ESI – Sensorial Ético Introvertido

Publicado por

Essa série de posts são traduções e adaptações dos perfis dos 16 sociotypes do Socionics, mais especificamente da interpretação de Stratiyevskaya: link de referência

Agora temos um Grupo no Facebook

ESI – Sensor Ético Integrador

ISFj – Arquétipo Dreiser

(Referência no MBTI: ISFP)

Моdel A
Funções Inertes Funções Contato Propried. Blocos

Programa
Fi Fi
Criativa
Se Se Conscientes
Valorizadas
Ego

Vulnerável
Ne Ne
Papel
Ti Ti Conscientes
Não Valorizadas
Super-ego

Ativadora
Ni Ni
Sugestiva
Te Te Inconscientes
Valorizadas
Super-id

Ignorativa
Fe Fe
Demonstrativa
Si Si Inconscientes
Não Valorizadas
Id

Bloco Ego

1ª Função – Ética Introvertida (FiFi

O principal “programa” do ISFj (ESI, “Dreiser”) é revelar todas as qualidades e tendências éticas negativas existentes e lutar por sua remoção, exclusão e eliminação, até o ponto de sua completa erradicação. À luz disso, o que constitui relações aceitáveis ​​para o ESI são relações nas quais ele vê os menores problemas possíveis para si mesmo, seus próximos e sua comunidade.

Possivelmente, é por esta razão que todos os “mandamentos” e diretrizes do ISFj são tão categóricos e indicam primordialmente e precisamente o que uma pessoa NÃO deve fazer.

Representantes deste tipo percebem sua vantagem natural no início (e não permitem que mais ninguém os contestem) – seu talento para ver em qualquer pessoa suas qualidades éticas latentes e potenciais predisposições à comportamentos nocivos e maliciosos.

Usando esse talento como seu escudo natural, ISFj constrói relações com outras pessoas com muito cuidado, devagar e observadoramente. Ele é muito perceptivo de como os outros se relacionam com ele e sempre sente a disposição de outras pessoas em relação à si mesmo.

O ESI percebe prontamente mentiras, falsidade e hipocrisia, tanto em relação a si mesmo quanto a outros. Com sua característica do perfeccionismo, que reflete suas fortes posições éticas, o ISFj prefere manter relações somente com aqueles que correspondem completamente aos seus critérios pessoais. Mesmo que isso dê uma impressão de que ele impõe exigências muito elevadas às pessoas em seu ambiente, o ESI não é capaz de diminuí-las, independentemente de quem solicite.

O ISFj muitas vezes aparenta ser uma pessoa que resguardada, discreta e comunicativa, mas ao mesmo tempo reservada. O ESI não aborda prontamente a distância interpessoal com uma pessoa desconhecida. Na verdade, o ESI se sente muito melhor entre pessoas familiares “testadas e verdadeiras”.

Somente sob pressão das circunstâncias atuais, a ESI literalmente se força a expandir seu círculo social. Ele se sente irritado, quando esta atitude inata a ele se opõe a uma alternativa: “Seja amigável com todos desde o início – sem exceções!” Tais propostas desorientam o ESI porque contradizem sua principal orientação ética e, portanto, são perigosas para ele, já que o convidam a ignorar suas fortes qualidades e a expor seus lados fracos.

Com mais frequência, o ISFj constrói suas relações com outras pessoas seguindo dois mandamentos: “Não faça aos outros o que você não quisesse que fosse feito para si mesmo” e “Olho por olho, dente por dente”.

Ou seja, se uma pessoa não fez nada de ruim para você, você não tem o direito de tratá-lo mal. No entanto, se você suspeita que ele é capaz de maldade e mau comportamento, então é seu direito desconfiar dele e, além disso, sua responsabilidade de alertar os outros.

Se essa motivação não for levada em consideração, então é fácil formar uma opinião sobre o ISFj como um bisbilhoteiro que “adora julgar e ignorar outras pessoas”. Embora os representantes deste tipo com a sua compreensão inata do que é “bom” e do que é “ruim” não gostam de fofocar, considerando que é uma questão indigna e perigosa, eles consideram dar avisos pessoais, serem o seu direito e responsabilidade sagrados , que eles estão sempre prontos para exercer e defender.

Às vezes, devido à fraqueza na intuição e na lógica, o próprio ISFj sofre da estreiteza de seu próprio programa ético. Por exemplo, se ele é informado: “Eu não prejudiquei você de nenhuma maneira – por que você se desconfia de mim?”, Ele começa a perceber que seu comportamento contradiz seus próprios princípios – isto é, ele está maltratando preventivamente e “punindo” uma pessoa antes de qualquer mágoa. Depois de perceber isso, o ESI pode agir com muita imprudência – ele pode se permitir ser honesto com uma pessoa que não ganhou sua confiança (o que pode resultar em problemas para ele no futuro).

Com uma opinião já formada e estabelecida, o ISFj, em regra, não cometeu erros. Mesmo se o ESI concordar em renunciar às suas primeiras impressões, ele faz isso apenas para verificar-se. Dando ao ESI essa valiosa qualidade, a natureza tentou, aparentemente, pedir desculpas pelo fato de que lhe foi tão generoso com intuição e lógica.

O ISFj é muitas vezes um excelente leitor visual e fisionomista. Ele é excepcionalmente atento nesse sentido. Orientando-se apenas pelo perceptível e visível, apenas por pistas visuais, o ESI é capaz de formular uma ideia precisa dos traços de caráter e da natureza geral de uma pessoa.

Cada pessoa que aparece pela primeira vez em seu campo de visão, o ESI como se o dissecasse com seu penetrante olhar de “raio X”, o que deixa a maioria das pessoas com certo sentimento incômodo.

O ESI imediatamente forma uma opinião sobre as qualidades éticas do indivíduo diante dele. As informações mais precisas e astutas da ESI sobre a natureza e os motivos de uma pessoa surgem a partir dessas primeiras impressões instantâneas.

