Anúncios

Idealistas (NF): Características

Este post visa explicar os 4 temperamentos descritos por David Keirsey, PhD., no livro Please Understand Me II. Para isso traduzirei partes na íntegra, adaptarei e complementarei com algumas outras informações.

Agora temos um Grupo no Facebook

Introdução

O temperamento é um conjunto de traços de personalidade observáveis, tais como hábitos de comunicação, padrões de ação, conjuntos de atitudes, valores e talentos característicos. Abrange, também, as necessidades pessoais, os tipos de contribuições que os indivíduos fazem no local de trabalho, assim como o papel que desempenham na sociedade. David Keirsey, PhD identificou quatro temperamentos básicos, são eles: Artesãos (SP)Guardiões (SJ)Racionais (NT)Idealistas (NF).

Os Interesses dos Idealistas

Todos nós temos interesses, mas certamente não os mesmos, principalmente porque nossos interesses são recíprocos com nossas habilidades. Assim, estamos interessados ​​em fazer o que fazemos bem e tendemos a fazer bem o que nos interessa fazer. Os interesses dos idealistas são diametralmente opostos aos dos artesãos e bem diferentes dos dos racionais e guardiões. Essas diferenças são melhor vistas quando expostas: na escola, os idealistas geralmente são atraídos para cursos de humanidades e não para comércio ou ciência. Alguns vão mergulhar nas artes e artesanatos, vendo isso como uma coisa romântica a fazer, mas eles raramente se apegam a esse tipo de coisa o suficiente para se tornar mais do que amadores entusiastas.

Preocupados desde o início com a construção de moral, eles têm pouco interesse em adquirir novas técnicas ou no desenvolvimento de uma moralidade vigilante, longe de se preocuparem em aprender sobre novas tecnologias, muitas vezes são avessos a isso.

No trabalho, devido às suas habilidades diplomáticas, eles fazem melhores trabalhos com pessoas em vez de trabalhar com ferramentas, materiais ou sistemas. Consideremos então os interesses dos Idealistas nas humanidades, moral e pessoal.

Interesse Educacional em Humanidades

A maioria dos idealistas mostra pouco interesse em comprar e vender, nem seguem carreiras nas ciências físicas. Alguns vão tentar as artes nobres (geralmente sem muita paciência), mas encontram seu verdadeiro nicho no estudo e ensino das humanidades, ou, em geral, em profissões que envolvem a transmissão de ideias através de palavras.

Os idealistas preferem trabalhar com palavras e precisam e querem estar direta ou indiretamente em comunicação com pessoas. Aqueles que trabalham com isso vêm falar e escrever com fluência, muitas vezes com talento poético, e muitas vezes fazem excelentes alunos e professores de literatura. A narrativa de ficção em qualquer uma das suas formas – histórias, poemas, lendas, mitos – é o deleite e a força deles, e não só os temas e os personagens são significativos para os Idealistas, mas detalhes estilísticos e motivos simbólicos são importantes para eles.

Os idealistas são tão facilmente movidos pela literatura e interpretam-na com uma facilidade tão intuitiva, que podem inspirar seus professores e seus próprios alunos, com sua visão e entusiasmo. Mas Humanidades não se limita ao estudo da literatura. Os idealistas povoam fortemente as ciências sociais, particularmente os campos da cura mental e do aconselhamento pessoal ou religioso – profissões voltadas para a metamorfose humana ou o desdobramento da mente e do coração para uma maior compreensão e paz espiritual.

Os idealistas encontram grande satisfação nos serviços de saúde mental, onde tendem a utilizar as abordagens mais humanísticas, aquelas que defendem modelos de desenvolvimento e psicoterapia em vez de modelos mais confrontadores ou controladores. O movimento do potencial humano, com todos os seus grupos – tão popular nos anos 1960 – foi criado principalmente por Idealistas como Carl Rogers e Abraham Maslow, e em seu tempo serviu para se concentrar no interesse da busca idealista de crescimento pessoal e auto-realização.

Ministros idealistas, sacerdotes e rabinos também tendem a assumir o papel de conselheiro individual ou grupal, o guia espiritual que ajuda os membros de uma congregação a aprender a se tornarem seres humanos mais amorosos e mais reverentes. O movimento após a Segunda Guerra Mundial chamado “existencialismo religioso”, enfatizando uma nova teologia humanista ou centrada no ser, foi certamente trabalho de idealistas, desenvolvido a partir de Sären Kierkegaard através de Martin Buber, Karl Barth, Reinhold Niebuhr e Paul Tillich.

Preocupado com a Moral

A moral tem a ver com o estado de espírito e os Idealistas, desde o momento em que são crianças, parecem preocupados com a forma como aqueles que os cercam, seus entes queridos, seus colegas de classe ou seu círculo de amigos estão se sentindo sobre si mesmos. Assim, os idealistas estão preocupados com os sentimentos de outros, ou com sua autoimagem – sua autoestima, auto respeito e autoconfiança. E eles querem fazer tudo o que podem para manter as pessoas se sentindo bem consigo mesmos, levantar seus espíritos, iluminar seu humor, estimular sua moral.

Muitos Guardiões têm um interesse semelhante em ajudar os outros, mas eles estão mais preocupados com a moralidade, o senso do bem e o mal das pessoas, do que com uma autoimagem positiva. Tanto os idealistas como os SJs são guardiões do Bem (“morale” é o feminino francês de “moral”), mas um se preocupa com a felicidade e a outra com justiça.

Talvez seja por sua preocupação com a moral que os idealistas são atraídos pelos estudos das humanidades e buscam ocupações em tutoria e advocacia.

Interesse vocacional de equipe

No local de trabalho os idealistas têm um talento muito especial: são atraídos e podem fazer maravilhas no recrutamento, treinamento, implantação, avanço pessoal e aconselhamento. Com sua visão sobre as pessoas, seu interesse pelo potencial humano e seu entusiasmo brilhante, os idealistas brilham quando assumem o emprego de encontrar funcionários de qualidade, de orientá-los para as posições certas e de ajudá-los a se desenvolver ao longo de suas carreiras. Não só nos negócios, mas também na escola, o desenvolvimento individual é o domínio dos Idealistas, o que significa que são naturalmente bons em influenciar o crescimento e a maturação dos outros.

Ensinar, aconselhar, entrevistar e fazer tutoria são fáceis para os idealistas, e são atividades altamente intuitivas para eles. Mesmo sem muito treinamento formal, os idealistas parecem capazes, na frase de Faber e Mazlish, de “falar para que outros possam ouvir e ouvir para que outros falar”, e isso com jovens e velhos e com homens e mulheres.

Na verdade, o Idealista vê a educação não tanto como um processo de treinamento e certificação, mas mais como um convite para um relacionamento pessoal. É uma tentativa de levar as pessoas a uma espécie de conversa, a um conjunto de ideias, a formas de pensar, falar, escrever e ler novas novidades. Se você vê a educação como uma tentativa de deixar as pessoas entrarem, então você automaticamente a vê como um relacionamento. E se o relacionamento funciona direito, é um tipo de romance. A formação de relacionamentos pessoais, especialmente os relacionamentos que ajudam os outros a se realizarem, é de primordial importância para os idealistas, e eles instintivamente passam a sensação de cuidado e vontade de se envolver. Ensinar é pessoal dessa forma, em algum sentido romântico, para os Idealistas, e também o aconselhamento, onde podem ser excepcionais em adivinhar a natureza da angústia dos outros, tranquilizando aqueles de baixa autoestima e ajudando a descobrir seus potenciais latentes.

E quando defendendo causas e setores de cura, os idealistas naturalmente simpatizam com os outros, tornando-se pessoalmente envolvidos e encontrando-se vendo através dos olhos de outros. Mas um envolvimento próximo com os outros pode ser preocupante. Sem dúvida, devido à sua identificação compassiva com os outros, os idealistas são muitas vezes voltados para o apoio moral, e eles parecem ter pouco amortecedor natural contra se tornarem envolvidos nos problemas dos outros. Os idealistas se envolvem tão instintivamente que podem facilmente tornar-se abatidos com muitos relacionamentos problemáticos. Os conselheiros idealistas, em particular, têm que aprender a se desconectar de seus clientes até certo ponto, ou arriscar-se a se sobrecarregar emocionalmente.

A Orientação dos Idealistas

Nós nascemos em um campo social e vivemos nossas vidas nesse campo, nunca, por muito tempo, afastando-nos para uma terra de ninguém, desconectados da realidade social. É claro que podemos estar desorientados por curtos períodos de tempo, devido a uma surpresa, um perigo ou um choque. Mas logo nos reorientamos e retornamos ao nosso quadro de referência social normal. Na verdade, somos o mais social de todos os animais, com a escolha de grupos sociais criando nossa rede para toda a vida, e com a nossa sociabilidade que termina em sociedades maciças e complexas.

Tudo o que pensamos ou sentimos, dizemos ou fazemos, ocorre e deve ocorrer no cadinho de ferro das relações sociais. Cada atitude é moldada e governada por uma perspectiva ou ponto de vista prevalecentes determinados por nossa matriz social. Estamos orientados sempre de um certo ângulo, inclinação ou ponto de vista, algo que Adickes descreveu como um ponto de vista embutido – o que chamou de “Weltanschauung” ou “visão de mundo”.

Mas diferentes personalidades têm diferentes perspectivas, tempo e lugar de observação, bem como passado, presente e futuro, de forma diferente.

Considere o seguinte quadro para fazer essas comparações: É afirmado que os idealistas são altruístas sobre o presente, crédulos sobre o futuro, místicos sobre o passado, seu lugar natural está nos caminhos para a compreensão e seu tempo natural é amanhã. Quão diferentes os outros temperamentos são na forma como eles vêem essas coisas. Então, vejamos atentamente essas cinco dimensões de orientação para que não nos surpreendamos quando os nossos amigos idealistas, em sua devoção ao altruísmo, por exemplo, se mostram menos práticos, menos estoicos ou menos céticos do que nós.

Olhar altruísta ao redor

Todos nós temos um ponto de vista, uma maneira de interpretar o que vemos ao nosso redor – nossa perspectiva sobre o aqui e agora. Nosso temperamento determina o tipo de perspectiva que desenvolvemos e defendemos. A perspectiva do Artesão é prática, do Guardião obediente, do Racional pragmática, tão diferente da perspectiva altruísta do Idealista.

O altruísmo é a crença de que é ruim ser egoísta e bom servir o outro ou, de outro modo, que a nossa maior felicidade vem da doação desinteressada para os outros, mesmo quando isso envolve o auto-sacrifício. Esta é, de longe, a mais metafísica das quatro visões do mundo, e os racionalistas sempre céticos às vezes duvidam dos motivos dos idealistas, argumentando que, se a recompensa pelo altruísmo é autosatisfação, então, paradoxalmente, os idealistas estão sendo egoístas ao dar aos outros, e o altruísmo é apenas a ilusão de que alguém está agindo desinteressadamente.

Os idealistas, no entanto, estão bastante confortáveis ​​com os paradoxos e muito honestos ao alcançar este objetivo de sacrificar-se para os outros, como Mark Twain, um Racional notoriamente cético, apreciou sobre Joana d’Arc, conhecida como “A donzela de Orleans” cuja vida o fascinou: O que poderia ter colocado essas ideias estranhas na cabeça dela? O luto e inquietação sobre as aflições da França haviam enfraquecido aquela mente forte e a preenchido com fantásticos fantasmas – sim, deve ser isso. Mas eu a observei e testei, e não era isso. Seu olhar era claro e são, seus caminhos eram naturais, seu discurso direto ao ponto. Não, não havia nada de errado na mente dela; ainda era a mais razoável da aldeia e a melhor. Continuou pensando para os outros, planejando para os outros, se sacrificando pelos outros, como sempre fez. Ela continuou ministrando a seus doentes e aos pobres, e ainda estava pronta para dar ao caminhante sua cama e se contentar com o chão.

Havia um segredo em algum lugar, mas a loucura não era a chave para isso. Poucos idealistas são tão santos em seu altruísmo como Joana d’Arc, é claro, mas até mesmo os Idealistas comuns costumam dedicar suas vidas a ajudar os outros. Os idealistas vêem potencial em todos, e eles terão prazer em doar-se para cultivar esse potencial, para ajudar os outros a crescerem e se desenvolverem. É por isso que o ensino e o ministério atraem os idealistas, mas também o motivo pelo qual o trabalho missionário pode chamá-los, assim como o voluntariado comunitário e o Corpo da Paz. Mas o altruísmo também serve para outro ideal, mais cobiçado para os idealistas: autorealização. Colocar os outros em primeiro lugar é o melhor caminho para os idealistas se livrarem do egoísmo ou do egocentrismo, que eles vêem como o grande obstáculo para a autorealização.

Assim, os idealistas acreditam que, à medida que abandonam o egoísmo, eles têm uma imagem mais clara de quem eles são – um vislumbre de sua verdadeira natureza, sem restrições por medos e desejos mundanos. E quanto mais clara a imagem se torna, mais perto eles chegam da essência espiritual que eles acreditam estar dentro deles.

Crédulo olhar para o futuro

Os idealistas são crédulos. Eles acreditam nas coisas facilmente e sem reserva – exatamente o oposto de seus primos céticos, os Racionais. Os idealistas são realmente bastante inocentes em seu credulismo. Eles vêem o bem em todos os lugares, e em todos, como se acreditassem que a bondade é real e permanente no mundo e, portanto, eles são rápidos em unir causas e fazer missões, especialmente se eles acreditam pessoalmente nos líderes do movimento. Depois de se comprometerem com algum indivíduo ou grupo, os idealistas são os mais leais de todos os tipos, e muitas vezes usam seu entusiasmo para ganhar seguidores e promover a causa.

Os idealistas podem mesmo exibir uma devoção inusitadamente apaixonada a uma causa, ou a um culto, embora mais às pessoas envolvidas do que aos princípios adotados. E, em casos extremos, eles podem perder sua perspectiva e chegarem a ter o que Pierre Janet chamou de “ideia fixa” sobre suas crenças, agarrando-se a elas de maneira rígida, imutável e imóvel por qualquer recurso de razão ou experiência. No entanto, enquanto os idealistas podem ficar presos em um movimento, eles não ficam envolvidos por muito tempo se não conseguirem encontrar um significado profundo e duradouro, com alguma esperança de melhorar as condições das pessoas no mundo. Por exemplo, quando o movimento Flower Power da década de 1960 estava centrado no distrito de Haight-Ashbury em São Francisco, era principalmente povoado por SPs, mas foi acompanhado por muitos Idealistas que assistiram os SPs vivendo no momento, espontaneamente, e que queriam experimentar a própria liberdade. Mas eles não podiam estar inconscientes de si mesmos nem desistir de sua preocupação com o futuro, então o movimento os manteve apenas por um breve período e eles o deixaram, desencantados. Tão rápido quanto os idealistas se mudaram para as comunas, eles se mudaram para procurar em outros lugares para auto atualização e maneiras de expressar suas identidades únicas. Assim, enquanto os idealistas estão aptos a apaixonar-se por suas crenças, eles também podem parecer borboletas intelectuais e emocionais, flutuando de ideia para ideia, de pessoa para pessoa, ou de causa a causa, diletantes em sua busca de significado e autenticidade.

Olhar místico para o passado

Ao contrário dos Racionais, que tendem a racionalizar seus infortúnios e contratempos, vendo-os como eventos neutros em relação ao ponto de vista individual, os Idealistas são mais metafísicos nas suas explicações e, geralmente, tomam uma das duas atitudes enigmáticas ao tentar ajustar as contas com as dificuldades da vida. Alguns Idealistas acreditam que os acidentes são místicos e inexplicáveis ​​- que coisas ruins simplesmente acontecem e não podem ser explicadas por qualquer meio racional. Esses Idealistas se contentam em viver com um misterioso senso de causalidade, aceitando corajosamente que os “porquê” e os “pelo quê” não podem ser conhecidos ou comunicados, mesmo que tal atitude possa torná-los aparentemente ingênuos e, na pior das hipóteses, a um comportamento de negação, como se escondessem a cabeça na areia.

Outros Idealistas atribuem a causa de eventos infelizes a algum poder acima de si mesmos, não tanto à influência da má sorte ou vontade divina (como fazem, respectivamente, artesãos e guardiões), mas a causas mais esotéricas e místicas. O dogma das religiões tradicionais sobre a origem do mal: o pecado original no cristianismo, o anjo da morte no judaísmo ou o karma no hinduísmo e no budismo – satisfazem muitos idealistas. Mas eles também procurarão causas em religiões ocultas e escritos cabalísticos, e em vários sistemas arcaicos, metafísicos, teosofia, astrologia, Swedenborgianism, antroposofia, transcendentalismo, espiritualismo e outros.

Em Memórias, Sonhos, Reflexões, Carl Jung lembra que, mesmo quando adolescente, ficou fascinado com essa questão de causalidade: “Quais foram os motivos do sofrimento, da imperfeição e do mal?” ele perguntou – e insatisfeito tanto pelo ensino cristão quanto pelo racionalismo ocidental, ele buscava respostas no mundo oculto do mito, da religião oriental e da parapsicologia: se tal fenômeno [parapsicológico] ocorre, a imagem racionalista do universo é inválida, porque incompleto. Então, a possibilidade de uma realidade de outro valor por trás do mundo fenomenal se torna um problema inevitável, e devemos encarar o fato de que nosso mundo, com seu tempo, espaço e causalidade, relaciona-se com outra ordem de coisas atrás ou sob ela, em que nem “aqui e ali” nem “mais cedo e mais tarde” são importantes.

A questão é o percurso

Se os Artesãos gostam de estar no meio da ação, Guardiões nos portões de saída e entrada, e Racionais na encruzilhada do mapeamento das coordenadas, então os Idealistas estão mais à vontade nos caminhos que os levam à busca do significado da existência, que leve-os na jornada para um estágio superior de desenvolvimento pessoal.

A noção da odisseia espiritual, a cruzada, a peregrinação ou a busca, é profundamente satisfatória para os idealistas e talvez seja sua metáfora preferida pela experiência da vida. Em “O homem de La Mancha”, Dom Quixote canta sua gloriosa busca para “seguir essa estrela” de honra e virtude ideais, “não importa o quão perdido, não importa o quão distante”.

A hora é amanhã

O Idealista é orientado para o futuro e focado no que poderia ser, e não no que é. Para o Idealista, tudo o que é nunca é bastante o suficiente – na verdade, é insuportável pensar que o aqui e o agora, o lugar e a hora do SP, é tudo o que existe na vida.

O interesse dos idealistas no futuro também tem um aspecto místico. As fantasias dos Idealistas, bem como as suas histórias favoritas, são muitas vezes excursões para o mundo do poder dos oráculos, sensibilidade profética, presságios, adivinhação, cartas de tarô e outros, que ajudam os Idealistas a criar na sua imaginação um mágico mundo, um mundo de sinais e perspectivas, e um mundo cheio de possibilidades.

Os idealistas acreditam que a vida é rica em potenciais que aguardam ser realizados, preenchidos com significados que procuram ser entendidos. O Idealista é atraído por explorar esses potenciais e descobrir esses significados, para adivinhar a verdadeira natureza e significado das coisas.

A autoimagem dos idealistas

Todos nós temos um conceito de nós mesmos feito de coisas que nós acreditamos, ou queremos acreditar, sobre nós mesmos. Como no caso dos outros tipos de personalidade, três aspectos do nosso autoconceito são de especial importância para determinar o quão bem nos consideramos – autoestima, auto respeito e autoconfiança. Acredito que essas três bases de autoconsciência se reforçam mutuamente. Por exemplo, quando a nossa autoestima aumenta, isso tende a reforçar nosso auto respeito e nossa autoconfiança. Do mesmo modo, à medida que ganhamos auto respeito, torna-se mais fácil ganhar a autoconfiança e a autoestima. E esta reciprocidade pode funcionar de outra maneira: uma perda de autoconfiança pode prejudicar o respeito e o orgulho em nós mesmos.

Diferentes tipos de personalidade, naturalmente, baseiam sua autoimagem em coisas bastante diferentes. Ter uma boa opinião de nós mesmos faz a nossa felicidade, e muitas vezes o nosso sucesso, por isso é bom que paremos um momento para comparar os quatro tipos neste aspecto tão importante da personalidade.

A maioria dos idealistas se vêem e desejam ser vistas pelos outros como empáticas, benevolentes e autênticas, com outros atributos, como a graça artística e a audácia, importantes para artesãos, contribuindo quase nada com o sentido positivo dos idealistas de si mesmos: penso que existe uma relação triangular entre empatia, benevolência e autenticidade, cada uma delas reforçando ou prejudicando, conforme o caso, as demais. Mas, mesmo que os três atributos não sejam interdependentes, eles ainda merecem um exame minucioso, considerando que são as bases da autoimagem do idealista. Vamos então dar uma olhada em empatia, benevolência e autenticidade.

Autoestima na empatia

A autoestima idealista é maior quando se vêem e são vistas por outros como empáticas em unir as pessoas em seu círculo. Os idealistas sentem uma espécie de simpatia natural pela humanidade, mas baseiam sua autoestima na empatia que sentem com as pessoas mais próximas delas. Para os Idealistas, até mesmo Idealistas introvertidos, a vida não é nada sem laços pessoais sensíveis, sem experiências compartilhadas e conexões íntimas, sem um relacionamento tão próximo que a própria consciência parece ser compartilhada.

Os idealistas, afinal, não podem não ser pessoais, e a saúde de seus relacionamentos está acima de tudo dependente da medida da autoestima – melhorada quando seus relacionamentos estão profundamente conectados e vitais, e diminuídos quando estão distanciados ou perturbados.

Os idealistas podem ficar absorvidos em se aproximar de uma única pessoa, ou podem se envolver profundamente com um grupo (sua família, amigos, a turma que estão ensinando, congregação da igreja, etc.)

Mas eles simplesmente não estão interessados, não por muito tempo pelo menos, em outras coisas além de relações humanas empáticas. Uma religião da década de 1960, chamada de “movimento de grupo de encontro”, foi principalmente motivada e povoada por Idealistas buscando maior empatia em seus relacionamentos, tentando capturar uma intimidade indescritível. Muitos deles se juntaram a grupos T, grupos de sensibilidade, grupos Gestalt, maratonas, grupos de Meditação Transcendental, grupos Primal Scream e, claro, EST – tudo em um esforço para encontrar uma maneira de viver de forma mais livre e amorosa.

Eles exploraram as dimensões verbais e não verbais da comunicação, na esperança de se conscientizar melhor das emoções e aprender a se relacionar de forma mais próxima e sensível com os outros. Em muitos desses grupos, eles encontraram, por um tempo pelo menos, o sentido de comunhão que buscavam, descrevendo a experiência como uma espécie de vínculo espiritual – ou o que Terry O’Bannion e April O’Connel chamavam de “Jornada compartilhada”: No momento exato em que encontro alguém, sinto como se fosse um lugar que nunca antes estive. É difícil descrever. Como você e essa outra pessoa estão no espaço uns com os outros e olhando para a Terra. Infelizmente, no entanto, muitos idealistas relatam que, depois de um primeiro encontro inicial, a empatia gloriosa geralmente desaparece na rotina da vida diária.

Autorespeito na Benevolência

Os idealistas baseiam seu autorespeito em sua capacidade de manter uma atitude de benevolência ou boa vontade em relação a outras pessoas – em direção a toda a existência, para dizer melhor. Os idealistas estão sem dúvidas preenchidos com boas intenções e sentimentos gentis; eles têm uma aversão feroz à animosidade de qualquer tipo, e eles suprimirão seus próprios sentimentos de inimizade e hostilidade da melhor maneira possível. Talvez isso seja porque os idealistas têm uma consciência poderosa e sempre presente que os machuca profundamente sempre que abrigam sentimentos de malícia, crueldade, vingança ou outras intenções.

Na verdade, qualquer evidência de crueldade no mundo acerta os idealistas no coração e eles clamam contra isso. Para os Idealistas, as boas ações dos Guardiões e o senso de autonomia das Racionais também são admiráveis ​​e dignos de cultivo, enquanto a audácia dos Artesãos parece superficial. Mas sem dúvida, a benevolência é a maior virtude, e a maldade é o maior mal.

Autoconfiança na autenticidade

A autoconfiança Idealista baseia-se na sua autenticidade, em ser genuínos como pessoa. De outro modo, a autoimagem que apresentam ao mundo não permite fachada, sem máscara, sem pretensões. Ser autêntico é ter integridade, unidade interior, ser verdadeiro e, impulsionado por um desejo semelhante a Gandhi para a Verdade Absoluta, os Idealistas insistem em um padrão cada vez maior de autenticidade para si.

Por outro lado, se os Idealistas subestimarem sua autenticidade sendo falsos, não sinceros ou agindo como impostores eles podem ser dominados pelo medo e pela auto-dúvida. Em seu brilhante livro The Divided Self, o psicoterapeuta R.D. Laing descreve a ansiedade que os idealistas podem sentir quando perderam a autenticidade, ou quando se acham o que Laing chama de “como todo todos os outros, sendo alguém além de si mesmo, desempenhando um papel”. No caso de um cliente, Laing escreve: conforme seu sentimento do que pertencia propriamente ao seu “verdadeiro” eu ficava cada vez mais contraído, esse eu começou a se sentir cada vez mais vulnerável e ele ficou mais e mais assustado que outras pessoas poderiam penetrar através sua falsa personalidade.

Em casos extremos (e uma vez que os idealistas acreditam que o Self é algo que se encontra), essa perda de autoconfiança pode se tornar um medo verdadeiramente debilitante de perder o Self inteiramente – ou, como diz Laing, o self “interno” odeia as características do falso self. Também o teme, porque a assunção de uma identidade alienígena é sempre experimentada como uma ameaça para a própria. O self teme ser engolido pela disseminação da identificação. Poucos Idealistas se tornam tão perdidos em inautênticidade, é claro, mas muitos vivem com alguns vagos sentimentos de incerteza sobre sua autenticidade, algumas dúvidas secretas sobre sua plenitude.

O problema para os idealistas é que este desejo ardente de ser genuíno em todos os momentos e em todos os lugares os separa da autenticidade que eles exigem de si mesmos e os força, até certo ponto, ao próprio papel que eles querem evitar. Os idealistas relatam repetidamente que estão sujeitos a uma voz interior que os exorta a “Ser reais, ser autênticos” – sempre no idealista há essa voz lembrando-os de serem inteiros, unificados e verdadeiros. Mas com essa outra voz em sua cabeça, os idealistas são inevitavelmente presos em um duplo papel. Em vez da pessoa autêntica e sincera que eles querem ser, eles são ao mesmo tempo diretor e ator: eles estão no palco e, ao mesmo tempo, estão observando-se estar no palco e se sugerindo as falas.

A ironia desse querer ser autêntico é que muitas vezes deixa os idealistas se sentindo divididos e falsos, ficando de um lado e dizendo a si próprios para serem eles mesmos. A autenticidade também é difícil para os idealistas por causa de sua autoconsciência espontânea e não convidada. Desde o início da vida, os Idealistas (mais do que artesãos, guardiões e racionais) parecem sentir os olhos dos outros sobre eles e conceder aos que estão à sua volta o direito de julgá-los, o que é dizer que eles estão bem cientes deles próprios como objetos de escrutínio moral.

Enquanto os Racionais normalmente se reservam o direito de julgar suas próprias ações, os idealistas são muito sensíveis a como eles são vistos por outros e cuidam de satisfazer as expectativas dos outros. Então, de novo, os idealistas são atrapalhados por um dilema: orgulhosos de sua integridade, mas ao mesmo tempo dedicados a agradar os outros, devem caminhar na borda da navalha, com autenticidade de um lado e aprovação moral do outro. Aprender a reconciliar essas duas facetas muitas vezes conflitantes de autoimagem é uma tarefa importante e às vezes árdua para muitos idealistas.

Os valores dos idealistas

Arthur Schopenhauer, em The World as Will and Idea (1814), disse que nossa vontade domina nosso intelecto. William James, em The Principles of Psychology (1890), e Leon Festinger, em A Theory of Cognitive Dissonance (1957), seguiram o exemplo, informando-nos assim que nossos valores dominam nossos pensamentos. Agora isso pode ou não ser verdade para Artesãos, Guardiões e Racionais, mas certamente é verdade para os Idealistas.

Deixe-me colocar desta forma: os idealistas são mais propensos a pensamentos esperançosos ou a julgamento de valor do que os outros tipos, e eles não escondem isso. Na verdade, eles estão felizes em deixar seu coração dominar a cabeça, dizendo a todos que essa é a coisa sábia a fazer, pois o coração, eles acreditam, é a alma da humanidade. Quão diferente eles são dos outros temperamentos. Quão diferentes especialmente dos seus opostos, os artesãos. Onde os artesãos valorizam a excitação (de fora) os idealistas valorizam o entusiasmo (de dentro); onde os artesãos valorizam seus impulsos, os idealistas valorizam sua intuição; onde os artesãos valorizam o impacto sobre os outros, os idealistas valorizam o romance com os outros. E assim acontece, os idealistas valorizam a identidade sobre o estímulo, o reconhecimento da generosidade e o sábio sobre o virtuoso.

De um modo geral, podemos diferir em nosso ser preferido, no que confiamos, no que desejamos, no que buscamos, no que premiamos e no que aspiramos. É talvez nisso, o domínio dos valores, que os quatro tipos de personalidade mostram os padrões discerníveis mais claramente, muito mais claramente, certamente, do que em domínios como a autoimagem ou as formas de inteligência. Nós somos sábios em prestar atenção a como os valores dos Idealistas diferem dos nossos, para que não nos apanhem em nossa suposição natural de que eles valorizem o que valorizamos e, portanto, questionamos por que eles parecem menos calmos ou menos autoritários do que nós, ou menos razoáveis ​​ou menos impulsivos do que o esperado.

Sendo entusiastas

Os idealistas são pessoas altamente emotivas, no sentido de que suas emoções são facilmente despertadas e rapidamente descarregadas. Felizmente, os idealistas tendem a ser tipos positivos e, portanto, sua intensidade emocional geralmente é expressa como entusiasmo ilimitado. Particularmente quando se discutem ideias, ou compartilham percepções pessoais, sua exibição de entusiasmo pode ser deliciosa e contagiosa, muitas vezes tornando-as figuras inspiradoras em seus grupos.

Mas esse tipo de exuberância também tem um lado mais sombrio. Os idealistas, jovens ou idosos, do sexo masculino ou feminino, não conseguem evitar sua compreensão intuitiva de que a existência é agridoce, com a derrota do outro lado do triunfo – que, no meio da felicidade, a tristeza, aguarda sua vez. Além disso, quando frustrados em seu idealismo, ou quando tratados injustamente, os idealistas podem se irritar rapidamente – Galen, lembre-se, os chamou de “Coléricos” – e eles responderão furiosamente, com o fogo de seu entusiasmo repentinamente provocando raiva. Edith Wharton era conhecida por seus modos de luz e escuridão. Não só o amigo e companheiro romancista Henry James a provocou sobre sua “energia devastadora, ardente e destruidora”, mas seu biógrafo R.W.B. Lewis observa as contradições em seu personagem: Externamente, ela era uma criatura de alegria, dada a explosões de entusiasmo, a vaidades inofensivas e atividade física constante. Ela também experimentou calafrios de vergonha e dúvidas. Mas todo o tempo sua vida interior estava crescendo; Objetos bonitos fizeram com que seus sentidos aflorassem, e uma grande poesia a deixava acesa. Quase da mesma forma, ela foi surpreendida às vezes pela misteriosa e terrível tristeza da vida. Ela não tomou nada calmamente.

Confiando na Intuição

Enquanto os Racionais confiam em seus poderes de raciocínio, os Idealistas confiam em seus poderes intuitivos, seus sentimentos ou primeiras impressões sobre as pessoas, não precisando esperar por uma lógica, ou mesmo querer uma, pelo que acreditam. A lógica do Racional é aceitável para algumas conclusões – assim como a autoridade do Guardião, a propósito – mas para estar realmente seguro, os idealistas esperam por sua intuição para mostrar o caminho.

Talvez os idealistas confiem na sua intuição sobre as pessoas tão sem reservas por causa da extraordinária habilidade de se identificarem com os outros, de se colocarem no lugar dos outros. Como diz o ditado, os idealistas irão “rastejar para a pele de outro”, ou “caminharão uma milha com os sapatos de outra pessoa”, o que significa que eles inconscientemente levarão a si mesmos os desejos e as emoções de outros – ou o que eles acreditam que sejam. Essa identificação pode ser tão próxima que os Idealistas até se acham começando a conversar ou a rir ou a fazer um gesto como a outra pessoa. Este mimetismo é inconsciente e geralmente indesejável por Idealistas, mas sua capacidade de introjetar dá-lhes a crença (justa ou incorretamente) de que eles têm uma visão precisa sobre os outros, que eles sabem o que está acontecendo dentro da cabeça e do coração da outra pessoa.

Os idealistas devem ser particularmente cuidadosos a este respeito, porque, tanto quanto introduzem os traços dos outros, eles também tendem a projetar suas próprias atitudes para aqueles que os rodeiam, investindo os outros com sua própria visão idealista da vida.

Anseio pelo romance

Talvez a coisa mais importante a lembrar sobre Idealistas é esta: todos são românticos incuráveis. Cada tipo tem uma fome permanente, um desejo inquieto que precisa ser satisfeito todos os dias. Os artesãos têm fome de impacto social, Guardiões por pertencerem, Racionais pela realização. Os idealistas também possuem esses outros anseios, mas eles têm muito menos apego a eles do que a sua fome de romance.

O romance – no sentido do amor idealizado – não é algo que os idealistas podem pegar ou largar; É vital para o seu crescimento e felicidade, um alimento sem o qual não pode viver, assim como seu oposto, o relacionamento pouco inspirador e comum, é plano e obsoleto e sem vida. Em todas as áreas da vida, os idealistas não se preocupam tanto com as realidades práticas quanto com possibilidades significativas, com ideais românticos. Mas particularmente em suas relações de amor, os idealistas têm um apetite forte para o romance – se qualquer tipo pode ser dito “apaixonado pelo amor”, é o Idealista. E, no entanto, enquanto se apaixonam facilmente, os idealistas têm pouco interesse em relacionamentos superficiais ou insignificantes. Pelo contrário, eles querem que seus relacionamentos sejam profundos e significativos, cheios de beleza, poesia e sensibilidade. Se a vida amorosa não tem esse romance, os Idealistas sabem romantizar seus relacionamentos, infundindo-os com um brilho de perfeição que raramente pode ser sustentado na luz mais dura da realidade.

Muitas vezes, o Idealista cai neste padrão de projeção romântica, acompanhado por um considerável investimento de esforço e emoção, terminando em uma dolorosa desilusão. Essa disparidade entre o que é e o que poderia ter sido é tema de inúmeras novelas e peças. A verificação de realidade sóbria confronta os idealistas mais cedo ou mais tarde em todos os seus relacionamentos românticos, e como eles lidam com isso – se eles escolhem desenvolver o que eles têm, ou passar para outros sonhos – determina em grande medida o curso de suas vidas pessoais.

À Procura da Identidade

Os Idealistas dedicam grande parte do seu tempo a perseguir sua própria identidade, seu significado pessoal, o que eles são – seu verdadeiro Eu. Não é, lembre-se, que eles sejam egocêntricos, egoístas ou autocentrados; eles se concentram no Self dos outros tanto quanto no seu próprio. Mas, seja eles próprios ou outros, os idealistas estão centrados no Self, concentrados nele, comprometidos com ele. E o Eu sobre o qual eles se concentram não é o eu que os outros tipos pensam quando usam a palavra. Para os Artesãos, Guardiões e Racionais, a palavra “eu” (quando eles se importam em pensar sobre isso) simplesmente indica sua separação de outras pessoas, ou, no máximo, suas ações ou ponto de vista individual. Para os Idealistas, no entanto, o Self é uma parte especial da pessoa – uma espécie de essência pessoal ou núcleo de ser, a semente vital de sua natureza, não muito diferente da Alma ou do Espírito do pensamento religioso.

Os idealistas são apaixonados por encontrar este verdadeiro eu, sobre tornar-se quem são. Com certeza, os idealistas estão tão empenhados na autorealização que eles podem ser chamados de “Personalidade de Busca por Identidade”, o tipo de pessoa tão freqüentemente descrita por psicólogos humanistas.

Por exemplo, Carl Rogers, em seu livro, On Becoming a Person, descreve a busca idealista de Self com uma visão notável: tornar-se uma pessoa significa que o indivíduo se move em direção ao ser, conscientemente e com aceitação, o processo de ser quem ele interiormente e realmente é. Ele se afasta de ser o que não é, de ser uma fachada. Ele não está tentando ser mais do que ele, acompanhado dos sentimentos de insegurança ou defensiva bombástica. Ele não está tentando ser menor do que ele é, com os sentimentos de culpa ou auto-depreciação. Ele está cada vez mais ouvindo os recessos mais profundos de seu ser psicológico e emocional, e se vê cada vez mais disposto a ser, com maior precisão e profundidade, esse eu que ele realmente é.

Os idealistas costumam dedicar suas vidas a esse tipo de auto-realização – procurando se tornar realidade, tentando entrar em contato com a pessoa que eles deveriam ser e ter uma identidade verdadeira. “Como posso me tornar a pessoa quem realmente sou?” eles se perguntam. E assim, como o personagem Siddhartha de Hermann Hesse, vagam, às vezes intelectualmente, às vezes espiritualmente, às vezes fisicamente, procurando atualizar todas as suas possibilidades inatas, e assim se tornam completamente eles mesmos, mesmo que os caminhos em busca de identidade nunca sejam claramente marcados.

Os idealistas consideram essa busca pela identidade como o empreendimento mais importante em suas vidas, e com o seu dom de linguagem podem ser defensores poderosos por ser uma peregrinação necessária para todas as pessoas. Muitas vezes os outros tipos, SJs, NTs e SPs, ficam preocupados com o pensamento de que eles deveriam estar perseguindo esse objetivo, mesmo que a busca por Self não os “chame”. A relutância de mais de noventa por cento da humanidade para se juntar à busca por autoconhecimento é uma ótima fonte de mistificação para os Idealistas. Mas ainda mais mistificador é o paradoxo enrolado no centro desta busca, a saber, que a busca pelo eu é fundamentalmente incompatível com a conquista da busca do eu.

Para muitos idealistas, a busca do Eu é uma missão que se torna um fim em si mesmo e que pode vir a dominar suas vidas. Assim, o Eu mais verdadeiro dos Idealistas vem a ser o Eu em busca de si mesmo, ou, em outras palavras, seu propósito de vida se torna um propósito na vida. Mas como conseguir um objetivo quando esse objetivo é ter um objetivo? Com a intenção de se tornarem, os idealistas nunca podem ser verdadeiramente eles mesmos, já que o próprio ato de alcançar o Eu imediatamente o coloca fora de alcance. No seu entusiasmo pela autodescoberta, então, os idealistas podem ficar presos no paradoxo: eles são eles mesmos apenas se eles estão procurando por si mesmos, e eles deixariam de ser eles próprios se eles se encontraram.

No final de sua vida, Siddhartha tenta explicar essa contradição entre buscar e encontrar para seu amigo Govinda, um monge budista que passou sua vida procurando por si mesmo. “Pode ser”, diz Siddhartha, que “você procure demais e que, como resultado da sua busca você não pode encontrar”. “Como é isso?” perguntou Govinda. “Quando alguém está procurando”, disse Siddhartha, “acontece com bastante facilidade que ele não consegue encontrar nada, incapaz de absorver nada, porque ele está apenas pensando no que ele está procurando, porque ele tem um objetivo, porque ele está obcecado com seu objetivo. Procurar significa: ter um objetivo, mas encontrar significa: ser livre, ser receptivo, não ter objetivo”.

A busca impede a descoberta; A busca por identidade é seu próprio obstáculo. Alguns idealistas, sem dúvida, alcançam a perspectiva de Siddhartha e encontram seu verdadeiro Eu, o que significa que eles finalmente desistem de se esforçar para se tornar uma ideia perfeita de si mesmos, e simplesmente se aceitam como são, um pouco menos do que o ideal. Mas, para muitos idealistas, a busca da identidade apenas os envolve mais profundamente nas complexidades da divisão interna e da contradição de si mesmos: quanto mais eles buscam o seu Eu ideal, mais frustrados estão em sua busca.

Valorizam o reconhecimento

O caminho para o coração dos Idealistas é mostrar-lhes que conhecemos a sua pessoa interior, o Ser por trás do papel social que deve ser desempenhado, atrás da máscara pública que deve ser usada. Em outras palavras, para fazê-los sentir-se apreciados, devemos encontrá-los, “conhecê-los em sua visão do mundo”, como eles colocam. Isso não é uma coisa fácil de fazer, e isso acontece apenas raramente, e eles, mais do que outros, atravessam a vida se sentindo incompreendido, desconhecido, confundido com os papéis que são forçados a desempenhar pela realidade social. Você vê, os idealistas acreditam que cada um de nós é uma pessoa única e especial. Então, faz sentido que eles se sintam apreciados por terem sua pessoa conhecida por outro, mesmo que em raras ocasiões. Os idealistas se idealizam e, como mencionado acima, continuam a procurar o seu verdadeiro eu real. Eles se dedicam a tornar cada vez mais verdadeiro o ser verdadeiro, de modo que o reconhecimento de alguém que eles se importam é muito importante para eles e muito gratificante quando acontece.

Aspirante a Profeta

O profeta é o modelo mais venerado para os Idealistas – aquele homem ou mulher que se esforça para superar preocupações mundanas, temporais e que aspira à visão filosófica da vida. Transcender o mundo material (e assim obter uma visão da essência das coisas), transcender os sentidos (e, assim, ganhar conhecimento da alma), transcender o ego (e, assim, sentir-se unido a toda a criação), transcender até o tempo (e assim sentir a força das vidas e profecias do passado): estes são os objetivos elevados do sábio, e em seu coração todos os idealistas honram essa missão.

Os idealistas nos papéis sociais

É impossível não desempenhar um papel em todas as nossas transações sociais e, em essência, existem dois tipos de papéis sociais, aqueles que são atribuídos a nós em virtude da nossa posição em nosso meio social, e aqueles que alcançamos e pegamos por nós mesmos. Nós forçosamente fazemos o papel de filhos para nossos pais, irmãos para nossos irmãos e irmãs, e parentes para nossos familiares extensivos.

Por outro lado, escolhemos ser companheiro para nossa esposa, pais para nossos filhos, superior ao nosso subordinado, subordinado ao nosso superior, amigo para amigo, etc. Atribuído ou escolhido, não temos escolha senão encenar nossos papéis, uma vez que interagir com os outros nunca pode ser livre de papéis. Três dos nossos papéis sociais são de especial interesse no contexto do estudo da personalidade: acasalamento, parentalidade e liderança.

Nestes três papéis, os diferentes temperamentos diferem de maneiras muito importantes, isto é, nos efeitos que essas formas de se relacionar com os outros têm nos companheiros, descendentes e seguidores. Algumas observações sobre cada um dos papéis sociais do Idealista podem nos dar uma ideia de como eles são desempenhados.

O Soulmate (Procura pela Alma Gêmea)

O que os idealistas desejam em seu cônjuge é um companheiro de alma, um cônjuge que conhece seus sentimentos sem serem informados deles e que espontaneamente expressam palavras de carinho, palavras que reconhecem a identidade única de seu companheiro. Os idealistas querem que o relacionamento conjugal seja, como se diz, “profundo e significativo”. Outros tipos se contentarão com muito menos do que isso. Os guardiões, por exemplo, seriam ajudantes, embora eles não possam pedir ao seu esposo idealista que seja o mesmo. Os artesãos, por outro lado, preferem ser Playmates, e se perguntam o que o Idealista quer dizer por um relacionamento profundo e significativo. E os racionais, que desejam compartilhar sua consciência com seus companheiros, são mais para serem companheiros de mente do que companheiros de almas. Aqui, basta dizer que os Idealistas estão pedindo a seus cônjuges algo que a maioria deles não entende e não sabe como dar.

O Pai harmonizador

Os pais idealistas estão principalmente preocupados com a autoimagem de seus filhos, de modo que, para saber como os filhos se vêem, e como eles são vistos por outros, os pais idealistas fazem todos os esforços para aumentar a força de sua harmonia com seus filhos, querendo quemantenham-se intimamente ligados e em harmonia com eles, mesmo na vida adulta – harmonia é o meio, uma autoimagem positiva é a finalidade.

Aqui é bom lembrar os constituintes da autoimagem. Primeiro, há autoestima, então autorespeito, depois autoconfiança. Os pais idealistas encorajam seus filhos a crescer em todos os três aspectos. As preocupações dos pais Guardiões e Racionais – civilidade e individualidade – tomam um assento traseiro no caso dos pais idealistas. Não que sejam indiferentes a essas preocupações, apenas  as vêem como subordinadas e dependentes do crescimento de uma autoimagem positiva e saudável. No que diz respeito ao espírito de aventura encorajado pelos pais artesãos, os idealistas têm pouco tempo para isso e pouca preocupação se isso não surgir e tendem a deixá-lo às circunstâncias.

O líder catalisador

O estilo de liderança dos Idealistas é bastante diferente do de outros tipos, pois eles são os catalisadores, atuando como facilitadores, motivadores ou energizantes com sua capacidade única de reunir seus subordinados em ações cooperativas e de manter uma alta moral neles. Uma vez que os idealistas não podem não ser pessoais em seus relacionamentos, segue-se que, quando estão em posição de liderança, são obrigados a liderar de maneira pessoal. Para os idealistas, cada subordinado é uma pessoa a quem devem conhecer e deve acompanhar. De certa forma, essa falta de inclinação e talvez a incapacidade de serem impessoais à medida que dirigem as operações pode complicar as questões, particularmente se houver muitos indivíduos a se relacionar na gestão de uma empresa. A liderança catalítica é difícil de definir e ainda mais difícil de explicar. Aqui, note que com os bons sentimentos de seus subordinados como sua principal preocupação, a liderança idealista é radicalmente diferente da de outros temperamentos.

Anúncios

Deixe uma resposta

Powered by WordPress.com. Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: