Anúncios

Artesãos (SP): Características

Este post visa explicar os 4 temperamentos descritos por David Keirsey, PhD. Para isso traduzirei partes na íntegra, adaptarei e complementarei com algumas outras informações.

Esta série de posts são traduções na íntegra do livro Please Understand Me II de David Keirsey, PhD.

Agora temos um Grupo no Facebook

Introdução

O temperamento é um conjunto de traços de personalidade observáveis, tais como hábitos de comunicação, padrões de ação, conjuntos de atitudes, valores e talentos característicos. Abrange, também, as necessidades pessoais, os tipos de contribuições que os indivíduos fazem no local de trabalho, assim como o papel que desempenham na sociedade. David Keirsey, PhD identificou quatro temperamentos básicos, são eles: Artesãos (SP)Guardiões (SJ)Racionais (NT)Idealistas (NF).

SP – Artesãos

Os Interesses dos Artesãos

Todos têm interesses, mas nem todos têm os mesmos interesses. Lembre-se de que estamos interessados ​​em fazer o que fazemos bem e tendemos a fazer bem o que nos interessa fazer. Os interesses dos Artesãos são diametralmente opostos aos dos idealistas e bem diferentes dos dos guardiões e racionais.

Na escola, os Artesãos normalmente se dirigem para as artes e ofícios, e se afastam das humanidades e das ciências. Mais tarde, ao procurar trabalho, alguns irão estudar comércio e podem se tornar bastante bem sucedidos nos negócios e na indústria. Mas os artesãos raramente estão interessados ​​em construir moral, ou em se preocupar com a moralidade, e até mesmo têm alguma aversão à tecnologia. Quando eles vão ao trabalho, se tiverem sorte, eles conseguem trabalhar com ferramentas e equipamentos.

Interesse educacional em artesanato

Na escola, os artesãos tendem a se interessar por artesanato, onde podem praticar as técnicas necessárias. Os artesãos podem parecer entediados e até aborrecidos quando convidados a estudar negócios (particularmente assuntos administrativos), ou humanidades, ou ciência e tecnologia, mas dê-lhes a oportunidade de praticar qualquer arte ou artesanato e veja-os brilhar.

Os pais e os professores raramente dão aos filhos artesãos permissão ou oportunidade de seguir seus interesses artísticos. Lembre-se, no entanto, que a arte não deve limitar-se às chamadas artes plásticas, como a pintura e a escultura, ou as artes cênicas, como a música e a dança, mas, de fato, inclui as atividades atléticas, culinárias, literárias, marciais, mecânicas, artes teatrais e industriais, para não mencionar o que Donald Trump chamou de “Arte do Negócio” em grandes negócios.

Os artesãos têm uma capacidade natural para se destacar em qualquer uma dessas artes – um jogo de Pete Sampras no tênis ou um vôo de teste supersônico de Chuck Yeager é tão artístico quanto uma pintura Rembrandt ou uma sinfonia de Beethoven.

Preocupado com Técnicas

Os artesãos não passam muito tempo se preocupando com moralidade ou “moral”, e eles têm apenas um interesse passageiro em tecnologia (as preocupações, respectivamente, dos Guardiões, Idealistas e Racionais.) Mas eles estão sempre interessados, mesmo preocupados, com o aquisição de técnica.

Em relação a essa distinção entre técnica artesanal e tecnologia NT, é necessário entender que, embora os dois se assemelhem de maneira superficial, são fundamentalmente diferentes. Ambos são derivados da “tecnologia” na raiz, o que significa que eles têm a ver com a construção efetiva, mas são formas completamente diferentes de construção.

A tecnologia é o estudo teórico do método, a técnica é o aperfeiçoamento empírico do método. E é aqui que os Artesãos brilham. Não importa o custo de tempo, energia, dificuldades, perigo ou despesa, eles devem aperfeiçoar seu repertório de técnicas. Isso é mais facilmente observado em artistas e atletas, que sobre suas vidas para dominar as técnicas de pintura ou escultura, tocar instrumentos musicais, jogar, pegar, chutar e assim por diante. Observe surfistas. Eles passarão horas diariamente – e por anos – em aperfeiçoar sua técnica de surfar.

Não importa a atividade do SP, no entanto, a técnica é o principal problema. Quer se trate de uma técnica de discurso do presidente, a técnica do empresário de fazer negócios, ou a técnica de movimentação de terras do carregador, é o domínio da técnica que atrai os artesãos como mariposas para a luz.

Interesse vocacional em equipamentos

Os artesãos são mais felizes quando trabalham com qualquer tipo de equipamento. Aparelhos, implementos, máquinas e instrumentos os cativam; coisas para serem usadas – empregadas, implantadas – artesãos não podem não operá-las. Eles precisam dirigir o bulldozer, pilotar o avião, dirigir o barco, disparar a arma, apertar a buzina, empunhar o bisturi, o pincel ou o cinzel. Algo sobre equipamentos atinge um acorde na natureza dos Artesãos, expandindo o alcance, aumentando, ampliando e aguçando os efeitos das muitas técnicas que cada vez mais adquirem e aperfeiçoam.

Mesmo nos tempos antigos, muito antes da civilização industrial, os artesãos devem ter sido os principais caçadores e os melhores guerreiros. O estilingue, o porrete, a lança, o arco e a flecha: estes equipavam artesãos da tribo para a sua arte mortal. E não é até mesmo hoje o Artesão o primeiro a se alistar quando a guerra vem, e quem exceto ele empunhar as armas e as máquinas da guerra moderna?

A Orientação dos Artesãos

Nascemos em um domínio social e vivemos nossas vidas nesse território, nunca, por muito tempo, afastando-nos ao isolamento. Claro, podemos estar desorientados por curtos períodos de tempo, devido a um choque ou a um perigo. Mas logo nos reorientamos e retornamos ao nosso quadro de referência social. Na verdade, somos o mais social de todos os animais, nossa sociabilidade se encerrando em sociedades maciças e complexas. Tudo o que pensamos ou sintamos, dizemos ou fazemos ocorre e deve ocorrer no cadinho de ferro da realidade social. Estamos sempre orientados de certo ângulo, inclinação, ponto de vista, algo que Adickes descreveu como nosso “Weltanschauung” ou “visão de mundo”.

Mas diferentes personalidades têm diferentes perspectivas, tempo de observação e lugar, bem como passado, presente e futuro de forma diferente. É alegado que os Artesãos são práticos sobre o presente, otimistas sobre o futuro, cínicos sobre o passado, seu lugar preferido está aqui no meio da ação, e seu tempo preferido é agora. Quão diferentes são os outros temperamentos na forma como eles vêem essas coisas. Então, vejamos atentamente essas cinco dimensões de orientação para que não se surpreenda quando nossos amigos artesãos provarem, por exemplo, ser menos obedientes ou altruístas ou pragmáticos do que nós.

Olhar hedonista ao redor

Todos nós nos consideramos práticos. Mesmo aqueles de nós que nos identificamos como Idealistas achamos que nada é mais prático do que ser diplomático em interagir com os outros, assim como os Guardiões consideram a observação das tradições uma coisa muito prática a ser feita. E é claro que os Racionais consideram a eficiência na ação a própria essência da praticidade. Mas, muitas vezes para ser prático, é necessário ser decididamente não diplomático ou piscar os olhos para a tradição ou se esquecer, por algum tempo, de ser eficiente. E esses desvios são feitos rapidamente pelo Artesão, enquanto os outros estão relutantes em fazê-lo.

Em certo sentido, os artesãos nascem para ser práticos, para obter o que querem, por qualquer meio necessário, e se a necessidade requer um pouco de indelicadeza, se gabar de uma convenção, ou um desperdício de esforço, bem, que assim seja. Sua pergunta é sempre: “Para que serve isso?” “O que você tira disso?” “O que há para mim?” “Onde está a recompensa?” “Porque se importar?” “Onde está a diversão?” – ou simplesmente “então o que?”.

Ser prático significa ser utilitário no sentido concreto. O utilitarismo abstrato do Racional é diferente do utilitarismo concreto do Artesão, na medida em que o artesão procura o máximo efeito, o Racional a máxima eficiência. Os Artesãos irão gastar todo o esforço necessário para obter o que eles querem; As racionais não, uma vez que exigem que o maior resultado seja obtido com o menor esforço. Obter resultados é mais um problema teórico com os Racionais, um problema mais prático com Artesãos.

Olhar otimista para o futuro

Os Artesãos são os otimistas supremos. O passado é água passada, então esqueça. O futuro distante está muito distante, então não perca tempo planejando isso. Mas no próximo momento? Aqui, os artesãos brilham com uma confiança natural de que as coisas vão se encaminhar. Os artesãos sentem sorte: o próximo rolar dos dados, o próximo movimento, tiro ou estratagema será uma sorte, não importa que os últimos tenham falhado.

O que vem em seguida está destinado a ser uma pausa, um lucro inesperado, um sorriso da sorte. Os artesãos acreditam que sua sorte irá se manter, e eles vão se empurrar ao limite. Junto com o seu otimismo, os artesãos têm uma crença incorrigível de que eles conduzem uma vida encantada, o que os torna facilmente o mais imprudente de todos os tipos, o que pode colocá-los em problemas.

Os artesãos estão mais sujeitos a acidentes e crises do que outros temperamentos, prejudicando-se por falta de atenção a possíveis fontes de retração, derrota ou perda. Os artesãos muitas vezes vivem uma vida de altos e baixos violentos, ganhando uma fortuna um dia e perdendo-a no próximo, confiando na instável deusa Fortuna enquanto ela gira a roda.

Olhar cínico para o passado

Todos nós temos momentos em que as coisas não funcionam bem, quando perdemos, somos golpeados, quando estamos no lugar errado na hora errada. Cada tipo tem sua própria maneira de lidar com esses resultados negativos, de explicá-los ou racionalizá-los. Os guardiões, por exemplo, tendem a ter uma visão estoica, muitas vezes acreditando que as dificuldades, quando chegam, são inevitáveis, predestinadas, que nada poderia ter sido feito para evitá-las, talvez até que elas sejam a vontade de alguma divindade. Os artesãos, por outro lado, consideram os percalços de maneira cínica, o que significa que eles não vêem a vida como tendo um padrão maior para ele. Os artesãos vêem a vida como arriscada, um salto no escuro, uma porcaria – e eles não teriam outra maneira.

Quando a sorte sorri para eles, eles aceitam, e quando sua sorte se torna azeda, eles simplesmente encolhem os ombros, diminuindo a adversidade com uma atitude de “essa é a vida” ou “assim são as dificuldades”. Sem dúvida, foi um soldado endurecido que surgiu com a expressão “c’est la guerre”. Os artesãos também podem ser cínicos sobre motivações humanas. Ele não têm ilusões sobre as pessoas serem nobres ou santas – “venha”, diz o artesão, por mais virtuosos que pensamos ser, todos nós temos pés de barro, somos todos corruptíveis e egoístas. Os artesãos possuem uma visão cínica sobre as intenções das pessoas.

E uma grande fonte de desgosto para artesãos é ser ingênuo e cair em um truque, ser submetido, enganado, ser um idiota ou um otário. Esse cinismo dá aos artesãos uma enorme vantagem tática em relação aos outros tipos mais confiantes e crédulos, que podem se tornar alvos fáceis para artesãos.

De fato, a filosofia do cínico, embora evitada por Guardiões e Idealistas que defendem fortemente a cooperação, é tão correta para os artesãos quanto o estoicismo, o misticismo e o relativismo são para os outros tipos.

O lugar é aqui

Os artesãos não se importam em pegar bilhetes no portão, se sentar nas arquibancadas ou arbitrar o jogo. Eles devem estar no jogo, no centro das coisas onde a ação está. Assim como seu tempo é agora, seu lugar é aqui, e assim eles podem viver no “aqui e agora”. Seu tempo e espaço são inseparáveis, e é essa unidade de tempo e espaço que faz sua precisão de movimento nas artes, especialmente as artes atléticas, compreensível.

Como é possível, por exemplo, para os jogadores de beisebol atingir uma bola rápida de 100 milhas por hora? Ou para os jogadores de basquete atingir um alvo tão pequeno de tão longe? Claro que eles treinam exaustivamente, diariamente, por longas horas. Mas outros tipos poderiam fazer isso e ainda não alcançar a proeza dos artesãos. Enquanto outros tentam seus movimentos, eles estão preocupados demais com o que está acontecendo em outro lugar, ou em algum outro momento. A única preocupação dos artesãos é o que está acontecendo aqui neste momento, e isso os torna os mestres do “timing” e do movimento gracioso.

A hora é agora

Muito mais do que o resto de nós, os artesãos vivem e atuam no presente. Afinal, eles nos dizem: “o amanhã nunca chega” e ontem é “água passada”. Para um Artesão não há tempo como o presente, então é melhor aproveitá-lo, aproveitar melhor o dia, acertar enquanto o ferro está quente, ou aproveitar enquanto está bom.

Assista a um atleta artesão em ação. Ele ou ela atua em grande medida no agora, focalizando-se facilmente nesse momento, não naquele outro, neste golpe, não o último ou o próximo golpe. Outros podem resmungar sobre seus erros, ou se preocupar que o próximo tiro possa falhar, mas não os Artesãos. Eles não choram suas perdas como seus primos concretos Guardiões fazem; eles não dissecam e redesenham seus erros como seus primos abstratos Racionais fazem; nem vivem em antecipação aos erros como seus opostos abstratos Idealistas fazem. O que os artesãos fazem é manter seus olhos na bola e, portanto, são capazes, mais do que os outros, de acertá-la precisamente no momento certo.

Ignorando o passado e o futuro, eles podem concentrar todos os seus poderes em uma oportunidade clara e presente. E, na maioria das vezes, eles ganham. No entanto, há um preço a pagar por viver tão intensamente no momento. Uma vez que os artesãos não refletem muito seus erros ou analisam seus erros em grande medida, é difícil para eles aprender com seus erros, e assim eles podem se tornar apanhados em um ciclo, repetindo seus erros. Aqui, no entanto, seu talento para ir com o que funciona geralmente os salva. Os artesãos repetem instintivamente os atos que os trazem sucesso, e, de fato, aprendem com experiências positivas.

A autoimagem dos artesãos

Todos nós temos um conceito de nós mesmos composto de coisas que nós acreditamos sobre nós. Três aspectos de nossa autoimagem ou autoconceito são de particular importância para determinar o quão bem nos consideramos: autoestima, auto respeito e autoconfiança. Assim, a autoimagem é um triângulo amoroso, as três bases da autoconsideração que se afetam vitalmente. Por exemplo, quando nossa autoestima diminui, esse decremento tende a minar nosso auto respeito e autoconfiança. Da mesma forma, à medida que perdemos a autoestima, torna-se mais difícil para nós manter nossa autoconfiança e auto respeito. E funciona de outro modo – quanto mais nós nos valorizamos, quanto mais nós nos respeitamos, maior nossa autoconfiança. Mas diferentes tipos de personalidade baseiam sua autoimagem em coisas inteiramente diferentes. Uma vez que ter uma boa opinião de si mesmo é uma das chaves da felicidade, e muitas vezes do sucesso, é bom que paremos por um momento para comparar os quatro temperamentos sobre este importante aspecto da personalidade.

Assim, para se sentir bem, os artesãos devem considerar-se artísticos, audaciosos e adaptáveis, enquanto outros atributos como empatia e benevolência, por exemplo, contribuem pouco para sua autoimagem. Eu acredito que essas três atitudes – arte, audácia, adaptabilidade – se reforçam mutuamente. Talvez eles caracterizem de forma independente a autoestima, auto respeito e autoconfiança dos artesãos. Ainda assim, independentes ou dependentes uns dos outros, as três atitudes em relação ao eu merecem um exame cuidadoso, então deixe-nos olhar para eles um de cada vez.

Autoestima no talento artístico

A autoestima dos artesãos é maior quando se vêem e são vistos por outros como artísticas em agilizar e improvisar produções. A maioria dos artesãos gosta de apresentar-se graciosos em ação, com seu senso de orgulho decorrente de sua capacidade de agir com fluidez, lindamente e com liberdade, sem esforço. Por outro lado, a maior fonte de constrangimento dos artesãos é realizar algumas ações de forma fraca ou desagradável ou qualquer lapso, o que a dançarina Martha Graham chama de “uso físico do corpo em ação”. Quando Graham tornou-se muito velha para dançar com a graça fluida que era sua marca registrada, ela ficou frustrada pela perda de sua técnica magistral.

É um erro confundir a ação artística dos Artesãos com a ação eficiente dos Racionais. A eficiência é medida pela proporção de entrada com a de saída. A ação que obtém o maior resultado pelo menor esforço é eficiente, e os Racionais se orgulham de sua eficiência. Em contraste, a ação graciosa aumenta a autoestima dos artesãos, independentemente do esforço que eles colocam na performance. Os artesãos irão gastar o esforço necessário para embelezar uma atividade, desenhando e redimensionando seu desempenho, empurrando sua arte para seus limites, falhando de novo e de novo até que a fluência seja alcançada.

E nisso, eles podem ser um desperdício de esforço, pelo menos aos olhos do NT.

Auto respeito na audácia

Os artesãos se vêem, e desejam ser vistos por outros, como ousados, corajosos, aventurosos – audaciosos. O auto respeito dos artesãos depende da sua capacidade de agir sem medo, de olhar o perigo nos olhos e vencê-lo sob qualquer circunstância. A coragem é uma virtude para se cultivar e, como o leão no Feiticeiro de Oz, os artesãos se sentem culpados se forem covardes, se eles amarelam. Com essa ânsia de viver corajosamente “até aquele momento”, os artesãos são os grandes corredores de riscos do mundo. Eles se deleitam em colocar-se em perigo, assumindo riscos, enfrentando perigos, qualquer que seja o destino a que seu risco possa levar.

Mesmo que isso signifique que eles devem se afastar de um bom trabalho ou de uma vida estabelecida, eles podem muito bem pagar esse preço. Os artesãos dizem que “a vida é muito curta”, que “aquele que hesita está perdido”. Os artesãos não hesitam; pelo contrário, muitas vezes acham que a tomada de riscos é tão irresistível que procura por isso de novo e de novo, chegando cada vez mais perto do limite. É provável que a maioria dos pára-quedistas, motoristas e soldados mercenários sejam artesãos que se tornaram compulsivos em arriscar-se.

Não é que todos os riscos sejam desafiadores da morte. Os negociantes e corporativos mais bem sucedidos de Wall Street são geralmente artesãos, assim como muitos cirurgiões e advogados de defesa, negociadores políticos, bombeiros e comediantes.

De um modo geral, no entanto, o Artesão gravita em trabalhos onde a ação física ousada está envolvida, não só nas artes do espectáculo e no atletismo, mas também no trabalho de construção, empregos onde máquinas pesadas são empregadas, nas operações de construção de barragens e arranha-céus, para auto-estradas e minas, em operações para testar a força humana contra as forças da natureza, como trabalhar nos campos de petróleo e exploração madeireira, carregar frete, dirigir ambulâncias, motocicletas e aeronaves, em trabalhos de detetive, trabalho policial, soldado, bombeiros e resgate. Todas essas são ocupações que requerem ações ousadas e uma quantidade considerável de coragem física. Infelizmente, os estereótipos culturais proporcionam artesãos masculinos muito mais do que artesãs femininas a oportunidade de expressar sua atração pelo risco.

Talvez a influência do movimento feminista eventualmente torne esse estilo de vida mais socialmente aceitável para as mulheres; no entanto, as realidades atuais ainda excluem a mulher artesã das ocupações mais típicas de Artesãos, apesar de a metade dos artesãos serem mulheres. Certo, algumas mulheres entraram no atletismo profissional (golfe, tênis e agora basquete), também construção pesada e militares; mas as ocupações envolvendo precisão, resistência, força, ousadia e tempo, permanecem em grande parte nas mãos dos homens. A maioria das mulheres ainda entra em três ocupações tradicionais, enfermagem, ensino e trabalho clerical, nenhum dos quais é susceptível de dar a artesã muita chance de construir seu auto respeito.

Autoconfiança na Adaptabilidade

Os artesãos podem orgulhar-se de sua arte e respeitar-se por sua ousadia, mas eles baseiam sua autoconfiança em sua capacidade de se adaptarem espontaneamente a circunstâncias em mudança, alterar e moldar seu comportamento no momento, para operar efetivamente nas situações mais instáveis. Paracelso, como observado anteriormente, viu este tipo orientado pela Salamandra, uma criatura mítica capaz de mudar sua aparência para se misturar com seus arredores imediatos. E, de fato, de todos os estilos, os artesãos são mais capazes de responder de forma rápida e flexível a um ambiente em mudança. É por isso que os artesãos funcionam tão bem em uma crise; novas situações exigem novas ações, e os compromissos anteriores geralmente precisam ser abandonados – com arrependimento, talvez, mas ainda abandonados.

Hoje é hoje, e os arranjos de ontem devem ceder ante as demandas mais urgentes. Os artesãos odeiam ficar vinculados por leis rígidas e pré-estabelecidas – pelas regras e regulamentos do SJ, pelas preocupações éticas da NF, ou pelas leis da lógica do NT. Os artesãos acompanharão essas convenções por um tempo mas apenas até que ocorra uma crise, e então eles surgem em ação. É claro que os artesãos nem sempre são bem sucedidos em lidar com crises. Eles têm sucessos e falhas como todos, talvez mais do que a maioria das pessoas. Mas ganhe ou perca, eles são sempre adaptáveis, flexíveis e têm a capacidade de sobreviver a contratempos que podem deixar outros tipos permanentemente imobilizados.

Os Valores dos Artesãos

Pessoas diferentes valorizam coisas diferentes, mas mesmo em nossos valores, o temperamento desempenha um papel decisivo. Mesmo que possamos desejar valorizar algo, se não estiver em nossa natureza, não podemos. Podemos querer, mas não podemos ter vontade de querer. Diferentes tipos diferem em seu clima preferido, no que eles confiam, o que eles anseiam, o que eles procuram, o que eles prezam e o que eles aspiram.

É talvez em nossos valores que os padrões de personalidade sejam mais facilmente discerníveis, mais do que em outros domínios, como a autoimagem ou as formas de inteligência. Os artesãos geralmente gostam de estar animados, confiam em seus impulsos, desejam ter impacto nos outros, muitas vezes procuram estimulação, prezam generosidade e aspiram ao virtuosismo. Essas preferências de valor são radicalmente diferentes das de outro temperamento. Portanto, isso nos servirá bem se estudarmos esses seis tipos de valor no caso dos artesãos, para que não nos surpreenda (e talvez nos aborreça) ao encontrá-los, por exemplo, com menos segurança, menos sagacidade ou com menos fome de conquista do que nós.

Estar empolgado

Os artesãos gostam de estar animado e insistem nisso, especialmente quando as coisas ficam tediosas. Eles são excitáveis como crianças e parecem nunca ficar menos à medida que crescem. Eles gostam de estar “ligados” e podem tolerar muita emoção por longos períodos de tempo. Ao contrário dos outros três temperamentos, as performances públicas dos artesãos ainda melhoram quanto mais animados eles ficam. Não que esta excitação seja sempre exibida abertamente. Os artesãos em sua máquina de moer ou navegando na World Wide Web, trabalhando em suas pinturas ou praticando suas rebatidas, estão tensos, com muita força e mostram a mesma energia inquieta.

Essa excitabilidade é o que permite que os Artesãos sejam inconscientes de dor ou fadiga, dependendo, é claro, do que estão fazendo. Se eles são apanhados em alguma atividade artística, agarrados pela ação em si – como por um ímã – então eles estão muito excitados para sentir dor ou fadiga. O resto de nós está cansado e dolorido em nossos esforços, mas os artesãos não estão fazendo esforço em nosso sentido; Em vez disso, eles estão agindo no calor da excitação e, portanto, não precisam suportar nada.

Os artesãos escalam a montanha pela emoção – porque está lá – não para chegar ao topo ou ao outro lado. A ação é pela adrenalina, não para outra coisa. Alguns dizem que os artesãos, durante suas ações excitadas, são dedicados, mas isso não é dedicação, compromisso nem devoção. É, antes, uma espécie de compulsão de repetição, fazendo com que continuem a ação que os tenha capturado em seu campo de energia.

Além disso, os artesãos (especialmente os sociáveis) fornecem energia ao meio ambiente e às pessoas ao seu redor. Os artesãos tendem a viver a vida ao nível de uma festa gourmet, e eles trazem para o trabalho e para o lazer sensação de que algo delicioso está prestes a acontecer. Onde quer que eles vão, a atmosfera adquire um brilho, parece mais luminosa, mais colorida – carregada de uma excitação que outros muitas vezes admiram e até invejam.

A excitabilidade tem seu preço, no entanto: os Artesãos podem ficar aborrecidos facilmente. O tédio é uma das condições mais dolorosas que os artesãos podem experimentar, e se continuar por muito tempo, é provável que façam quase qualquer coisa para acabar com isso.

Artesãos, é claro, são aptos a todos os humores. Além de estar animados, eles podem ser tranquilos, preocupados ou entusiasmados como outros tipos. Na velhice, particularmente, alguns artesãos parecem se acalmar um pouco, mas isso pode ser porque eles perderam o vapor, ou porque eles ganharam algum controle sobre seus impulsos. Mas mesmo com seus melhores anos atrás deles, os artesãos ainda preferem estar excitados – estar quentes, ser ativos, ser cheio de energia – e os outros humores como calma, preocupação e entusiasmo tendem a ser de curta duração.

Pode parecer estranho distinguir entre entusiasmo e excitação, especialmente quando os dicionários os apresentam como sinônimo. Mas eles são atitudes bem diferentes. Ser entusiasmado é despertar por dentro – uma ideia, uma imagem, um objetivo. Estar animado é ser estimulado por algo fora – um jogo, um concurso, um desafio, uma oportunidade. Assim, o clima predominante dos artesãos é oposto ao dos idealistas, com os artesãos freqüentemente e facilmente se excitando, mas apenas lentamente e raramente se entusiasmando; e com Idealistas freqüentemente e facilmente mostrando entusiasmo, mas apenas devagar e dificilmente ficando excitados.

Confiando nos Impulsos

Os artesãos são impulsivos. Eles gostam de ser assim. Ser impulsivo, espontâneo, é estar realmente vivo. Os artesãos confiam em seus impulsos sem reservas, e gostam de sentí-los bem por dentro; eles gostam de descarregá-los, como desencadear uma explosão. Eles até se sentem desconfortáveis ​​se não tiverem impulsos. Em um momento ou outro, todos os tipos sentem esses instintos súbitos para agir, mas os outros tentam controlá-los, olhando para o que eles pensam como objetivos mais valiosos. Guardiões, Idealistas e Racionais disciplinam seus impulsos em nome do dever, ética ou razão, comportamento que só faria com que o Artesão se sentisse preso e confinado. A vida para um artesão significa ter impulsos e agir espontaneamente sobre esses impulsos. Como um impulso, por definição, é efêmero, o artesão deve viver no momento imediato. A ação não pode ser salva para amanhã.

Para os artesãos, esperar é a morte psicológica, não importa quão perigosa seja a ação. Outros tipos muitas vezes acham difícil entender por que um artesão quer viver tão impulsivamente; mas para um Artesão, uma vida de ação no momento, que ignora os objetivos de longo prazo, é

mais livre e intensa. Isso não quer dizer que os artesãos não tenham metas e laços exatamente como o resto de nós. Obviamente, seus objetivos são apenas menores e mais provisoriamente mantidos. E se os laços se tornarem muito numerosos ou muito vinculativos, então o artesão provavelmente ficará inquieto e terá o desejo de decolar para outro lugar.

Os artesãos, de todos os tipos, são mais propensos a responder o chamado para vagar, e eles podem dividir os laços sociais ou familiares com mais facilidade do que outros, mesmo que estejam conscientes do sofrimento que esse comportamento causa aos que estão próximos deles. Ele pode abruptamente abandonar uma atividade ou um relacionamento, afastando-se sem olhar para trás. Na metade da vida em particular, a necessidade dos artesãos de se libertar de restrições pode ser tão intensa que pode tornar-se excepcionalmente impaciente. Uma carreira sufocante é de repente descartada; As responsabilidades familiares são descartadas, infelizmente, mesmo dolorosamente, mas ainda com pouco arrependimento.

Embora o próprio artesão tenha criado esses laços, agora eles parecem um fardo sufocante. Gauguin, no início dos anos quarenta, afastou-se de sua esposa e filhos e partiu para Tahiti, onde produziu muitas pinturas, algumas obras-primas, embora ele deixasse a confiança quebrada para trás. Os artesãos devem fazer o que o seu impulso ditar e continuar a ação enquanto o impulso forçar. Quando o impulso se solta, quando eles não mais se sentem correndo, pintando, jogando, ou o que quer que seja, podem parar.

Sob o estresse, os artesãos às vezes afirmam que eles têm que se comportar de uma maneira particular, que eles não podem se conter. Assim, eles podem admitir ser “jogadores compulsivos”, por exemplo, ou “bebedores compulsivos”, e provavelmente serão rotulados como tal por terapeutas que os encontram. Mas, enquanto as compulsões são experimentadas pelos outros tipos como pesadas e onerosas (os racionais podem ser compulsivos também), as compulsões dos artesãos são quase todas excitantes e não pesadas demais.

Anseio por Impacto

O impacto social é vital para os artesãos, mesmo para aqueles que parecem encolher os ombros e afastar-se da sociedade. Os artesãos precisam ser potentes, serem sentidos como uma presença forte, e querem afetar o curso dos acontecimentos, mesmo que desafiando, chocando ou zombando das regras estabelecidas. Para um artesão, ser sem impacto, não fazer diferença nos assuntos humanos, é como se fosse privado de oxigênio. Mais do que outros tipos, está sujeito ao que Karl Bühler, um dos grandes psicólogos da Gestalt, chamou “function lust”, isto é, um desejo de ação impressionante, um desejo de desempenhar uma função notável em seu contexto social e então deixar a sua marca.

Os artesãos têm fome por um pouco da ação, fazer um espetáculo, fazer algo acontecer, atingir o grande momento, seja no mundo da arte ou de negócios corporativos, no campo de batalha ou campo de bola, no palco ou na arena política. É por isso que tantos políticos profissionais são artesãos: o mundo da política permite não só manobrar, excitar e arriscar – mas um poderoso impacto social. Na sua Presidência, e em sua vida, Teddy Roosevelt viveu com um lema que fala para todos os seus colegas artesãos: “Aja,, faça coisas … crie, tome um lugar onde quer que esteja, aja!”.

Buscando Estimulação

Os artesãos passam muito tempo buscando estimulação porque eles precisam disso. Tanto quanto possível, eles vivem em seus cinco sentidos, e eles parecem gostar de sua música um pouco mais alto do que os outros tipos, suas roupas um pouco mais coloridas e sua comida e bebida um pouco mais fortes. Marvin Zuckerman, um psicólogo americano, falou desse tipo como “Personalidade que busca por sensações”.

Os artesãos acreditam que a variedade é o sabor da vida, e eles querem que suas vidas sejam preenchidas com novas sensações e experiências. Na vida familiar, os artesãos estão ansiosos para tentar diferentes locais de férias, comprar carros novos, roupas novas, trocar casas, experimentar novos alimentos, novos lugares para comer ou até variar a hora do jantar, querendo comer sempre que o impulso venha. Isso tende a ser perturbador para os tipos mais conservadores, especialmente os Guardiões, e pode levar a dificuldades quando um artesão se casa. O mesmo no trabalho: se seu trabalho tem pouca variedade ou imprevisibilidade, em outras palavras, pouco estímulo, o artesão se torna desinteressado.

Mas à medida que a gama de possibilidades e emergências aumenta, o mesmo acontece com a vontade do SP de assumir a tarefa. Na verdade, quando um trabalho torna-se muito tedioso e rotineiro, os artesãos são conhecidos por criar uma sensação – apenas para animar um pouco. Não que os artesãos se recusem a fazer o que deveriam fazer, ou da maneira prescrita, ou mesmo a fazê-lo uma e outra vez. Eles podem ou não, dependendo de como eles se sentem no momento. Mas eles transformarão o trabalho em brincadeira se puderem, e se eles devem repetir uma ação, eles irão fazer variações no tema, ou eles irão reduzi-lo para uma forma automática de operar, seu modo operandi, ou MO, um padrão de hábito a que os artesãos costumam recorrer.

Prezo pela Generosidade

Apesar de parecerem crianças em outras maneiras, talvez os artesãos sejam ainda mais como crianças no prazer duradouro que obtém em ser generosos. Eles nunca perdem realmente o senso de diversão que acompanha a generosidade fortuita – não por obrigação, mas feito espontaneamente, sem outro motivo senão se divertir. Para os artesãos doar por obrigação não tem graça, mas a entrega impulsiva é muito gratificante. Por exemplo, os homens artesãos são os mais prováveis ​​de todos os tipos de trazer flores, doces e outras coisas para suas namoradas ou esposas, enquanto as mulheres artesãs são mais propensas a fazer uma festa para o cônjuge ou filho ou pai apenas pela diversão de vê-los tão encantados quando isso é feito para eles. É claro que outros tipos, especialmente os Guardiões, têm o prazer de dar presentes, mas não na mesma extensão ou freqüência de prazer experimentada pelos artesãos.

O Papai Noel, o espírito delicado dos Guardiões, é conhecido por dar apenas aos que merecem, mas Dionísio, o guia espiritual dos Artesãos, tem prazer em dar sua recompensa a todos os que vierem à festa, independentemente de seu merecimento, e esta generosidade impulsiva pode ser cara às vezes.

Desejo de ser um Virtuoso

A aspiração é mais um sonho do que uma ambição, algo que alguém seria se pudesse, algo visto como quase fora do alcance, de modo que aqueles que chegam a esse nível de especialização se perguntem como chegaram lá. No caso dos artesãos, eles desejam habilidade em técnicas, eles tendem a aspirar secretamente a se tornarem uma espécie de virtuoso do desempenho, a aspiração tornando-se menos secreta à medida que o domínio técnico aumenta. Desejando tornar-se um virtuoso, pode alcançar uma proficiência surpreendente em alguma forma artística. Agora, uma coisa é sonhar ser um virtuoso, e outra muito diferente é se tornar um. Afinal, um virtuoso é o técnico máximo, capaz em momentos de perfeita execução artística, mostrando habilidade tão grande que é inimaginável. Veja patinação artística, como os patinadores olímpicos executam essas curvas incríveis e saltos tão perfeitamente é além da imaginação, embora seja claro que tal habilidade requer prática diária durante anos. A maioria de nós mesmo praticando tanto, ainda não desenvolveríamos tal extrema proeza. Não, é algo no temperamento dos artesãos que coloca o virtuosismo mal ao seu alcance, mas não ao alcance dos outros. Afinal, os de outros tipos aspiram a outras coisas – magia, sabedoria, status executivo – e, portanto, não podem aspirar ao mesmo tempo ao virtuosismo. Os artistas virtuais nas artes plásticas, ou no palco e na tela, são artesãos, mas não devemos esquecer que o virtuosismo no desempenho pode ser alcançado, ou pelo menos procurado, por qualquer um dos artesãos: não só o patinador, mas o surfista, o chef, o escultor, o cirurgião, o piloto, o montanhista, o jogador, o político, o piloto de combate, até mesmo o escultor e o pistoleiro do Velho Oeste.

Os Artesãos nos papéis sociais

Existem dois tipos de papéis sociais, aqueles que são atribuídos a nós em virtude da nossa posição em nosso meio social, e aqueles que nós alcançamos e tomamos por nós mesmos. É impossível não desempenhar um papel em todas as nossas relações sociais. Nós somos filhos para nossos pais, irmãos para nossos irmãos e irmãs e parentes para nossos familiares extensivos. Por outro lado, escolhemos ser companheiro para nossa esposa, pai para nossa prole, superior ao nosso subordinado, subordinado ao nosso superior, amigo ao amigo, e assim por diante. Atribuído ou adotado, não temos escolha senão promulgar nossos papéis, uma vez que a interação com os outros nunca pode ser livre de papéis.

Três dos nossos papéis sociais são de especial importância no contexto do estudo da personalidade: relações conjugais, parentalidade e liderança. Nestes três papéis, os temperamentos diferem de maneiras importantes, isto é, nos efeitos que seus modos de ser cônjuge, de parentalidade e de liderança têm sobre seus companheiros, prole e seguidores. A seguir faremos algumas observações sobre cada um dos papéis sociais do artesão para termos uma ideia de como eles são desempenhados.

O “Playmate”

O papel de cônjuge do Artesão é algo a ser visto. O mais hedônico de todos, os artesãos procuram iluminar seus cônjuges e, ao assumir o papel de Playmate, se dedicam a dar prazer e entusiasmo aos seus companheiros. A grande maioria dos Artesãos acaba, se eles não começam, com companheiros Guardiões. Uma das razões é que, em conjunto, os artesãos e os guardiões compõem cerca de 85% da população, de modo que há poucas hipóteses de que ambos encontrem, e muito menos casem, seja com Racionais ou com Idealistas.

Outra razão é que o casamento entre artesãos tende a ser bastante instável e muitas vezes é encerrado após alguns meses ou anos, então a segunda vez do Artesão divorciado é um Guardião. E uma terceira razão é que os Artesãos e os Guardiões se complementam muito bem, por razões a serem discutidas no Capítulo 7. Para dizer o mínimo, o casamento com um Artesão pode ser excitante e divertido e nunca chato, seja qual for o temperamento de seu companheiro.

O Pai Libertador

Querendo liberdade para si, é bastante natural que os artesãos desejem liberdade para seus filhos. Não que eles deixem seus filhos se safarem de abusos de seus privilégios, mas os artesãos são capazes de encorajar seus filhos a testar os limites do meio ambiente, para que eles possam fazer as coisas por conta própria o mais cedo possível – afastados do ninho logo que eles estão prontos para voar.

Em consonância com a libertação de seus filhos, é provável que os pais artesãos ensinem os filhos a fazer muitas operações concretas, como usar ferramentas manuais, construir coisas, usar veículos, jogar jogos e participar de esportes ou teatro. Em suma, os pais artesãos provavelmente estarão menos preocupados do que outros tipos com socializar, individualizar ou conectar-se com seus filhos, e mais preocupados em encorajá-los a se tornarem espíritos livres com audácia suficiente para decolar e provar os prazeres à espera no mundo.

O Líder Negociador

Negociar é uma espécie de barganha ou negociação de tal forma que o negociador é capaz de resolver uma situação difícil. Os negociadores efetivos fazem isso usando o que quer que esteja disponível no momento e para sua vantagem. Deve ser o oportunismo dos artesãos – sempre à procura de uma vantagem – que os configura como bons negociadores. É isso: uma vantagem. Os artesãos podem detectar coisas que lhes dão uma vantagem onde outros não podem, pelo menos não com a mesma facilidade e precisão. A propósito, é por isso que os artesãos fazem grandes solucionadores de problemas em corporações e instituições. Ao assumir um papel de liderança, o Artesão não tem colegas ao negociar situações tensas.

Quer saber mais sobre os Temperamentos? Sim! Claro que quero…

Anúncios

Deixe uma resposta

Powered by WordPress.com. Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: