Anúncios

AGENDAS OCULTAS – A Sombra nos Relacionamentos Íntimos

AGENDAS OCULTAS – A Sombra nos Relacionamentos Íntimos

“Às vezes eu esqueço completamente o que é companheirismo. Inconsciente e insano, eu derramo energia de tristeza em todo lugar.” – RUMI, “ÀS VEZES EU ESQUEÇO COMPLETAMENTE”

Tom e Sally se engajam em brigas diárias, insultam as famílias de origem do parceiro e se desesperam para conseguir o que querem do outro. Em quantos relacionamentos isso ou alguma dinâmica semelhante se desenrolam? Todos nós dizemos que valorizamos muito as relações, mas por que tantos estão tão quebrados? Onde quer que estejamos, parece que a Sombra nos segue. Relacionamentos tão quebrados são campos minados, impossíveis de atravessar sem atingir alavancas de disparo. Quem de nós está completamente livre de uma motivação duvidosa? Quem de nós pode ser consciente o suficiente para conter o nosso narcisismo inerente e suas motivações sombrias, forte o suficiente para reconhecer verdades desagradáveis sobre nós mesmos sem reprimí-las, e comprometidos o suficiente para trabalhar através delas a serviço de um relacionamento desimpedido com o outro?

Em qualquer criança assustada e imperiosa, vemos nosso núcleo profundamente humano – apegado, faminto, necessitado, insistente, necessariamente narcisista. Aquela criança nunca é deixada para trás. A única questão é: em que medida ela desempenha um papel na dança diária do eu e do outro? E quem entre nós poderia escapar de um desejo profundo de nutrição, saciedade e segurança? O poeta Tony Hoagland, em um poema intitulado “O que o narcisismo significa para mim”, admite que mesmo em nossa vida adulta “no fundo da miséria / da vida cotidiana / o amor jaz sangrando”. Até que ponto nos afastamos desse eu profundamente vulnerável, com sua agenda narcisista? Por que deveríamos pensar realisticamente que desapareceria simplesmente porque agora ocupamos corpos maiores em papéis maiores em ambientes maiores? O poeta Delmore Schwartz ilustrou esse paradoxo ao chamar seu corpo, com suas exigências insistentes, de um “urso pesado” que sempre o acompanha, um animal sombrio que assombra o relacionamento com o amado.

A PROGRAMAÇÃO DO MODELO RELACIONAL

À medida que crescemos, progressivamente aprendemos a conter grande parte dessa agenda de interesse próprio – oferecendo restrição para a reciprocidade, evitando punições, recebendo recompensas condicionais, ajustando-as. Como dizem, para se dar bem você aceita e concorda. . . . Com o tempo, a maioria de nós também aprende a deixar nosso próprio mundo limitado para participar imaginativamente da realidade do outro, ganhando a capacidade de empatia, simpatia, compaixão – todas as palavras cujas etimologias implicam a capacidade de realmente compartilhar a dor do outro.

A intenção consciente e a razão podem adotar um código de comportamento e, no entanto, é facilmente subvertida pelo poder do mundo interior irracional. A imaginação, no entanto, permite-nos transcender os limites de nossa pele, até mesmo os limites de nossa história pessoal ou familiar, e entrar no mundo do outro. Fazemos isso toda vez que lemos um romance ou assistimos uma peça ou observamos uma pintura. Nós permitimos que nossa sensibilidade seja permeável, plástica, persuadível, e nos envolvemos com o mundo do outro, pelo menos por um tempo. Durante esse ato de ampliação imaginativa, participamos de um mundo maior do que o nosso e descobrimos a capacidade de compartilhar a experiência do outro. Um exemplo também pode ser encontrado no Museu Nacional do Holocausto em Washington, D.C. Cada visitante recebe um bilhete com o nome de uma pessoa. No final da turnê, o visitante aprende o que aconteceu com essa alma específica e individual. O que de outra forma poderia ser um encontro com a história oprimida por estatísticas atordoantes é trazido de volta à lembrança de que, dos seis milhões aos nove milhões de assassinados, cada um era um indivíduo, uma história única, uma brutalização pessoal e uma vida criminalmente interrompida. Aqueles que são limitados em sua experiência pelos limites de sua história, sua educação, os tabus de sua tribo, seus complexos de família de origem, vivem em relacionamentos muito mais emocionalmente constritivos.Ainda mais, aqueles que estão presos em uma infância traumática.

Ferimentos na infância são freqüentemente definidos por imagens irremediavelmente redundantes, pelas quais faltou a capacidade elementar de sentir com o outro. Assim, eles podem buscar agendas terrivelmente agressivas sem remorso. Tais são “almas esvaziadas”, para usar a metáfora reveladora de Adolph Guggenbuhl-Craig. Enquanto seus relacionamentos são invariavelmente conflituosos e prejudiciais, seu maior sofrimento é que eles permanecem presos a um mundo interior tão estéril, monocromático e repetitivo, que só pode repetir seu mesmo tema e resultado sombrios. É justo dizer que muitas das nossas dificuldades relacionais derivam de uma imaginação limitada, emocionalmente falida, e que estamos, em grande medida, vinculados ao poder das imagens carregadas há muito tempo e muito longe. Então, como é essa dinâmica relacional, essa imagem carregada de energia dentro de cada um de nós, programada e quão suscetível a alteração é? Por que nossos relacionamentos são tão problemáticos?