O ISFj não vê nem pode imaginar-se fora do sistema de seus próprios valores éticos. Conselhos como “Seja mais simples!” – não é para ele. A situação do “triângulo amoroso” para ele é absolutamente inaceitável. O pensamento de enganar seu outro significativo parece blasfemo, nem o ESI permitirá deslealdade com respeito a si mesmo.

Ele também não se permitirá lutar por ou conquistar um parceiro de outra pessoa. O conceito de “liberdades sexuais” só é permitido para ele sob a forma de fantasias eróticas (e mesmo assim, não para si mesmo), mas na vida real, ele não permitirá isso nem para ele nem para o parceiro: ele é orgulhoso demais para compartilhar seu parceiro com outra pessoa. Nas suas relações, o ESI é muito minucioso e baseada em princípios.

[** Nota do editor: Outras noções sobre ESIs foram amplamente propagadas em fóruns socionistas onde um número de ESI masculinos e femininos admitiram traição enquanto eles estavam em um relacionamento com outra pessoa, bem como tendo relações com aqueles que eles sabiam serem casados.]

O ESI é um maximalista – no amor e na amizade, ele se entrega completamente. Ele dá tudo o que ele tem, e mesmo o que ele não tem (por exemplo, ele pode tomar um empréstimo para pagar as dívidas de seu amigo).

O ESI responde sensivelmente ao interesse sincero de outrem à ele. E isso é compreensível: outros, muitas vezes, reagem negativamente ao seu olhar penetrante de “raio X”, e ele está sempre bem ciente disso.

No decorrer da vida, ele se acostuma á tais reações dos outros. Portanto, quando o ESI conhece alguém com uma disposição sincera em relação à ele, ele considera que ele deveria corresponder. No entanto, se ele observa que esta pessoa usa sua confiança e se aproveita dele, sem se arrepender, ele se separará dessa pessoa. O ESI lembra das más ações por um longo tempo e tenta acabar com as relações com alguém que lhe causou tristeza ou dificuldade. Ele às vezes pode manter uma impressão superficial de interação quando na realidade essa pessoa já não existe mais para ele.

Em sua constante iniciativa “erradicar todo o mal na terra”, que nos estados de desconforto psicológico muitas vezes se concentra e se dirige ao seu mais próximo e mais querido, o ISFj é muitas vezes muito rápido para cometer “violência ética”. O ESI, como nenhum outro tipo, sabe como “pregar a pessoa na parede” quando assunto é a acusação sobre a primeira ofensa de outrem, não deixando essa pessoa mesmo a menor margem de manobra para se justificar. Com isso, ele muitas vezes se priva da oportunidade de desenvolver relações positivamente.

O ESI adora “descartar” as relações (que é uma conseqüência de sua fraqueza na intuição). Em casos de desconforto psicológico ou de crises prolongadas, ele pode iniciar propositalmente uma disputa e causar angústia para obter informações adicionais – para verificar suas próprias observações e para confirmar suas suspeitas, de que outros se relacionam exatamente com a maneira como ele suspeitou.

Desconfiado por sua natureza, o ESI não é facilmente “encantado”. Não importa o quanto ele ame alguém, não importa o quanto ele se apegue, ele nunca fecha completamente os olhos às deficiências de uma pessoa – pois esta é uma possível fonte de problemas futuros.

Mesmo que, voluntariamente, se permita confiar em alguém, ele nunca exclui a possibilidade de que essa pessoa abuse de sua confiança e sinceridade, mas ele entende que a honestidade mútua é uma condição indispensável para a amizade. Além disso, ele teme ofender uma pessoa com tanta desconfiança. Ele também pode sentir que ele é suficientemente forte e capaz de defender seu próprio terreno ao surgir uma situação ética complexa (no caso dele ser o traidor e seus “segredos” acabarem sendo revelados á outros).

ESI, em geral, simpatiza muito pouco com qualquer um (pois ele vê demais). É suficientemente difícil ganhar sua confiança e fazê-lo se abrir. Embora às vezes ele “exalte” demais e diga coisas que estão em excesso, ele não tem conhecimento disso em si mesmo, pois, como todos os outros tipos Perceptivos, ele fala inconscientemente com máxima concretude.

Em contato cotidiano, o ESI mantém uma longa distância interpessoal quase com todos na vizinhança. Tentando evitar uma companhia desagradável, ele pode se isolar do mundo “hostil”, se bloqueando voluntariamente em um “mosteiro” de sua própria criação (às vezes por anos e até décadas).

Ele geralmente não está interessado em opiniões negativas sobre si mesmo, já que ele sempre sabe perfeitamente como os outros se relacionam com ele. Além disso, o ESI não pressupõe qualquer comportamento prejudicial à seu respeito, pois em tudo ele se vê seguindo seu primeiro “programa” ético.

Situações em que outra pessoa tenta incriminar falsamente o ESI e o obriga a justificar e desculpar-se desses “pecados”, são incompreensíveis para ele e vistos como terríveis; Tais situações para ESI são completamente intoleráveis ​​e conduzem a sua extrema irritação. Ele tenta ignorar a fofoca – isto é “lixo ético”, que não merece sua atenção. Ele é extremamente irritado, quando é forçado a ouvir opiniões negativas sobre si mesmo e considera esse comportamento como insensível, estúpido e abusivo (“Qualquer um pode falar mal!”).

A ESI prefere associar-se apenas a um pequeno círculo de amigos próximos e confiáveis, mas isso apenas diz respeito às suas interações pessoais, simpatias e preferências. Para ele, “estranhos” são aquelas pessoas que não evocam confiança nele, e em cuja companhia ele sente um desconforto psicológico.

Em vista da fraca intuição das possibilidades e da estreiteza da experiência de vida, ESI às vezes caracteristicamente divide as pessoas em “seus próprios” e “estranhos” de acordo com seus traços pessoais ou mentais. O mais terrível é a sua decepção quando dentro de “seu próprio” círculo familiar ele descobre “estranhos” – pessoas que, na realidade, se relacionam mal com ele e abusam de sua confiança. Assim, esta divisão de “nós” e “eles” para a ESI sofre muitas mudanças durante a vida.

O ESI não gosta quando sua amizade é solicitada por imposição de força. Ele tem cuidado com as pessoas que tentam “abri-lo” e entrar em seu mundo interior com uma “chave mestra” (embora com maior freqüência ele se apresente precisamente a esta “chave”).

Ele não gosta quando alguém toma iniciativa no domínio da ética e das relações pessoais. As relações entre as pessoas são a esfera fundamental de seus interesses e observações – o objeto de constantes reflexões e análises. Por esta razão, ele é tão exigente na seleção de amigos e parceiros.

2ª Função – Percepção Extrovertida (SeSe

A ESI sabe subordinar as pessoas ao seu sistema de valores éticos e morais, que compreende o objetivo principal de sua existência. Ele não está inclinado a permanecer um observador distante e comentarista dos problemas morais em sua sociedade ou grupo social. Em vez disso, ele participa diretamente e toma ações concretas para combater quaisquer violações de padrões éticos.

Essa característica lhe valeu o epíteto “moralista militante”. Representantes deste tipo consideram seu dever revelar todo o “mal” que eles detectam nos arredores; Para expor os defeitos públicos, combater a corrupção e a criminalidade, e quaisquer violações das normas éticas; Para lutar ativamente pela prosperidade universal, pelos padrões éticos, pela restauração da justiça ou para a ecologia do meio ambiente – esta é a primeira inclinação da ESI.

A sensação volitiva criativa do ESI manifesta-se especialmente vividamente em situações extremas – quando há necessidade dele proteger seus próprios interesses e os interesses de seu sistema de relações. Ele não permitirá que ninguém invada suas relações e não gosta muito quando alguém fala mal de alguém que ele considera amigo ou vê sob luz positiva.

Ele prefere tirar suas próprias conclusões e fazer seus próprios julgamentos em relação a outras pessoas e não permite que ninguém imponha seus pontos de vista ou exerça pressão voluntária sobre ele; Por exemplo, ele não permitirá que ninguém o convença a ficar contra um amigo. Ele é muito obstinado e, involuntariamente, muda sua opinião sobre as pessoas. Para alguém que é querido para ele, um amigo ou um ente querido, ele passará pelo fogo, sem deliberações e sem pensar nos perigos presentes. Ele protege seus relacionamentos e pessoas próximas à ele de ataques externos.

Quando alguém tenta exercer influência indesejável ou tomar uma iniciativa ética indesejada, Dreiser é capaz de rejeitar com incrível força. Às vezes, ele tem uma sensação desagradável após um incidente como esse, pois ele sente que ele respondeu com muita dureza, exagerou, que ele superestimou a necessidade de defesa e “disparou um canhão contra um mosquito”. Mas, em qualquer caso, a última palavra sem falha deve permanecer sendo a dele.

Às vezes, ao enfrentar atitudes hostis daqueles ao seu redor, o ESI continua defensiva mesmo até ser abertamente “atacado”. Ele não pode permitir-se ser ofensivo primeiro, pois isso contradiz seu programa ético.

Em caso de relações neutras ou formais, ele é educado, disciplinado, postado e requer o mesmo dos outros: não se deve irritar os outros por modos inadequados, provocando comportamentos e aparência desordenada.

O Dreiser caracteriza-se por uma excepcional capacidade de trabalho, rapidez e diligência na execução de seu trabalho e atribuições. A motivação por trás de todos os seus esforços é ditada por seu aspecto ético do “programa” e pode ser expressa por um slogan: “Faça pelos outros, o que quer que seja feito para si”. Assim, no trabalho, ele dedica o máximo esforço. Se ele é obrigado a dar ainda mais, isso rapidamente leva a uma tensão excessiva e comprometimento nervoso, o que agrava consideravelmente a eficiência e a produtividade do trabalho e suas relações com seus superiores.

Ele é muitas vezes exigente, tanto de si mesmo como dos outros, em todos os aspectos da vida: amizade, amor, relações comerciais, trabalho – em tudo o que ele criou, mas requisitos iguais para si e para os outros; Responsabilidade por suas palavras e ações, por sentimentos expressados, por promessas dadas, por “aqueles que você cativou”, pela qualidade no trabalho;

Responsabilidade perante outros, diante dos colegas, familiares… Mas a maior responsabilidade é perante à si mesmo. Se, devido a circunstâncias, ele não pode cumprir uma obrigação, ele se sentirá angustiado. Pelo mesmo motivo, ele não gosta de entrar em dívida ou comprar nada a crédito – ele se sente preocupado com o fato de ele não poder devolvê-lo no tempo.

Em casa, o ESI tenta manter a limpeza e a ordem (ele considera inadmissível “soltar” as questões domésticas e pensa nisso como irresponsável em relação a outros membros da família). Mesmo que ele traga algum trabalho para terminá-lo em casa, primeiro ele tenta cuidar de todas as tarefas domésticas e assuntos, e mais tarde ele se sentará e trabalhará calmamente.

Ele vai adiar seus assuntos mais urgentes para eliminar esses “pontos de irritação”, e, se o acaso se apresentar, pode repreender estritamente os membros de sua família por sua irresponsável atitude em relação ao estado de seus espaços de vida e de trabalho. A desordem excessiva em sua casa o deprime a tal ponto, que pode até mesmo servir um dos motivos para o divórcio.

Dreiser sente-se frustrado por quaisquer desvios do que ele estabeleceu para si. Mesmo um incidente tão pequeno como a comida que ele serve, não sendo consumida na maneira que ele planejou já se torna irritante para ele.

Dreiser não gosta de envolver estranhos para ajudá-lo à resolver seus problemas – ele prefere administrar por suas próprias forças, seja lá o que lhe custar. Ele também não simpatiza com aqueles, que resolvem seus problemas a expensas de outras pessoas. Incomodar os outros com os próprios problemas, é algo que considera desrespeito e sem tato; Em seu entendimento, isso é desrespeitoso ao tempo livre dos outros, seu direito de lazer e descanso. Pelo mesmo motivo, ele tenta não impor a sua companhia de ninguém, mesmo seus amigos mais próximos e mesmo se ele se sentir muito solitário.

Ele também tem uma aversão especial para as organizações criminosas. É improvável que representantes deste tipo se envolvam em tais negócios. O tipo de homem, que esforça-se por todas as verdades e mentiras para obter o poder, e usá-lo para subordinar outros à sua vontade, evoca em Dreiser a mais profunda antipatia e frustração, que ele, mesmo no âmbito da decência, não será capaz de suprimir.

Bloco Super-ego

3ª Função – Lógica Introvertida (TiTi

O ISFj sempre deseja dar uma impressão de um indivíduo razoável e sóbrio. Além disso, o ESI deseja ardentemente ser essa pessoa e continua aprendendo a ser assim durante toda a vida. O ESI tenta verificar seus sentimentos em busca dos motivos por trás deles e analisar logicamente todos os eventos e procedimentos, mas, na realidade, ele gerencia mal isso. O ESI respeita muito as pessoas que podem apresentar clara e laconicamente seus pensamentos; Ele busca o mesmo, mas sem sucesso.

O ISFj tenta ser lógico e seqüencial ao declarar seus argumentos. Portanto, ele os pensa de antemão e apresenta-os ponto a ponto: “Em primeiro lugar, em segundo lugar, em terceiro lugar …”. Mas já em “quarto” e “em quinto lugar” ele pode se desviar do tópico, e em “sexto” e “sétimo”, ele pode começar a repetir e derivar variações dos argumentos anteriores. Encontrando uma pessoa com lógica em seu bloco de Ego (especialmente da quadra oposta) os argumentos e conceitos “ordenados” e “bem pensados” do ESI se desintegram após o primeiro contato.

A lógica do ESI não sofre colisões com aqueles que a possuem em posições mais fracas – por exemplo, com extrovertidos éticos irracionais, SEE (ESFp) e IEE (ENFp). Em conversas com eles, a seqüência lógica da disputa se torna completamente negligenciada, e a conversa constantemente se pauta em classificar as opiniões e os sentimentos pessoais.

Uma maneira de sair de tais situações é que o ESI veja a tempo a inutilidade de novas discussões (que só pode ser alcançada através de um enorme estresse de seu bloco superego) e, dependendo inteiramente de sua volição, deixar a disputa, tendo o cuidado de não ofender ninguém.

Como resultado desses encontros e “disputas”, a própria ideia de Dreiser de seu próprio “potencial lógico” é corrigida e ajustada; Ele começa a prestar mais atenção e busca desenvolvê-lo mesmo com maior zelo, uma vez que ele não considera esse desenvolvimento absolutamente impossível nele, embora ele entenda que as profissões que enfatizam essa função não são para ele.

Qualquer fenômeno, teoria, idéia ou objeto de interesse, ele tenta entender em sua essência, desconstruí-lo e colocá-lo “em categorias”, para encontrar alguma regularidade dentro deles.

Ele aprende com sucesso somente nas áreas onde existem métodos claros, estabelecidos e acessivelmente apresentados disponíveis para ele. Se o tópico é apresentado de forma caótica, não-sequencial, com algumas temáticas inventadas e improvisadas e uma mudança constante de métodos ou a total ausência – para Dreiser, esta será uma catástrofe: ele não pode seguir ou aprender com tais tipos de instruções. Em tais situações, ele se atrasa ao estudar o material e se torna muito chateado, até mesmo desanimado com isso. Com a idade, os Dreisers tornam-se mais exigentes na seleção de seus “professores” e métodos de educação.

Os ESI se esforçam para aumentar ao longo de sua vida seu nível de educação: tentam dominar várias ocupações (não necessariamente relacionadas entre si), nas quais tentam alcançar alto nível profissional e adquirem várias habilidades úteis. Uma vez que a melhoria dos seus níveis de habilidade requer exposição teórica, estudar para eles é percebido como um processo natural e constante na vida.

Os relacionamentos lógicos para a Dreiser não são tão importantes quanto os éticos. Portanto, no interesse da ética, ele pode distorcer alguns fatos, manipulá-los, o que pode causar certas complicações.

4ª Função – Intuição Extrovertida (NeNe

O ISFj dificulta o desenvolvimento potencial de uma situação. Ele, portanto, está numa constante expectativa apreensiva de problemas, que ele vê que potencialmente vem de qualquer lugar e de qualquer pessoa. Muitos problemas são causados ​​pela incapacidade do ESI de prever oportunamente e se concentrar corretamente em perigos prováveis, bem como calcular com precisão suas próprias forças, o que inevitavelmente leva ao estresse e às sobrecargas, bem como crises nervosas e crises durante exames ou apresentações, pelo que o ISFj acaba sentindo que falhou. Freqüentemente, se não constantemente, o ESI é perseguido por uma sensação de desesperança devido a não poder ver nenhuma saída.

Para o ISFj, é difícil ver quais são suas opções e estimar com precisão provavelmente os resultados futuros de suas ações atuais. Assim, ele pode passar por um desafio fácilmente, mas, ao mesmo tempo, “penar” em um problema muito complicado. O ESI pode fazer um excelente trabalho, mas depois decide nunca mostrar aos outros. Ele responde dolorosamente a desapontamentos e imprevistos – se um feriado ou férias há muito aguardado for cancelado, ou uma reunião agendada é cancelada, ou uma atmosfera romântica que ele criou é destruída – é o tipo de evento do qual ele se lembrará e ruminará por muito tempo, por isso, evita nutrir ilusões sobre o futuro.

Não há nada mais terrível para o ISFj do que ser forçado a sentar-se sem atividade e e ficar na expectativa e na ociosidade no meio de pura dúvida e incerteza. O ESI sente-se péssimo em tais situações, uma pessoa em verdadeiro desespero.

Semelhante ao LSI, o ESI sente estresse e tensão constantes de qualquer medida de ambiguidade existente em relação a sua posição em qualquer sistema de relações – profissional ou pessoal. Assim, classificar as relações para o ISFj é uma tarefa que assume a prioridade máxima.

Para um “sim” incerto, o ISFj sempre prefere um “não” definitivo. O ESI não gosta de se associar com pessoas extravagantes e imprevisíveis em seu comportamento. Encontrando-se em sua companhia, o ESI rapidamente começa a sentir o perigo e inutilidade de sua presença ali, e tenta sair.

Apesar de sua visão ética, o ISFj freqüentemente comete erros na seleção de amigos, conselheiros e parceiros. Com frequência, o ESI desempenha o papel de ILE “Don Quixote” quando não é apropriado – dá chances e oferece ajuda para aqueles que abusam de sua confiança e amizade e lhe respondem com o mal.

Se ele não tem experiência prévia, o ISFj é facilmente enganado: recrutado para um projeto já condenado e falido, para um experimento especulativo aventureiro, contratado para trabalho desfavorável e arriscado. O ISFj é facilmente feito de bode expiatório e freqüentemente se torna vítima de transações e especulações sombrias. Como resultado, o ISFj tenta ter especial cuidado em seu comportamento, palavras, decisões e relações. No entanto, quanto mais ele tem cuidado, mais suspeita e hostilidade criam em seu ambiente e menos chances tem de suceder.

O ISFj experimenta estranheza terrível toda vez que ele ou ela é forçada a responder a perguntas como: “O que você pode fazer?”, “O que você sabe fazer?” E, no entanto, o ISFj geralmente possui muitas habilidades úteis e acessíveis, e às vezes atinge um nível profissional muito alto, o que é difícil de acreditar (e que ele sente que é inconveniente de anunciar).

O desejo do ISFj de perceber suas habilidades é tão forte que ele tenta melhorar sua habilidade trabalhando em todas as esferas acessíveis e interessantes para ele. O ESI não aceita o fato de que “não é possível servir dois deuses simultaneamente”. Para ele, é característico “acumular especialidades”: se ele não pode realizar-se em um campo, ele domina outro, mas ele também tentará manter as habilidades adquiridas na ocupação anterior – quem sabe quando elas lhe serão úteis?

O ISFj nunca está totalmente contente com os resultados do seu trabalho. Por mais que se supere, ele ainda considera que isso é insignificante ou pouco. Seja qual for o objetivo dele, parece-lhe que isso não é suficiente, que seu potencial criativo não foi suficientemente realizado. O ESI não pode avaliar adequadamente suas próprias capacidades e resulta em qualquer situação, por mais benéfica para ele.

O ISFj não gostar de atingir o sucesso por métodos desonestos. De eliminar obstáculos “com a sua testa”, lutar por sua posição como se fosse um “osso”, ou obter favores “através da cama” – tudo isso não é para ele, está abaixo do seu mérito.

O ISFj considera que habilidades e talentos – são um presente de Deus, portanto, sua realização deve ser através de métodos honestos e não de acordo com “a lei da selva”. Nas competições onde o vencedor já é conhecido, o ESI, em regra, não participa. Ele não se sente bem em condições de concorrência fraudulenta e insalubre.

O ISFj não pode trabalhar na atmosfera de competição insalubre. O ESI não gosta quando sente inveja e ele tenta não evocar qualquer inveja em outras pessoas (evocar sentimentos tão baixos que considera antiético); Portanto, o ESI geralmente é modesto ao demonstrar suas conquistas. Pela mesma razão, o ESI freqüentemente experimenta dificuldades em buscar trabalho, pedidos, contratos e arranjos. Pois”vender” lucrativamente seu trabalho e suas habilidades – para o ESI é simplesmente uma tarefa inatingível.

O ESI não gosta de pedir favores – ele é muito orgulhoso e, além disso, considera que isso é algo degradante e injusto em relação aos outros. Às vezes, o ESI agradece sinceramente que seus serviços e esforços sejam usados ​​gratuitamente – pelo menos, há alguma demanda por ele, pelo menos ele é necessário. Assim, pode ser incrivelmente difícil para o ESI encontrar a aplicação de suas habilidades. Ele sente constantemente que ele não é necessário – para ele esse sentimento é agonizante; É quase uma tortura.

Uma vez que seu próprio sucesso é muitas vezes alcançado como resultado de um trabalho incrivelmente duro (como acontece com o LSI “Maxim”), o ISFj geralmente se sente irritado e agitado quando vê sucesso fácil de outros. O próprio ISFj não acredita no sucesso fácil, e sua auto-estima é reduzida quando ele testemunha a autoconfiança de algum riso sortudo. O ISFj se afasta de discutir sucessos e falhas – para ele este é um tema doloroso. Ele não gosta quando o sucesso de outra pessoa é citado para ele como um exemplo e percebe isso como uma crítica em seu endereço.

Observou-se que ISFjs não gostam de visitar médicos: mesmo que haja algum perigo para sua saúde, ele prefere não saber. Ele não gosta de exames e inspeções médicas: para ele, é desagradável quando suas fraquezas e falhas físicas são exibidas (isto é devido à orientação subconsciente em funções sensoriais fracas e sensíveis de seu dual, LIE).

Necessidade forçada de se proteger de problemas potenciais, autocontrole constante, restrição e auto-restrição – tudo isso para o ISFj eventualmente se transforma em um sentimento de incompletude na vida.

No entanto, o ISFj pode ser resgatado deste estado com a ajuda de seu dual, o ENTj. O ENTj pode ajudar o ISFj a perceber suas esperanças e sonhos frustrados. Somente ele, com sua fantasia, seu amor à vida, otimismo, aventureiro saudável e energia inesgotável é capaz de tirar o ESI do seu cativeiro de seus eternos medos quiméricos.

Com o auxílio de seu duplo, o ISFj deixa de perceber sua própria inutilidade e insipidez neste mundo. O LIE oferece à ESI uma saída de um beco sem saída e para o ar fresco e cores brilhantes da vida. Em seu dual, o ESI finalmente encontra o ideal desejado de amizade e amor. LIE é o único para quem a ESI sente confiança ilimitada e cuja devoção ele não duvida (e não permitirá que outros duvidem).

Bloco Super-id

5ª Função – Lógica Extrovertida (TeTe

Dreiser respeita muito as pessoas com qualidades lógicas abertamente expressadas (em sua compreensão): trabalhadores honestos, profissionais capazes, aqueles que podem melhorar e racionalizar os esforços e a eficácia do trabalho.

Subconscientemente, Dreiser está orientado na lógica das ações de Jack (LIE); Portanto, ele muitas vezes percebe e condena métodos de operação que não são benéficos e ineficazes. Assim como Jack, a Dreiser considera que qualquer problema lógico, operacional ou comercial deve ser resolvido “na sua raiz” e não com algumas meias medidas aleatórias. No entanto, devido ao fato de que este aspecto está na função mental mais passiva da Dreiser, ele sente dificuldade em realizar qualquer coisa nesta área de forma independente – aqui, ele precisa da ajuda de seu dual.

Com a ajuda de Jack, Dreiser pode realizar-se em ação, encontrar por si mesmo um uso digno, uma ocupação que corresponde às suas habilidades. Em Jack, ele encontra o defensor de seus interesses objetivos.

Dreiser é muito capaz de trabalhar. Ele sabe como trabalhar de forma eficaz e com foco. Ele rapidamente aprende novas habilidades, domina diferentes especialidades. Ele sabe como mergulhar completamente no trabalho e obter resultados completos. É muito importante para a Dreiser que sua ocupação corresponda ao seu potencial criativo e intelectual, que ele teria oportunidades para o crescimento profissional e a melhoria de sua qualificação. O trabalho deve ser feito tanto para a mente como para a alma, simultaneamente. Se suas ocupações atuais não percebem seu potencial, ele muda de profissões.

Tentando resolver de forma independente seus problemas, Dreiser com frequência comete um erro ao substituir o aspecto da “lógica das ações” pelo aspecto das “relações comerciais”, que, como ele pensa, precisa ser profundamente ético.

Assim, se acostumando a um novo local de trabalho, ele tenta fazer perguntas e procurar a ajuda de seu supervisor o mínimo possível. Isso é explicado pelo fato de que Dreiser está subconscientemente predisposto à lógica objetiva de LIE, que não gosta quando é incomodado a cada minuto por solicitações de explicações detalhadas e sua ajuda, e grande valor em seus colegas a capacidade de descobrir coisas independentemente.

Dreiser também sente que seria inconveniente e impróprio distrair os outros de seus trabalhos; Portanto, ele tenta gerenciar com suas próprias forças, pelo qual muitas vezes ele cria uma impressão de uma pessoa “muito orgulhosa”.

Em vista da sensibilidade excessiva (e intuição fraca), Dreiser tem dificuldade em gerir de forma independente o seu próprio negócio – é difícil para ele atribuir e “manter” seus próprios preços, gerenciar as relações quando o benefício de um lado se transformar em perda para outro. Ele tenta evitar tais parcerias.

Pelo mesmo motivo, ele prefere não negociar preços – considera isso humilhante para ele e para o vendedor: o vendedor provavelmente simplesmente não pode vender mais barato, portanto ele atribuiu esse preço e, portanto, é necessário pagar isso.

O ESI pode se recusar a comprar em um preço substancialmente reduzido, porque isso significa que o preço anterior era claramente muito alto, o que significa que o vendedor geralmente é uma pessoa ruim e não merece ser conduzido com negócios.

Dreiser também tem dificuldade em solicitar um salário mais elevado: ele considera que o próprio empregador deve avaliar com precisão seu trabalho e atribuir um salário digno, no entanto, se isso não ocorrer, significa que o empregador é uma pessoa irremediavelmente miserável ou que a empresa está falindo. Em qualquer caso, é necessário procurar outro lugar.

As questões dos negócios não são um ponto forte de Dreiser. Durante toda a vida, ele se baseia em uma coleção bastante primitiva de soluções estereotipadas: se ele não consegue encontrar trabalho – ele precisa poupar, se ele não pode fazer algo ele mesmo – ele precisa contratar um especialista, se não há dinheiro para pagar seus serviços – éeeeee necessário apertar o cinto, suportar os inconvenientes e economizar dinheiro.

Dreiser não compreende facilmente, nem naturalmente, assuntos comerciais. O pragmatismo é visto por eles como algo antiético, opondo-se ao seu principal programa na vida. (Pelo mesmo motivo, acham suficientemente difícil simpatizar com seus duais, Jacks, no estágio inicial das relações ou nos casos de interesses comerciais opostos – aqui eles se sentem pequenos peixes antes de um grande tubarão).

Para Dreiser, é necessário receber constantemente informações sobre os aspectos de Te. Para ESI é imperativo obter ordens claras e não contraditórias para o seu programa ético respostas a perguntas como “O que fazer?” E “Como fazê-lo?”. E somente seu dual, LIE, pode fornecer-lhe a direção e as explicações na forma que o satisfará completamente. (Subconscientemente, como já foi mencionado, Dreiser está orientado na lógica de Jack, em seu “pragmatismo alternativo”.)

Problemas de Dreiser de natureza objetiva e pragmática são resolvidos apenas quando ele está “na mesma equipe” com seu dual, LIE. No entanto, se ele se encontra no lado oposto do dupla, “no lado diferente das barricadas”, precisando competir ou resolver oposição de interesses – o fracasso em tais situações é garantido.

Deve-se notar que outros tipos de Te-ego não resolvem os problemas da Dreiser, mas apenas os agravam ainda mais.

6ª Função – Intuição Introvertida (NiNi

O tempo é um aspecto que Dreiser gostaria de ignorar, pois é o inimigo da percepção. A falta de tempo impede que ele obtenha alta qualidade no trabalho. O tempo rouba e dissipa suas forças, beleza, juventude, possibilidades (tema especialmente doloroso!). O tempo traz algumas mudanças, que nem sempre são agradáveis, mas para as quais é necessário adaptar-se de algumas maneiras desconhecidas e desconhecidas, mas isso requer tempo.

Dreiser prefere trabalhar devagar e cuidar de todos os detalhes, no entanto, se isso for necessário para alguém, ele pode trabalhar de forma muito energeticamente e intensa, completando várias tarefas simultaneamente, sem descansar e passando facilmente de uma tarefa para outra.

O melhor método para mobilizar Dreiser é dar-lhe um prazo específico. Dependendo de quanto tempo ele foi atribuído, ele planejará o volume de trabalho e quanto esforço e tempo ele pode gastar em trabalhar nas partes menores e menos importantes. Portanto, para ele, é sempre importante saber quanto tempo ele pode contar, ao mesmo tempo que tenta explicar despesas no tempo imprevisto.

Em tempo elevado, totalmente preenchido e saturado de programação de atividades, Dreiser sente sua necessidade e utilidade. É melhor quando sua “tarefa” é atribuída e distribuída por seu dual – só ele pode fazer isso, levando em consideração a intuição problemática de Dreiser, o que o leva a subestimar ou superestimar o ritmo de seu trabalho.

Dreiser não pode tolerar gastos improdutivos de tempo – ele não gosta de esperar e não gosta de fazer outros esperarem, portanto, ele se esforça para ser pontual. Esta pontualidade para ele é alcançada a um preço de excesso de tempo (conseqüência da intuição fraca) – por exemplo, ele tem dificuldade em calcular a quantidade de tempo necessário para viajar, levando em consideração diferentes contingências de transporte inesperadas.

Dreiser não gosta de gastar tempo no contato social não planejado (por exemplo, chegadas inesperadas, permanência prolongada dos convidados) – esse é outro motivo, para o qual Dreiser limita o número de seus conhecidos.

Dreiser valoriza seu tempo, uma vez que isso não só é valioso para a sua díade, mas também um valor para a sua tendência quadra de fazer o máximo possível, esforçando-se para realizar todo o seu potencial. Isso torna o fator de tempo para a Dreiser especialmente significativo.

Bloco id

7ª Função – Ética Extrovertida (FeFe

Se esforçando para evitar relações desagradáveis, o ESI enfoca primeiro suas observações de emoções negativas. Emoções positivas para ele como menos interessantes para tomar nota; Muitas vezes, ele não acredita ou não as aceita completamente.

A ESI torna-se consciente do estado emocional de cada pessoa em sua vizinhança, mas ele se interessa apenas pelas emoções que lhe dizem respeito (e nisso é diferente do EII que mostra uma preocupação de forma mais ampla). A intriga e as fofocas, a separação das relações de seu grupo social são pouco interessantes para o ESI, a menos que tenham uma relação direta e pessoal com sua própria pessoa.

Se elas de alguma forma o tocam, só então ele se envolverá. Em todas as outras ocasiões, ele é indiferente à “piscadelas sutis”. O principal ponto de consideração para ele é como isso irá influenciar ele e pessoas próximas a ele.

Por exemplo, ser um observador externo de algum tipo de escândalo em um lugar público para ele é desagradável e desinteressante. Outra questão, é quando ele se torna um participante involuntário … possivelmente, os ESIs, portanto, às vezes inesperadamente, são atraídas para tais escândalos.

O ESI sente a dor e o sofrimento de outras pessoas, mas não gosta de proporcionar conforto e consolo. Ele teme que expressões de simpatia possam mais uma vez lembrar a pessoa de sua dor, e assim o fará viver as memórias novamente. Na sua opinião, todos os sentimentos dolorosos e desconfortáveis ​​devem ser deixados no passado o mais rápido possível e não enfatizados ou renovados.

Ainda mais, ele não gosta de expressar simpatias e condolências, mas ele muitas vezes o faz só para seguir normas sociais e éticas. O mesmo se aplica às expressões de gratidão: se não há nada para agradecer, mas as normas de decência exigem, o ESI fará um esforço para fazer isso. Ele tenta ajudar com ações em vez disso. Ele considera que a simpatia que não é respaldada com o serviço concreto, não é convincente e pode ser percebida como falsa.

A sincera gratidão da ESI é muito valiosa. Isso porque ele considera que os bons atos são um padrão de comportamento ético e atos ruins – um desvio desse padrão. Portanto, ele lembra o mau comportamento, como um desvio do que ele esperava. Enquanto isso, ele considera boas ações como um dado concreto, sendo assim, as vezes ele pode não expressar gratidão (e, portanto, parece uma pessoa ingrata).

Sob a influência de seus apegos sinceros, o ESI prontamente está disposto à sacrificar seus próprios interesses. No amor e na amizade ele é capaz de completa devoção emocional e dedicação; Parceiros de outros tipos não são tão inspirados por uma emoção tão devotada e ardente do ESI; Às vezes, isso até mesmo os assusta porque é incongruente com essa inacessibilidade externa e frieza.

Os sentimentos do ESI permanecem sob seu próprio critério. Ele não permite que ninguém mais os controle: tudo o que ele sente – tudo é ele, e se alguém não gosta, ele pode procurar outro parceiro. O ESI não se envolve em adaptação emocional ou em “servir” às outras pessoas (e nisso também é diferente do EII). Ele não entende como é possível ajustar aos sentimentos do parceiro – para ESI, isso parece insincero e hipócrita.

O humor de ESI pode mudar automaticamente de acordo com o humor daqueles ao seu redor; Isto é, seus estados de espírito podem ser levantados ou abaixados por influências externas. Ele mesmo não gera o bom humor (esta função é assumida por seu emotivo dual LIE).

O ESI não se curva facilmente a lisonjas absurdas e elogios baratos. O próprio ESI raramente lisonjeia outros. Dá elogios somente quando sente-se sinceramente inspirado ou cativado por algo ou por alguém. Na compreensão do ESI, dar elogios é uma forma de lisonja, e ele teme que seu espanto possa ser percebido como falso ou não sincero. Enquanto ele sempre percebe mentalmente os méritos e as qualidades dos outros, ele raramente se atreve a expressar essas observações abertamente.

O ESI é bastante restrito na expressão de suas simpatias. Tem medo de sinalizar abertamente e de forma demonstrativa sobre suas emoções e atributos sinceros. Ele nunca expressa mais do que o que sinceramente sente, mas pode sub-expressar. Embora, ao mesmo tempo, ele seja muito franco e direto ao expressar suas antipatias e desgostos, às vezes, francamente, sendo sem tato e rude com os outros, mas ele considera isso permissível.

8ª Função – Percepção Introvertida (SiSi

Em arte e pinturas, o ESI não gosta de combinações de cores brilhantes, fortes ou provocadoras. Ele prefere uma combinação de beleza simples, natural, conveniência e funcionalidade. Na maioria das vezes ele não permite espaço para muita extravagância ou excentricidade e não abusa de adições decorativas. Na roupa ele escolhe combinações que mostram simplicidade e refinamento.

Ele tenta não atrair muita atenção para o que ele está vestindo – prefere que os outros preferem olhar para o rosto dele. A roupa para ele é apenas um quadro para sua própria beleza pessoal. No design de interiores, ele prefere os arranjos que estão organizados e não sobrecarregados;

Em empreendimentos culinários, o ESI busca o refinamento do gosto com gastos mínimos de tempo, recursos e ingredientes. Eles sabem como organizar recepções de alta qualidade, ao mesmo tempo que tentam criar um máximo conforto sensorial.

O ESI geralmente não pensa do porque ele tenta servir comida de forma que facilite o consumo (sem ossos, cascas, poços ou pedaços de pimenta). Na realidade, isso é explicado por sua orientação subconsciente em sua dupla LIE, que pode estar muito distraída para perceber tais coisas; Por exemplo, ele pode estar comendo enquanto ele está trabalhando em seu computador ou lendo um jornal e, portanto, não prestar atenção ao que está consumindo.

O propósito da função de percepção do ESI é precisamente criar condições que sejam confortáveis, convenientes, saudáveis ​​e agradáveis ​​para seu parceiro e protegê-lo de experiências desagradáveis.

Numa dupla par ESI-LIE, o acordo sensorial não é um objetivo final de si, mas é uma condição indispensável da harmonia ética e uma garantia de interação amigável. Os ESIs são naturalmente dotados por uma habilidade subconsciente para coordenar com precisão suas experiências sensoriais em relação às experiências de seu parceiro. Esta qualidade é muito valorizada pelo seu dual e traz à ambos muito contentamento. O objetivo da função de percepção introvertida do ESI está diretamente relacionado à criação e manutenção de boas condições de vida para pessoas próximas a ele.

O ESI sabe como organizar seus ambientes e criar limpeza e conforto por meios simples. Antes de ir ao trabalho, ele pode dedicar alguns minutos para limpar, de modo que ele não precisará fazê-lo quando voltar mais tarde.

Fazendo seu trabalho, ele está sempre pensando em como será recebido e avaliado. O ESI irá “ampliar” e tentar resolver as partes menores, porque ele antecipa que alguém pode avaliar seu trabalho de perto e com isso, perceber todos esses defeitos.

O examinador não deve ser decepcionado simplesmente porque ele decidiu olhar mais de perto. O trabalho do ESI é, portanto, distinguido por detalhes e completude em detalhes. Com esse trabalho, ele está mais inclinado para o trabalho criativo e não a monumentalidade. Da mesma forma que o LSI, o ESI sentem mais fácil trabalhar quando alguém lhe ordena algum tema específico. Se ele sente que sua produção é necessária por outra pessoa, isso ativa e inspira o ESI a trabalhar.

ESI freqüentemente desenvolve em si muitos talentos artísticos e musicais, e graças a isso, ele não acaba entediado, e sim, passando o tempo sozinho ou em privado com seu dual.

O ESI muitas vezes vê por si mesmo a possibilidade de alcançar o sucesso merecido pelo trabalho árduo no trabalho artístico e no artesanato. A apreciação de suas habilidades é muito importante para ele; Assim, ele muitas vezes mostra sua obra de arte apenas para um pequeno círculo de pessoas. Sobretudo, ele sente-se feliz em deleitar seu parceiro com suas habilidades e suas criações.

Um típico “sonho de cristal” para jovens ESIs pode ser o de uma boneca Barbi vivendo em uma casa confortável, juntamente com seu “príncipe”. Algumas de suas obras transparecem esse sonho.

Quer saber mais sobre Socionics? Claro, porque não?!

Anúncios

Deixe uma resposta