanto, eles freqüentemente recorrem à manipulação para tentar obter as suas necessidades satisfeitas.

Caras Bonzinhos são controladores. A grande prioridade dos Caras Bonzinhos é manter o seu mundo leve. Isso cria uma necessidade constante para tentar controlar as pessoas e coisas ao seu redor.

Caras Bonzinhos dão para receber. Apesar dos Caras Bonzinhos tenderem a ser doadores generosos, essas doações muitas vezes tem mensagens tácitas anexas. Eles querem ser apreciados, eles querem algum tipo de reciprocidade, eles querem alguém que não fique bravo com eles, etc. Caras Bonzinhos freqüentemente relatam se sentirem frustrados ou ressentidos, como resultado de dar muito e recebendo tão pouco em troca aparentemente.

Caras Bonzinhos são passivo-agressivos. Cara Bonzinhos tendem a expressar sua frustração e ressentimento de forma indireta, e nada agradável. Isso inclui em estar indisponível, esquecendo-se, estando atrasado, não sendo capaz de obter uma ereção, finalizando muito rapidamente, e repetindo os mesmos comportamentos irritantes, mesmo quando eles prometeram nunca mais fazê-los novamente.

Caras Bonzinhos são cheios de raiva. Apesar dos Cara Bonzinhos frequentemente negarem que sempre ficam com raiva, uma vida de frustração e ressentimento criam uma panela de pressão de raiva reprimida dentro destes homens. Essa raiva tende a entrar em erupção em momentos mais inesperados e aparentemente impróprios.

Caras Bonzinhos são viciados. Comportamento viciantes tem a finalidade de aliviar o stress, alterar o humor, ou medicar a dor. Desde que Caras Bonzinhos tendem a manter muita coisa dentro deles, isso tem que sair em algum lugar. Um dos vicios mais comuns para Caras Bonzinhos é compulsão sexual.

Caras Bonzinhos têm dificuldade em estabelecer limites. Muitos Caras Bonzinhos têm dificuldade em dizer “não”, “chega”, ou “eu vou”. Eles muitas vezes se sentem como vítimas indefesas e observam a outra pessoa como a causa dos problemas que está enfrentando.

Caras Bonzinhos são freqüentemente solitários. Apesar dos Caras Bonzinhos desejarem ser queridos e amados, na verdade, seus comportamentos tornam difícil para as pessoas ficarem muito perto deles.

Caras Bonzinhos são muitas vezes atraídos por pessoas e situações que precisam ser consertadas. Este comportamento é frequentemente o resultado do condicionamento de Cara Bonzinho na infância, sua necessidade de boa aparência, ou sua busca por aprovação. Infelizmente, esta tendência praticamente garante que Cara Bonzinhos vão gastar maior parte do tempo apagando incêndios e gerindo crises.

Caras Bonzinhos freqüentemente têm problemas em relacionamentos íntimos. Apesar dos Cara Bonzinhos muitas vezes darem uma ênfase muito grande nesta parte de suas vidas, seus relacionamentos íntimos são freqüentemente uma fonte de luta e frustração.

Por exemplo:

  • Caras Bonzinhos são frequentemente grandes ouvintes, porque eles estão muito ocupados tentando descobrir como se defender ou corrigir problema das outras pessoas.
  • Devido ao seu medo de conflito, eles são freqüentemente desonestos e raramente estão disponíveis para percorrer todo o caminho do problema.
  • Não é incomum para Caras Bonzinhos formar relacionamentos com parceiros a quem eles acreditam ser “projetos” ou “diamantes brutos.” Quando esses projetos não se saem como esperado, Caras Bonzinhos tendem a culpar seus parceiros por estarem no caminho da sua felicidade.

Caras Bonzinhos têm problemas com a sexualidade. Embora a maioria dos Caras Bonzinhos terem problemas com o sexo, eu ainda não encontrei algum que não esteja um tanto insatisfeito com sua vida sexual, tendo alguma disfunção sexual (não começa ou manter uma ereção, clímax muito rapidamente), ou que tenha vida sexual externa (através de assuntos, prostituição, pornografia, masturbação compulsiva, etc.)

Caras Bonzinhos geralmente só são relativamente bem sucedidos. A maioria dos Caras Bonzinhos que eu conheci são talentosos, inteligentes e moderadamente bem sucedidos. Quase sem exceção, porém, eles não conseguem viver com todo seu pleno potencial.
“Mas Ele parecia um cara tão legal ”

Ele não é incomum que as pessoas inocentes confundam as características passivas, agradáveis, e generosas de um cara legal para aquelas de um homem saudável. Muitas mulheres contam sobre seu encantamento por esse tipo de comportamento. Porque ele parecia diferente dos outros homens com que tinham estado, o Cara Bonzinho parecia uma promessa real.

Infelizmente, os traços negativos listados acima encontram uma maneira de extrapolar a vida Cara Bonzinhos e seus relacionamentos pessoais. Como resultado, esses homens tendem a oscilar para trás e para frente entre ser agradável e não tão agradável.

Ouvi incontáveis esposas, parceiras e namoradas descreverem as qualidades de Cara Bonzinhos:

“Ele pode ser realmente maravilhoso e ele também pode ferir-me profundamente. Ele vai fazer todas as coisas, como pegar as crianças e prepara o jantar, quando eu tenho que fazer horas extras no trabalho. Mas, então, do nada, ele vai fazer uma birra sobre eu nunca estar sexualmente disponível para ele. ”

“Todo mundo acha que ele é um cara maravilhoso e eu tenho muita sorte de tê-lo. Mas eles não sabem o que ele pode realmente ser. Ele está sempre ajudando as pessoas com seu carro ou qualquer outra coisa que precise de conserto. Quando eu lhe pedir para fazer algo, ele me diz que ele nunca consegue me fazer feliz e que eu sou irritante e controladora como sua mãe.”

“Ele está constantemente tentando me agradar. Ele fará qualquer coisa por mim, exceto realmente estar interessado para mim. Ele vai às compras comigo, embora eu saiba que ele não quer ir. O tempo todo ele só estará de mau humor, isso me faz infeliz. Eu gostaria que ele apenas me dissesse “não” às vezes”.

“Ele nunca vai me dizer quando algo o está incomodando. Ele vai apenas segurar isso e essa situação vai construir uma panela de pressão. Eu não tenho a menor ideia do que algo o está incomodando. E, em seguida, do nada, ele vai explodir e isso vai acabar em uma grande briga. Se ele apenas me dissesse quando ele está chateado com alguma coisa, seria tudo muito mais fácil. ”

“Quando eu tento conversar com ele sobre algo que está me incomodando, ele tenta corrigir-se. Ele sempre me diz que eu residir no negativo e que ele nunca pode me fazer feliz. Tudo o que eu realmente quero é que ele me ouça.”

“Depois de todos os outros homens canalhas com quem eu estive, eu pensei que finalmente tinha encontrado um cara legal no qual eu podia confiar. Cinco anos em nosso casamento eu descobri que ele era viciado em pornografia. Fiquei arrasada. Eu nunca tive a menor ideia disso. “”Eu queria poder usar uma varinha mágica, manter todas as suas boas características, e fazer todas as outras desaparecem.”

O Homem Integral

Depois se matricular em um Não Mais o Cara Legal! terapia de grupo, Gil, um homem bonzinho em seus cinquenta e poucos anos revelou que sua esposa era solidária às suas aderir a um grupo. No entanto, ele nutria um medo secreto de que ela estaria irritada com o que o nome do grupo parecia implicar – “Como deixar de ser um cara legal e tornar-se uma cafajeste” Usando a lógica típica de um Cara Bonzinho, Gil questionou por que qualquer mulher poderia ficar solidária se os homens tornarem-se “não
legais”.

Porque Cara Bonzinhos tendem a ver tudo muito preto no branco em seu pensamento, a única alternativa que eles conseguem ver é que serio bom então se tornarem-se “cafajestes” ou “idiotas”. Eu freqüentemente lembro aos Caras Bonzinhos que o oposto de louco é louco ainda, tornar-se um “cafajeste” não é a resposta.

A recuperação da Síndrome do Cara Bonzinho não é sobre ir de um extremo ao outro. O processo trata de romper com padrões ineficazes do Cara Bonzinho não envolve em tornar-se “não legal”. Em vez disso, significa tornar-se “integral”.

Ser integrado significa ser capaz de aceitar todos os aspectos sobre si mesmo. Um homem integrado é capaz de abraçar tudo o que faz dele um homem único: o seu poder, sua assertividade, sua coragem, e sua paixão, assim como as suas imperfeições, seus erros, e seu lado negro.

Um homem integral possui muitos dos atributos seguintes:

  • Ele tem um forte senso de si mesmo. Ele gosta de si próprio assim como ele é.
  • Ele assume a responsabilidade de ter suas próprias necessidades atendidas.
  • Ele está confortável com sua masculinidade e sua sexualidade.
  • Ele tem integridade. Ele faz o que é certo, não o que é conveniente.
  • Ele é um líder. Ele está disposto a prever e proteger daqueles que cuida.
  • Ele é claro, direta e expressivo sobre seus sentimentos.
  • Ele pode relacionar-se e dar sem buscar aprovação ou buscar a resolução de problemas.

● Ele sabe como estabelecer limites e não tem medo de trabalhar por meio de conflitos.

Um homem integrado não se esforça para ser perfeito ou ganhar a aprovação dos outros. Ao contrário, ele aceita-se tal como ele é, verrugas e tudo. Um homem integrado aceita que ele é perfeitamente imperfeito.

Fazer a transformação de um cara bonzinho para um homem integrado não acontece pela mera tentativa em ser um bom homem. Romper com a Síndrome do Cara Bonzinho demanda abraçar uma maneira totalmente diferente de ver a si mesmo e ao mundo, uma mudança completa no próprio paradigma pessoal. Deixe-me explicar.

Paradigmas

O paradigma é o roteiro que usamos para navegar jornada da vida. Todo mundo usa esses mapas de estradas e todo mundo acha que o seu mapa é o melhor.

Paradigmas muitas vezes operam em um nível subconsciente, mas eles determinam grande parte das nossas atitudes e comportamentos. Eles servem como um filtro através do qual processamos as experiências de vida. Dados que não se encaixam ao nosso paradigma é descartado, nunca chegando a nossa mente consciente. A informação que se encaixa ao nosso paradigma é ampliada pelo processo cognitivo, e adiciona um suporte ainda maior para esse modo particular de ver as coisas.

Paradigmas, como mapas de estradas, podem ser ótimas ferramentas para acelerar-nos ao longo da jornada. Infelizmente, se eles estão desatualizados ou imprecisos, podem enviar-nos a uma direção errada ou infrutiferamente conduzir-nos em torno do mesmo bairro de cidade. Quando isso acontece, muitas vezes, continuamos tentando mais vigorosamente encontrar nosso destino desejado, enquanto senti-mo-nos mais e mais frustrados. Mesmo que um indivíduo após utilizar um paradigma inexato ou desatualizado possa pensar que seu comportamento faz todo o sentido, aqueles ao seu redor podem estar se perguntando o que ele poderia esta pensando para agir dessa
maneira como age.

A maioria paradigmas são desenvolvidos quando somos jovens, ingênuos, e relativamente impotentes. Eles são muitas vezes baseados em interpretações imprecisas de experiências da infância. Uma vez que são muitas vezes inconscientes, eles raramente são reavaliados ou atualizados. Talvez o mais importante, eles são assumidos como 100 por cento precisos – mesmo quando
eles não são.

O Paradigma do Cara Bonzinho ineficaz

O paradigma do Cara Bonzinho define que:

  • Se eu posso esconder meus defeitos e tornar-me o que eu acho que
    os outros querem que eu seja
  • ENTÃO Eu vou ser amado, ter as minhas necessidades atendidas, e
    ter uma vida livre de problemas.

Mesmo quando este paradigma é ineficaz, Caras Bonzinhos só veem uma alternativa: tentar com mais afinco.

Caras Bonzinhos são notoriamente lentos aprendizes e esquecem-se incrivelmente rápido quando seus paradigmas são desafiados. Sua inclinação é validar seus sistemas de crenças que têm provado serem consistentemente inviáveis, mas estão tão incorporados em sua mente inconsciente que desafiá- los equivaleria a uma heresia.

É difícil para Caras Bonzinhos considerar fazer algo diferente, mesmo quando o que eles estão fazendo não está funcionando. Jason, cujas dificuldades sexuais com sua esposa, Heather, foram introduzidos no início do capítulo, é um bom exemplo da frustração que pode resultar de um paradigma Cara Bonzinho ineficaz. Jason tinha um pai, controlador perfeccionista que colocou exigências irrealistas sobre Jason e seus irmãos. Seu pai acreditava que havia um jeito certo de fazer tudo – o seu jeito. A mãe de Jason era uma mulher emocionalmente dependente que viveu para seus filhos. Quando sua mãe estava carente, ela sufocava seus filhos. Quando as crianças tinham necessidades, ela foi muitas vezes emocionalmente exagerada na resposta.

Jason aprendeu a lidar com sua experiência de infância, desenvolvendo um
paradigma que incluiu:

  • Crenças de que se pudesse descobrir como fazer tudo certo, ele poderia
    reunir a aprovação de seu pai e evitar sua crítica.
  • Crenças de que se ele respondesse a carência de sua mãe sendo
    atencioso e carinhoso, ela estaria disponível a ele quando ele tivesse
    necessidades.
  • Crenças de que se ele nunca fosse um problema, ele iria começar a
    receber o amor e aprovação.
  • Crenças de que se escondesse seus erros, ninguém jamais iria ficar
    chateado com ele.

Como um filho, Jason era muito ingênuo e impotente para perceber que não importava o que ele fizesse, ele nunca iria atingir as expectativas de seu pai.

Da mesma forma, não importava o quanto ele estava dando, sua mãe carente nunca estaria disponível para cuidar dele. Ele não podia ver que não havia realmente nenhuma maneira de fazer tudo certo. E, independentemente de quão bem ele acreditava que escondeu suas falhas ou erros, as pessoas ainda poderiam ficar com raiva dele.

Mesmo quando o seu roteiro de infância não poderia levá-lo na direção desejada, a única opção que ele podia ver era apenas tentar fazer mais do mesmo. A única coisa que seu paradigma realmente fez foi criar uma distração aos seus sentimentos de medo, inadequação e inutilidade.

Em idade adulta, Jason tentou aplicar seu paradigma da infância até na sua relação com sua esposa. Como sua mãe, sua esposa foi apenas uma preocupação, quando ela estava emocionalmente carente. Como seu pai, ela foi crítica e controladora. Ao aplicar o seu roteiro de infância no seu casamento – tentando fazer tudo certo, estar atento e carinhoso, nunca sendo problema de nenhum momento, escondendo seus erros – Jason criou uma ilusão de que ele poderia obter a aprovação de sua esposa o tempo todo, estar sexualmente disponível sempre que ela queria, e nunca ficar irritado com ela.

Seu paradigma defeituoso impediu-o de ver que não importa o que ele fizesse, sua esposa ainda às vezes seria fria, crítica, e indisponível, e que talvez ele precisasse que ela fosse assim mesmo. Mesmo quando seu paradigma era tão ineficaz na idade adulta como era na infância, a única opção que Jason parecia ter era tentar melhor.

Fazendo Algo Diferente

Fazer tudo o oposto pode não ser a resposta para se livrar da síndrome do Cara Bonzinho, fazendo algumas coisas diferentes pode.

Nos últimos anos, tenho observado inúmeros homens “fazendo algo diferente”, aplicando os princípios contidos neste livro. Esses homens transformaram-se de Caras Bonzinhos ressentidos, frustrados, impotentes em indivíduos assertivos, com poderes, e mais felizes.

Quando Caras Bonzinhos decidem fazer uma mudança, algumas coisas
interessantes começam a acontecer. Entre outras coisas, eu vi estes homens:

  • Aceitarem-se tais como são.
  • Usarem seus erros como valiosas ferramentas de aprendizagem.
  • Pararem buscar a aprovação dos outros.
  • Experimentar relacionamentos amorosos e íntimos.
  • Fazerem suas necessidades prioritárias.
  • Encontrarem pessoas que são capazes e dispostos a ajudá-los a satisfazer as suas necessidades.
  • Aprenderem a dar literalmente, sem expectativas ou vínculos.
  • Encararem seus medos.
  • Desenvolverem integridade e honestidade.
  • Definirem limites.
  • Construírem relacionamentos significativos com outros homens.
  • Criarem relacionamentos saudáveis, mais satisfatórios com as
    mulheres.
  • Experimentaram expressar seus sentimentos.
  • Combateram os problemas diretamente.
  • Desenvolveram uma relação íntima e sexual satisfatória.
  • Encontraram paz com dentre as reviravoltas da vida.

Solicite Ajuda

Caras Bonzinhos acreditam que devem ser capazes de fazer tudo por conta própria. Eles têm dificuldades em pedir ajuda e tentam esconder qualquer imperfeição ou sinais de fraqueza. Romper com a Síndrome de Cara Bonzinho envolve reverter esse padrão.

Recuperação da Síndrome de Cara Bonzinho depende de revelar-se a si mesmo a aceitar receber o apoio de pessoas confiáveis. É essencial, portanto, que os homens que querem se libertar da Síndrome do Cara Bonzinho encontrarem pessoas seguras para auxiliá-los neste processo.

Eu incentivo que o início desse processo da recuperação de comportamento Cara Bonzinho seja feita com um terapeuta, terapia de grupo, grupos de 12 passos, de um líder religioso, ou amigo próximo. Desde que Cara Bonzinhos tendem a procurar a aprovação das mulheres, eu fortemente incentivo-os a iniciarem este processo com os homens. Para alguns Caras Bonzinhos, o conceito de “homens de confiança” pode parecer um paradoxo, mas eu recomendo mesmo assim.

Eu tenho tido que grupos de homens são importantes na terapia para a recuperação do Cara Bonzinhos durante vários anos. Alguns dos aspectos mais significativos da minha própria recuperação da Síndrome do Cara Bonzinho (mesmo antes que eu soubesse o que isso era) ocorreu no contexto dos grupos de terapia de 12 passos. Mesmo que eu tenha certeza que é possível libertar-se da Síndrome de Cara Bonzinho sem a ajuda de um grupo, recomendo pois essa é a ferramenta mais eficaz que conheço para facilitar o processo de recuperação.

Link para o capítulo 2: A Síndrome do Bonzinho: Capítulo 2

Anúncios

Deixe uma resposta