Nossas primeiras mensagens relacionais são encontradas nas experiências primárias de vinculação. O Outro está lá de forma confiável? Incerto, ausente, punitivo? O Outro nutridor, reconfortante, está nos encontrando mais do que na metade do caminho? O Outro é retido, imprevisível, até invasivo ou abandonador? Essas primeiras experiências relacionais são poderosamente formativas, especialmente em nossa infância, quando somos mais maleáveis, mais ligados à nossa leitura subjetiva do mundo que nos diz: este é você, e este é o mundo, e é assim que é, e como vai ser! É claro que recebemos muitas mensagens diferentes, todas com o poder de modificar a programação dessa imagem relacional, mas temos que reconhecer que normalmente as mensagens mais antigas, mais poderosas e mais sustentadas vêm desses encontros pai-filho e, portanto, são arcaicas, e estão sempre zumbindo sob a superfície de nossos compromissos contemporâneos com os outros. Quanto mais íntima a relação, mais o drama arcaico com suas diretrizes está presente, seja ele reconhecido ou não. Embora não possamos ser autômatos, prisioneiros dessa história, somos ingênuos em ignorar sua presença irresistível.

Como as imagens relacionais são geradas por esses programas arcaicos, também são gerados estilos de vida, estratégias de personalidade e comportamentos replicativos padronizados. Por exemplo, as duas categorias inevitáveis ​​da nossa experiência existencial traumática comum são 1) sentir-se oprimido, invadido, prejudicado pelo Outro, e / ou 2) ser abandonado pelo Outro. Qualquer uma dessas experiências tem o poder de dominar, até mesmo substituir, as próprias capacidades da criança vulnerável pela liberdade de escolha. Todos nós experimentamos ambas as categorias, mas em graus variados de intensidade, e de formas variadas elas também podem ter sido mediadas e moderadas pelo Outro. Embora nenhum pai possa estar sempre presente para a criança, a confiança geral, a consistência e a boa intenção do pai podem fazer muito para amenizar o poder da mensagem de ser esmagado ou abandonado – ou, é claro, levar seu terror mais a fundo.

No que diz respeito à experiência percebida de ser subjugado pelo outro, a mensagem geral que a criança recebe é de impotência diante do Outro. A partir desta mensagem convincente, três estratégias básicas irão evoluir. Primeiro, aprende-se padrões de evitação para ficar fora de perigo. Todos nós temos esses padrões em nossas vidas relacionais, tanto em casa como no trabalho. Nós evitamos, nós procrastinamos, nós esquecemos, nós nos desviamos, nos distraímos, nós dissociamos, reprimimos, suprimimos. Talvez, mais comumente, evitemos questões emocionalmente carregadas, conflitos e diferenças genuínas com outras pessoas, que depois se transformam em ressentimento, depressão ou vida não vivida. Tal evitação leva a uma perda de integridade pessoal. Quanto ressentimento ou depressão em um relacionamento deriva dessa abdicação de nossa própria individualidade?

Segundo, sentindo-se sem poder, somos então levados pelo complexo de poder a buscar a soberania sobre o meio ambiente, tornar-nos mais poderosos que o Outro, controlá-los. Quem entre nós não cai em tal complexo de poder de vez em quando? (Sob este roteiro familiar, o coração do ditador bate, e todos nós temos um pequeno ditador dentro de nós.) Que casal está livre da motivação do poder em qualquer momento? O poder não é mau, mas sim a expressão de energia entre duas pessoas. A questão então é, em qualquer relacionamento, qual é essa agenda oculta? Como Jung observou uma vez, onde o poder prevalece, o amor não está; isto é, onde o poder substitui a ligação, o relacionamento é então escravizado por uma agenda de Sombra.

Terceiro, aprendemos a obedecer, a agradar o Outro na esperança de apaziguá-los, obter sua necessária aprovação e moderar seu poder sobre nós. Mais uma vez, obedecer reflexivamente à vontade dos outros, sem refletividade genuína, leva a uma perda de integridade em nossa relação com eles. Se sou repetidamente agradável e complacente, em vez de autêntica, deixei de ser uma pessoa com valores. (A forma mais extrema desse comportamento complacente é hoje chamada de codependência.) Então, para onde vai a raiva não expressa dessa conspiração? Talvez isso somatize como doença, talvez inverta como depressão, ou talvez vaze em explosões de críticas ou réplicas severas. Todos nós desenvolvemos todas essas três estratégias no decorrer de nosso desenvolvimento inicial e, com o passar do tempo, elas aparecem repetidamente em nossos relacionamentos adultos.

Concomitantemente, a experiência de abandono é muitas vezes internalizada como uma declaração implícita sobre nosso valor ou importância para o outro, ou a falta dele, independentemente de o Outro ausente estar fazendo tal afirmação ou não. Assim, novamente evoluímos três padrões básicos, com mil variações. Primeiro, nos identificamos com essa aparente rejeição e repetimos a mensagem do modelo evitando nossos talentos e desejos, sabotando nossos esforços e nos escondendo da convocação que a vida traz para cada um de nós. Ou somos fisgados por uma supercompensação e somos levados a provar ao mundo quão bons, quão dignos, quão valiosos nós somos. Tais pessoas freqüentemente alcançam seus objetivos externos, mas não obtêm nenhuma satisfação deles, pois a experiência do déficit no interior é um vazio sempre faminto que deseja ser alimentado repetidas vezes sem descanso.

Em segundo lugar, caímos novamente no complexo de poder e procuramos exigir o afeto, o respeito ou a aprovação do outro por todos os meios possíveis, mesmo tornando-nos indispensáveis ​​para eles. (Muitos pais incapacitaram seus filhos fazendo muito por eles. Acreditando que estão ajudando seus filhos, eles estão enviando a mensagem: “Você precisa de mim, e sempre precisará de mim para conduzir sua vida, porque, é claro, sou eu quem precisa de você”). Ou alimentamos nossa ferida narcísica controlando os outros, buscando constantemente a afirmação do nosso valor. Nós os configuramos para nos alimentar. Se o fizerem, ficam ressentidos com o tempo porque estão sendo usados. Se eles recusarem ou deixarem de alimentar nossa autoestima, nos tornamos irritados e punitivos em relação a eles. Quando o pai vive através da criança, ou depende do parceiro para se valorizar, então a questão da Sombra é poder, não amor.

Terceiro, encontramos fontes substitutas, hábitos viciantes de conexão com o Outro – seja um corpo quente, comida, tabaco ou álcool, poder, ideologias, credos, televisão, internet, rotinização, objetos brilhantes e muito mais – e, assim, momentaneamente, aliviamos a dor e a angústia do abandono. Quantos de nós, numa sociedade materialista, projetamos nossas necessidades emocionais nas coisas, mas nos sentimos cronicamente insatisfeitos com nossas posses, ou chegamos a reconhecer que nossa compulsão por possuir coisas vem a tempo de nos possuir? Através das mil variações sutis das quais são capazes, esses três padrões de programação relacional também estão em ação em todas as nossas vidas, quer reconheçamos sua presença sombria em nossos relacionamentos ou não. Não é de admirar, portanto, que essas seis estratégias, decorrentes das categorias gêmeas de ferimentos existenciais universais, produzam padrões relacionais.

Enquanto nos acreditamos livres a qualquer momento, com que freqüência estamos a serviço dessas mensagens arcaicas, primitivas, ou melhor, estamos sempre livres delas? Sua presença fantasmagórica em nossa vida social e em nossas intimidades constitui uma dimensão contínua de Sombra pela qual não somos quem somos no momento, mas quem somos, reflexivamente, historicamente definidos.

Como pode qualquer relacionamento florescer em meio a tais presenças fantasmagóricas? E algum relacionamento está livre dessas agendas da Sombra? Além disso, confrontamos a Sombra em nossas vidas relacionais sempre que somos apanhados em um complexo ao qual somos especialmente propensos em ambientes íntimos, ou quando estamos conscientemente ou inconscientemente alistando o outro em nossa agenda pessoal. (Um complexo é um aglomerado de energia historicamente carregado, dependente do passado para sua agenda programada.)

Assim, as imagens primárias do Eu e do Outro, programadas desde os primeiros momentos, carregando sempre a marca forte da mãe e do pai e outras mensagens obtidas naqueles anos arcaicos e formativos, são ativados na presença do Outro. Em nenhum lugar essas dinâmicas são mais facilmente encenadas do que na intimidade, o que mais se aproxima de evocar a matriz do modelo original pai / filho.

Considere este exemplo: Tom e Sally são bem intencionados, mas quando Sally observa a vida de Tom, oferece conselhos de apoio, ele se retira. Se ela persistir, ele fica mal-humorado e zangado. Quando ele se afasta dela, ela fica ansiosa, depois com raiva, e então se retira. Há algum tempo há um deserto entre eles, até que um deles rasteja de volta para o centro vazio e o relacionamento retoma seu antigo conforto e confiança. O que acontece ali? Tom cresceu com um pai ansioso e invasivo. Quando Sally inclina-se para ele, com boas intenções, sua história é ativada e Sally agora é percebida, através do filtro inconsciente da história de Tom, não como amigo, mas como inimigo. Sua retirada e sua raiva subsequente são reações à sua ansiedade. Ele esteve aqui antes, ou assim parece. Ele se sente ameaçado pela imersão. Sally, tendo um cuidador emocionalmente distante, interpreta sua retirada protetora como um ato hostil. Onde ela esteve aqui antes? Ela experimenta a ansiedade do abandono e recua em uma concha protetora. Ambos persistirão nessa dança da história até que um deles rompa o padrão.

Como é que as pessoas que são intencionais em seus cuidados com o outro podem facilmente reverter para posturas defensivas, causar danos a seus parceiros e conspirar em uma abdicação do momento presente para os dramas arcaicos do passado? Em qualquer contexto de intimidade, a probabilidade de tal ativação primordial de material complexo é uma garantia virtual. Como um órgão histórico, nossa psique metaforicamente pergunta: “Onde estive aqui antes e o que essa experiência me disse?” Por essa razão, nossos relacionamentos adultos têm uma forte tendência à repetição da dinâmica da família primitiva de origem. Aquele que é complacente com o Outro exigente, aquele que se torna o zelador do Outro prejudicado, aquele que precisa dominar o Outro a serviço do reparo narcísico, e assim por diante – todos estão vivendo no campo historicamente carregado do modelo Eu e o Outro.

Talvez perversamente, alguém até procure o outro com quem se unir a esse modelo. Quão livre, então, é uma escolha tão importante quanto o casamento, quando se está a serviço de um modelo arcaico e de suas estratégias acompanhantes? Não planejamos repetir nossas vidas, pelo menos não conscientemente, mas temos uma forte tendência a fazê-lo, inconscientemente, por causa do poder dessa história arcaica. Quanto mais profundo ele está enterrado em nossa formação psicológica do Eu e do Outro, mais autonomia ele tem em nossas vidas. Mesmo quando se está tentando romper o poder escolhendo o oposto, ainda se está definindo por suas exigências. Toda vez que se escolhe “o oposto” da dinâmica relacional dos complexos parentais, mais se fica vinculado a eles.

Evelyn, a filha de um alcoólatra, naturalmente correu para casar com um homem com um problema semelhante. Divorciando-se, ela jurou procurar, encontrar e casar-se com um abstêmio. Ela fez, e descobriu que ele era um cara bom, mas incapaz de manter um emprego. Para seu espanto, ela percebeu que a questão não era álcool, mas sim encontrar e cuidar do “Outro prejudicado”. Quem teria pensado que a programação daquela filha era tal que ela foi levada a repetir o papel atribuído a ela ao longo de seus relacionamentos adultos? No entanto, evitar o risco de um relacionamento íntimo é ainda mais deletério para o presente, pois, ao se defender contra a ameaça de repetição dolorosa, ele rouba o dom da amizade e a dialética entre dois “outros” que se ampliam mais sendo, profundamente, outro.

Paradoxalmente, tolerar “a alteridade do outro” é nosso maior desafio, pois escolher apenas o Outro familiar nos prenderia aos valores delimitadores de nosso modelo arcaico e nos ligaria a uma triste repetição de qualquer mensagem relacional que o destino nos oferecesse da primeira vez. Por outro lado, a agenda narcisista de qualquer psique individual terá um forte desejo de se impor sobre o relacionamento em serviço para satisfazer suas necessidades, mesmo à custa do bem-estar do outro. (Um colega meu, Alden Josey, certa vez descreveu isso como o sombrio desejo de “colonizar o outro”.) Quanto mais danificada a história, ou mais fraca a percepção de si, maior é essa tendência narcisista e mais rígida e controladora a dinâmica do relacionamento.

Quando vemos um relacionamento terrivelmente errado, quando o namorado aparece para atirar em sua namorada, estamos vendo um ego muito fraco que sucumbiu à mensagem arcaica de que “eu morrerei se não tiver o Outro a meu comando”. A independência do outro é experimentada como uma retirada de seu “contrato” inconsciente, narcisicamente programado, e, portanto, desencadeia todos os alarmes ansiosos. Que cidade importante não tem seu abrigo para mulheres vítimas de abuso? A incidência da violência no relacionamento íntimo é um testemunho cruel dos poderes dos modelos arcaicos com suas agendas repetitivas e egoístas.

A esposa de um ex-cliente havia acabado com quatro casamentos antes dos trinta e cinco anos, ele a controlava violentamente e naturalmente culpava as provocações dela por todas as suas inflamações emocionais. Sob nenhuma circunstância alguém poderia usar o termo amor para descrever tais relacionamentos; em vez disso, apenas a palavra medo descreve precisamente seu teor. O ego muito fraco do marido era sustentado por sua escolha por uma carreira especialmente autoritária e por intimidar sua esposa intimidada. Sua capacidade de administrar seu medo atávico era mínima e, assim, ele causava danos a outros.

Assim, também sofremos a militância mundial dos fiéis fundamentalistas, incapazes de sustentar até mesmo um pouco de ambiguidade por meio de sua fé, e insistem em ser validados à custa da investigação aberta e do respeito pelas visões diferentes dos outros. Não só eles se tornam bombistas suicidas, mas são eles que insistem em estar nas diretorias e comitês escolares locais que selecionam livros didáticos para o estado, pois seu temor arcaico de ambigüidade os leva a rejeitar as descobertas acumuladas de estudiosos e cientistas sobre o assunto nos últimos mil anos, preferindo as imagens simplistas e arcaicas do mundo de suas histórias tribais. Lamentavelmente, é virtualmente impossível conseguir que tais dignos tenham um diálogo genuíno, quanto mais examinar a questão da Sombra do medo, para que desejariam olhar seriamente para o que os assusta? É preciso simplesmente perceber que o medo deles nos constringe em nome da “religião” e, em seguida, descartá-los dessas posições de poder.

Em todos esses relacionamentos turbulentos, seja no casamento ou no tumulto da discórdia política, a criança não examinada dentro de si é assustada e faminta, e reflexivamente leva os poderes adultos a prestar serviço à sua agenda infantil. Tal criança está em todos nós, e a maioria de nós luta, imperfeitamente, para conter a agenda insistente daquela criança, fora de nosso respeito e afeição pelo outro. Mas nenhum relacionamento é inteiramente livre de surtos ocasionais de interesse próprio narcísico. Nenhum de nós alcançou tal estágio de individuação, do estado búdico, para transcender nossas necessidades arcaicas. Assim, a Sombra do narcisismo assombra todos os relacionamentos, mesmo os mais evoluídos, e constitui o desafio ético do relacionamento, a saber, “até que ponto eu posso verdadeiramente amar o Outro impedindo que minhas próprias necessidades os dominem?”.

Nós repetidamente pedimos a eles o que não aprendemos a nos dar, ou a encontrar por nós mesmos. À medida que amadurecemos, aprendemos mais e mais que somos responsáveis ​​por atender às nossas necessidades, não ao Outro, sobre quem imporíamos essa tarefa. Quanto mais pudermos assumir esse projeto, mais poderemos viver com ambiguidade – como indivíduos e como sociedade – quanto mais livre e digno do nome de amor se tornar o relacionamento.

AMOR COMO UM TRABALHO DE SOMBRA

E quantos relacionamentos são governados pelo princípio do amor, por cuidar da alteridade do outro? Quantos são sabotados pela reativação das imagens arcaicas do Eu e do Outro? Quantos são prejudicados, não por meio do contínuo alargamento e apoio mútuo de suas jornadas separadas, mas por força do hábito, medo da mudança, falta de permissão para viver a própria jornada e recusa em aceitar a convocação à sua própria responsabilidade? Como terapeuta, tenho estado frequentemente nas pontas de um doloroso dilema. Tendo sido convidado para ajudar em um relacionamento e ter uma obrigação ética de fazê-lo, ao mesmo tempo, percebi que o relacionamento era baseado na imaturidade de uma ou ambas as partes. Se essa imaturidade pode ser trazida à consciência e a responsabilidade aceita por ela, então há uma esperança distinta para a evolução do relacionamento para uma agenda mais satisfatória e desenvolvimentista. Infelizmente, o menos desenvolvido ou menos maduro é freqüentemente relutante ou incapaz de assumir o projeto. Ele ou ela continuará a trazer o relacionamento de volta ao estágio menos maduro e insistirá nessa fase, que serve à segurança, mas não ao crescimento, e certamente não pode reivindicar o rótulo de amor.

Ironicamente, o amor se torna uma tarefa da sombra para todos nós quando 1) pede mais de nós do que aquilo que nos deixa à vontade, 2) nos pede para examinar nossos próprios complexos e imagens regressivas, e 3) pede uma maior generosidade de espírito do que consideramos confortável. Meu viés aqui é claro. Um relacionamento deve servir ao crescimento de cada parte para se tornar mais próximo de quem ele ou ela é capaz de se tornar. Não vejo esse relacionamento em que as pessoas “cuidem umas das outras” como dignas do nome do relacionamento, pelo menos não um relacionamento amoroso e maduro. O amor é solidário e atencioso e, portanto, oferecemos presentes uns aos outros. . . presentes que às vezes pedem sacrifício considerável de nós mesmos. Bondade, afeição e empatia fazem parte de qualquer relacionamento saudável, e fazer pelo outro é uma dádiva para os dois, desde que não esteja a serviço de uma codependência antiga ou de um cumprimento soturno. O amor pede independência de ambas as partes, liberdade, não controle, não culpa, não coerção, não manipulação. Dependência não é amor; é dependência – é uma anulação da responsabilidade essencial de cada um de nós de crescer, assumir total responsabilidade por nossas vidas. Não aceitar esse desafio é uma fuga da idade adulta, não importa o quanto uma pessoa seja madura em outras áreas de atuação.

Esta questão da sombra assombra a maioria dos relacionamentos e constitui a principal fonte de infelicidade, culpa e estagnação. Todos nós achamos mais fácil culpar nossos parceiros do que crescer, reconhecer que somos os únicos presentes em cada cena daquele longo drama que chamamos de nossa vida. Portanto, é lógico que somos os responsáveis ​​pelos seus resultados e consequências, e não nossos parceiros. Reconhecer essa responsabilidade é bastante fácil no abstrato, mas é um desafio terrível no contexto da vida cotidiana, quando nossa vontade é fragmentada, quando estamos vulneráveis ​​e quando recaímos em nossos complexos arcaicos.

Tom e Sally, nosso casal protótipo, chegaram a seus quarenta anos, tiveram os dois filhos e voltaram para casa nos subúrbios para a qual planejavam, e se viram irritados e retaliatórios um com o outro. Alguém dirá “algo”, ou não “algo”, seja o que for, e a reação do outro é imediatamente de inflamada emoção, acusação e mais mau karma conjugal. O que circula sob a superfície de cada um deles é o medo assombroso, embora inconsciente, de que, tendo alcançado seus objetivos externos e desempenhado seus papéis econômicos e domésticos, eles não têm noção do que realmente significa a sua vida. Eles estão na segunda metade da vida e, enquanto assistem a organizações religiosas e cívicas respeitosamente, não sentem um envolvimento profundo com nada. Esse tédio, desvio e sensação de deslocamento não diagnosticados não foram tratados e resolvidos pela solidez de sua vida de classe média, e certamente não pelo próprio casamento. Consequentemente, sua irritação, que é “vazamento de raiva” decorrente da “depressão negada”, atinge a superfície ao culpar, ao escolher brigas e a um sentimento crescente de desesperança.

O casamento de Tom e Sally é tão típico porque carrega e sofre o fardo de nossa fantasia principal, a saber, que o “outro” mágico consertará as coisas para nós, tornará a vida significativa, curará nossas feridas e nos ajudará a evitar a tarefa de crescer e enfrentar o enorme vácuo existencial que todas as almas conscientes devem engajar. Porque a vida, com todas as suas possibilidades, todas as suas decisões, é tão grande, nos apegamos aos pequenos, e esperamos que o Outro nos poupe da tarefa de crescer. Mas, como eles não podem e não devem, estamos zangados com eles. Isso é material de sombra, porque se alimenta daquilo que está dentro de nós, aquilo que nos deixa desconfortáveis ​​conosco, aquilo que nos intimida. Assim, Tom culpa Sally por não entendê-lo; Sally culpa Tom por não apoiar seus trabalhos diversos. Embora seja verdade que cada um possa ser mais cuidadoso com os fardos do outro, cada um é pego nas sombrias preocupações narcísicas que são nossa herança comum. Confessar a confusão pessoal, até mesmo o desespero, confessar o medo do futuro, confessar o sentimento crescente de inadequação, é precisamente o que convidaria tanto a reformular sua experiência do outro.

Às vezes, na terapia conjugal, consegui que as pessoas expressassem esses segredos mais profundos, mas primeiro precisávamos ir além das mais primitivas de nossas defesas, a atribuição de culpa ao outro. Quando os casais abandonam a terapia conjugal é geralmente porque um ou ambos concluíram que o outro não vai torná-los “felizes” – seja lá o que for – ou que, inversamente, não estão dispostos a concordar que tal tarefa é sua para assumir. A suposição dessa responsabilidade elementar é o que pode libertar cada um para apoiar o outro em um contexto consistente de cuidado, sem esperar que o outro resolva os enigmas intrincados de sua própria vida. No entanto, muitas vezes é muito difícil para muitos aceitar essa questão da Sombra como sua, em vez das deficiências de seu parceiro aflito. Nossa defesa mais primitiva é olhar para fora de nós mesmos para a causa do problema.

Reconhecendo que somos a única constante em todos os relacionamentos, precisamos enfrentar o problema da nossa Sombra. Como podemos nos libertar de nossas agendas narcísicas e autoengrandecedoras? A resposta considerada é que não podemos – pensar de outra forma é fantasiar um nível impossível de individuação. Embora seja verdade que ocasionalmente podemos chegar a esse promontório alto, não somos fortes o suficiente para permanecer ali. Por exemplo, quem entre nós pode consistentemente abordar nossas próprias necessidades emocionais de forma madura? Quem entre nós pode assumir plenamente a tarefa do valor próprio e não esperar que nossos parceiros sejam uma seção de elogios não crítica? Quem entre nós não retaliará quando o Outro nos decepcionar? Quem entre nós pode realmente assumir a responsabilidade pelo nosso bem-estar emocional e retirá-lo totalmente dos nossos parceiros?

E, no entanto, essas são as tarefas da maturidade, de onde vem a qualidade de todos os nossos relacionamentos. E, paradoxalmente, se somos constantemente “a pessoa para os outros”, arriscamos a codependência e a erosão do interesse próprio legítimo. Um reflexo autônomo para renunciar ao interesse próprio se mostrará insalubre com o tempo. Temos o direito de ser respeitados, de ser tratados com carinho, preocupação e apoio de todos em nossas vidas. Nossa natureza não deseja abuso de nenhum tipo.

Reprimir o que é natural dentro de nós cria monstros mais cedo ou mais tarde. O monstro mais comum será a depressão, o tipo de depressão que vem do protesto de nossa própria psique em nossa abdicação. O próximo monstro mais comum será a raiva, a resposta secundária à ansiedade iniciada na negação do legítimo interesse próprio. Mesmo com o monitoramento mais cuidadoso, essa raiva vai vazar para o corpo, para a irritabilidade, para atos que tenham mais força e agressão encoberta a eles do que teríamos conscientemente concedido a eles. Assim, a Sombra está em ação, agindo ocultamente por causa do que negligenciamos lidar conscientemente.

RELAÇÃO MADURA

Assim, o relacionamento é um paradoxo contínuo, um local no qual o legítimo interesse próprio e o interesse do outro às vezes competem. Essas agendas separadas não precisam ser hostis, nem mesmo antagônicas, pois um relacionamento saudável é aquele em que cada parte se dedica a apoiar o bem-estar do outro. Um relacionamento maduro é aquele em que cada parte assume a responsabilidade por sua própria individuação e apóia o outro no dela ou no dele também. Quando essa intencionalidade é comum a ambos, até mesmo os ocasionais lapsos complexos em relacionamentos desequilibrados serão rapidamente corrigidos ou perdoados. Quando tal intencionalidade é de propriedade de apenas uma das partes, o relacionamento será desequilibrado e já está se inclinando para o conflito e a possível dissolução.

Na teoria, essa definição de relacionamento maduro parece razoável, até fácil; na prática, é muito difícil, pois o nível de maturidade que exige pede muito de cada um de nós. Se eu puder razoavelmente supor que o Outro não está aqui para fazer minha vida funcionar para mim, mas pretende apoiar meus esforços para fazê-lo, então eu terei feito um enorme esforço para limpar os destroços que dificultam e prejudicam os relacionamentos. Infelizmente, muitas pessoas se envolvem em comportamentos controladores porque têm medo de não ter a criança dentro delas cuidada pelo Outro. Ou, eles estão aterrorizados com o outro crescendo, ouvindo seu próprio ritmo e deixando-os. Portanto, nós, que dizemos que valorizamos tanto as relações, somos tão freqüentemente incapazes de nos elevar ao truísmo que define todos os relacionamentos, a saber, que o relacionamento não pode ser mais evoluído do que o nível de maturidade de cada uma das partes.

Quando vejo casais em terapia, a primeira pergunta em minha mente é avaliar sua maturidade emocional. Claramente, essa maturidade não é necessariamente uma função da idade e da experiência. É mais uma função da força pessoal e, para usar uma palavra antiquada, caráter. Infelizmente, no momento em que a maioria dos casais chega à terapia, o sangue é drenado da entidade corporativa, a boa vontade exaurida, as queixas acumuladas e as acusações lançadas contra o outro com pouca veemência. Alguns casais regridem como resultado da terapia, porque esses ataques armados trazem feridas adicionais, às vezes irreparáveis.

Uma antiga música de Carly Simon exaltava a virtude da comunicação relacional em várias estrofes. Na última estrofe ela lamentavelmente confessa que, “às vezes eu gostaria de nunca conhecer alguns desses segredos”. Então, até mesmo a “comunicação” pode ser superestimada. No entanto, para não ser acusado de tolerar o sigilo, suspeita-se que até mesmo o material que permanece no subsolo vaza para a conduta da vida cotidiana e envenena o ar que o casal respira. Ao avaliar a força do relacionamento, estamos realmente perguntando a força do indivíduo, se eles são maduros o suficiente para assumir a responsabilidade por suas próprias vidas. Se perguntadas diretamente, prontamente respondem afirmativamente e apontam para áreas de responsabilidade e gestão bem-sucedidas em seu mundo exterior, mas com que frequência elas medem a magnitude de suas esperanças que são transferidas para o parceiro?

Nenhum de nós está livre da fantasia profunda e arcaica de que o outro fará nossa vida funcionar por nós, oferecerá sentido, trará alívio a ferimentos anteriores e, se tivermos sorte, nos poupará o fardo de crescer e tomar nossa vida. A tarefa da Sombra aqui é assustadora, pois significa que é preciso entrar nos lugares de dúvida e ansiedade, é preciso aceitar uma definição mais ampla de si mesmo, e é preciso aceitar finalmente que estamos sozinhos, radicalmente sozinhos e nunca mais do que quando em relação com o outro. Há um velho provérbio que diz que é melhor ficar só do que desejar ficar sozinho. No entanto, quando o teor da cultura popular se resume em encontrar o “outro mágico”, ou oferecer um conjunto de diversões do fato da solidão, percebemos que a Sombra da solidão assombra nossas vidas lotadas. (Uma colega de terapia me disse uma vez, “eu faço terapia com outros para ajudar a suportar minha solidão.”) Outro provérbio diz que “a cura apropriada para a solidão é a solitude”.

A solitude é um estado de ser em que se está presente a si mesmo, presente para as várias boas companhias dentro de nós e, portanto, nunca sozinho. Alcançar a solitude, paradoxalmente, é a melhor indicação para o bem-estar de um relacionamento. Minha capacidade de me tolerar, quando estou realmente presente para mim mesmo, prevê minha capacidade de estar em uma relação não-agressiva e não narcisista com o outro. Que estranho paradoxo é, então, que a convocação da sombra de tolerar a nós mesmos esteja diretamente ligada ao desafio da sombra de tolerar a alteridade do Outro. Quem teria pensado? Assim, o prognóstico de qualquer relacionamento é baseado neste dilema da Sombra – ou seja, posso viver comigo mesmo como realmente sou? Se não posso, por que devo esperar que outra pessoa possa ou deva? Quando uma ou outra parte é alienada da individualidade, de verdadeiramente tolerar e conter os medos e aspirações de sua solidão existencial, então eles imporão essa impossível melancolia ao Outro. Não admira que valorizemos relacionamentos, mas muitos estão quebrados. Não é de admirar que vaguemos em meio a multidões barulhentas, mas nos tornemos cada vez mais solitários.

Possivelmente é mais fácil para os introvertidos desenvolverem uma vida interior, possivelmente não, mas extrovertidos, cuja tendência natural é valorizar e ser energizado pelo envolvimento com os outros, estão mais em risco de impor uma fuga de si mesmos aos outros. De qualquer forma, sem uma vida interior, isto é, uma relação com uma realidade pessoal e consistente, um senso de orientação interior, ativamos cada vez mais as dinâmicas obstrutivas que são transferidas para nossos parceiros, aqueles que professamos amar. Todos nós sabemos disso, mas não queremos ouvi-lo. É muito mais fácil culpar o outro ou encontrar um “Outro” melhor.

TORNAR-SE CIENTE DOS PROCESSOS PSICOLÓGICOS

Desenvolver uma vida interior requer que nos tornemos cientes de nossa psicologia. O que significa isso? Significa que posso analisar com mais eficácia o Outro e potencialmente manipular esse conhecimento para os meus próprios fins? Isso é realmente uma tentação da sombra! É provavelmente por isso que as pessoas começam a estudar psicologia em primeiro lugar, embora esse motivo possa ser inconsciente. Em vez disso, tornar-se ciente requer que eu me pergunte dsobre cada impulso, cada comportamento, cada padrão: “Onde isso vem de dentro de mim?” “Onde eu estive aqui antes?” “Como é a sensação?” Apesar da vida estar constantemente mudando, e cada momento ser verdadeiramente único, nossa história intrapsíquica impõe o mesmo velho padrão naqueles novos momentos. Tornar-se ciente requer tanta atenção constante que todos nós tendemos a renunciar ao esforço.

Considere nossos companheiros Tom e Sally novamente. Quando Sally pressiona, ele se retira. Quando Tom se retira, Sally fica ansiosa e retaliadora. O que é esse pas de deux que tão repetitivamente se desenrola? Essas duas pessoas, convencidas de que se amam e são amadas em troca, não podem entrar na arena da intimidade sem alguma ativação daquele campo histórico de energia que constitui nosso senso de identidade e sentido do Outro. Tom não pode deixar de projetar parte de sua história com mulheres, mais notavelmente sua mãe invasiva e exigente, em sua parceira íntima. Quando Sally fica muito em cima, essa história arcaica é transferida para o presente. Como a primeira linha de defesa da criança era fugir da ameaça, esse homem adulto de outra forma capacitado desliza reflexivamente para uma defesa arcaica e recua. Seu comportamento ativa em Sally sua projeção do pai ausente e rejeitador. De fato, seu complexo a coloca para esperar o abandono. Naquele momento, ela transfere para Tom toda a angústia, aflição e raiva que aquela criança nunca poderia expressar.

Tornar-se consciente psicologicamente exige que reflitamos continuamente sobre as dinâmicas dos gêmeos que estão sempre atuando sob a superfície de todos os relacionamentos, a saber, projeção e transferência. Qualquer conteúdo do inconsciente pode ser projetado no Outro a qualquer momento. Além disso, a dinâmica associada a esse conteúdo e sua história arcaica também serão transferidos para o Outro. É por isso que nossos relacionamentos têm motivos tão recorrentes. (Pense nas escolhas conjugais de Evelyn. Por que uma mulher muito inteligente escolheria o mesmo padrão várias vezes?) Novamente, quando descrito conscientemente, parece óbvio, mas quando não estamos conscientes, ou não desejamos estar, atribuímos a gênese. de conflitos que surgem ao Outro. Ser ciente requer refletir continuamente sobre sua própria história e agenda. Quantos de nós realmente querem fazer esse esforço? Mas a alternativa de permanecer inconsciente não é boa, como todos sabemos.

Algumas vezes, quando um casal diz: “Queremos trabalhar em nosso relacionamento”. Eles sabem o que isso significa, que tal trabalho exigirá esforço heróico de sua parte, ou esperam que o trabalho acabe por conformar seu parceiro no modelo que eles carregam dentro de si? O que isso pede a Tom é não recuar diante da urgência de Sally, mas se aproximar, o que a tranquilizará. O que é pedido a Sally é não reprimir o Outro por não estar presente, mas aprender a assumir maior responsabilidade por seu próprio cuidado emocional. Para quebrar esse ciclo perverso de projeção e transferência, cada um tem que olhar para dentro e trazer grande coragem para conter respostas reflexivas que uma vez as salvaram, mas agora as escravizam. Só então os grilhões são quebrados e o relacionamento é possível. O que eu não quero enfrentar em mim mesmo, o que eu não quero assumir responsabilidade é minha Sombra, não sua. O melhor que posso pedir é que você tente levar seu trabalho sombrio a sério, enquanto eu procuro fazer o meu. Isso é pedir muito? Dado o estado lastimável de tantos relacionamentos, a resposta parece ser “sim”, pois tal esforço maturacional exige muito da maioria de nós a maior parte do tempo.

Colocando de forma grosseira, apenas os adultos podem ter relacionamentos eficazes, e embora haja muitas pessoas com corpos grandes e grandes papéis na vida, não há muitos adultos. Relutantemente, inelutavelmente, somos levados a reconhecer três princípios de dinâmicas relacionais, princípios que estão presentes em todos os relacionamentos em todos os momentos:

  • I. Temos uma tendência natural de projetar no Outro o que não sabemos sobre nós mesmos (o inconsciente), ou o que não queremos saber sobre nós mesmos (a Sombra), ou nossa relutância em crescer e assumir total responsabilidade por nós mesmos (nossa imaturidade resistente).

 

  • II. Como o outro não pode e não deve assumir a responsabilidade pelo que adiamos – nossa inconsciência, nossa sombra, nossa imaturidade – ou nossa agenda oculta é frustrada, e a relação tende a se transformar no problema do poder, com seu convite para controlar ou manipular o outro, ou para culpar, com sua familiar dualidade de vítima e vilão.

 

  • III. A relação fica, deste modo, com as escolhas de dissolução, culpa, raiva e depressão constantes, ou crescimento. A única maneira de crescermos e o relacionamento evoluir para uma experiência realista digna de nosso investimento contínuo é retirar as projeções e a transferência ao longo do tempo, possuí-las como nossas questões da sombras e assumir a responsabilidade por nosso bem-estar emocional. e crescimento espiritual, mesmo quando escolhemos apoiar os esforços do nosso parceiro para fazer o mesmo.

Para repetir, esses três estágios de envolvimento estão presentes em todos os relacionamentos íntimos em todos os momentos. O que varia não é a dinâmica, embora possa variar muito em intensidade ou forma de expressão, mas se ou em que grau cada parceiro amadureceu ou está disposto a amadurecer. Tal processo de amadurecimento irá obrigar a enfrentar algumas questões difíceis e sombrias. Entre eles estão:

  • “Onde minhas dependências aparecem neste relacionamento, e o que devo abordar para deixar de ser dependente?”

 

  • “O que eu estou pedindo ao meu parceiro para fazer por mim que eu deveria ser capaz de fazer por mim mesmo, se eu serei um adulto que se preze totalmente encarregado da conduta da minha vida?”

 

  • “Como eu repetidamente me limito reimportando minha história, com todas as suas respostas reflexivas carregadas, a essa relação?”

 

  • “Eu sou verdadeiramente acolhedor para meu parceiro, sem assumir sua responsabilidade de crescer e ser um adulto livre?”

Essas questões exigem que examinemos nossa Sombra e que estejamos dispostos a lidar com o que vier à tela da consciência. Ouvir a experiência do outro em relação a essas questões específicas é, muitas vezes, um bom lugar para começar, se é que podemos concordar com isso. O Outro a quem mais desejamos culpar pelas deficiências do relacionamento é também a pessoa que mais nos conhece, ou pelo menos nos conhece de um ângulo refratado do qual muitas vezes somos incapazes de nos ver. Dizemos que valorizamos relacionamentos e, no entanto, os sabotamos diariamente. Os fantasmas que os assombram derivam de duas fontes: 1) o poder da história de se replicar através dos mecanismos de complexo, projeção e transferência, e 2) a angústia existencial desordenada gerada pela convocação de crescer. Crescer significa possuir nossa vulnerabilidade e aprender a funcionar diante dela.

Em um poema intitulado “The Fury of Overshoes”, a poetisa Anne Sexton se lembra de como era ser uma pessoa minúscula, como ela necessariamente desviava a autoridade para as pessoas grandes ao seu redor e tentava se adaptar e se ajustar à vida conforme ela exigia, mas como agora, ainda agora, ela procura aquela orientação de fora e se pergunta como ser um adulto: … onde estão as pessoas grandes, quando chegarei lá? Onde estão as pessoas grandes que são obrigadas a discernir o que realmente importa; onde estão as grandes pessoas para assumir responsabilidade? Quando chegaremos lá?

Hollis, James. Por que as pessoas boas fazem coisas ruins: compreender nossos eus mais obscuros (p. 106). Pinguim Publishing Group. Edição do Kindle.

 

Anúncios

Deixe uma resposta

Powered by WordPress.com. Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: